INÉDITO:
REPRISES:

Polícia Federal desarticula seita religiosa acusada de trabalho escravo


Após cinco anos de investigação, a Polícia Federal indiciou 43 pessoas ligadas à seita “Jesus, a verdade que marca”. Elas são acusadas de submeter fiéis a condições de trabalho escravo, além de crimes como lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo a Polícia Federal, os fiéis frequentavam uma igreja em São Paulo e, em seguida, eram convidados a viver em uma das fazendas da organização com a proposta de mudar de vida. Então, eles eram convencidos a doar todos seus bens para a seita e evitar contato com os familiares. Além de serem colocados para trabalhar em condições semelhantes à escravidão, sob a promessa de divisão de lucros, o que segundo a Polícia Federal, não acontecia. O patrimônio do grupo, avaliado em 100 milhões de reais, foi bloqueado pela Justiça.

Você está em: Em Pauta, Vídeos

Compartilhe:


Comente