doe agora TV TV
INÉDITO:
  • TER-QUI22:00
REPRISES:
  • DOM10:30
  • QUA03:30
  • QUI00:30
  • SEX09:30
  • SAB09:00
  • SAB20:00

Jesus e o Sábado


Leia com atenção: Deuteronômio 28: 1 e 2

 “E será que, SE ouvires a voz do SENHOR teu Deus, tendo cuidado de guardar todos os seus mandamentos que eu hoje te ordeno, o SENHOR teu Deus te exaltará sobre todas as nações da terra. E todas estas bênçãos virão sobre ti e te alcançarão, quando ouvires a voz do SENHOR teu Deus;”

Veja agora o verso 15 do mesmo capítulo: Será, porém, que, se não deres ouvidos à voz do SENHOR teu Deus, para não cuidares em cumprir todos os seus mandamentos e os seus estatutos, que hoje te ordeno, então virão sobre ti todas estas maldições, e te alcançarão

Agora veja entre as maldições a que destacamos no verso 36: O SENHOR te levará a ti e a teu rei, que tiveres posto sobre ti, a uma nação que não conheceste, nem tu nem teus pais; e ali servirás a outros deuses, ao pau e à pedra. E serás por pasmo, por ditado, e por fábula, entre todos os povos a que o SENHOR te levará.”
Os judeus que retornaram a Jerusalém após os 70 anos de exílio na Babilônia, sabiam muito bem que seu exílio havia sido uma punição por terem negligenciado as leis de Deus. Então, para evitar outro exílio, os líderes religiosos formularam uma legislação detalhada que iria protegê-los de jamais quebrar novamente as leis divinas. Tal legislação evoluiu com o passar do tempo, nos dias de Jesus, tinha se tornado uma lista de 39 proibições só na área da agricultura: Veja conforme estão registradas no Mishnah:

Proibições de :

  1. Semear
  2. Arar
  3. Colher
  4. Agrupar feixes
  5. Debulhar
  6. Dispersar
  7. Catar
  8. Moer
  9. Peneirar
  10. Preparar massa
  11. Assar
  12. Tosquiar
  13. Lavar a lã
  14. Desembaraçar a lã
  15. Tingir a lã
  16. Fiar
  17. Tecer
  18. Dar dois nós
  19. Tecer dois fios
  20. Separar duas linhas
  21. Atar
  22. Desatar
  23. Coser
  24. Rasgar
  25. Caçar
  26. Abater
  27. Raspar o couro
  28. Curtir o couro
  29. Alisar o couro
  30. Demarcar o couro
  31. Cortar
  32. Escrever
  33. Apagar
  34. Construir
  35. Demolir
  36. Acender fogo
  37. Apagar ou diminuir o fogo
  38. Martelar
  39. Transportar algo desde um ambiente particular a um público

 

Preste atenção na Proibição 3: Colher

Agora acompanhe a leitura de Marcos 2:23 a 28 :

“E aconteceu que, passando ele num sábado pelas searas, os seus discípulos, caminhando, começaram a colher espigas. E os fariseus lhe disseram: Vês? Por que fazem no sábado o que não é lícito? Mas ele disse-lhes: Nunca lestes o que fez Davi, quando estava em necessidade e teve fome, ele e os que com ele estavam?Como entrou na casa de Deus, no tempo de Abiatar, sumo sacerdote, e comeu os pães da proposição, dos quais não era lícito comer senão aos sacerdotes, dando também aos que com ele estavam? E disse-lhes: O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado.Assim o Filho do homem até do sábado é Senhor.”

Segundo os fariseus qual foi o pecado deles? Colheram espigas para comer porque estavam com fome. Em qualquer outro dia, isto não teria sido problema. O Torá, na verdade, permite colher espigas no campo de outra pessoa (Dt 23:25). A discussão ali não era que os discípulos estivessem colhendo espigas de cereal mas, sim, que eles estavam fazendo isso no sábado. Contudo, não existe nada no Torá (nem em qualquer outro lugar na Bíblia, sobre esse assunto) que proíba colher espigas de trigo no sábado. Então, por que os fariseus descreveram o comportamento dos discípulos como “fora da lei”?

Eles estavam desobedecendo a Bíblia, ou a tradição rabínica?

Jesus primeiramente defendeu a ação de Seus discípulos ao mencionar a história do Antigo Testamento quando Davi comeu o pão da proposição do templo e o repartiu com alguns de seus companheiros (Marcos 2:26; 1Samuel 21:1-6). O pão da proposição devia ser comido somente pelos sacerdotes (Levítico 24:5-9), Davi e seus companheiros quebraram uma lei bíblica real.
Por que foi admissível para Davi e seus companheiros comerem o pão sagrado, quando nos mandamentos de Deus somente o sacerdote deveria comê-lo? Aparentemente, foi permitido porque eles estavam famintos e comer o pão da proposição era sua única opção para satisfazer a fome. Em tal caso, a necessidade humana foi mais importante que a formalidade religiosa (a santidade do pão da proposição). De idêntica maneira, os discípulos de Jesus não estavam em falta porque eles também estavam em necessidade de alimento, e era lícito colher espigas de cereal num campo. O fato de estarem fazendo isto num sábado não fez qualquer diferença.
Enquanto isso possa ter sentido perfeito para você e para mim, deve ter enfurecido os fariseus. Para eles, as 39 proibições sabáticas tinham a mesma autoridade do Torá. Então, que direito tinha Jesus de anular a autoridade deles?
Ainda não satisfeitos, os líderes foram ampliando as proibições, chegando ao número absurdo de 612 proibições, os fariseus tornaram o sábado um fardo. Sob a lei farisaica, os judeus eram proibidos de por exemplo:

  • Cuspir na grama no sábado porque, ao fazer isso, alguém poderia estar irrigando uma muda de grama.
  • Cuspir no chão poderia fazer barro, o barro era para fazer tijolos
  • Não podiam tomar banho
  • Ou andar além do tiro de pedra

Veja João 9:6 e 7 “Tendo dito isso, cuspiu na terra, tendo feito lodo com a saliva, aplicou nos olhos do cego dizendo-lhe: Vai lava-te no tanque de Siloé. Ele foi e voltou vendo.”    

Agora analise a atitude de Jesus, ela não foi exatamente contra tudo o que as proibições farisaicas diziam?
Não foi isso o que Deus planejou que o sábado fosse. Deus criou os humanos dotados com a necessidade do descanso e do rejuvenescimento espiritual. Ele criou o sábado para preencher essas necessidades. E Jesus disse “O sábado foi feito [literalmente em consideração a] por causa do homem, e não o homem por causa do sábado” Marcos 2:27.
Com essa simples declaração, Jesus diz muito sobre Si mesmo. Essa simples declaração, afirma que Ele é quem criou o sábado para nós. Com esta simples declaração, Ele afirma que somente Ele determina o que é permitido fazer no sábado. Isso foi uma dura repreensão para os fariseus, que estavam tentando impor suas próprias leis a respeito do sábado.
Sim, Jesus é o Senhor do sábado”. Marcos 2:28 – Esta é a grande nova. Só Ele estabelece o propósito do sábado e Ele determinou que deveria ser uma bênção e uma alegria para os humanos e o povo de Deus sabia disso: “Se desviares o teu pé do sábado, de fazeres a tua vontade no meu santo dia, e chamares ao SÁBADO DELEITOSO, E O SANTO DIA DO SENHOR, digno de honra, e o honrares não seguindo os teus caminhos, nem pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falares as tuas próprias palavras,

 

Então te deleitarás no SENHOR, e te farei cavalgar sobre as alturas da terra, e te sustentarei com a herança de teu pai Jacó; porque a boca do SENHOR o disse. Isaías 58:13

O sábado é um dia especial dado a nós. É um dia em que podemos ter descanso mental e físico, o que nos ajuda a estar prontos para os seis dias de trabalho que se seguirão. Guardar o sábado fielmente nos ajuda a apreciar o repouso, ser capazes de descansar de todos os nossos labores e cuidados. Mas precisamos ser cuidadosos para não transformar o sábado num dia de fazer e não fazer. Quando começamos a nos focalizar mais nas leis e não nAquele que nos deu a lei, logo iremos nos afastar do coração do Seu mandamento do sábado. Todos os mandamentos de Deus foram dados e fundamentados em Seu amor.

 

Jesus Curou no Sábado

Que tipo de trabalho Jesus realizava no Sábado?

João 5:17 “E Jesus lhes respondeu: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também.”

A questão era o que Jesus fazia no sábado: Será que ele ia a carpintaria? Essa expressão meu Pai trabalha certamente Jesus não estava falando de José, mas de DEUS. E entre as atividades de Jesus no sábado uma foi marcante: Curar

Vamos aqui relatar apenas 7 curas de Jesus no Sábado – Como o próprio Jesus disse em Mateus 12:12 “É lícito fazer o bem no sábado”.

1-Cego de Nascença-(João 9)
2- Paralítico (João 5)
3- Homem possesso (Lucas 4:33)
4- A sogra de Pedro (Lucas 4:38)
5- O Homem com a Mão paralisada (Lucas 6:6)
6- A Mulher Curvada (Lucas 13:14)
7- Um Hidrópico (Lucas 14:2)

O fato de Jesus realizar curas no sábado revela que o Sábado é um dia para receber muitas bênçãos. Jesus nunca falou contra o Sábado, Ele apenas veio nos ensinar a como guardá-lo.

Jesus curou todos esses para mostrar que o sábado é um dia de receber bênçãos (Gênesis 2:2 e 3)

 

Jesus Guardou ou Transgrediu o Sábado?

 

SE O SÁBADO FOI ABOLIDO DA LEI, QUANDO FOI QUE ELE FOI ABOLIDO: ANTES OU DEPOIS DA MORTE DE JESUS?

A questão é simples, JESUS nunca poderia ter desobedecido um mandamento. Ele nunca pecou, ele mesmo disse: Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor. João 15:10

Não há dúvidas quanto ao fato de JESUS não era um transgressor da Lei. Outra questão: Não podia tomar banho no sábado, os essênios nem necessidades fisiológicas faziam no sábado, não podiam cuspir na grama (poderia regar uma grama, isso era o mesmo que regar uma planta); ou cuspir no chão (isso era interpretado como fazer barro para tijolos).

Se Jesus era contra a guarda do sábado porque Ele pediu para que os seus discípulos “Orai para que a vossa fuga não se de nem no inverno e nem no Sábado!” em Mateus 24:20?

Aqui Jesus está profetizando algo que iria acontecer 40 anos depois de sua morte, a invasão se Jerusalém, e o seu conselho é que orassem para que a invasão não acontecesse num Sábado (Aconteceu numa quarta-feira e não foi no inverno). Por dois motivos Jesus deu este conselho:

1º) Fugir no inverno seria muito ruim, enfrentariam dificuldades, tinham famílias.

2º) O dia de Sábado é dia de Adorar e durante a fuga não haveria condições para adorar.

Mas não podemos nos esquecer:

  1. Lei não pode salvar, quem salva é JESUS (Atos 4:12)
  2. Jamais alguém foi, ou será salvo por guardar lei alguma
  3. A função da lei MOSTRAR QUE SOMOS PECADORES (Romanos 7:7) e que PRECISAMOS DE UM SALVADOR (Gálatas 3:24)

 


Você está em : Artigos
Compartilhe:


Comente



  • Edmilson santos em 2 de maio de 2015 7:57

    Foi esclarecedor! Muito bom!



    • Idely - Instrutora Bíblica e Conselheira em 2 de maio de 2015 18:20

      Amém! Querido amigo EDMILSON, agradecemos o seu contato. Gostaríamos de estudar a Palavra de Deus contigo, seria uma alegria enorme para nós, você aceitaria? Estaremos aguardando seu retorno, conte sempre conosco, que Deus abençoe muito a sua vida, um grande abraço dos seus amigos do Está Escrito.



  • Maurício Irineu em 20 de abril de 2014 11:29

    DOS 10 MANDAMENTOS, 9 SÃO REPETIDOS NO NT MENOS O 4º MANDAMENTO. EM NENHUM LUGAR DO NT TESTAMENTO ESTÁ ESCRITO PRA SE GUARDAR O SÁBADO.



    • Instrutor e Conselheiro em 21 de abril de 2014 9:25

      Olá querido irmão MAURÍCIO,vemos na Palavra do Senhor que o sábado aparece mais de 60 vezes no Novo Testamento. Vamos analisar agora as passagens dos evangelhos que tratam sobre o sábado:
      O Sábado nos Evangelhos
      a) Mt 12:1-14 (cf. Mc 2:23-3:6; Lc 6:1-11)
      Nesta passagem Jesus é interrogado por estar colhendo espigas no sábado. São os fariseus que condenam esta ação, pois eles haviam sobrecarregado o sábado com inúmeras “mini-leis”, que deveriam disciplinar a observância desse dia. Jesus, então, responde com a famosa frase: “O Filho do Homem é Senhor do sábado”. Ora, Jesus é Senhor de tudo, INCLUSIVE do sábado. Esta declaração não dá nenhuma margem para que o sábado fosse abolido ou minimizado; apenas demonstra que Jesus possuía (e possui) uma autoridade superior àquela que os fariseus estavam dando a Ele, ou seja, para os fariseus Jesus não passava de um impostor, mas o Mestre demonstrou o erro dos “doutores”, ao declarar que o sábado era um dia criado por Ele, por isso, apenas Ele tinha total autoridade sobre esse dia.
      Em seguida, surge a situação da cura do homem da mão ressequida. Jesus já sabia muito bem que os fariseus não concordariam com uma cura realizada no sábado, mas o Senhor conhecia o coração hipócrita desses líderes, que estavam dispostos a sacrificar uma vida humana (especialmente se fosse de um pobre) mas não achavam errado socorrer um animal ferido no sábado, quando isso pudesse trazer algum retorno financeiro para eles.
      A passagem em questão termina de forma bastante interessante (cf. Mt 12:14), pois os fariseus estavam acusando Jesus de “transgredir” a Lei, mas eles próprios não estavam se dando conta de que um mandamento também dizia para “não matar”. Que ironia!
      O evangelho de Marcos (2:27) acrescenta a declaração de Jesus de que o “sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado”. Isto é perfeitamente compreensível e verdadeiro, pois tudo neste mundo (natureza, animais, igreja, família, sexo, salvação, sábado, perdão, etc.) foi criador pelo Senhor para benefício da Sua mais importante criatura – o homem. Tudo foi feito “por causa”, ou seja, em benefício do homem. Dizer que nesta declaração Jesus está afirmando que não precisamos obedecer o mandamento do sábado é, no mínimo, um desprezo às mais elementares regras de interpretação de texto.
      b) Mt 24:20
      Esta é uma passagem que demonstra a verdadeira noção de importância que Jesus dava ao dia de sábado. Nesta profecia, o Senhor declara que a fuga dos discípulos nos períodos de tribulação não deveria ocorrer no sábado, pois isto certamente os encontraria desprevenidos por estarem envolvidos na preparação e santidade deste dia. Jesus foi tão preciso em Sua profecia, que o exército romano entrou e destruiu Jerusalém no ano 70 d.C., ou seja, aproximadamente 40 anos após Jesus ter feito a declaração de Mt 24:40. Que importante e inquestionável testemunho da validade que o sábado tem na vida de adoração do crente, mesmo após a ressurreição do Salvador. Jesus desejava que o sábado permanecesse como dia de adoração, mesmo após Sua morte e ressurreição, como fica evidente pela leitura desta passagem. Este é um dos muitos versos que os inimigos do sábado nem mencionam, pois não conseguem explicá-lo sem distorcer o real sentido da passagem.
      c) Mt 28:1-10 (cf. Mc 16:1-11; Lc 24:1-12; João 20:1-10)
      Este texto trata da ocasião em que Jesus foi crucificado e ficou durante o sábado na sepultura. Novamente, em nenhum momento há qualquer menção sobre a abolição do sábado para os cristãos. Há o relato histórico de que foi numa sexta-feira (chamado de “dia da preparação” para o sábado – Mc 15:42) que Jesus foi crucificado, permanecendo durante todo este dia na sepultura, e ressuscitando apenas na madrugada do domingo. Interessante notar que o sábado foi o único dia em que Jesus ficou integralmente na sepultura, descansando do mesmo modo como havia feito na Criação (cf. Gên. 2:1-3; João 1:1-14).
      d) Lc 4:16
      Que texto maravilhoso! Uma declaração absolutamente clara de que era “costume”, ou seja, era um hábito normal de Jesus estar na sinagoga (a igreja da época) no dia de sábado. Ele, como Criador e Mantenedor de tudo, não poderia deixar de lado algo que Ele mesmo criou, santificou, abençoou e deixou como exemplo para toda a humanidade. Este é outro texto que os inimigos do sábado não conseguem argumentar contra, sem distorcer o que a Bíblia está ensinando.
      1
      e) Lc 13:10-14:6 (cf. João 5:9-9:16)
      Novamente Jesus é interrogado sobre a legalidade de se realizarem curas no sábado. É evidente que não se pode usar o sábado como desculpa para não operar o bem ao próximo. Os fariseus, porém, atolados em sua hipocrisia e ganância, preferiam “fechar os olhos” para algo tão claro, revelado no amor de Deus. O texto é muito claro em dizer que os fariseus “nada puderam responder” a Jesus (cf. Lc 14:6).
      f) Lc 23:56
      Outro verso para o qual os inimigos do sábado não conseguem dar uma explicação eficaz e verdadeira, sem distorcer o texto bíblico. Se Jesus REALMENTE havia ensinado ou insinuado que o sábado era desnecessário na nova aliança, e que o “tempo da graça” havia chegado, por que estas mulheres continuaram guardando-o? Não havia chegado a hora de coloca este “jugo” de lado, como o dizem muitos hoje?
      Estas santas mulheres, que permanecerem ao lado de Jesus durante Seu ministério terrestre; que ouviram os ensinamentos divinos dos lábios do próprio Senhor do Universo; que sabiam das respostas que Jesus havia dado aos fariseus acerca do tema do sábado, como vimos anteriormente; que presenciaram a crucifixão do Seu Mestre; estas mulheres não abandonaram o mandamento do sábado quando Jesus morreu, e muito menos adoraram no domingo, como fazem os pseudo- seguidores de Jesus da atualidade. Elas permaneceram fiéis à Lei do Senhor, e “descansaram segundo o mandamento” (cf. Êx 20:8-11). Mais claro que isso é impossível…
      Eu já li muitos livros escritos pelos inimigos do sábado que sempre citam a passagem de João 20:19 para apoiarem sua teoria de que os discípulos trocaram o sábado pelo domingo, após a ressurreição de Cristo. Basta uma leitura sincera do texto para ver que o motivo que levou os seguidores de Jesus a estarem reunidos naquele dia era o “medo dos judeus”. Não estavam ali fazendo uma missa ou culto de adoração, mas estavam era se escondendo da perseguição que já estava sendo iniciada. É muito fácil distorcer o texto bíblico, ou qualquer outro texto interpretativo, para favorecer um pensamento pessoal de um indivíduo ou denominação. Mas o Espírito Santo ajuda àqueles que, sinceramente, buscam descobrir a verdade acerca do viver que agrada ao Senhor. Não encontramos em nenhum lugar da Bíblia a palavra “domingo”, nem qualquer menção à mudança do sétimo para o primeiro dia da semana, nem por Jesus, nem pelos Seus apóstolos (como veremos adiante).
      Se você deseja seguir o exemplo de Jesus e das pessoas que O seguiam, então você não pode mais desprezar a santidade do sábado, e deve procurar imediatamente concertar sua vida com o Senhor, pedindo perdão a Ele pela “cegueira” que fez com que este dia fosse menosprezado em sua vida.
      Os Adventistas do Sétimo Dia sentem-se felizes e aliviados por terem a plena certeza de que a bênção do Senhor está sempre sobre aqueles que fazem Sua vontade, apesar de possíveis perseguições, humilhações, escárnios ou desprezo daqueles que fecham os olhos para o claro ensino bíblico acerca do verdadeiro dia do Senhor – o sábado (cf. Ap 1:10: Is 58:13; João 20:1, 19). Nosso próprio nome já é um testemunho ao mundo de que Jesus é o Senhor da Igreja Adventista (cf. Ez 20:12, 20).
      O Sábado no Livro de Atos
      Este livro é muito esclarecedor porque nos mostra um resumo de como era a vida na Igreja que estava iniciando seus primeiros passos. Certamente é no livro de Atos que poderemos encontrar alguma base de autoridade para a rejeição atual do sábado do sétimo dia, se é que existe tal base.
      1:12 – Esta é a primeira menção ao sábado no livro de Atos, apenas fazendo referência ao costume de andar uma curta distância durante este dia (aproximadamente 1 Km).
      13:14 – Os discípulos procuram uma sinagoga para pregar. São acolhidos com atenção e aproveitam para pregar sobre Jesus (vv. 16-41), acrescentando que em todos os sábados são lidos os ensinamentos de Deus nas sinagogas (v. 27).
      13:42 – Os discípulos receberam o convite para retornarem no próximo sábado, e continuarem a maravilhosa pregação sobre Jesus.
      13:44 – Quase toda a cidade veio no sábado para ouvir o que os discípulos tinham ainda para falar. Percebemos que não eram todos judeus (como os inimigos do sábados dizem hoje), pois estes estavam tentando desfazer a pregação dos discípulos diante da multidão (v. 45).
      15:12-21 – Esta é uma passagem reveladora, pois foram determinadas algumas coisas que não mais poderiam ser impostas sobre os gentios conversos ao cristianismo. Pergunta-se: Por que os apóstolos não incluíram o sábado entre os temas proibidos?! Não dizem hoje que eles trocaram o sábado pelo domingo, logo após a ressurreição?! Fica evidente que os inimigos do sábado hoje em dia estão mais interessados em tradições humanas, do que seguir os princípios que os discípulos de Jesus demonstravam em sua própria vida.
      16:11-15 – Alguns dizem que os discípulos pregavam no sábado apenas para aproveitar as sinagogas judaicas. Mas a passagem em questão revela claramente que não era este o real motivo. Paulo, como você sabe, foi um apóstolo que não conviveu pessoalmente com Jesus, tendo sido convertido alguns anos após a ressurreição do Mestre. Paulo é encontrado aqui neste texto procurando “um lugar de oração”, no sábado, afastado da cidade. Por que?! Será que o Espírito Santo não havia orientado o apóstolo a abandonar os “rudimentos” do judaísmo, como dizem os inimigos do sábado? Fica muito claro para o leitor sincero que Paulo, um dos maiores apóstolos de Cristo, nunca ensinou a abolição do sábado do sétimo dia, e ele mesmo vivia a santidade deste dia especial por onde quer que ele andasse.
      2
      17:1-3 – Novamente, Paulo é visto aproveitando o sábado para pregar a salvação em Cristo àquelas cidades.
      18:1-4 – O apóstolo da graça e dos gentios tinha uma profissão – fazer tendas. Mas o texto é claro ao dizer que Paulo fechava sua oficina ou sábado (ou será no domingo, e a pessoa que digitou a Bíblia era Adventista e mudou a digitação para sábado?). Paulo adorava o Senhor Jesus no dia de sábado, como fica evidente pelo texto bíblico, e se dirigia ao local de adoração para pregar sobre a salvação em Jesus. Percebe-se facilmente (basta ler sem preconceitos) que não era apenas para encontrar os judeus que Paulo ia à sinagoga no sábado, pois o próprio texto afirma que ele pregava também aos gregos neste dia, e bem sabemos que os gregos não santificavam o sábado.
      19:17-27 – Nesta passagem, Paulo afirma enfaticamente que estava de consciência limpa porque ensinara TUDO que era importante para os gentios viverem uma vida de verdadeiros cristãos, bem como mostrara para eles TODO o desígnio de Deus para suas vidas. Mas em NENHUM momento ele fala para eles abandonarem o sábado e adorarem o Senhor no domingo. Que interessante!
      O Sábado Nas Epístolas Paulinas
      Vamos analisar uma passagem na qual Paulo refere-se ao sábado, e esta é muito utilizada pelos inimigos do sábado para “provarem” que o apóstolo não aceitava a guarda deste dia.
      1) Col. 2:16 – Paulo está dizendo aqui que o sábado não é importante para o crente da nova aliança? É mesmo isso que o texto está ensinando? É muito fácil para aqueles que agem com falsidade e infidelidade para com a Bíblia, simplesmente isolarem um texto de seu contexto, e ensinarem deturpações doutrinárias que a Bíblia nunca autorizou. Eu conheço diversas denominações que surgem dessa forma, através da interpretação equivocada e destituída de sinceridade com que alguns ensinam algum texto bíblico (por exemplo: batismo pelos mortos, predestinação, arrebatamento secreto, dom de línguas, prosperidade material, imortalidade da alma, comer de tudo, uso de véu pelas mulheres, guarda do domingo, mariolatria, etc… apenas para citar algumas).
      O contexto da passagem de Col. 2:16 revela claramente que o tema não era propriamente o sábado do sétimo dia. O verso 17 acrescenta que o que havia sido mencionado no v. 16 (lua nova, festas, sábados) era apenas uma SOMBRA de coisas futuras. Mas o sábado do 4o mandamento (cf. Êx 20:8-11) era sombra de quê? De absolutamente nada!
      Quando Paulo fala em Colossenses que o sábado era uma sombra, certamente ele se referia aos dias sabáticos cerimoniais (cf. Lv 23), que apontavam para a redenção que o Messias operaria em Israel, cujo cumprimento veio na Pessoa Divino-Humana de Jesus Cristo.
      2) Hebreus 4:1-13 – Não é nosso propósito tratar aqui sobre as provas da autoria paulina do livro de Hebreus. A Igreja Adventista crê que foi Paulo quem escreveu este livro, dirigido especialmente aos primeiros cristãos de origem hebraica (utilizarei como base para a explicação a seguir, a interpretação do Comentário Adventista sobre esta passagem).
      Alguns pensam que nesta passagem o autor indica que os cristãos devem deixar de guardar o sábado semanal, próprio dos judeus, trocando-o por algum outro “repouso” espiritual de Deus – possivelmente o domingo, ou mesmo a “graça”. Esta interpretação não encontra embasamento sólido nas Escrituras. A passagem simplesmente emprega uma figura, a do repouso do sábado, com todas suas bênçãos e símbolos, para ilustrar a idéia do repouso de Deus. A epístola aos Hebreus está dirigida a quem observava o sábado e gozava de suas bênçãos, entendendo perfeitamente o que o autor estava dizendo.
      Este texto contém um convite aos cristãos hebreus de darem ao repouso sabático semanal uma amplitude maior: reconhecê-lo como uma referência clara do repouso eterno que Deus promete. O mesmo convite é para os cristãos observadores do sábado nos dias atuais.
      a) O “repouso” de Deus como originalmente foi prometido ao antigo o Israel, incluía: (1) um estabelecimento permanente na terra de Canaã; (2) uma transformação de caráter que faria da nação um adequado representante dos princípios do reino de Deus; e (3) faria deles o agente escolhido de Deus para a salvação do mundo.
      b) A geração a qual originalmente foi feita a promessa do “repouso”, fracassou; não entrou em Canaã devido à “incredulidade” (cf. Hb 3:19) e “desobediência” (cf 4:6).
      c) Josué presidiu a geração passada na entrada à terra que se lhes tinha sido prometida (cf. 3:11), mas como eram espiritualmente duros de coração, ele não pôde fazê-los entrar no “repouso” espiritual que Deus queria que desfrutassem (cf. 4:7-8).
      d) A mesma promessa foi repetida nos dias do Davi (v. 7). Isto demonstra que Israel ainda não tinha entrado no “repouso” espiritual, e também que seu fracasso nos dias do Moisés e Josué não tinha invalidado a promessa original.
      e) É seguro o cumprimento final dos propósitos de Deus apesar do fracasso de sucessivas gerações (cf. vv. 3 e 4).
      f) O autor suplica ao povo de Deus dos dias apostólicos que entre “naquele repouso” (vv. 11 e 16). É uma comprovação a mais de que continuava a validez do convite, e de que o povo de Deus não havia entrado junto nesse “repouso”, nem mesmo nos tempos apostólicos.
      g) Em conclusão, continua a validez da promessa de entrar no “repouso” espiritual de Deus (vv. 6 e 9), e os cristãos devem procurar “entrar naquele repouso” (v. 11).
      Deve notar-se que o “repouso” nos tempos do cristianismo é o mesmo “repouso” espiritual prometido originalmente a Israel (cf. v. 3).
      3
      O Sábado no Apocalipse
      1:10 – Alguns (especialmente os Católicos Romanos) querem defender que este verso indica que o “dia do Senhor” é o domingo. Porém um estudo apurado do texto no seu original grego demonstra que traduzir “dia do Senhor” por “domingo”, como acontece com algumas versões tendenciosas da Bíblia, é um equívoco. A expressão que aparece no texto grego de Ap 1:10 é KURIAKÊ EMÊRA, que significa apenas “dia do Senhor”, nada tendo a ver com o “domingo” (dia consagrado ao deus Sol – SUNDAY, em inglês).
      Relembremos qual era o dia que os discípulos consideravam como sendo o “dia do Senhor”. Basta ler alguns textos- chaves, como João 20:1, 19, por exemplo, para vermos que João considerava o sábado como sendo o verdadeiro “dia do Senhor”. Traduzir este verso, colocando a palavra “domingo” como sendo a correspondente de KURIAKÊ EMÊRA é uma tentativa desesperada de incluir na Bíblia alguma base para a guarda de um dia, cuja Palavra de Deus nunca autoriza a ser guardado, muito menos em substituição ao sábado do sétimo dia.
      14:6-7 – Interessante notar que a mensagem que o 1o anjo recebeu para levar a todo o mundo era uma exortação para adorarem a Deus como “Criador” de todas as coisas. O mais curioso é que o único mandamento que revela o motivo pelo qual o Senhor deve ser adorado é o 4o – o do sábado (cf. Gên. 2:1-3; Êx 20:8-11), e praticamente a mesma seqüência de palavras é utilizada em ambas as passagens (cf. Êx 20:11; Ap 14:7), ou seja, devemos adorar Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e tudo o mais. Coincidência? Não. A Bíblia é um livro de “providências”.
      Os santos de Deus, no Apocalipse, são retratados como sendo aqueles que “guardam os mandamentos de Deus” (cf. 12:17; 14:12; Sal. 119:152). E a Bíblia considera a guarda dos mandamentos como sendo válida SOMENTE quando TODOS os mandamentos são obedecidos, inclusive o 4o (cf. Tg 2:10-11).
      Como pudemos ver no texto bíblico, não há uma única palavra autorizando a abolição do sábado do sétimo dia; pelo contrário, vemos que TODOS os discípulos de Cristo continuaram guardando este dia, mesmo muitos anos após a Sua morte, como foi o caso de Paulo, por exemplo.
      O PRIMEIRO DIA DA SEMNA
      Há algumas passagens que tratam do primeiro dia da semana. Mas, será que elas autorizam alguma mudança?
      a) “No findar do sábado, ao entrar o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro” (Mt 28:1). O verso apenas diz que elas foram ao sepulcro no primeiro dia da semana, após o sábado, pois elas haviam descansado no sábado em obediência ao mandamento (cf. Lc 23:54-56). O verso nada fala sobre a santidade do domingo após a ressurreição de Jesus.
      b) “E, muito cedo, no primeiro dia da semana, ao despontar do sol, foram ao túmulo” (Mc 16:2). Outro verso que apenas faz o relato de que as mulheres foram ao sepulcro no primeiro dia da semana, e apresenta que só foram neste horário porque o sábado já havia passado (cf. Mc 16:1). Nada fala sobre a santidade do domingo, e ainda confirma que elas guardavam o sábado do Senhor.
      c) “Havendo ele ressuscitado de manhã cedo no primeiro dia da semana, apareceu primeiro a Maria Madalena, da qual expelira sete demônios” (Mc 16:9). Apenas mais um relato sobre o momento histórico no qual Jesus ressuscitou. Mais uma vez, nada é apresentado sobre a pseudo-santidade do domingo como dia da ressurreição de Cris-to.
      d) “Mas, no primeiro dia da semana, alta madrugada, foram elas ao túmulo, levando os aromas que haviam preparado” (Lc 24:1). Como o último verso do cap. 23 deixa claro que aquelas mulheres guardavam o sábado, foi só passar o pôr-do-sol e elas foram ao sepulcro realizar o trabalho que havia sido deixado por fazer, para não se transgredir as horas santas do sábado do Senhor (cf. Lc 23:54-56). Você vê algo neste verso que autorize a santidade do domingo? Nem eu…
      e) “No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu que a pedra estava revolvida” (João 20:1). Apenas a repetição das passagens anteriores. Ninguém está questionando que Jesus ressuscitou no domingo, mas dizer que por este motivo este dia agora ficou no lugar do sábado, é acrescentar palavras que não estão no texto inspirado da Bíblia. Até aqui ainda estou esperando para ver onde está a tal “autorização” para mudar o sábado para o domingo…
      f) “Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco” (João 20:19). O texto é muito claro em afirmar o motivo pelo qual eles estavam reunidos: o medo dos judeus. Não tinha nada que ver com um culto ou missa dominical. O v. 26 diz que oito dias depois Jesus Se apresentou novamente para os discípulos. Jesus encontra-os ainda escondidos dos judeus, com as portas trancadas, e aproveita para apresentar-Se a Tomé, que estava ainda duvidando de Sua ressurreição. Nada ainda encontramos sobre a autoridade de mudar o sábado para o domingo. E olha que este seria um bom momento para Jesus aproveitar e ensinar para os discípulos que o domingo agora deveria ser o dia de guarda. Mas… se você encontrar tal ordem na sua Bíblia avise-me, pois eu ainda não a encontrei.
      g) “No primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim de partir o pão, Paulo, que devia seguir viagem no dia imediato, exortava-os e prolongou o discurso até à meia-noite” (At 20:7). O motivo pelo qual os discípulos estavam reunidos neste primeiro dia da semana é revelado no próprio texto bíblico: Paulo estava para viajar no dia seguinte. Nada mais. Não era
      4
      um culto semanal dominical, pois já vimos que Paulo adorava o Senhor no sábado (cf. At 16:11-15; 18:1-4; etc.). Ainda nenhuma palavra sobre a mudança do sábado para o domingo. Será que não vamos encontrá-la?!
      i) “No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte, em casa, conforme a sua prosperidade, e vá juntando, para que se não façam coletas quando eu for” (1Co 16:2). Este é o ÚLTIMO dos oito únicos versos do Novo Testamento que fala sobre o primeiro dia da semana. Já vimos que as sete passagens anteriores nada falam sobre a autorização para os cristãos mudarem o sábado para o domingo. Resta agora analisar esta última passagem. Paulo está falando sobre uma ajuda que seria enviada para os irmãos da Judéia (v. 1; cf. At 11:28-30). Os irmãos não são orientados a se reunirem no primeiro dia da semana para adorarem ao Senhor. O apóstolo dá uma orientação para separarem sua contribuição “em casa”, muito provavelmente junto com as provisões semanais da própria família. Quando Paulo visitasse a cidade, as ofertas já deveriam estar todas prontas. O fato de os discípulos se reunirem em um dia específico, além do sétimo semanal, não faz de tal dia um substituto do sábado do 4o mandamento, pois eles se reuniam diariamente (cf. At 5:42). O que torna um dia “santo” é a determinação de Deus, e isto acontece na Bíblia SOMENTE para o sábado (cf. Gên. 2:1-3; Êx 16:1-10: 20:8-11).
      Analisamos TODAS as passagens do Novo Testamento que tratam do sábado, e vimos que TODOS os discípulos e seguidores de Jesus guardaram este dia normalmente, pois fazia parte do seu dia-a-dia. Não há nenhuma cogitação entre os discípulos sobre a mudança do sábado para outro dia qualquer. Infelizmente, tal pensamento só existe na mente dos que não querem obedecer aos mandamentos do Senhor, opondo-se arrogantemente à Palavra de Deus.
      Se nossa base de fé estiver unicamente na Bíblia, e não na tradição ou mandamentos de homens (cf. Mc 7:13; At 5:29), então o único dia semanal que devemos separar para adorar ao Senhor, deixando de lado afazeres seculares e comuns, é o sábado do sétimo dia.
      OS SÁBADOS CERIMONIAIS (ANUAIS)
      Uma razão porque muitos confundem o tema do sábado na Bíblia é que não entendem (ou não querem entender) que ela fala de dois “tipos” diferentes de sábados:
      1. os do 4o mandamento, que ocorria no sétimo dia de cada semana, e não tinha nenhum aplicação transitória (cf. Gên. 2:1-3; Êx 20:8-11; Is 56:1-8; Ez 20:12, 20; Lc 4:16; At 18:1-4; etc.);
      2. os sábados festivos, que eram as comemorações que o povo de Israel realizava anualmente, e que podiam cair em qualquer dia da semana, cuja aplicação era passageira, pois apontava ao trabalho futuro do Messias como Libertador do povo de Deus (cf. Col. 2:16; Os 2:11; Lv 23; etc.).
      Os sábados do 4o mandamento, como vimos exaustivamente nos tópicos anteriores, nunca passaram. Porém, os sábados “cerimoniais” tiveram seu cumprimento na vida, morte e ressurreição de Cristo. Vejamos mais detalhes…
      A palavra SÁBADO (ou SHABBATH) significa “descanso”, algo parecido com os nossos “feriados”. Assim como no Brasil, os israelitas tinham alguns “sábados” (feriados) anuais, os mais importantes estão descritos abaixo. Durante estes dias, eles não realizavam qualquer trabalho, pois eram considerados dias de “santa convocação”. A melhor referência que encontramos sobre os sábados cerimoniais encontra-se no cap. 23 de Levítico, onde são identificados cada um deles. Vejamos.
      23:1-2 – Deus declara que as “festas fixas” serão momentos de convocação do povo à santidade e reflexão, pois eram festas que tinham uma aplicação espiritual muito forte para o povo.
      23:3 – Antes de entrar nos sábados cerimoniais, Deus relembra o povo sobre a santidade do sábado do sétimo dia. Veja que o Senhor mostra a distinção deste sábado semanal para os outros, que são anuais e podem cair em qualquer dia da semana.
      23:4-8 – A Páscoa, que era comemorada no 14o dia do 1o mês (NISAN, equivalente a março-abril do nosso calendário). 23:9-14 – As Primícias, que eram comemoradas no período da colheita.
      23:15-25 – O Pentecostes, comemorado no 1o dia do 7o mês (TISRI, equivalente a setembro-outubro no Brasil). 23:26-32 – Dia da Expiação, comemorado no 10o dia do 7o mês. Era o encerramento do ano religioso, com a
      purificação do santuário.
      23:33-36 – Festa dos Tabernáculos, comemorada do 15o ao 22o dias do 7o mês. Era toda uma semana de festas.
      O v. 38 deixa muito claro que estas “festas fixas”, ou “sábados”, eram diferentes dos “sábados do Senhor”, que eram os
      sábados semanais do sétimo dia.
      Um estudo sincero da Bíblia mostrará que havia estes dois grupos de sábados. Os que passaram foram os sábados
      “cerimoniais”, constituídos por estas festas anuais. Porém o sábado do 4o mandamento, que o Senhor sempre chama de “os Meus sábados” (cf. Ez 20:12, 20; 44:24; Êx 31:13; Lv 19:3, 30; Is 56:4; etc.), nunca passou, sendo exemplificado na vida de Jesus e dos santos apóstolos, como vimos anteriormente (cf. Lc 4:16; 23:54-56; At 16:1-5; etc.).
      Uma Interessante Declaração de Jesus
      Certa vez Jesus fez uma declaração polêmica:
      5
      “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres?Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade” (Mateus 7:21-23).
      Por muito tempo, este foi um texto que me apresentou dificuldade de compreensão, pois Jesus não está Se referindo aqui a pessoas que viviam no pecado (aparentemente) declarado. Não eram viciados, prostitutas, adúlteros, ladrões, assassinos, orgulhosos, avarentos, etc. Não!
      As pessoas citadas na passagem eram religiosas, e viviam uma vida de aparente adoração sincera ao Senhor Jesus Cristo. Elas declaram que em suas “igrejas” haviam curas, milagres, exorcismos, ou seja, manifestações aparentes do poder de Deus, e tudo era feito “em nome de Jesus”. Em resumo, eram membros de igrejas professamente “cristãs”. Por que, então, Jesus diz que “nunca” as conheceu? Não parece ser uma declaração muito forte?! Como Jesus pode dizer que não conhece alguém que afirma viver uma vida de adoração ao “nome” dEle? Isto me parecia por demais intrigante… até que atentei para os detalhes da passagem:
      1. Somente entrará no Reino de Deus aquele que “faz a vontade” de Deus. Então vemos que não basta “crer”, não basta ser “justificado” apenas por uma “declaração” nominal; é necessário viver uma vida de obediência… mas obedecer a quê? Como se expressa esta “vontade” do Pai?
      2. O final da passagem dá a resposta. Jesus manda que tais pessoas se apartem dEle, porque elas, apesar de usarem Seu nome, praticam a “iniqüidade”. Esta palavra é chave para compreendermos a declaração de Jesus. A palavra grega que foi aqui traduzida para nossa língua por “iniqüidade” é ANOMIA, que significa “quebra da lei”, “falta da lei”, “transgressão da lei”. Você encontra a mesma palavra em uma declaração do apóstolo João sobre a definição de pecado: “Todo aquele que pratica o pecado também transgride a lei, porque o pecado é a transgressão da lei” (grifo meu) – 1João 3:4.
      Que clareza!
      Veja que Jesus advertiu exatamente Seus discípulos com relação às religiões professamente cristãs, que se utilizam do nome de Cristo, mas que não recebem Seu selo de aprovação.
      Muitas pessoas vivem uma vida de aparente progresso em sua fé, com curas, milagres e bênçãos extraordinárias, mas que não é o Senhor quem está operando estas maravilhas, exatamente por que elas NÃO GUARDAM SUA SANTA LEI. Tais pessoas só querem uma vida de “justificação”, mas esquecem da vida de “santificação” que o crente deve apresentar diante de Deus e dos homens (cf. Tiago 2).
      Portanto, meu amigo, se em sua igreja existe muita profecia, curas, milagres e citações do nome de Jesus, mas é uma igreja que despreza os Mandamentos do Senhor… cuidado! Pois o Dia está próximo, e ninguém vai querer ouvir as terríveis palavras: APARTAI-VOS DE MIM… OS QUE TRANSGREDIRAM OS MANDAMENTOS.
      ***************************
      Já encontrei pessoas dizendo assim:
      “Me mostrem apenas um verso no Novo Testamento, no qual Jesus ou os apóstolos ensinem, aconselhem, orientem, incentivem, mencionem ou determinem a guarda do sétimo dia da semana”.
      Talvez você também já tenha visto algo parecido.
      É interessante como as pessoas tendem a fechar os olhos para tão claras evidências, e apegam sua fé naquilo que não está escrito.
      Ora, o sábado fazia parte da vida de Jesus e dos santos apóstolos, mesmo depois da ressurreição do Senhor, como vimos acima. Nem ao menos lhes passava na cabeça o pensamento de que o sábado fosse mudado para algum outro dia da semana, e isto pode ser evidenciado pelo total SILÊNCIO com que as Escrituras tratam do tema da mudança do dia de guarda, pois ele nunca ocorreu no período bíblico.
      Aqueles que querem encontrar a repetição do mandamento do sábado, letra-por-letra, no Novo Testamento, também deveriam parar de reprovar aqueles que adoram imagens (transgredindo, assim, o 2o mandamento) uma vez que também não se encontra no NT a repetição, letra-por-letra, do 2o mandamento da Lei Moral.
      Ou seja, quando a pessoa não quer enxergar NÃO HÁ QUEM A CONVENÇA. Talvez por isso a Bíblia diz que a tarefa de “convencer” da verdade não pertence a nós, mas ao Espírito Santo (cf. João 16:8).
      Conclusão:
      Seja fiel, e Deus abençoará grandemente sua vida; afinal Ele já prometeu que “Grande paz têm os que amam a Tua Lei; para eles não há tropeço” (Sal. 119:165).

      Aguardaremos sua opinião sobre o assunto, saiba que pode contar sempre conosco, Deus te ama muito e tem lindos planos para você, um grande abraço dos seus amigos do EE.



  • Maurício Irineu em 20 de abril de 2014 11:18

    É UMA PENA QUE OS ADVENTISTAS GASTEM QUASE TODO O SEU FÔLEGO EM ENSINAR SOBRE O SÁBADO. SE USASSEM TODO ESSE ESFORÇO PRA SÓ FALAR SOBRE JESUS, SERIA BEM MAIS PROVEITOSO. E AINDA TEVE UM DA ARENA DO FUTURO QUE DISSE QUE SE ACEITAR A JESUS E NÃO GUARDAR O SÁBADO, NÃO ADIANTA NADA! ACABOU COM O SACRIFÍCIO DE JESUS E CONDENOU TODOS OS QUE NÃO GUARDAM O SÁBADO. DEUS TENHA MISERICÓRDIA DOS ADVENTISTAS.



    • Instrutor e Conselheiro em 21 de abril de 2014 9:22

      Olá querido irmão MAURÍCIO, nos alegra a possibilidade de conversarmos contigo sobre este assunto. O sábado é bastante abordado pela Igreja Adventista justamente pelo fato de ter sido o único mandamento esquecido por muitos da Lei de Deus, perceba que muitos comentam que a Lei do Senhor foi abolida, mas na verdade quando questionados se matar é pecado todos afirmam que é, isso ocorre da mesma forma com os outros 9 mandamentos, somente com o sábado que não.

      Com toda certeza se o sexto mandamento fosse esquecido, estaríamos falando mais sobre este, o nosso objetivo não é denegrir nenhuma denominação religiosa, nem os que não guardam o sábado, queremos apenas pregar a Palavra do Senhor a todos amém?

      Depois nos diga o que pensa sobre isso, que as bênçãos de Deus repousem sobre sua vida, Ele te ama muito, um forte abraço dos amigos do EE.



  • Junior em 4 de fevereiro de 2014 8:41

    Bem, o senhor nao descreveu suas consequencias para qem nao guarda o sabado. e primeiro.
    Tu, pois, fala aos filhos de Israel, dizendo: Certamente guardareis meus sábados; porquanto isso é um sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o Senhor, que vos santifica.
    Êxodo 31:13 bem entende-se aqui q e um sinal para os JUDEUS, e nao para nos.
    Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não só quebrantava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus.
    João 5:18 e o q e QUEBRANTAVA O SABADO? ta escrito, bem vcs msmo sabem q nenhuma obra poderia se fazer no sabado, e qem qbra o sabado e digno de morte, nem fogo podia c fazer nakele tempo, sabe oq eu axo interessante, e q vcs dizem q umas coisas q podem fazer, mas vcs msmo naum fazem! ja assistir sues programas e um dos q mais c contradizem, e mas uma coisa Deus trabalhou ou naum trabalhou no sabado? claro q sim, mas vcs dizem q naum, vou provar pra vcs q Ele trabalhou preste atenÇao.
    E havendo Deus acabado no dia sétimo a obra que fizera, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito.
    Gênesis 2:2 E HAVENDO DEUS ACABADO NO DIA SETIMO, DESCANÇOU, NO MESMO DIA, OU SEJA TRABALHOU E DESCAÇOU.
    Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
    Não vem das obras, para que ninguém se glorie;

    Efésios 2:8-9.
    e naum e so nisso q vcs errarm, ja falei com um amigo A.D 7, e ele me disse q Miguel e Jesus, c Jesus e Deus e Miguel e um arcanjo eu num sei qem e qem pra vcs. fora sobre o inferno, e so barbaridade, e qndo tentamos falar para observar direito, tapam os ouvidos, pois pelo q ja entedir vcs c dizem os portadores da verdade, opa, vcs e T.J. naum entedam isso como uma afronta, mas sim q vcs rever seus conceitos, mas a doutrina do sabdo esta tao presa em suas mentes q tdo rola em torno deste mandamento q vcs tem cmo maior, e vcs msmo nem percebem isso, e qndo o maior: Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.
    1 Coríntios 13:13. e mais uma coisa q vcs fazem d errado.
    E de novo protesto a todo o homem, que se deixa circuncidar, que está obrigado a guardar toda a lei.
    Separados estais de Cristo, vós os que vos justificais pela lei; da graça tendes caído.

    Gálatas 5:3-4 ou seja pra vcs guarderem a LEI e necessario fazer isso aki q Paulo falou.
    a paz de Cristo Jesus.



  • Francisco Ildebrando em 18 de abril de 2013 18:22

    Boa tarde irmão Felix, já tive dúvidas com respeito a LEI e principalmente o SÁBADO. E só foram esclarecidas quando busquei respostas na bíblia em vez de interpretações humanas.
    Perguntas como:
    Na semana da criação o que Deus fez no 7° dia?
    Abençoou, santificou e descansou Gn 2:2,3 diz que Deus descansou, mais Deus não se cansa. (Isaias 40:28) então pq. Deus descansou? Outro ex; o BATISMO simboliza a remissão do pecado. Porém CRISTO se batizou sem ter praticado pecado algum, pq.? Exatamente para dar o exemplo.
    O sábado foi acrescentado na lei( escrita pelo dedo de DEUS) Exodo 31:18
    CRISTO guardou o sábado por causa da tradição judaica ou por obediência a LEI?
    Quando os escribas e fariseus interpelaram o porque dos discípulos não andarem de acordo com a tradição dos anciãos, (ou seja sem lavar as mãos),a quem Cristo defendeu? Resposta Mc 7:5 a 9.CRISTO sempre combateu as tradições judaicas.
    Com quem CRISTO aprendeu a obedecer a lei e guardar o SÁBADO além dos escritos? Lc 23:56. Com Maria sua mãe, que após a morte de CRISTO continuava a guardar o sábado conforme o mandamento, e não as tradições.
    Em colossense 2:16 Paulo está sendo contra a guarda do sábado (7° dia)?
    Claro que não. NINGUÉM VOS JULGUE.
    O assunto é JULGAMENTO; por causa de COMIDA,BEBIDA, DIA DE FESTA,OU LUA NOVA,OU SÁBADOS. Já esclarece que são sombras das coisas que haviam de vir (ou seja, festas cerimônias). Ou teremos de admitir que paulo está falando que se pode beber qualquer bebida seja alcoolica ou não e qualquer comida, contradizendo o próprio Paulo em I Cor.3;16,17 e 10:31.Além do SÁBADO 7° DIA existiam tb. os sábados cerimoniais que eram os dias festivos.
    Quais das leis tiveram seu cumprimento na CRUZ?
    As cerimoniais que apontavam para CRISTO o cordeiro que tira o pecado do mundo.
    E não os 10 MANDAMENTOS. Porque matar, roubar, adulterar, mentir, desobedecer pai e mãe, cobiçar e não ter obediência a DEUS, foi e sempre será pecado.Mais o X da questão não são esses mandamentos e sim o SÁBADO exatamente para se cumprir as PROFECIAS de Dn. 7:23. Porque CRISTO não mudou Mt. 5:17,18,19.
    Dizer que CRISTO cumpriu a lei por nós, é o mesmo que dizer que CRISTO morreu para que eu tivesse o direito de continuar pecando. E não é isso, CRISTO morreu papa que eu tivesse direito a VIDA ETERNA. Morreu para me livrar da MALDIÇÃO da LEI e não da LEI.Gl 3:13
    Qual a função da lei?
    A função da Lei É REVELAR o pecado e CONDENAR o pecador Rm 3:19,20
    Funciona como um espelho. Eu olho no espelho, vejo sujeiras que não da para limpar com o próprio espelho (lei), eu vou até a torneira com água ( CRISTO) que me limpa as sujeiras (pecado).
    Somos salvos pela GRAÇA, (CRISTO PAGOU) mediante a FÉ,(TEMOS QUE CRER) isto não vem de vós; é dom de DEUS,(PELO ESPÍRITO DE DEUS) não de OBRAS (NADA QUE EU FAÇA IRÁ JUSTIFICAR MINHA SALVAÇÃO), para que ninguém se glorie.Pois somos feitura dele, criados em CRISTO JESUS para boas obras(NÃO TEM COMO MOSTRAR BOAS OBRAS PARA DEUS SEM OBEDECER A SUA LEI), as quais DEUS preparou de antemão para que andássemos nelas. Ef 2:8,9,10.
    Anulamos, pois a LEI pela FÉ?
    NÃO, DE MANEIRA NENHUMA! ANTES, CONFIRMAMOS A LEI. Rm 3:31.
    Para concluir, quero compartilhar com você um texto maravilhoso, que se encontra em Êxodo 34:6,7 E, passando o Senhor por Moisés, ele Moisés clamou: Senhor, Senhor Deus compassivo,paciente e bondoso, grande em misericórdia e fidelidade;
    Que guarda a misericórdia em mil gerações,que perdoa a iniquidade, a transgressão e o pecado, AINDA QUE NÃO INOCENTA O CULPADO, e visita a iniquidade dos pais nos filhos e nos filhos dos filhos até a 3° geração! (no momento em que as 2 tábuas foi entregue para DEUS reescrever os 10 mandamentos).
    Você percebeu que Deus perdoa o pecado mais não inocenta o culpado.
    Esse texto tem lições divinas;
    a) A Salvação sempre foi pela GRAÇA desde o antigo testamento.
    b) Toda vez que os salvos ver as mãos de CRISTO, verão as marcas por nossa culpa.
    c) Quando ver seus braços, lembrarão das 2 tábuas, os dedos lembrarão os 10 mandamentos.
    Muitos, não contente com o que Cristo já sofreu querem arrancar um dos seus dedos. ( o quarto mandamento)



  • Felix em 26 de março de 2013 4:44

    Irmão, obrigado por suas respostas, mas eu vejo uma certa dificuldade em responder perguntas tão simples. Quem somos nós para julgar as leis e preceitos de salvação do SENHOR? Por acaso somos judeus, que de terem o coração tão duro que mesmo depois de virem um mar se abrindo para dar-lhes liberdade murmuravam contra Deus? Por isso é que lhes foi imputada as leis. Paulo me ensinou que eu não sou justificado pelas obras da lei e que não devo regressar dando maior importancia a festas ou dias ou comidas “Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes”. Eu estou me conformando ao evangelho de Jesus Cristo. Não posso, não devo, não vou deixar de suportar a sã doutrina para dar ouvido a fábulas ou vãs filosofias que profetizaram um fim que não veio. E depois de algumas pesquisas sobre guarda de sabado, lei mosaica, cristianismo puro, igrejas e seitas, resolvi ler minhas escrituras, pedindo sempre orientação aquele que sei que não vai me iludir e sempre terá a resposta certa, direta e salvadora.



    • Administrador em 26 de março de 2013 12:23

      Com certeza consultar a Bíblia em oração é o melhor a fazer querido irmão, respondemos a todas as perguntas que foram feitas por você, aliás será sempre uma alegria enorme para nós conversarmos contigo, conte sempre conosco, que Deus abençoe e ilumine muito a sua vida, um grande abraço da equipe do EE.



      • Felix em 26 de março de 2013 19:49

        Obrigado vcs. Tenho bastante informação para começar minha tese e essa discussão em particular me renderá ótimos argumentos. Mas uma vez, obrigado e que Deus tenha misericórdia.



  • felix em 24 de março de 2013 1:58

    Qual sua opnião sobre Colossense 2:16,17?



    • Administrador em 24 de março de 2013 23:52

      Olá querido irmão e amigo, Leiamos o texto: “Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber ou por causa dos dias de festa, ou de lua nova, ou de sábados”.
      Existem pelo menos três interpretações sobre os “sábados” de Colossenses 2:16:
      1) Que o texto se refere ao sábado semanal e, portanto, indica que o 4º mandamento não tinha mais importância na era cristã, ou seja, fora abolido;
      2) Que o texto se refere ao sábado semanal, mas, Paulo não está dizendo que o mesmo deixou de ser importante. Está apenas condenando a maneira errada como o dia vinha sendo observado na igreja de Colossos;
      3) Que o texto está tratando dos chamados “sábados cerimoniais” ou anuais, que faziam parte das festas judaicas que apontavam para o Messias, o Salvador.

      Analisaremos os três posicionamentos. Mas, antes, convém entendermos o contexto interno do livro de Paulo aos Colossenses para sabermos se a questão abordada pelo apóstolo é ou não o dia de guarda.

      Breve análise do contexto interno da carta aos Colossenses
      Paulo escreveu a carta aos Colossenses por volta do ano 61 D.C e ele começa, já no capítulo 1, defendendo a supremacia de Cristo. Isso indica que um dos problemas enfrentados na igreja era a respeito da Divindade do Salvador. Que havia alguns hereges questionando se o Salvador era ou não o personagem central da salvação. Podemos ver no capítulo 2 dos versos 6 ao 9:

      “Portanto, assim como vocês receberam Cristo Jesus, o Senhor, continuem a viver nele, enraizados e edificados nele, firmados na fé, como foram ensinados, transbordando de gratidão. Tenham cuidado para que ninguém os escravize a filosofias vãs e enganosas que se fundamentam nas tradições humanas e nos princípios elementares deste mundo e não em Cristo. Pois em Cristo habita corporalmente toda a plenitude da divindade”.

      Perceba que o apóstolo recomenda que os cristãos de Colossos tenham cuidado com os falsos ensinos a respeito de Cristo, isso porque, havia pessoas na igreja (provavelmente gnósticos) que negavam a supremacia e Divindade do Salvador e que ensinavam outras heresias maléficas. Veja a lista de heresias, mentiras, que Paulo refuta :
      a) Cristo não é superior aos anjos, ou seja, a Divindade dEle estava sendo questionada – Colossenses 2:3, 4, 8, 9;
      b) O que é material é mau, até mesmo comidas puras e o próprio corpo – Colossenses 2:16; 21 e 23 (atente para a expressão “severidade com o corpo”, que se refere a um espécie de auto-penitência);
      c) Adoração a anjos e falsas visões – Colossenses 2:18.
      Nos demais capítulos (3 e 4), o apóstolo se preocupa em passar instruções à igreja sobre o viver santo, a responsabilidade diante da sociedade e da família e acerca da importância de orar e proceder bem com os de fora da igreja.
      Não é coisa simples identificar todos os problemas que Paulo estava enfrentando com a igreja de Colossos, mas, de uma coisa podemos ter certeza: em Colossenses 2:16, ele não está sendo contra a observância de um dia religioso, pois esse não era o problema em questão. Além disso, o Sábado nunca foi uma heresia para que pudesse ser combatido pelo apóstolo. Se guardar o Sábado fizesse parte das heresias de Colossos, então o próprio Deus seria um “herege” ao criar o mandamento [o que seria um absurdo] (Gênesis 2:1-3; Êxodo 20:8-11), e Paulo foi pior ainda, pois era um fiel guardador do mandamento (veremos adiante). Portanto, seja o que for que Paulo esteja combatendo na carta, não é a observância correta de dias religiosos. Isso precisa ficar bem claro logo de início para fazermos um estudo sério e honesto da Palavra de Deus.
      Analisemos os três posicionamentos que os cristãos têm apresentado a respeito de Colossenses 2:16:

