doe agora TV TV
INÉDITO:
  • QUI22:30
REPRISES:
  • DOM19:30
  • TER03:00
  • QUA16:30
  • SEX11:30
  • SAB08:30

PALAVRAS DO APRESENTADOR


Abril – um mês de muitos significados

Muitos talvez não saibam, mas abril é um dos mais importantes meses do calendário judaico. Ele coincide parcialmente com o mês de Nisã ou Aviv que se tornou no deserto “o primeiro dos meses do ano”. (Êx 12:2; 13:4; Núm 33:3). Daí em diante, havia uma distinção entre o calendário sagrado instituído por Deus e outro anterior, criado a partir das atividades civis.

Aviv significa primavera em hebraico, já que, nesse período, começa a primavera no hemisfério norte e o tempo das colheitas. É, de fato, um período muito bonito do ano. O nome da famosa cidade de Tel Aviv é uma homenagem a esse momento. Tel Aviv quer literalmente dizer: “colina primaveril”.

O nosso nome “abril” em português, também tem um sentido semelhante, pois vem do latim com provável significado de “abertura” (aperire) – referente ao desabrochar das flores. Vocês precisam ver como são lindas as flores de Israel.

Na Bíblia, os meados abril coincidem com fim da estação chuvosa e a plenitude da chuva serôdia ou chuva de primavera, essencial para o amadurecimento dos grãos antes da colheita. (Dt 11:14; Os 6:3; Je 5:24).

Era neste mês que o rio Jordão transbordava (Jos 3:15; I Cr 12:15), o trigo amadurecia e a cevada já estava pronta para ser colhida (Rute 1:22; 2:23). Era também neste mês que celebrava-se a primeira das festas religiosas do ano, a páscoa, relembrando a libertação do povo da escravidão do Egito (Êx. 12:2-14; Lev. 23:5; Deut. 16:1). Depois vinha a festa dos pães ázimos e a oferta das primícias pela boa colheita da cevada (Êx 12:15-20; 23:15; 34:18; Lev. 23:6-11).

Tudo isso tinha um significado espiritual e, 15 séculos depois, Jesus chegou a Jerusalém com seus discípulos e celebrou, em abril, a festa da páscoa. Então ele institui a santa ceia e conclama que todos sempre participem dela em seu nome até que ele venha (Mt 26:17-30;1Co 11:23-25). Pouco tempo depois ele foi morto e, com seu sangue, redimiu a humanidade.

A toda essa lista de fatos importantes ocorridos em abril, permita-me acrescentar mais um: o retorno do programa Evidências à Rede Novo Tempo. Tentar descrever minha felicidade é utopia. É como pedir a um pássaro que descreva a alegria de voar ou a uma baleia que explique a emoção de navegar pelas profundezas do oceano. Sentimentos assim não se explicam, nem se descrevem. Apenas se testemunham.

Confesso que fazer um programa dessa natureza não é fácil. A equipe que o diga! Mas, como a secura do deserto deixa a água mais saborosa, a ausência temporária das telas alimentou a saudade e permitiu um retorno cheio de energia, contentamento e garra, fazendo o nosso melhor para produzir uma série de programas cada vez melhores, focados na glória de Deus e dedicados a você com todo o nosso carinho.

Peço a Deus que nos dê humildade e sabedoria para conduzir essa nova etapa de gravações. Que nos permita ser sérios o bastante na pesquisa e transmissão da mensagem, sem, contudo, perder a ternura que nos torna realmente humanos.

Um bom artista precisa ser vulnerável para transmitir sensibilidade através de sua arte. Se não somos vulneráveis, não podemos ser heróis. E o maior exemplo disso foi dado pelo próprio Deus que mesmo sendo inatingível assumiu em seu amor um ponto vulnerável: ele pode ser rejeitado! Por isso ele mesmo se tornou o nosso herói, apelando ao nosso coração para que aceitemos sua graça e perdão.

Pregar isso é a missão última do programa Evidências e a sua entrega, telespectador, é a “evidência” que precisamos para saber que estamos no rumo certo. Que vale a pena dar o nosso melhor para preparar programas que testemunhem a verdade através dos tempos, pois, afinal de contas: O Tempo não apaga a História!

Rodrigo Silva


Você está em : Artigos
Compartilhe: