INÉDITO:
  • SEG22:00
REPRISES:
  • DOM10:00
  • SEG04:30
  • TER02:30
  • TER13:00
  • QUI00:30
  • SAB04:00
  • SAB19:00

Ellen White ensinou a deixar as crianças sem comer?


Esse suposto “mau conselho” dado por ela se encontra no livro Temperança, p. 158:

“Eu recomendaria deixá-los [os filhos] sem comida pelo menos por três dias, até que sintam fome bastante para tomar o alimento saudável”.

Ellen White foi mãe de quatro filhos e, por experiência, sabia como educar o paladar das crianças para que elas comessem coisas mais saudáveis.

A citação está no contexto em que ela aborda a ignorância de muitas mães quanto ao cozinhar, e os efeitos que isso causa na saúde dos filhos. Veja:

“Nem a metade das mães sabem cozinhar ou o que pôr diante de seus filhos.”

Em seguida, ela afirma que essas mães negligentes “colocam perante seus filhinhos nervosos essas indigestas substâncias que ardem na garganta e por todo o caminho abaixo até às delicadas membranas do estômago, tornando-o como fogueira a arder, de modo que não reconhece a comida saudável”.

Por causa dessa alimentação inadequada, “os pequeninos chegam à mesa, e não podem comer isto, ou aquilo. Tomam controle e comem justamente o que querem, seja ou não para benefício seu”.

Se algo urgente não for feito, os filhos com o paladar pervertido só comerão “besteiras”, comprometendo assim a saúde e a vida! Nesse contexto é que Ellen White recomenda deixar as crianças ficarem com fome “até que sintam fome bastante para tomar o alimento saudável”.

Caso isso levasse três dias (com certeza Ellen White sabia que, em muitos casos, um dia já seria suficiente), era melhor ficar um tempo com fome do que comer aquilo que mal trata o organismo e afeta até mesmo o comportamento. É claro que nesse período de três dias as crianças estariam bebendo algo (água e suco) e comeriam nem que fosse um pouquinho do alimento saudável. Elas não iriam morrer de fome por isso.

O princípio exposto por ela no parágrafo é o de reeducar o apetite dos filhos para que eles aprendam a viver de maneira saudável, com qualidade de vida. Ela também mostra na mesma página que “não devemos condescender com o apetite das crianças, apresentando-lhes essas comidas indigestas”. Nada mais.

Isso não mata ninguém, pelo contrário: reeducar o gosto pelos alimentos diminui o risco de doenças, aumenta o tempo de vida e a utilidade na sociedade.

Ellen White ensinou que o uso de perucas prejudica a saúde? Você saberá a verdade no próximo post.


Você está em : Apologia, Ellen G. White
Compartilhe:


Comente



  • Jardel Moura em 26 de março de 2011 5:13

    Então a recomendação é valida mesmo? Deixar 3 dias sem comida caso fosse necessário para reeducar o hábito alimentar de crianças?!?!

    Então por isso as vezes a minha mãe dizia : OU COME A SALADA OU FICA COM FOME!!!

    Eu comia não com medo de ficar com FOME e sim pelo cinturão a minha frente que ela ostentava.

    Mas se torna complicado, veja atualmente mal podemos disciplinar na “vara” os nossos filhos pelo fato de a lei interpretar como “maus tratos” a criança, quanto mais deixar 3 dias sem comida uma criança!!!

    Isso não ficaria restrito no tempo dela não? ou também valeria para os dias atuais tal recomendação?



    • leandroquadros em 26 de março de 2011 12:04

      Olá, Jardel:

      Ellen White usou uma força de expressão para mostrar a impôrtância de reeducar os filhos, a fim de que não comam só besteiras.

      Normalmente, em menos de um dia a criança já fica com fome. Mas, se fosse preciso três, era melhor fazer isso do que acostumar as crianças a comer apenas pizza, por exemplo (isso vale aos nossos dias). Já pensou o dano que seria uma criança comer só que gosta? Pizza, salgadinhos, doces… E nada de frutas e verduras?

      Os pais são responsáveis pela espiritualidade dos filhos e a mesma é criada com base naquilo que elas comem. Se o corpo não for corretamente construído por meio de uma alimentação saudável, o futuro espiritual da criança será seriamente comprometido.

      Adaptando a instrução de EGW a sua mãe, ela deveria deixar vocês sentirem fome até comerem a salada (e também o arroz, feijão, etc) o que, na maioria dos casos, leva poucas horas. Com esse pouquíssimo tempo de abstinência você iria comer a salada para não ficar com mais fome.

      Qualqur dúvida conte comigo.
      Um abraço.



      • Erick em 27 de março de 2011 4:09

        É Leandro, como a ignorância causa males à vida das pessoas…
        Quanto mais leio sobre essas contestações a respeito de Ellen White, mais vejo a pobreza da vida espiritual desses irmãos.
        Lembro-me de uma citação de Ellen White: ” Será ateado contra os testemunhos um ódio satânico. A operação de Satanás será perturbar a fé das igrejas neles, por esta razão: Ele não pode achar caminho tão fácil para introduzir seus enganos e prender almas em suas mentiras se as advertências e repreensões e conselhos do Espírito de Deus forem atendidos”. Carta 40, 1890. Some-se a isso o fato de que quase ninguém gosta de orar, estudar a bíblia, lição da ES e testemunhar, o resultado é óbvio!



    • Osmar Ferreira em 26 de março de 2011 18:34

      Jardel, da mesma forma que Jesus usou agulha e camelo para falar do perigo do amor ao dinheiro(“ E ainda vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus” (Mateus 19.23-24). “Ellen White usou uma força de expressão para mostrar a impôrtância de reeducar os filhos, a fim de que não comam só besteiras.”



  • Wilson em 28 de março de 2011 16:30

    Na verdade ao ver esta citação de EGW não a vejo como literal, e sim uma hipérbole…



  • Jardel Moura em 29 de março de 2011 20:56

    Veja bem Osmar. Na explicação do pastor diz que…”Nesse contexto é que Ellen White recomenda deixar as crianças ficarem com fome “até que sintam fome bastante para tomar o alimento saudável”.

    E na resposta dada acima por ele mesmo se refere como força de expressão.

    Força de expressão ou recomendação?

    Eu concordo com a EGW. E agradeço a Deus por ter dado sabedoria a minha mãezinha mesmo ela não ter tido a oportunidade de ler esse “conselho” e ainda assim aplicar tais conhecimentos. A força de expressão que ela usava é a mesma citada anteriormente. OU COME A SALADA OU FICA COM FOME!!



  • marcelo r m ramos em 30 de março de 2011 14:13

    Olá a todos.
    Vamos analisar algumas coisas neste comentário:
    Primeiro:
    Não se discute se EGW foi ou não boa mãe, mas o conselho específico sobre deixar crianças sem comer. Portanto, a comparação da educação aos seus filhos está descartada.
    Segundo:
    Ao contrário do que o irmão Leandro disse, EGW não fala em deixar sem comer por ATÉ TRÊS DIAS, mas por PELO MENOS TRÊS DIAS. Portanto, a idéia de que ela soubesse que um dia seria suficiente está também descartada. Ao dizer que “Arriscaria deixá-los passar fome.”, fica descartada a possibilidade de compensá-las com algum tipo de alimento benéfico, ou seja, é passar fome por PELO MENOS TRÊS DIAS (quer dizer que é daí para mais dias: quatro, cinco, dez …), arriscando deixá-los passar fome por todo este período, até que comam o bom alimento. Em que período um conselho deste poderia ser válido (e para quais crianças, afinal de contas)? Percebem o perigo de um conselho destes?
    Terceiro:
    Não há elementos no texto que permitam dizer que ela utilizou uma força de expressão. Em mateus 19:24, temos o verso antecedente (19:23) informando que é difícil um rico entrar no reino, para daí complementar com a comparação de um camelo em uma agulha (algo impossível, reconhecido inclusive pelo Comentário Bíblico Adventista), e o 19:26 confirmando a impossibilidade enfatizada no 24, ou seja, nenhuma hipérbole, o próprio Jesus confirma que se referiu a uma impossibilidade, e não a um exagero, ao falar do camelo e da agulha (e mesmo que fosse admitida a hipérbole, o contexto deixa claro o significado do verso). No comentário de EGW, ela está utilizando uma linguagem comum, e o complemento mostra que ela não está utilizando uma hipérbole. Ela diz: “Arriscaria deixá-los passar fome.” logo após o comentário em que recomenda PELO MENOS TRÊS DIAS sem comer. Dizer que isto é força de expressão é, no mínimo, inconsequente (para não dizer pura má-fé). Portanto, qualquer que sejam os outros argumentos para a defesa deste conselho no mínimo estranho, não pode ser nenhuma das abordagens do Leandro, pois nenhuma delas se justifica. E gostaria de saber qual elemento do texto justifica a afirmação de hipérbole (agora, tudo o que for embaraçoso será interpretado como hipérbole? Afirmações duras, complexas, etc, da bíblia e de outros, serão simplesmente chamadas de hipérbole, mesmo não havendo como demonstrar tal afirmação (pois esta sobre este texto não possui base nenhuma)?

    Posso até aceitar que houve boa intenção com este artigo, mas já que a tônica é creditar maldade aos que se opõem às afirmações de EGW, informo que se houve má interpretação do que ela escreveu, foi de vocês mesmo, pois o texto é muito claro, não havendo elementos que o tornem SIMBÓLICO (hipérbole) como afirmam e, portanto, não servem tais justificativas deste artigo do irmão Leandro. Não é a conclusão dos opositores de que a citação de EGW é absurda que é infundada, pois a afirmação é mesmo absurda, e o recurso que o irmão Leandro utilizou para interpretar é simplesmente inexistente, pois a regra é: Tanto quanto possível, os textos serão interpretados em sua forma usual ou comum, e não há elementos para atribuir algo incomum (hipérbole) num texto cujas características não permitem tal afirmação.

    Aguardo análise e respostas.

    Marcelo R M Ramos



    • leandroquadros em 30 de março de 2011 19:19

      Marcelo Ramos:

      Sua análise – mesmo que possa ter sido bem intensionada – é falha por que tenta “entender tudo o que Ellen White tinha em mente” quando deu o conselho (isso não é possível). Sua abordagem é muito subjetiva e coloca no conselho dela aquilo que não sonhou em dizer.

      Minha análise foi baseada no contexto da citação em que ela está orietando as mães a reeducarem os filhos, para que não comam só besteiras.

      Outros pontos quero considerar:

      1) A comparação feita do texto com a forma como ela educava seus filhos jamais pode ser descartada por que a verdadeira educação envolve também ensinar aos filhos bons hábitos alimentares. Se você ler o livro “Educação”, por exemplo, verá que ela apresenta o assunto de forma ampla. Para ela, a educação eficaz é facilitada por bons princípios alimentares, que dão à pessoa mais domínio próprio contra as más tendências.

      2) A expressão “pelo menos três dias” implica apenas um tempo máximo para tal ação das mães. Nem pode significar que todas as crianças precisaram do mesmo tempo para serem reeducadas.

      3) É possível passar fome tomando somente sucos ou comendo só alguma fruta. Mesmo que possa haver necessidade, em casos mais graves, de abstinência, Ellen White não ensina a abstinência absoluta (como mãe ela nunca fez isso com os filhos dela), pelo menos em todos os casos.

      4) Não lembro de ter sugerido no texto que ela estivesse usando uma hipérbole. Creio que você deve estar fazendo tal afirmação com base no comentário de algum outro internauta, não é?

      5) Repinto: interpretei a citação dentro do contexto na qual ela se encontra no livro. Pegar uma frase sem analisar o contexto em que ela se encontra é o método errado de entender o escrito de qualquer pessoa.

      Por essas razões, creio que a análise que fiz é coerente com (1) o contexto da citação, (2) com a atitude dela para com os próprios filhos e (3) com o conceito integrado que ela tem da educação, do qual a alimentação saudável faz parte.

      Aguardarei sua resposta. Fique com Deus.



  • jalmendes em 4 de abril de 2011 0:56

    Boa noite amigo leandro!
    um certo dia coloquei no canal 17 da sky e estava passando na mira da verdade, depois de ver o programa eu me ajuelhei no meu tapete e perdi perdão a Deus por todos os meus pecados hoje eu e minha familia estamos indo para igreja ad. do 7 dia de petrolina-pe Deus abenções todos os dias esse programa,
    sobre esse tema e a coisa mais correta , hoje vemos crianças com muitos tipos de doenças e ficamos nos pergutando como pode uma criaça ja te esse tipo de doeça, mais se olharmos nos pais e que alimentamos maius nossos filhos aparti de hoje ! a ailimentação dos meus filhos vao ser moderado, DEUS ABENÇÕES A TODOS VOCES!



    • Daniel ferreira em 10 de junho de 2012 21:22

      A Paz de Deus esteja com todos. Amém!

      Se voltarem em (4 de abril de 2011 às 0:56)
      Que comentário ruim: ¨coloquei no canal 17 da sky e estava passando na mira da verdade, depois de ver o programa eu me ajuelhei no meu tapete e perdi perdão a Deus…¨

      È a fé em Jesus Cristo, Filho de Deus, que o fará ajoelhar se e pedir perdão a Deus, não o homem, nem o Na mira da verdade, muito menos a SKY que é só chuviscar para o sinal cair.

      A Paz de Deus esteja com todos. Amém!



      • Ana Carolina em 12 de junho de 2012 16:10

        Querido Daniel,
        Ainda bem que Deus usa meios increíveis e às vezes inaceitáveis, para que sua mensagem seja levada! É claro que é a fé em Jesus que faz um homem cair de joelhos e pedir perdão, mas somos instrumentos usados por Deus para esse fim. Que Deus abençoe sua vida!



  • Flaicy Pavao de Abreu Fernandes em 6 de abril de 2011 17:31

    gostaria de saber se a biblia católica foi alterada antes ou depois da morte dos apóstulos?



  • Alexandre em 8 de maio de 2011 20:13

    Se bem me lembro na segunda multiplicação de pães e peixes Jesus deixou seus ouvintes 3 dias sem comer também. Com certeza deveria ser uma plateia variada com adultos idosos e crianças. Se EGW foi desumana em aconselhar um jejum de 3 dias, pela mesma lógica Jesus também seria desumano. Se Ele tinha poder de dar café da manhã, almoço e jantar para todo mundo todos os dias, porque esperou 3 dias? A bíblia não diz, mas com certeza não fez mal para ninguém.



  • Dayse do Valle em 11 de maio de 2011 1:36

    Como pediatra vejo continuamente o resultado de pais que não educam o apetite de seus filhos.
    Hoje ele usam a mamadeira para oferecer refrigerantes a filhos menores de 1 ano. Já tive pacientes que deram chocolate na páscoa para bebês de 4 e 5 meses. O resultado tem sido cada vez mais crianças doentes. Crianças que têm dificuldades financeiras, em geral, comem o que for colocado “no prato”, crianças que têm múltiplas opções podem se tornar seletivos. É mais fácil recusarem alimentos saudáveis e aceitarem alimentos açucarados ou de pouco valor nutritivo e também daqueles que exigem pouco esforço mastigatório (lei do menor esfoço!), sabe o que recomendo? Deixem passar fome!!! E é uma recomendação oficial de todos os pediatras.
    Entendam bem, não como castigo, nem sem oferecer alimentos saudáveis… mas muitos pais dizem manter o cardápio de refrigerantes e biscoitos recheados pois “senão eles não comem nada”! De que adianta estarem comendo estes venenos????
    Vamos educar o apetite das crianças. Ponto para as recomendações de Ellem White que se confirmam pela ciência moderna, mas ela estava adiantada mais de 100 anos, incrível!



    • leandroquadros em 11 de maio de 2011 18:01

      Fantástica a sua opinião médica, Dra. Dayse! Que os críticos leiam o que você escreveu e entendam que a intenção de Ellen White foi dar uma dica para a reeducação do paladar dos filhos, a fim de que tenham saúde e sejam úteis a Deus e à sociedade.

      Um abraço!



      • Moacyr Matos Calmon em 1 de março de 2013 21:29

        Para encerrar derradeiramente o Assunto, preste bastante atenção ai Dra Dyse do Valle e Leandro Quadros, o que diz o Código Penal !

        Art. 136 – Expor a perigo a vida ou a saúde de pessoa sob sua autoridade, guarda ou vigilância, para fim de educação, ensino, tratamento ou custódia, quer privando-a de alimentação ou cuidados indispensáveis, quer sujeitando-a a trabalho excessivo ou inadequado, quer abusando de meios de correção ou disciplina:

        Pena – detenção, de dois meses a um ano, ou multa.

        § 1º – Se do fato resulta lesão corporal de natureza grave:

        Pena – reclusão, de um a quatro anos.

        § 2º – Se resulta a morte:

        Pena – reclusão, de quatro a doze anos.

        § 3º – Aumenta-se a pena de um terço, se o crime é praticado contra pessoa menor de 14 (catorze) anos. (Incluído pela Lei nº 8.069, de 1990)

        Acho que não preciso falar mais nada não é? ficar justificando se foi força de expressão quando na verdade qualquer pessoa vê que não foi é perder tempo, porque tal prática é Crime, e se é crime, muito provavelmente quem criou a lei deve ter estudado muito para saber que deixar crianças 3 dias sem comer pode levá-las até a morte, caso contrário não existiria previsão legal para isto!

        Abraço Cordial!



        • Maiara Costa - Equipe em 2 de abril de 2013 12:22

          Olá estimado amigo Moacyr!
          Que a graça e a paz de nosso Senhor esteja sempre em seu coração.
          Interessante é que na época em que ela escreveu a justiça nunca a processou por isso ou sequer tirou a guarda de seus filhos. Será que essa lei não existia então naqueles dias?
          Que Deus te abençoe grandiosamente.
          Um forte abraço.
          Equipe do Na Mira.



  • marcelo r m ramos em 15 de maio de 2011 22:22

    Olá a todos. Vim dar uma verificada e vi dois comentários novos.
    Sobre o comentário do irmão Alexandre: 1- não há nada nas escrituras indicando que eles ficaram os três dias sem comer, mas que estavam sem comer no momento em que Jesus faz o comentário (poderia ser algumas horas, inclusive; Jesus diz: estão comigo há três dias, e não tem o que comer, indicando um momento indefinido para a ausência de alimentos); 2- mesmo considerando três dias sem comida (o que não é o que está nas Escrituras), não há nada que indique que os adultos não tivessem cuidado de suas crianças (o que é natural de pais e mães responsáveis), nem que Jesus tivesse concordado com a atitude dos pais em relação aos filhos (o porquê dEle não ter feito o milagre antes está no mesmo nível de outras coisas que Deus permitiu e permite que aconteçam mesmo sem serem corretas, mesmo não estando de acordo com sua Lei), e não consta como desumanidade justamente por estar em contrapartida ao que foi feito por Ellen G White (enquanto ela aconselha um mínimo de três dias com crianças passando fome, Jesus viu uma multidão com adultos inclusive, que estava há três dias com Ele, e que por um momento indefinido já estavam com fome – não necessariamente todos – e não significando que concordasse com isto – e tendo compaixão deles, para que não desfalecessem no caminho, ou seja, mesmo para Jesus, três dias sem comer seria algo próximo ao limite de esgotamento de pessoas comuns, inclusive adultos, principalmente em determinadas circunstâncias, e não um mínimo de tempo que se deva privar uma criança de alimentos). E se estavam, segundo o próprio Jesus (que teve compaixão delas por causa disso), a ponto de desfalecerem no caminho, então estava fazendo mal sim, e uma coisa é o que Deus permite que aconteça, outra é o que Ele ordena
    ou aconselha que seja feito. E olha que estamos falando em um momento pontual, em que Jesus estava curando e ensinando, e mantendo-os pelo SEU poder. Foi boa a sua iniciativa, irmão Alexandre, mas por discordar totalmente do que você disse, faço este comentário.

    Sobre o comentário da irmã Dayse: há uma diferença enorme entre a opinião de um especialista e um comentário especializado, com demonstração clara que justifique uma colocação como a de EGW. Mais uma vez, com todo o respeito à irmã, o que vemos é um comentário de cunho pessoal que não justifica em nada o conselho dado por EGW (quem leu meus comentários a respeito, percebeu claramente que EGW coloca um mínimo de três dias sem comer a crianças, e se houver algum especialista com um estudo qualificado que demonstre a validade deste conselho centenário, tudo bem, aí poderemos realmente dar ponto à recomendação de EGW). A questão não está em atribuir má fé ao que EGW escreveu. Ela pode, sim, e até provavelmente teve, a melhor das intenções ao escrever tal coisa, mas não é de boas intenções que estamos falando, mas de se o conselho foi ou não de origem divina. Portanto, não estou incluído na lista dos críticos apontados pelo irmão Leandro, e minha posição está, se já não estava, bem clara (caso alguém tenha achado que atribuí maldade ao que disse EGW): boa intenção não garante inerrância aos seus escritos, e o conselho em questão é uma boa amostra disso.
    Deus nos auxilie. Boa semana a todos.



  • marcelo r m ramos em 15 de maio de 2011 23:37

    Para complementar:
    Diferente dos modos de expressão de dias que temos hoje, seja nos EUA, Brasil, e outros, nos tempos de Jesus uma parte mínima de um dia podia ser tratada como um dia inteiro. Portanto, além do que já comentei sobre a possibilidade de três dias sem comer (não com a concordância/anuência de Jesus), temos o fato de que tal expressão não significa necessariamente o que temos como conceito de indicação de dias hoje. Outro ponto importante é que o texto não especifica quem permaneceu por três dias e quem já havia ido embora (ou seja, não há nada indicando que crianças e outros mais sensíveis tenham permanecido na multidão por três dias sem nenhum cuidado especial, nem quem permaneceu os três dias, nem quem tenha chegado junto à multidão no segundo e terceiro dias). O que o texto deixa claro é que era visível o sofrimento das pessoas por estarem sem comer, e que Jesus percebeu isto claramente, teve compaixão deles, pois alguns estavam com risco de desfalecer, e que se Ele permite três dias sem comer, ou que alguém que o espera pelo mesmo período ou próximo morre para que possa ressuscitá-la, ou outras coisas, isto não indica que concorde que passem fome, ou que alguém tenha que morrer, ou que fique por 12 ou 18 anos com um problema incurável, etc. Nem vemos nas Escrituras conselhos para que deixemos alguém passar por sofrimentos desse tipo, ainda que Deus permita.
    Deus nos abençôe.



  • léo em 19 de maio de 2011 16:43

    Acredito que quando a senhora White comentou que os pais deveriam deixar os pequenos com fome, tinha em mente que o alimento saudável estaria sempre diante da criança, bastava que estendesse a mão e pegasse. Elas ficariam com fome se quisessem, pois afinal entenderiam que não poderiam comer guloseimas ou outras comidas prejudiciais a saude. Para mim é bem mais facil entender o que Ellen White aconselhou do que a ordem que Deus deu aos israelitas de invadirem aldeias alheias e matassem crianças de colo, completamente indefesas. Não estou dizendo que Deus errou, pois Ele não pode errar, estou dizendo que é mais fácil de entender deixar uma criança com fome três dias por causa da sua saúde( muitas crianças ficam em jejum mais que três dias quando estão à espera de uma cirurgia), do que faze- la passar pelo fio de uma espada. Julguem os sinceros.



  • Jorge Panserini em 20 de maio de 2011 11:41

    Mesmo ao recomendar jejum (para adultos), Hellen White aconselha que se alimentem de forma simples e saudável (ver texto abaixo). Quanto mais quanto às crianças, ela não está recomendando a crueldade. Seus conselhos são equilibrados e não loucos. É preciso analisar o contexto.
    “O verdadeiro jejum que se deve recomendar a todos, é a abstinência de toda espécie de alimento estimulante, e o uso apropriado de alimentos simples e saudáveis, por Deus providos em abundância. Os homens precisam pensar menos sobre o que comer e o que beber, com relação a alimentos temporais, e muito mais com respeito ao alimento do Céu, que dará tono e vitalidade a toda a experiência religiosa.” Carta 73, 1896.Conselhos Sobre o Regime Alimentar – Pág. 90



  • laisep em 26 de maio de 2011 3:25

    Muito interessante essa questão, há alguns meses me fizeram este questionamento, cheguei a conversar com meu pastor e meu esposo, que é médico, e como mãe de 2 filhos, graças a Deus ainda não tive problemas com a alimentação deles, mas já vi mães com problemas sérias pois seus filhos pequenos não comiam comidas saudáveis, só besteiras, e quando elas questionavam os pediatras, quanto a o que deveriam fazer pois seus filhos só queriam comer besteiras, eles diziam a ela pra deixarem seus filhos sem algumas refeições, porque na próxima comeriam de tudo, e isso não é o mesmo que a Sra White escreveu?



  • marcelo r m ramos em 2 de junho de 2011 11:28

    Olá a todos. Aos irmãos Jorge Panserini e Laisep.
    Irmão Jorge, realmente é preciso analisar o contexto, e nos que foram apresentados até agora nada existe que justifique o conselho de EGW sobre PELO MENOS TRÊS DIAS SEM COMER (realmente ela levava o jejum bem a sério, como vemos neste conselho sem nenhuma base). E o jejum forçado de pelo menos três dias do texto analisado foi dito para crianças, creio que o irmão é que deve analisar o contexto DA CITAÇÃO inclusive, ao invés de tentar amenizar o texto, como se fosse algo comum e correto fazer o que ela disse.
    Irmã Laisep, não foi ficar sem algumas poucas refeições (para crianças, mais que duas já é muito) o que EGW ensinou, foram no mínimo três dias. A literatura médica de estudos mais atuais questiona justamente prazos longos de jejum (mesmo os envolvendo pré e pós cirurgia), e o que ela ensinou foi deixar crianças passarem fome por PELO MENOS TRÊS DIAS, numa situação em que é desnecessário tal procedimento. Pesquise e terá os resultados, é só começar.
    O texto é claro, amigos. Não há o que mudar. Se ela escreveu coisas boas em outros textos, isto é o que acontece com o que escrevem sem inerrância: acertam em alguns pontos, e ERRAM em outros, como foi neste caso, bem como outros que já mostrei em outros comentários. Aproveitem e leiam o que escrevi.
    Deus nos ilumine, e saibam que são co-responsáveis quando tentam manter algo que não tem base bíblica nem científica como inspirado (isto vale para outros ensinos de EGW).



  • Sérgio em 15 de abril de 2012 17:08

    Sérgio
    Diz: a recomendação é clara: pelo menos 03 dias , sem comida (as crianças) … sentirem bastante fome para comer coisas saudáveis.Está é a recomendação. Está claro para mim.
    Se a recomendação veio de EGW, e vem do Céu como entendem os adventistas. Para que tentar interpretar, se ela própria diz ser uma luz menor para guiar a luz maior(Bíblia). Ou melhor se ela faz a interpretação da Escritura para os Adventistas. Agora os Adventistas tem que interpretar na comunicação (recomendação) vinda do céu? Ou pior achar que é isso ou é aquilo.- é princípio para ensinar , é passar fome tomando água e suco etc. Até o presente momento, nunca ouvi falar de adventista que deixou seu filho 03 dias com fome ( Convivo com adventistas há mais 35 anos) seguido esta orientação de EGW.
    Uma coisa é certa , eu não deixaria meu filho passar fome nenhum 01 dia sequer. Sei o que é passar fome. E as Escrituras Sagradas não recomendam tal afirmação. Acredito que é uma recomendação dela (EGW), não passando de meras pretensões.

    A Paz esteja com todos em Jesus Cristo!



  • ernani em 12 de maio de 2012 3:12

    Eu acho que as pessoas (nós)criam polêmicas sobre questões insignificantes, devemos levar em consideração o que ela escreveu em outros escritos sobre o mesmo assunto ela é ser humano ele poderia estar fazendocomentario exagerado baseada naquele contesto. Ela EGW esta sendo questionada porque queria AJUDAR na ALIMENTAÇÃO Ninguém NUNCA MORREU de FOME e NEM MORRERA, A IGREJA ENTENDE ESTE ASSUNTO, EGW ERA MÃE DEUS ABENÇOOU SEU MINISTÉRIO OS FRUTOS DELA ESTÃO AI E OS NOSSOS?? SE NÃO EDUCARMOS NOSSOS FILHOS DE UMA DE FORMA CORRETA poderemos ser considerados não tendo AMOR PARA NOSSOS FILHOS.———/////// Quando se busca estuda a Biblia com humildade e oração e os escritos de EGW percebesse que não ficar em confusão porque DEUS GUIA–Sl 119-105



  • Marina Dobler em 11 de janeiro de 2013 13:33

    EGW está falando em reeducar o paladar de uma criança para alimentos saudáveis, vamos dizer que eu fale para o meu filho que ele ficará no mínimo 3 dias sem comer até sentir fome , se ele não quiser comer os alimentos saudáveis que eu coloco na mesa, dúvido que ele passaria 1 dia sem querer comer o que eu estou oferecendo de saudável, pode ter crianças birrentas e mal educadas que consiga virar um dia sem comer , mas logo no dia seguinte com certeza iria ceder ao alimento de boa qualidade que iria beneficiar o bem dela, 1 dia comendo pocaria e 1 dia sem comer é melhor ficar 1 dia sem comer, 2 e 3 ou 4, 5… seja quantos for, mas nenhuma criança iria passar das primeiras horas pois iriam ceder aos alimentos saudáveis com certeza… agora se a criança tem essa autoridade todo sobre os pais de dizer o que vai comer e o que vai deixar de comer, isso é culpa dos próprios pais que não deram limites e agora precisam ser mais duros a ponto da criança ter que passar fome para quando ver os alimentos saudáveis sentir vontade de comer… é aquele velho ditado, com fome, tudo fica bom.



  • Bruna Mayka em 22 de março de 2013 17:35

    Achei adequado o que escreveu Ellen. Importantíssimo educarmos nossos filhos quanto a comer bem, a ter uma alimentação e hábitos saudáveis.Venho de uma família onde o câncer por parte da família materna e os problemas cardíacos por parte da paterna, vem alcançando muitos dos meus familiares.Não fui educada a comer bem e depois de adulta,vi que, uma alimentação saudável e exercícios físicos são indispensáveis para nossa vida. Queria ter aprendido isso quando criança,apesar de ser uma mulher saudável.
    Cada dia que passa, procuro me alimentar melhor e passar isso para meu filho. Se amamos nossos filhos devemos cuidar da alimentação da nossa família.



  • rita em 25 de abril de 2013 12:02

    Q dificuldade de entender as coisas, citando até codigo penal. Com certeza EGW quis dizer : passar fome apenas da comida “trash”, durante esse periodo deve-se oferecer alimentos saudaveis. Não sou adventista, apenas fequento o site.



    • Maiara Costa - Equipe em 25 de abril de 2013 14:30

      Olá estimada amiga e irmã em Cristo Rita!
      Satisfação poder manter contato com você.
      Que a graça e a paz de nosso Senhor esteja sempre em seu coração.
      Seja muito bem vinda e fique a vontade para enviar os seus comentários sempre que quiser.
      Um forte abraço.
      Que Deus continue te abençoando grandiosamente.
      Equipe do Na Mira.



  • MOACYR CALMON em 20 de novembro de 2013 13:17

    Olá considerado Equipe do Na Mira!

    Só agora vi que me responderam, e também espero que a remissão e a paz de nosso Senhor jaza consecutivamente em seu íntimo da mesma forma, mas em que pese estarmos falando de países diferentes e com legislações diferentes, a aplicabilidade do que a citação sugere não atinge apenas “aquela época” e tão somente “aquele país”, mas pela abrangência de seus livros e pregações nas igrejas atinge o mundo inteiro inclusive o BRASIL que só para constar tem o seu código penal, que foi criado em 7 de dezembro de 1940, pelo então presidente Getúlio Vargas durante o período do Estado Novo, “EM VIGÊNCIA”, sendo assim, continua constituindo CRIME a sugestão de EGW. (como citei em meu comentário)



    • Maiara Costa - Equipe em 10 de dezembro de 2013 14:25

      Olá Moacyr!
      Não é que pensaram os advogados que viveram nos dias em que ela escreveu isso!
      Um forte abraço.



  • WENDERSON QUEDES DE OLIVEIRA ANTUNES em 28 de dezembro de 2013 18:29

    ENTENDI O QUE QUER DIZER FICAR TRES DIAS SEM COMER BOA EXPLICAÇÃO,ISSO QUER DIZER QUE TEM QUE FAZER REEDUCAÇÃO ALIMENTAR



  • Jardel em 5 de maio de 2017 16:59

    O complicado são nossas legislações atuais. Caso acontecesse de uma criança ficar sem comer para reeduca-la e notoriamente alguém percebe tal situação poderá denunciar no conselho tutelar e gerar uma grande confusão aos pais.