doe agora Jornalismo Jornalismo
INÉDITO:
  • DOM22:00
REPRISES:
  • TER14:30
  • QUA00:30
  • QUI12:00

Gavin Roy ensina inglês de maneira bem-humorada para brasileiros


O Gavin Roy é um norte-americano PhD em Ciências Atmosféricas que  decidiu dar uma pausa na sua carreira científica para seguir uma nova paixão, ensinar inglês de maneira bem-humorada para brasileiros no Youtube por meio do seu canal Small Advantages.

Você está em: Entrevistas

Compartilhe:


Comente



  • ANA PAULA em 12/13/2017 00:55

    Vagner, espetaculo a entrevista com o Gavin Roy. Parabéns, com certeza me ajudará demais daqui pra frente.
    Foi excelente.



  • Marisa em 12/16/2017 13:25

    Que lindo!! Amo o Gavin. Parabéns pela entrevista.



  • Lidi em 12/16/2017 16:38

    Excelente entrevista! Parabéns aos dois!



  • Kátia Rocha em 12/16/2017 16:43

    Muuuuuito legal ver o Gavin na TV Novo Tempo!
    Parabéns pela iniciativa!



  • nan em 12/17/2017 00:36

    O Gavin é uma simpatia. Com seu canal, QUEBRA O MAIOR GALHO para as pessoas que querem aprender inglês.



  • Márcia Cannecchia em 12/17/2017 07:13

    ADorei a entrevista!!! Parabéns.



  • Joelma Moreira em 12/17/2017 10:03

    Adoroooo Smalladvantagens !



  • Karina em 12/17/2017 13:45

    Excele entrevista. O Gavin arrasa!!



  • Kelly Críscylla em 12/17/2017 23:06

    Amei a entrevista, obrigada NT, sou muito fã do Gavin, o sigo por anos e acho excelente nossa igreja se enteressar em assuntos que elevam nosso intelecto.



  • Joffre Neto em 01/11/2018 00:48

    Muito simpáticos ambos!
    Gostaria de, quem sabe, colaborar:

    “Meia-boca”, é em oposição a “boca cheia”, ou seja, completa, perfeita. Assim, coisa incompleta, mal-feita.

    “Quebrar-galho” – fazer um favor fora das regras normais, dar um jeito. Aí, por extensão, pode-se falar em “quebra-galho” como algo mais ou menos improvisado, mas que funciona.

    “Ponta-cabeça” – o Gavin acertou! É mesmo algo de cabeça para baixo.
    Quanto ao exemplo seria melhor usar: “Encontrei minha casa de pernas p’ro ar!”

    E, por fim, fala-se até em Portugal “portugueis”, “ingleis” e não “português”, “inglês”, que no Brasil é falado quase que exclusivamente em Minas, principalmente em Belo Horizonte.

    Abs e parabéns pela entrevista!



  • vanessa em 02/23/2018 17:42

    curti muito essa entrevista D+