doe agora TV TV
INÉDITO:
  • SEG21:00
REPRISES:
  • DOM04:00
  • TER07:30
  • QUI09:00
  • SAB17:00

Miguel não é mais que um título do Divino Jesus!


O nome Miguel significa: “Quem é semelhante a Deus?”. É um desafio a satanás que, desde o princípio, quis ser igual ao Criador (Isaías 14:12-14). Sempre que Miguel é mencionado na Bíblia, se refere à pessoa de Jesus como Comandante dos exércitos celestiais em direta disputa com Satanás. Para nossa felicidade eterna, Miguel sempre sai vitorioso. Leia: Judas 9; Daniel 10:13, 21;12:1; Apocalipse 12:7.

Detalhe: quando nós Adventistas afirmamos que Miguel significa “semelhante a Deus”, no original e para a cultura hebraica, entendemos que “semelhante” significa “igual” (ver João 5:18; 19:7).

Miguel, portanto, é um dos nomes de honra de Jesus e em nada interfere na Divindade dEle. Por isso, é injusta a comparação que alguns “apologistas” modernos fazem entre os Adventistas e as Testemunhas de Jeová, que usam o argumento de que Cristo é “Miguel” para “provar” que Ele é uma “criatura”.

Sendo Jesus chamado de o “arcanjo” (e até de anjo algumas vezes, como veremos a seguir) nas Escrituras, isto não O torna “anjo” no sentido de criatura, assim como o fato de Ele ser chamado de cordeiro (João 1:29) e leão (Apocalipse 5:5) não o torna animal. Da mesma forma que estes nomes simbólicos se referem a determinadas funções de Jesus, os termos “arcanjo” e “anjo”, também. Anjo significa “mensageiro” e Jesus é o “mensageiro de Deus Pai” à humanidade, o Mensageiro que comunica as boas notícias de Salvação!

Portanto, para os Adventistas do Sétimo Dia e demais cristãos ortodoxos, Jesus é Deus no mais pleno sentido da palavra. A Bíblia não deixa dúvidas: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez”. João 1:1-3. “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai”. João 1:14. “Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste”. Colossenses 1:15-17. “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai”. Filipenses 2:5-11.

E o texto de Judas 9? Se o aplicarmos a Jesus não estaríamos rebaixando a Sua autoridade perante Satanás?

“Contudo, o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo e disputava a respeito do corpo de Moisés, não se atreveu a proferir juízo infamatório contra ele; pelo contrário, disse: O Senhor te repreenda!” Judas 1:9.

Este texto não rebaixa a autoridade de Jesus, mas contém uma preciosa lição para nós cristãos. Cristo, mesmo sendo Deus, não respondeu a diabo da mesma forma: não se rebaixou a ponto de proferir palavras de difamação ao diabo, mesmo (Cristo) falando com autoridade. A natureza perfeita de Jesus não permite que Ele faça uso do mesmo comportamento do inimigo (proferir palavras malignas, juízo infamatório, como diz o texto – compare-o com Filipenses 2:5-8 e veja o contraste entre caráter de satanás e o caráter humilde de Cristo).

Em certa ocasião, Deus Pai, mesmo sendo poderoso, não optou por expulsar de vez Satanás de Sua presença. (Ler Jó 1:6-12). Do mesmo modo que o Pai não perdeu Sua autoridade Divina por ter permitido que Satanás dialogasse, Jesus não perde a autoridade dEle pelo fato de deixar o diabo falar e por não querer (Jesus) fazer parte daquele tipo de palavreado maldoso. Jesus é um Deus de classe.

Leia Zacarias 3:1-8, especialmente o verso dois. Poderá confirmar que o “Anjo do Senhor” (termo usado em referência ao próprio Cristo) é Miguel em Judas 9.

E Daniel 10:13? A expressão “um dos primeiros príncipes” não estaria sugerindo que há outros no mesmo pé de igualdade que Miguel, ou seja, que este ser é um anjo mesmo?

Conquanto Miguel seja chamado de “um dos primeiros príncipes” isso não O coloca no mesmo pé de igualdade que os demais anjos. No Céu há uma hierarquia de anjos (há querubins, serafins…), cada um com um papel a desempenhar na adoração a Deus e no plano da salvação (Hebreus 1:14). Se Jesus escolheu alguns anjos para serem príncipes com Ele no governo dos demais anjos (sendo Ele o Príncipe Supremo), que problema haveria em Ele ser chamado de “um dos primeiros príncipes”? Não há dificuldades em Jesus ser o Príncipe Principal (por ser Deus) e estabelecer outros seres abaixo dele, com o mesmo nível de governo, para dirigir os anjos. Isto em nada afeta a autoridade Divina do nosso Salvador.

O pastor americano Mark Finley em seu livro Revelando os Mistérios de Daniel, pág. 125, traz uma informação importante: há traduções (em inglês) que traduzem Daniel 10:13 da seguinte forma: “o primeiro dos príncipes”.

Interessante é que não são apenas os Adventistas do Sétimo Dia que identificam Miguel com Jesus Cristo. Comentaristas como João Calvino, Matthew Henry, entre outros, tiveram a mesma opinião! (Disponibilizarei no blog várias citações deles que constam no livro “Questões Sobre Doutrina” – Casa Publicadora Brasileira).

Também é importante salientar que a mesma Bíblia que chama a Miguel de “um dos primeiros príncipes” diz ser Ele “o vosso príncipe” (Daniel 10:21) e “o grande príncipe” (Daniel 12:1). Comparando estes textos com Isaías 9:6 e Atos 5:31 (preste atenção no termo “príncipe”), não podemos ter dúvidas de que o Ser mencionado em Daniel 10:13 mencionado é Cristo.

1ª Tessalonicenses 4:16 relaciona a “voz do arcanjo” com a ressurreição dos santos por ocasião da volta do Senhor Jesus. Cristo mesmo declarou que os mortos sairiam do túmulo ao ouvirem SUA VOZ (João 5:28, 29). Esta é outra evidência de que Miguel tem de ser um dos nomes de honra do Salvador.

“A literatura judaica descreve a Miguel como o mais elevado dos anjos, o verdadeiro representante de Deus, e o identifica como “anjo de Yahweh”, o qual se menciona com freqüência no Antigo Testamento como um ser divino” (Dicionário Bíblico Adventista do 7º Dia [CD ROM, espanhol]).

Daniel é a maior evidência de que Miguel é um dos nomes de honra do Divino Jesus

O livro de Daniel, a meu ver, apresenta a maior das evidências de que o nome “Miguel” deve obrigatoriamente ser aplicado a Cristo. Temos neste livro quatro grandes blocos proféticos que dão ênfase a Jesus e ao Seu reino. Estes blocos proféticos nos ajudam a entender o livro, seu propósito e também a descobrir quem é o personagem principal das profecias da Bíblia. Veja:

CAPÍTULO 2: Jesus aparece como sendo a Pedra que destrói a estátua;

CAPÍTULO 7: Jesus aparece como sendo o Filho do Homem que se dirige ao Ancião de Dias (Deus Pai);

CAPÍTULO 8: Jesus aparece em cena como sendo o Príncipe dos Príncipes;

CAPÍTULOS 10-12: Jesus aparece como Miguel, o libertador.

Veja que interessante: se Miguel não fosse Jesus, o sincronismo do livro de Daniel (apresentado em seus blocos proféticos) seria quebrado! É muito estranho imaginarmos que nos três primeiros blocos proféticos o centro é Jesus enquanto que no último o personagem principal é um “ser criado”.

Todos os blocos proféticos terminam com a manifestação de Cristo e do Seu reino. Por isso, para que o sincronismo do livro de Daniel seja mantido, Miguel tem que ser um dos nomes de Jesus. Além disso, deve-se destacar que o conflito entre o bem e o mal se dá entre Cristo (Deus) e lúcifer (criatura) e não entre dois seres criados (ver Apocalipse 12:7-9).

Se Jesus é Deus, como pode ser chamado de Arcanjo?

Ao compreendermos o sentido etimológico da palavra “arcanjo”, este aparente problema é resolvido. No grego, “arcanjo” significa “chefe dos Anjos”. Este título não precisa necessariamente referir-se apenas a um ser criado, assim como ocorre com o termo “anjo” – mensageiro (vimos isso anteriormente). É aceito entre os comentaristas (inclusive não-adventistas) que Jesus Cristo é o “Anjo do Senhor” mencionado no Antigo Testamento (ver Gênesis 16:7; 18:1, 2, 13 e 19; Êxodo 3:2-5; 23:20-33; 32:34; Juízes 6:11-24; 13:21-22. Eis uma nota explicativa da Bíblia de Estudo Almeida sobre Êxodo 3:2 [Sociedade Bíblica do Brasil]: “O Anjo do Senhor (mensageiro ou enviado) não é aqui um ser distinto do próprio Deus (conferir verso 4), mas Deus mesmo, enquanto se faz presente para comunicar uma mensagem”.

Do mesmo modo que Cristo não se torna uma criatura ao ser chamado de “Anjo do Senhor” (na verdade Ele é o “mensageiro”, de Deus Pai à humanidade), o mesmo ocorre quando é designado de arcanjo. Sendo que Ele é o Criador, automaticamente é o “Chefe Supremo”- Arcanjo – de todos os anjos.

A expressão “arcanjo” aparece apenas em passagens apocalípticas, onde Cristo está em direto confronto com satanás. Não há base bíblica para crermos que este termo aplique-se a um anjo, um ser criado. É difícil provar pela Bíblia a ideia de que arcanjo seria uma “classe de anjo”, mesmo que um dos significados da palavra possa ser “anjo chefe”. Como sabemos, não devemos basear um ensino apenas no significado das palavras: um conjunto de textos bíblicos que esclareçam um ponto também deve ser considerado.

Com isto, podemos ver que a posição Adventista a respeito do “Arcanjo Miguel”, levando em conta não apenas o sentido do termo, mas também outros textos paralelos, em nada afeta a suprema e absoluta Divindade do Senhor Jesus Cristo. (1 João 5:20; Hebreus 1:1-3, etc).

Um abraço,

Leandro Quadros
Jornalista – consultor bíblico


Você está em : A Verdade sobre os Adventistas, Apologia, Dúvidas, Textos difíceis
Compartilhe:


Comente



  • leandro.quadros em 22 de julho de 2009 10:01

    Olá, querido Marcos!

    Tenho uma novidade pra você: o debate está disponível no site Advir e no YouTube. Irmãos o colocaram lá.

    Sinta-se à vontade para usar em sua igreja – ok?

    Obrigado por sua amizade.

    Fique com Deus.



  • Nuno Miguel em 30 de janeiro de 2010 22:39

    Olá Leandro!

    Gostaria apenas de acrescentar outro pormenor importante que não foi mencionado neste artigo (ou pelo menos não reparei): no episódio da disputa em Judas 1:9 “Miguel” nunca poderia ser um anjo, pois Moisés foi ressuscitado por Ele… ora, os anjos não tem poder para ressuscitar ninguém, eles tem vida dependente, só Deus e Cristo tem esse poder.

    Um grande abraço e continuem com o magnífico trabalho!



    • leandro.quadros em 31 de janeiro de 2010 21:11

      Muito obrigado por seu acréscimo, Nuno! Um grande abraço e, continue conosco.

      Até logo!



  • arthur augusto em 9 de março de 2011 18:58

    professor leandro, sou adventista e me deparei com esta pergunta em um debate:

    Por que no texto original grego koine do Novo Testamento a palavra que se traduz para Jesus como Príncipe é ARCHEGOS, que quer dizer: PRINCIPE FUNDADOR, PRINCIPE AUTOR, é exclusivo de Jesus e o termo que apresenta a Miguel é ARCHANGGELOS, ANJO PRINCIPAL, o mesmo prefixo ARCHÉ é traduzido por principados, por que o termo no original de Jesus não é o mesmo dado a Miguel, se são a mesma pessoa?

    voce poderia me ajudar a elucidar esse ponto?



    • leandroquadros em 10 de março de 2011 19:03

      Estimado Arthur:

      É falho o argumento que foi utilizado contra você no debate. Por pelo menos dois motivos:

      1) A palavra “Arche” é traduzida também por “Originador”, “Soberano” e é aplicada também a Cristo, como podemos ver em Apocalipse 3:14, na Nova Versão Internacional:

      “… Estas são as palavras do Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o soberano [arche] da criação de Deus”.

      Portanto, não há cabimento para a afirmação de que “arche” é traduzido apenas por “principados”.

      2) O fato de “archangelos” significar “anjo chefe” não impede que o termo seja aplicado a Cristo por que no Antigo Testamento Ele é chamado de “Anjo do Senhor” (Ex 3). Ele é o “anjo do Senhor” no sentido de ser o “mensageiro” da Divindade à humanidade.

      Apresente isso aos debatedores e depois me conte como foi a reação deles.

      Um abraço.



  • Menezes em 1 de setembro de 2011 17:06

    Muito fácil refutar tudo o que está escrito nesse texto, querendo colocar forçosamente Miguel como Cristo, porém, infelizmente, o irmão não publica textos que assim o façam, pois talvez não interessa para sua denominação. Bom, mesmo assim, caso interesse, estarei a disposição para mostrar pela bíblia, que estão em um caminho enganoso em relação a tal afirmação. Grato.



    • leandroquadros em 2 de setembro de 2011 13:54

      Menezes: envie sua refutação. Ficarei no aguardo.



  • sergio antonio em 8 de janeiro de 2013 22:15

    olha estou querendo aprender mais mas assim estou comfuso Deus diz eis ai o meu filho amado em quem eu me compraso . oq eu faço



    • Maiara Costa - Equipe em 17 de janeiro de 2013 10:08

      Olá Sergio!
      É uma grande satisfação poder manter contato com você.
      Muito obrigado por seu carinha e confiança nesse ministério.
      Que a paz do Senhor esteja sempre em seu coração.
      Biblicamente falando Cristo é Deus no mais pleno sentido da palavra (Colossenses 2:9) e na palavra de Deus encontramos dois tipos de texto referente à Cristo. Aqueles que exaltam a Sua Divindade (João 1:1-3; João 10:30; 1 João 5:20) e aqueles que mostram a submissão funcional de Cristo na sua condição de encarnado, esse mencionado por você é um bom exemplo.
      Outro ponto importante é compreender o significado do termo filho no original em grego, língua em que foi escrito o Novo Testamento.
      A palavra filho do grego Huios significa primariamente a relação de descendência ao pai.
      Ele era uma manifestação de Deus em forma humana (Jo 5:25; Jo 5:18). Devemos entender que subsiste uma relação eterna entre o Filho e o Pai na Deidade. Quer dizer, o Filho de Deus, em Sua relação eterna com o Pai, é denominado “Filho”, não porque Ele em certo tempo começou a derivar Seu ser do Pai (Em tal caso, Ele não poderia ser coeterno com o Pai), mas porque Ele é e sempre foi a expressão do que é o Pai (Jo 14:9). As palavras em Hebreus 1:3: O qual [Jesus], sendo o resplendor da sua glória [de Deus], e a expressa imagem da sua pessoa [Deus], são definições do que significa Filho de Deus. Portanto a deidade absoluta, e não a deidade em sentido secundário ou derivado, é o quer se quer dizer com o título. As palavras Pai e Filho, nunca são usadas para sugerir que o Pai existia antes do Filho. Ao se dirigir ao Pai em Sua oração em João 17, Jesus disse: “ Tu me hás amado antes da criação do mundo” (Jo 17:24). Desta maneira, no infinito passado o Pai e o Filho existiam nessa relação de amor, como também de absoluta deidade.
      Se Cristo fosse apenas um ser criado, os judeus não iriam querer matá-lo ao se considerar Filho de Deus (João 5:18).
      Para entendermos isso existe um texto bíblico muito esclarecedor que está em Filipenses 2:6,7 que diz:
      “Ele tinha a natureza de Deus, mas não tentou ficar igual a Deus. Pelo contrário, ele abriu mão de tudo o que era seu e tomou a natureza de servo, tornando-se assim igual aos seres humanos. E, vivendo a vida comum de um ser humano.” NTLH- Nova Tradução na Linguagem de Hoje.
      Em outras traduções encontra-se a referência que Cristo se esvaziou, ou seja, mesmo sendo Divino, Ele escondeu a Sua divindade na humanidade e não usou o Seu poder divino em favor de si mesmo, pois se o tivesse feito, Satanás poderia tê-lo acusado de vencer o mal com o Seu poder de Deus.
      Que Deus te abençoe grandiosamente.
      Um forte abraço.
      Equipe do Na Mira.



  • JONAS ELIAS em 7 de julho de 2013 0:42

    AGRADEÇO PELA ABORDAGEM DESSE TEMA. NO MOMENTO ESTOU PESQUISANDO SOBRE A VOLTA DE JESUS E A RELAÇÃO ENTRE AS RESSURREIÇÕES E A FRASE BÍBLICA “TODO OLHO O VERÁ” – A PERGUNTA FREQUENTE É QUANDO ISSO ACONTECERÁ? OS MORTOS OUVIRÃO E VERÃO A CRISTO, NUM PISCAR DE OLHOS? E VOLTARÃO AO PÓ?



    • Maiara Costa - Equipe em 16 de julho de 2013 11:52

      Olá Jonas!
      Que a graça e a paz de nosso Senhor esteja sempre em seu coração.
      Vamos compreender esse assunto das ressurreições por partes.
      O que a Bíblia fala sobre a ressurreição.
      Vamos aos textos: Daniel 12:2; João 5:25,28,29; 1 Tessalonincenses 4:14,16; João 6:40; Apocalipse 20:5,6; 1:7; 1 Coríntios 15).
      Esses textos nos mostra a temática da ressurreição que ocorrerá na volta de Cristo. A Bíblia informa que os salvos serão ressuscitados na vinda de Cristo (1° ressurreição) e que alguns dos ímpios ressuscitarão para vê-lo nsa nuvens do céu (Apocalipse 1:7; Mateus 26:64),e tornarão a morrer para serem novamente ressuscitados após o milênio na ressurreição da condenação (2° ressurreição).
      A primeira ressurreição é somente para os salvos, e alguns ímpios participarão porque precisarão ver a Cristo nas nuvens, mas morrerão novamente. A segunda ressurreição ocorre após o milênio. São duas ressurreições diferentes, e para aqueles que estão buscando a Cristo, somente a primeira interessa, pois é a ressurreição da vida.
      Que Deus te abençoe grandiosamente.
      Um forte abraço.
      Equipe do Na Mira.



  • leandro vasconcelos de almeida em 29 de outubro de 2013 12:43

    ancanjo miguel é o nome de batalha de jesus cristo….em apocalipse fala que miguel(jesus)expulsou satanas do céu



  • Patricio jose em 2 de dezembro de 2013 17:42

    Acredito eu jesus o Deus todo poderoso no mais sulbime sentido e o arcanjo Miguel um anjo chefe de deus ke liderou contra satanás no ceu naum acho essa comparação ke jesus e Miguel
    creio eu ki jesus todo poderoso criou esse anjo com esse cargo de arcanjo, nas ordas angelicais de lucifer liderou esse anjo a favor de Deus Miguel e os seus anjos e lucifer e os seus anjos…si estiver enganado me corrija…



    • Maiara Costa - Equipe em 3 de dezembro de 2013 10:44

      Olá Patricio Jose!
      Muito obrigado por seu contato com o Programa Na Mira da Verdade.
      Você está corretíssimo em sua compreensão da divindade de Cristo, pois Ele é Deus Todo Poderoso mesmo (Colossenses 2:9; Romanos 9:5), contudo, em relação a Miguel, quero recomendar à você que acesse: http://goo.gl/ZI7p8z.

      Que Deus te abençoe grandiosamente.
      Um forte abraço.
      Equipe do Na Mira



  • reinaldo matos de souza em 8 de fevereiro de 2014 16:17

    fico grato pela explicação de quem é Miguel pois muitos adventistas estão pregando que Miguel e um anjo