Jornalismo
assistir ouvir

Dia Mundial do Rádio: Novo Tempo tem histórias e alegrias para contar

Criado no século XIX, o rádio foi sendo modernizado ao longo dos anos. Inicialmente transmitia apenas sinais, mas logo passou a levar voz e música através das ondas eletromagnéticas. Com o passar do tempo chegou ao Brasil e, em 1989, foi inaugurada a primeira Rádio Novo Tempo no Brasil , na cidade de Afonso Cláudio, Espírito Santo. Em todos esses anos de história, a Rádio Novo Tempo tem mudado a vida de milhões de pessoas.

Hoje com 24 anos, Luanna Mascherin tem uma relação com o rádio que começou ainda na sua infância. Sua mãe estava sempre com o rádio ligado, atenta às notícias e músicas. Natural de Poços de Caldas, em Minas Gerais, aos 18 anos Luanna começou a participar do programa Código Aberto, da Rádio Novo Tempo local. Dois anos depois, em 2013, já apresentava pela primeira vez um programa ao vivo e, naquela mesma semana, teve uma participação em rede nacional por ocasião das eleições.

“Foi ali que eu descobri o que queria para a minha vida: radiojornalismo”, revela a locutora que conta também sobre como acaba criando intimidade com os ouvintes. “Aos poucos a gente vai se familiarizando com o ouvinte e começa a falar para ele diretamente porque você sabe que a dona Maria está lavando louça, que a Suzana está arrumando as crianças, que o Fábio está dirigindo o caminhão, etc. E rádio aproxima você bastante dessas pessoas”.

Proximidade que é sentida pela Agda Campos, ouvinte da rádio no Paraná. Aposentada desde 2015, ela montou um ateliê e de lá escuta a Rádio Novo Tempo todos os dias. “O dia começa e eu já tenho uma boa companhia. Me sinto sempre bem acolhida porque percebo que tem um acompanhamento, um bom atendimento. Não sou adventista, mas estou sempre ligada nos jornais e nos programas com ensino bíblico porque os estudos da Novo Tempo são maravilhosos”, conta Agda, que também revela admirar os princípios da rádio. “Eu percebo a essência de tudo o que se prega na rádio. Tem uma preocupação com as pessoas, com o meio ambiente, com a saúde. Por isso eu tenho o meu entretenimento, mas já tenho meus horários certos de ouvir a rádio”, completa.

Com uma programação que informa através do jornalismo, mas também educa e ensina preceitos bíblicos, hoje a Novo Tempo tem 171 rádios em oito países da América do Sul, alcançando até 90 milhões de pessoas. Com o passar dos anos, a rádio tem se modernizado para acompanhar a tecnologia e o seu público. Por isso, oferece conteúdo na internet como podcasts e transmissões ao vivo diariamente. A proximidade com o público é refletida também nas redes sociais, como Facebook, com 1,5 milhão de seguidores, e YouTube, com 150 mil assinantes.

Segundo o diretor da rádio, Jorge Rampogna, o principal foco é levar ensinamento aos ouvintes. Apenas em 2017, foram oferecidos mais de 6.700 estudos bíblicos. “Muitas pessoas têm sido alcançadas através da rádio, seja pela forma tradicional ou pelas plataformas digitais. Queremos pregar a Palavra e levar mensagem de esperança para que mais pessoas conheçam Jesus”, conta.

Para Rampogna, no dia Mundial do Rádio o ouvinte merece os parabéns. “Agradeço aos nossos ouvintes pela nossa parceria de todos os dias. Ouvinte da Rádio Novo Tempo tem o rádio ligado 24 horas por dia e somos muito gratos por essa fidelidade. Isso nos dá a certeza de que nosso ministério está sendo cumprido para honra e glória de Deus. No Dia Mundial do Rádio, queremos abraçar nossos ouvintes e parabenizá-los também por esta data especial”, conclui.

Escrito por Thays Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *