Clique aqui e Saiba mais
Jornalismo
assistir ouvir

Arautos do Rei celebram 50 anos com apresentação inesquecível

O início de noite do último sábado, 10 de março, vai ficar para sempre na memória das cerca de 10 mil pessoas que assistiram ao concerto em comemoração aos 50 anos do quarteto Arautos do Rei. A apresentação também foi transmitida ao vivo pela TV e Rádio Novo Tempo, e pelo site novotempo.com.

O Ginásio do Ibirapuera, localizado na zona sul de São Paulo, estava repleto e silencioso; silêncio que era interrompido ao final de cada música (ou medley), quando alegres aplausos recheavam o ambiente, ou quando admiradores de todas as idades cantavam hits que marcaram a música cristã nos últimos 50 anos.

Logo no começo da apresentação, por volta das 19h30, após uma introdução atualizada do prefixo Breve Jesus Voltará, interpretada pela formação atual, os 35 arautos cantaram Hei de Estar na Alvorada, música que deu nome ao primeiro trabalho do quarteto, no início da década de 1960. Na sequência, integrantes de 27 formações, que gravaram cerca de 45 álbuns, entoaram Aqui chegamos pela Fé (1975).

A celebração, que durou mais de três horas, teve sucessos de praticamente todas as fases do quarteto. Só em Pensar em Ti, música de 1970, foi interpretada por Malton Braff (segundo tenor), Roberto Conrad (baixo), Enis Rochel (barítono) e Dermival Reis (primeiro tenor; a formação original tinha Eclair Cruz, morto em 2010).

 Para Rochel, que mora na Ilha da Reunião (pertencente à França e localizada no oceano Índico) e é professor de vulcanologia, ensaiar no Unasp São Paulo (antigo IAE) durante toda a semana foi muito especial, pois muitos arautos estudaram e se conheceram ali. Inclusive, relembra Rochel, o local foi onde o pastor Joel Sarli conheceu a esposa Margarida. Sarli (barítono da primeira formação) lembrou os pioneiros ao entoar, e em seguida ser aplaudido, Como Estás Com Teu Deus (1962).

A formação que ficou de 1996 a 2001, composta por Dênio Abreu (primeiro tenor), Társis Iraídes (segundo tenor), Jeferson Tavares (barítono) e Ronaldo Fagundes (baixo), relembrou sucessos como Se Ele Não For o Primeiro (1997), Tu És Santo (1997) e Eu Não Sou Mais Eu (1999). Segundo o diretor musical da época, Jader Santos, esta formação contribuiu para atualizar a mensagem do quarteto para o público jovem.

Foram cantados hinos para crianças, como O Rapaz Davi (1970) e Quando a Mãe Diz, e clássicos da envergadura de Em Nome de Jesus (1991), Música Celeste (1964), Vivo à Clara Luz (1975), Fogo Divino (2005),Deus quer Alguém (1984), Em Nome de Jesus (1991) e Vem Entrega Tua Vida (1993).    

 Além destas, os arautos de todos os tempos também entoaram Começando Aqui (1995), canção marcada pelo timbre do barítono e ex-orador da Voz da Profecia Fernando Iglesias. Ao final da apresentação, Iglesias disse que vivia uma “emoção sem comparação”, por ”reencontrar pessoas que percorreram o mesmo caminho… em épocas diferentes”, o que acaba sendo, conclui, “um livro de história vivo, foi emocionante!”.

A festa ainda contou com alguns “extras”. O primeiro, a entrega para todo o público presente da obra A Grande Esperança, de Ellen G. White. Quase ao final da celebração, os pastores Erton Köhler, presidente da Igreja Adventista para oito países da América do Sul, e Antônio Tostes, diretor geral da Rede Novo Tempo de Comunicação, homenagearam os ex-oradores da Voz da Profecia presentes: Ronaldo de Oliveira, Assad Bechara, Helio Carnassale, Roberto Conrad Filho, Neumoel Stina, Montano de Barros, Fernando Iglesias, além de Ivan Saraiva (atual).

Além dos ex-diretores e cantores da Voz da Profecia, os pianistas presentes também receberam distinção especial: Williams Costa Júnior, atual diretor de comunicação da Igreja Adventista Mundial, Jader Santos, Alexandre Reichert Filho, Eli Prates, Silmar Correia, Robert Benfield (o primeiro), Flávio Santos, Leni Azevedo e Ricardo Martins (atual). Pedro Carvalho também participou do evento. O programa ainda reservou homenagem póstuma aos ex-cantores Eclair Cruz, Henry Feyerabend, Walter Boger, Nilo Ramos e Samuel Campos.   

A homenagem foi estendida aos líderes da Igreja Adventista em SP e demais regiões do país, que colaboram com o ministério dos Arautos do Rei.

Ao final de cerca de 3 horas e meia de programação, o pastor Erton pediu que as luzes do Ginásio fossem apagadas e as dos celulares dos presentes, acesas, criando um céu estrelado. Erton agradeceu aos arautos e fez um chamado a que todos se envolvessem na pregação da volta de Jesus, além de alertar sobre a distribuição de mais de 160 milhões de livros “A Grande Esperança” em escala mundial até o final de 2013.

 A última canção do show, cantada por todos os arautos com a participação da orquestra do Unasp, foi uma versão clássica de Breve Jesus Voltará. De forma resumida, a sensação que permaneceu nos admiradores do quarteto foi a expressada pela repórter da Rede Globo Carla Modena. Após concluir seu trabalho, Modena foi questionada sobre o que havia sentido ao participar da festa. “Senti paz”, confessou.   

De acordo com o diretor da gravadora Novo Tempo, Alessandro Tostes, o DVD da comemoração de 50 anos deve ficar pronto em setembro deste ano.

Márcio Basso Gomes, da Novo Tempo

 

Líderes da Igreja Adventista: (da esq. para dir.) Erton Köhler (presidente da Igreja na América do Sul), Antônio Tostes (diretor geral da NT), Anderson Erthal (diretor financeiro da NT) e Marlon Lopes (tesoureiro da Igreja Adventista na América do Sul)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *