Clique aqui e Saiba mais
INÉDITO:
  • SEG21:00
REPRISES:
  • DOM04:00
  • TER07:30
  • QUI09:00
  • SAB17:00

Na Mira da Verdade – 24/04/17


Quando Jesus disse que os dias seriam abreviados, Ele se referia ao fim dos tempos?

As mulheres devem usar véu como dito no livro de Coríntios?

Se a alma não é imortal e o fôlego de vida volta para Deus, quem Jesus veio salvar?

Onde na bíblia é falado sobre o uso de joias?

Cristãos podem cantar o hino nacional, uma vez que ele fala de idolatria?

Que silêncio está se referindo Apocalipse 8:1?

O fruto da árvore da vida devolverá a estatura de Adão aos salvos?

Devemos orar em voz alta e sem temer o inimigo de Deus?

O que é o galardão que ganharemos no céu?

Como entender Atos 4:32-37?

Estaria 1 Pedro 4:6 falando sobre imortalidade da alma?

Satanás está por trás das guerras? Elas irão acabar apenas quando Jesus voltar?

Como saber se estamos adorando a Deus de forma verdadeira?

Como entender a ressurreição?

Você está em: Sem categoria

Compartilhe:


Comente



  • Maria CARDOSO em 28 de abril de 2017 13:43

    Caim matou Abel e foi para terra distante ter com outros povos. Que povo e esses se extia so Adaõ e Eva?

    Caim matou Abel e foi para uma terra distante ter com outros povos .Que povo sao esses se DEUS criou Adao Eva?



    • Manassés em 17 de maio de 2017 16:10

      Olá,

      Quando Caim foi saiu para outra terra com uma de suas irmãs, iniciou uma nova população naquele lugar que não havia ninguém anteriormente. Moisés escreveu o relato muitos anos depois, quando o lugar já tinha nome – é por isso que ele faz referencia do lugar parecendo que já existia.

      Um abraço!



  • dauzisa em 29 de abril de 2017 18:30

    Ola boa tarde,mande um alo pra sao felipe d oeste Rondonia



  • Gilmara Sousa Lima em 3 de maio de 2017 15:12

    Eu gosto muito do progana na mira da verdade



  • marlene em 6 de maio de 2017 20:46

    quero saber se um cristao pode usar joias ou nao tem igreja que usa veo e certo ou errado



    • Manassés em 17 de maio de 2017 14:51

      Os Adventistas e o uso das Joias

       Aqueles que acreditam na Bíblia como norma de fé e prática, estão dispostos a compreender como seus ensinamentos sobre o uso de joias afetam a vida cristã de cada um. Reconhecemos que as pessoas são muito sensíveis no que diz respeito a regras sobre o que usar ou não usar, mas a questão neste caso é definida pela autoridade da Bíblia em nossas vidas. Os adventistas se dizem sempre dispostos a submeterem-se à vontade de Deus expressa nas Escrituras, e por esta razão nos sentimos à vontade para explorar as implicações dos ensinos bíblicos sobre joias para nós hoje. Interessante que este assunto não é tão complexo como muitos acreditam, uma vez que entendemos o ponto de vista bíblico sobre o assunto. Então, vamos explorar algumas das implicações.
       
      A. ALGUMAS IMPLICAÇÕES

      1. Posição Adventista sobre o uso de joias e a Bíblia

      A posição adventista concernente ao uso de joias rejeita o uso das joias ornamentais e aceita que existam joias funcionais, e que o uso destas não necessariamente viola o padrão. Como visto acima, isto é o que a Bíblia declara com respeito ao uso de joias. É verdade que para algumas pessoas é difícil aceitar o conceito de que as joias hoje podem ter funções diferentes, mas elas, mesmo no mundo ocidental servem para várias utilidades. Joias religiosas são comuns entre os integrantes do movimento Nova Era e também entre cristãos (o crucifixo, entre os católicos); e o interesse no ocultismo tem trazido o uso de joias para proteção. Em alguns países as joias indicam a posição social de responsabilidade de reis, rainhas e chefes tribais. É claro que a joia funcional mais conhecida é a aliança matrimonial, usada como símbolo de amor e comprometimento entre o casal. Entretanto, na maioria dos casos, a função principal das joias hoje parece ser ornamental. É este aspecto ornamental que a igreja, de acordo com as Escrituras, tem rejeitado e tido como inapropriado para os cristãos.
       
      Joias ornamentais usualmente, mas não exclusivamente, se encontram na forma de brincos, anéis, anéis de nariz, pulseiras, colares e pulseiras de tornozelo, e são usadas para sofisticar a aparência do indivíduo. De uma certa maneira, esta é a definição implícita de joias ornamentais que encontramos no “Action on Display and Adornment” feita durante o Concílio Anual da Conferência Geral em 1972. Diz: “Adereços pessoais, colares, brincos, pulseiras e anéis ornamentais não devem se usados.”1
       
      2. USO RESTRITO DE JÓIAS FUNCIONAIS

       Sem dúvida, esta é a área que tende a criar confusão nas mentes de alguns adventistas que preferem ter todos os tipos de joias como sendo “do mau”, ou entre aqueles que preferem rejeitar o padrão, mas preservar o princípio por trás dele. Permitindo o uso limitado de joias funcionais, a igreja está seguindo a posição bíblica. A questão com a qual se depara consiste em definir o que é joia funcional, e a partir de que ponto esta passa a ser ornamental.

      Partindo-se do princípio de que a maioria das sociedades tem um entendimento cultural do que vem a ser joia funcional, não será difícil identificá-las. O que cada um precisa perguntar é: Qual é o objetivo desta peça em minha cultura? Se não se conseguir descobrir o objetivo, este é provavelmente ornamental. No mundo ocidental, as joias funcionais são fáceis de se identificar, porque suas funções são intrínsecas a suas possibilidades de marketing e satisfazem a necessidades específicas na vida do indivíduo. Por exemplo, o relógio foi feito com o objetivo expresso de nos informar as horas; uma aliança de casamento já é vendida como aliança de casamento; e abotoaduras são manufaturadas para unir os punhos da camisa. O broche pode ser um ornamento funcional se for usado para manter unidas duas ou mais peças de roupa.
       
      Obviamente, uma joia funcional pode ser feita de maneira que sua função ornamental sobrepuje qualquer outro objetivo.Neste caso ela deve ser considerada inapropriada para um cristão. Sobre que base isto deve ser decidido? A solução que o texto bíblico sugere é o uso de princípios bíblicos para determinar o que é e o que não é apropriado como adereços pessoais. Provavelmente poderiam ser identificados vários princípios, mas a igreja aponta os três mais importantes: simplicidade, modéstia e economia. Joias funcionais devem ser avaliadas com base nestes três princípios.
       
      “Simplicidade”, apesar de não ser um termo muito comum na Bíblia, é considerada uma importante virtude cristã. No Novo Testamento, o termo grego haplotes parece ser o mais importante usado para expressar conceitos de simplicidade, singeleza e sinceridade. 2 A utilização deste termo na tradução grega do Velho Testamento e no Novo Testamento indica que simplicidade consiste em compromisso indivisível a um único objetivo, o serviço de Deus. É caracterizado pela ausência de comportamento ambíguo ou duplo (2 Coríntios 11:3; Mateus 6:22). Na verdade, “ao contrário de pessoas duplas, aqueles que dividem o coração, aqueles que são simples, não tem outra preocupação que não seja fazer a vontade de Deus e observar Seus preceitos; sua existência é uma expressão de compaixão e retidão”. 3
       
      A simplicidade, sendo um total dar-se a si mesmo ao Senhor e à Sua vontade, está expressa na maneira como agimos e como nos adornamos. Joias funcionais devem revelar que o centro de nossas vidas está na nossa aliança com o Senhor e não em nossa própria ostentação. Um coração não dividido mostrará sua total lealdade ao Salvador através de um estilo de vida dedicado ao Seu serviço e ao próximo. O princípio da simplicidade na escolha de joias funcionais, então, significa que estas peças devem testificar que vivemos uma vida irrepreensível e despretensiosa, exclusivamente orientada para nosso Salvador e Senhor. Isto é sem dúvida a singeleza de um coração simples. 4
       
      A palavra “modéstia” é usada por Paulo em sua discussão a respeito de adereços próprios aos cristãos (1 Timóteo 2:9), e significa o respeito próprio determinado por uma vida que agrada ao Senhor. Consequentemente leva a evitar excessos ou extremos e reconhece e aceita os limites do que é propício. O que é propício não é simplesmente o que a sociedade estabeleceu, mas basicamente o que foi especificado nas instruções dadas pelos apóstolos para a comunidade dos crentes. Quando as instruções dadas aos cristãos coincidem com os valores da sociedade, a igreja é beneficiada, pois seus valores não entrarão em conflito com os valores dos não-crentes. Em resumo, joias funcionais modestas evitam chamar a atenção para o eu, e são leais aos parâmetros cristãos do que é propício.
       
      O termo “economia” é difícil de ser definido, porque é diferente para cada pessoa. O que custa barato pode, em longo prazo, tornar-se caro e o que custa caro pode ser mais econômico. Nos textos bíblicos referentes a joias, o princípio da economia não é enfatizado. Entretanto, a Bíblia nos orienta diligentemente sobre a mordomia concernente a nossos recursos financeiros e sobre como temos que dar conta deles a Deus. 5 No caso de joias funcionais, “economia” provavelmente significa que a partir do momento em que joias caras geralmente tendem a ser para ostentação, temos que evitar comprá-las, e que investir grandes somas de dinheiro no que é, sob ponto de vista bíblico, de pequeno valor para a vida cristã, viola nossa responsabilidade de mordomos do Senhor.
       
      3. SÍMBOLO DE STATUS SOCIAL

      Usar joias como símbolo de status social e poder é em poucos casos tolerado na Bíblia, e em outros casos, reprovado. Este fenômeno deve nos alertar a sermos cuidadosos ao lidarmos com esta função particular das joias na igreja. Aqui nos deparamos com uma situação na qual a prática cultural ao redor do mundo tem grande influência no que for decidido pela igreja. Por exemplo, oficiais militares usualmente expõem insígnias e medalhas que identificam suas patentes e atos de bravura. Esta é uma prática cultural bem aceita e a igreja pode considerar este tipo de joia como funcional. Outro exemplo: o anel de formatura parece apenas servir para mostrar nossa superioridade sobre outros que, por inúmeras razões, não alcançaram o mesmo que nós, academicamente. É esta uma joia funcional propícia? Provavelmente não. Mas talvez, o princípio que nos governa seja que qualquer atitude, símbolo ou ação que introduza distinções sociais desnecessárias entre os cristãos deve ser avaliada cuidadosamente e sempre que possível deposta aos pés da cruz de Cristo, onde há igualdade de pecados e de graça. A ênfase deve ser colocada no que une e não no que separa.
       
      4. PRINCÍPIOS VERSUS PADRÕES

      Os padrões a respeito das joias (rejeição de joias ornamentais; uso restrito de joias funcionais) e os princípios que as regulam (simplicidade, modéstia e economia), têm relevância permanente no tempo e na cultura. Estes princípios podem e devem ser usados para determinar o que é apropriado com respeito ao uso de joias funcionais. Neste caso particular, a igreja não deve fazer listas do que é ou não apropriado, mas deve guiar e permitir aos seus membros, sob a direção do Espírito Santo, a aplicar os princípios bíblicos a cada diferente cultura. Temos que reconhecer que há determinadas áreas na vida cristã em que o indivíduo deve decidir o que fazer, particularmente com seu Deus. Isto é na verdade um sinal de maturidade espiritual. É possível e até provável que muitos usarão erroneamente esta liberdade, mas isto não é desculpa para negar a liberdade dada a nós pela própria Bíblia.
       
      B. PERIGOS ASSOCIADOS AOS PADRÕES SOBRE JOIAS

      Qualquer padrão pode ser mal interpretado ou mal aplicado, perdendo seu objetivo de contribuir para o bem estar do cristão. O padrão bíblico sobre joias não é exceção. Exploraremos agora alguns perigos que encontraremos ao enfatizarmos a aceitação do padrão cristão a respeito das joias, e daremos algumas sugestões a respeito de como lidar com eles em nossas vidas.
       
      1. PECADO E O USO DE JOIAS
      Não há dúvidas de que de acordo com a Bíblia pecado é muito mais do que uma ação que vem a prejudicar o próprio indivíduo ou a outros. Pecado é a condição sob a qual existimos; ele corrompeu nossa natureza a tal ponto que o que quer que façamos precisa ser mediado através de Cristo para ser aceito por Deus. Nenhuma de nossas ações seja “boa” ou “má” está livre da mancha do pecado. Podemos dizer que o pecado precede as ações pecaminosas. Este estado pecaminoso em que existimos não será erradicado até aquela gloriosa manifestação de segunda vinda de Jesus.
       
      Enquanto isso, o Espírito de Deus trabalha em nossos corações, não permitindo que nossa natureza de pecado tome as rédeas de nosso ser e nos leve a um comportamento pecaminoso. O domínio do pecado sobre nós é intensificado e fortificado através de nossos atos pecaminosos. Não seria banalizar o pecado defini-lo como atos cometidos contra a vontade de Deus que nos prejudicam e, em muitos casos, a outros. Pecado é matar alguém, roubar e trabalhar durante as horas do sábado, porque nestes atos pecaminosos está implícito o domínio que o pecado tem sobre nós. Superar estes atos de pecado significa vencer o pecado como ação e também como estado. Esta é a vitória que o Senhor deseja para nós.
       
      O fato de que o padrão a respeito das joias envolve atitudes exteriores não banaliza o pecado6, ao contrário, nos informa como o Espírito pode limitar o poder, domínio e incrustação do pecado em nossas vidas. Pode se dizer que a obediência específica aos mandamentos de Deus é proclamar a soberania Dele em nossas vidas. Isto obviamente não significa que nossa natureza está para sempre livre do pecado; mas sim que estamos aguardando com alegria o dia em que isso acontecerá.
       
      2. LEGALISMO E JOIAS

      O perigo mais ameaçador que os que valorizam a obediência à lei de Deus e aos ensinamentos bíblicos têm que enfrentar é o legalismo. Este distorce a obediência criando uma religião monstruosa que destrói a essência da mensagem cristã de salvação exclusivamente em Cristo, e neste processo cultiva o orgulho no indivíduo. Esta ameaça é encontrada não só pelos que aceitam o padrão bíblico sobre as joias, mas também por qualquer um que procura obedecer ao Senhor. No caso das joias, uma remoção legalista das joias ornamentais e o uso das joias funcionais simples, modestas e econômicas, destroem os intentos do padrão, porque ao invés da humildade e do negar-se a si mesmo, vem o egoísmo e o orgulho.
       
      O legalismo vem sempre acompanhado da crítica. No caso do uso das joias, aqueles que aceitam o padrão bíblico, podem ser tentados a se sentirem superiores àqueles que ainda têm dúvidas a respeito. Obviamente, isto também se aplica à observância do sábado, devolução dos dízimos ou trabalho missionário. Então, não se trata simplesmente de joias, mas da fraqueza do coração humano, que às vezes transforma o que seria obediência a Deus em orgulho e exaltação própria. É necessário estar ciente do fato de que a obediência genuína é uma humilde expressão de gratidão ao nosso Salvador e Senhor pelo que fez por nós na cruz. Nossa obediência é uma oferta de amor a Deus e Ele não espera que comparemos o que ofertamos a Ele com o que outros estão ofertando. Quando tentamos ajudar a outros na vida cristã, temos que mostrar amor e não condenação e rejeição.
       
      3. PRINCÍPIOS, JOIAS, CASAS, CARROS

      Não há dúvida de que os princípios de simplicidade, modéstia e economia se estendem além da esfera de adereços e vestimenta pessoal. Devemos procurar aplicá-los na maior abrangência possível em toda a dimensão da nossa caminhada com Deus. Talvez, por vezes, a igreja tenha, não intencionalmente, tido a tendência de aplicá-los somente na área de adereços e vestimenta. Se este for o caso, o apelo à igreja é para que expanda a aplicação desses princípios para vários outros aspectos da vida cristã. Nesta tarefa, ela deve ter muito cuidado para não criar novos padrões que irão colocar fardos nos ombros de seus membros.
       
      Ninguém pode esperar que a igreja decida por seus membros qual é o carro modesto e econômico, a casa modesta ou o relógio simples. Nesta área a igreja deverá apenas ensinar os princípios cristãos e confiar que seus membros os usarão sabiamente ao tomarem suas decisões diárias. A pergunta óbvia é: Por que então não podemos fazer o mesmo em se tratando de joias ornamentais? A resposta é simples: A Bíblia nos mostra um padrão específico a este respeito, consequentemente, a igreja tem que ensiná-lo. Nas áreas em que a Bíblia esclarece o assunto, não podemos ignorar sua sabedoria, mas sim aproveitá-la. No que concerne a outras áreas, devemos deixar que o Espírito Santo trabalhe nos corações daqueles que dizem viver uma vida que agrada a Deus.
       
      4. GÊNERO E O USO DE JOIAS

      Tem havido uma tendência na igreja de ligar o assunto do uso de joias exclusivamente aos membros do sexo feminino. Isto é até certo ponto compreensível, se levarmos em consideração o fato de que até recentemente a maioria das joias ornamentais no mundo ocidental eram usadas principalmente por mulheres, e que algumas das passagens bíblicas foram direcionadas especificamente para elas. Mas está claro que o caso das joias nos tempos bíblicos concerne a ambos os gêneros e que hoje as joias têm sido usadas tanto por homens quanto por mulheres. Então não devemos lidar com este tópico como se fosse um problema apenas feminino, mas encará-lo como realmente é, um impasse humano.
       
      C. CONCLUSÃO

      O assunto sobre as joias não deve desviar nossa atenção das boas novas de salvação através da fé em Jesus. É no contexto do evangelho que devemos ensinar os padrões bíblicos sobre as joias; de outra forma cairemos na armadilha do legalismo ou da crítica. Nestes ensinamentos, devemos mostrar claramente que joias ornamentais devem ser rejeitadas, mas as funcionais não. Às vezes pode se tornar difícil fazer a distinção entre os dois tipos, mas geralmente não é o caso.
       
      As joias funcionais podem ser facilmente identificadas na maioria das culturas, então devemos permitir que a prática cultural nos informe. Em outras palavras, joias funcionais não são definidas por desejos pessoais, mas por crenças e práticas culturais respeitáveis. A igreja precisa reconhecer, por exemplo, que em algumas culturas o colar é usado para indicar que a mulher que o está usando é casada; enquanto em outras culturas ele é um simples adorno. Na primeira situação, o colar é aceitável, mas na segunda deve ser rejeitado. Na escolha das joias funcionais os cristãos devem seguir os princípios bíblicos de simplicidade, modéstia e economia.
       
      Este apanhado sobre a questão das joias está baseado no fato de que a Bíblia combina um padrão específico (rejeição de joias ornamentais e uso restrito de joias funcionais) com uma série de princípios a serem utilizados na escolha das joias funcionais. Para que a igreja permaneça fiel às Escrituras é necessário que ambos sejam ensinados.
       
      Por ANGEL MANUEL RODRIGUEZ
      Tradução: Dra.Silma Almeida

      _____________________
       
      1 veja apêndice I – Texto presente no manual da IASD
      2 Consulte Otto Bauernfeind, “Haplous, haplotes,” Theological Dictionary of the NT, vol. 1, pp. 386, 387; R.L.
      Scheef, : Simplicidade,”Interpreter’s Dictionary of the Bible, vol.4,pp 360,361, escreve, ”No NT a palavra primitiva para ‘simplicidade’ é haplotes, a qual caracteristicamente designa uma lealdade, pureza na devoção a Cristo; mas o termo também significa ‘pureza de coração’ no sentido de’ generosidade’ ou ‘liberalidade’” (p. 360); Burkhard Gartner, “simplicidade, sinceridade, justiça,” New International Dictionary of NT theology, vol. 3, pp 371-72; e Tim Schramm, “Haplotes simplicidade, sinceridade, justiça,”Exegetical Dictionary of the NT, vol.1, pp. 123-24.
      3 Spicq, “Haplotes,” Lexicon, vol.1, p. 170.
      4 Scriven, “Ring,” p.58, define simplicidade como “a habilidade de lidar com a usura, superar a extravagância, viver sem ostentação que apenas aprofunda a dor do pobre o qual não pode comprar o que ostentamos. Simplicidade é a pessoa interior, e não a exterior; é a preocupação com os outros, e não consigo mesmo.” Apesar de existir bastante verdade nisto, sua maior fraqueza é que a simplicidade é definida por termos que rejeita e não por termos que ela é. Simplicidade é fundamentalmente a integridade comprometida com Deus, e consequentemente, uma vida que mostra este compromisso na maneira em que lidamos com nossas posses, recursos financeiros e adereços pessoais. Scriven parece, talvez intencionalmente, introduzir uma divisão entre o interior e o exterior quando sugere que a simplicidade está centralizada no interior e não no exterior do indivíduo. Segundo a Bíblia, simplicidade não é apenas uma experiência interna, mas também se mostra no exterior.
      5 ver, Angel Manuel Rodriguez, Stewardship Roots: Toward a theology of Stewardship, Tithe and Offerings ( Silver Spring, M D: Stewardship Department, 1994)
      6 Este é um argumento usado por Dennis H. Braun , A Seminar on Adventists, Adornment and Jewelry, pp. 50-51, o qual foi tirado do livro de George Knight, The Pharisee’s Guide to Perfect Holiness ( Nampa, ID: Pacific Press< 1992), p. 51.



  • dara em 7 de maio de 2017 22:27

    mulher pode usar maquiagem



    • Manassés em 17 de maio de 2017 14:47

      É permitido o uso de um batom ou maquiagem?

      É ensino fundamental das Escrituras que todo o cristão deve fazer o uso da modéstia e simplicidade (I Tm 2:8-10, etc); mas isto não quer dizer que o cristão (a) não precise cuidar de sua aparência.
      Há diferentes opiniões e posicionamentos na igreja acerca do uso do batom. Há os defensores do uso discreto de um batom ou base nas unhas; há outros que não apóiam tal uso sob hipótese alguma.
      Mesmo que não devamos ser extremistas acerca destes assuntos, precisamos avaliar ‘os dois lados da moeda’ a fim de que possamos, com o auxílio do Espírito Santo, formar nossa própria opinião acerca de tais temas divergentes. Para isto, a seguir vou anexar parte de um artigo sobre o uso da maquiagem:
      “É a saúde que realça a beleza feminina e não a maquiagem. Palidez do rosto e dos lábios pode ser prevenida com uma dieta rica em vitaminas, sais minerais e hidratos de carbono.
      “Um estilo de vida saudável, incluindo ainda ginásticas e caminhadas promovem um sono reparador e resulta num organismo mais forte e mais belo.
      “Não adianta retocar. É melhor investir na saúde do que em batons, pinturas, rouges e quaisquer outros produtos de beleza. “O coração alegre aformoseia o rosto” (Provérbios 15:13).
      “Nosso corpo, que é o Templo do Espírito Santo (I Coríntios 3:16, 17 e cap 6:19, 20), merece um melhor tratamento”.[ Este artigo foi extraído de uma matéria da RA.]
      Há casos especiais, porém, em que a maquiagem torna-se necessária: numa filmagem, sessão de fotos ou gravação em um estúdio de TV. As luzes da câmera, devido a grande intensidade, desfiguram o rosto das pessoas e, portanto, é preciso “certa quantidade” de maquiagem. Isto não deve ser feito sempre e também se deve ter o cuidado para não exagerar.
      Mesmo não concordando em tudo, os cristãos devem amar-se um ao outro e respeitar suas diferenças; fazendo isto, estaremos cumprindo a lei de Cristo.
      Creio que a conclusão final acerca de tais pontos deve ser pessoal baseada nos princípios bíblicos de modéstia e não nos nossos.

      Leandro Soares de Quadros
      Instrutor Bíblico – Conselheiro Espiritual



  • dara em 21 de maio de 2017 1:16

    porque devo guardá o sábado, tem algum verso na bíblia que fala que o domingo deve ser guardado?



  • Virginia em 23 de maio de 2017 21:36

    Sou adventista e estou dando estudo biblico pra uma familia,mas a esposa tem duvidas sobre ouso de joias, ela quer ver no novo testemamento passagens falando q não devemos usar joias. Tb. sobre o dom de linguas se a lingua dos Anjos é a mesma do dom de linguas.



    • Manassés em 1 de junho de 2017 15:03

      Olá,
      Deus nunca aprovou o uso de joias, mesmo nos tempos antigos. Podemos perceber isto lendo Êxodo 33:5, 6: “Porquanto o Senhor tinha dito a Moisés: Dizei aos filhos de Israel: És povo de dura cerviz; se por um momento eu subir no meio de ti, te consumirei; tira, pois, de ti os atavios, para que eu saiba o que te hei de fazer. Então, os filhos de Israel tiraram de si seus atavios desde o monte Horebe em diante.”
      Podemos ver claramente que Deus, para não consumi-los, ao falar com eles, pediu-lhes que tirassem os atavios.
      O Senhor não aprovava tal atitude. Mas por que eles usavam? Porque eles aprenderam das nações vizinhas, que eram pagãs. Era costume dos pagãos usar joias e adornos para cultuarem seus deuses.
      Lembremos que, por seguir os costumes dos povos pagãos, o povo de Israel caiu e afastou-se de Deus. Cuidemos para que não façamos o mesmo.

      Que o Senhor abençoe seu coração!