Formação de condutores poderá ser mais demorada

O tempo das aulas teóricas e práticas no processo de formação de condutores no Brasil deve aumentar. Estas e outras mudanças estão sendo propostas pela Câmara Temática de Educação, Habilitação, Formação e Qualificação de Condutores do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). A proposta, que altera a resolução 168 de 2004 do Contran, já começou a ser debatida junto a autoridades da área e à sociedade civil.

Em Porto Alegre, o Contran esteve presente nessa terça-feira para tratar da temática. De acordo com o diretor-geral do Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do Sul (Detran/RS), Ildo Mário Szinvelski, as mudanças vêm em um momento em que se faz necessária uma melhor capacitação dos condutores para evitar acidentes.

O que pode mudar?
Uma das alterações é a ampliação da carga horária teórica e prática. As aulas teóricas, por exemplo, passariam de 45 horas para 60 horas, e o exame teria um número maior de questões em cada módulo das matérias, como legislação, direção defensiva, primeiros socorros e cidadania. O tempo para refazer a prova após a reprovação no exame prático, que hoje é de pelo menos 15 dias, também pode passar a exigir cinco aulas adicionais.

Outra mudança seria com relação aos cursos para obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) na categoria A, referente a motocicletas. Hoje, as aulas práticas para motociclistas são feitas somente em circuito fechado e debate-se que, além deste módulo, ocorram aulas em circuito aberto, nas ruas. Cursos específicos para categorias como C e D, que habilitam para caminhões e ônibus, também são propostos.


Comente