      Primeiro posicionamento: Sugere que o 4º mandamento teria sido abolido
      Além de Colossenses 2:16, os que assim se posicionam usam textos como Isaías 1:13, Oséias 2:11, Colossenses 2:14-17, etc. , para dizer que o mandamento do sábado não está mais em vigor em nossos dias. Alguns que adotam essa tese são: o Pr. João Flávio Martinez, do Centro Apologético “Cristão” de Pesquisas (CACP) e Natanael Rinaldi, do Instituto “Cristão” de Pesquisas (ICP). Citam mais frequentemente Colossenses 2:14-17 porque a passagem explicitamente fala de haver Cristo “cravado algo na cruz” (verso 14). Na compreensão deles, o que foi “cravado na cruz” foi a Lei.
      Eles também argumentam que a palavra “sábado” ocorre aproximadamente 60 vezes no Novo Testamento e, se Colossenses 2:16 não estivesse tratando do Sábado semanal, seria a única vez na Bíblia que a palavra seria empregada de maneira diferente. Os adeptos da segunda teoria que estudaremos logo mais também raciocinam dessa forma, só que defendem a perpetuidade do mandamento.
      A interpretação de que Colossenses está anulando a lei do Sábado está errada pelas seguintes razões:

      1) A Lei de Deus, mesmo não sendo o meio de salvação (somos salvos pela graça – Efésios 2:8, 9), é o padrão de conduta para todo crente que está sendo santificado pelo Espírito Santo: “Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas obras, as quais Deus preparou antes para nós as praticarmos”. Efésios 2:10. Claramente o verso de Efésios diz que não somos salvos pelas boas obras, mas as devemos praticar. É por isso que Jesus diz que o cristão é “o sal da terra” e a “luz do mundo” (Mateus 5:13, 14). Sem obras, não podemos “dar sabor” (propósito do sal) à vida das pessoas e nem “iluminá-las”;

      2) A Lei é o padrão de julgamento porque indicará se a nossa fé nos transformou ou não: “Eis que venho em breve! A minha recompensa está comigo, e eu retribuirei a cada um de acordo com o que fez”. Apocalipse 22:12. “Falem e ajam como quem vai ser julgado pela lei da liberdade”. Tiago 2:12. “Assim também a fé, por si só, se não for acompanhada de obras, está morta”. Tiago 2:17. “Aquele que diz: ‘Eu o conheço’, mas não obedece aos seus mandamentos, é mentiroso, e a verdade não está nele”. 1 João 2:4. “Se vocês me amam, obedecerão aos meus mandamentos”. João 14:15. Os anjos não são oniscientes como Deus e, por isso, precisam ver (assim como as pessoas a quem testemunhamos) que realmente aceitamos a Jesus e que vivemos como Ele viveu (1 João 2:6).

      3) Sendo o padrão do julgamento divino e um reflexo do caráter amoroso dEle, a Lei é eterna: “Há muito aprendi dos teus testemunhos que tu os estabeleceste para sempre”. Salmo 119:152. “Não pensem que vim abolir a Lei ou os Profetas; não vim abolir, mas cumprir. Digo-lhes a verdade: Enquanto existirem céus e terra, de forma alguma desaparecerá da Lei a menor letra ou o menor traço, até que tudo se cumpra”. Mateus 5:17, 18 (Palavras de Jesus ). “Anulamos então a Lei pela fé? De maneira nenhuma! Ao contrário, confirmamos a Lei”. Romanos 3:31.

      A Bíblia de Estudo Plenitude (Sociedade Bíblica do Brasil), elaborada por vários estudiosos evangélicos, afirma em sua nota de rodapé a respeito de Romanos 3:31:

      “As leis morais de Deus não são abolidas pelo evangelho de Cristo. Ao invés disso, todo o plano de salvação, incluindo a obediência de Cristo à Lei por nós e sua morte para pagar a penalidade por termos violado a Lei, mostra que os padrões morais de Deus são eternamente válidos”.

      E, de acordo com Êxodo 20:1-17 e Deuteronômio 5:1-21, o mandamento do Sábado é de ordem moral!

      4) O livro de Atos foi escrito aproximadamente 62 anos depois da morte de Cristo na cruz e nele podemos ler que o Sábado continuou sendo observado como dia religioso pelos seguidores de Jesus (ver textos no item 5): “De Perge prosseguiram até Antioquia da Pisídia. No sábado, entraram na sinagoga e se assentaram”. Atos 13:14. “O povo de Jerusalém e seus governantes não reconheceram Jesus, mas, ao condená-lo, cumpriram as palavras dos profetas, que são lidas todos os sábados”. Atos 13:27.

      5) Paulo era um observador do Sábado. Era o dia preferido para ele pregar o evangelho. Portanto, não poderia em um lugar guardar Sábado e noutro texto dizer que o mesmo foi “abolido”. Seria incoerente o apóstolo agir de um jeito e ensinar outra coisa: “Quando Paulo e Barnabé estavam saindo da sinagoga, o povo os convidou a falar mais a respeito dessas coisas no sábado seguinte. No sábado seguinte, quase toda a cidade se reuniu para ouvir a palavra do Senhor”. Atos 13:42, 44. “No sábado saímos da cidade e fomos para a beira do rio, onde esperávamos encontrar um lugar de oração. Sentamo-nos e começamos a conversar com as mulheres que haviam se reunido ali”. Atos 16:13 . “Segundo o seu costume, Paulo foi à sinagoga e por três sábados discutiu com eles com base nas Escrituras”. Atos 17:2. Veja que Paulo não guardava o Sábado para “agradar os judeus”. Era costume dele obedecer ao mandamento. Fazia parte do estilo de vida dele! Mesmo porque, em Atos 16:13, quando guardou o Sábado, ele estava em território Macedônico (a norte da Grécia) e não em território judeu!

      “E, uma vez que tinham a mesma profissão, ficou morando e trabalhando com eles, pois eram fabricantes de tendas. Todos os sábados ele debatia na sinagoga, e convencia judeus e gregos”. Atos 18:3, 4. Paulo não construía tendas aos Sábados, obedecendo ao mandamento de Êxodo 20:8-11. De acordo com Atos 18:11, o apóstolo ficou um ano e meio em Corinto, o que indica que só nessa cidade ele guardou 78 Sábados! Não há como ter dúvidas de que o dia do Senhor não é (e nunca será) o domingo !

      6) Deus disse para “lembrarmos” do Sábado. Não haveria necessidade de tal ênfase no mandamento se ele estivesse sendo abolido em Colossenses 2:16. “Lembra-te do dia de sábado, para santificá-lo”. Êxodo 20:8.

      7) Em Apocalipse 14:6-12 há os Três Últimos Recados de Deus à Humanidade, conhecidos como “Três Mensagens Angélicas”. Elas estão no contexto do “evangelho eterno” (Apocalipse 14:6), indicando que fazem parte do mesmo.
      A primeira mensagem (ou recado) é uma ordem para guardarmos o Sábado como memorial do Deus Criador e memorial do Deus Salvador: “Ele disse em alta voz: ‘Temam a Deus e glorifiquem-no, pois chegou a hora do seu juízo. Adorem aquele que fez os céus, a terra, o mar e as fontes das águas’”. Essas palavras sublinhadas estão parafraseando Êxodo 20:11, que nos dá razão para santificarmos o sétimo dia! “Pois em seis dias o SENHOR fez os céus e a terra, o mar…”.

      8) Não devemos dizer que a Lei do Senhor foi abolida porque assim estaremos desrespeitando ao Juiz de toda a terra. Davi, o homem segundo o coração de Deus (Atos 13:22), disse que já nos dias dele a Lei estava sendo ignorada e profetizou que um dia o Justo Juiz (João 5:22) virá para julgar tais pessoas: “Já é tempo de agires, SENHOR, pois a tua lei está sendo desrespeitada.” Salmo 119:126.

      9) Na Nova Terra iremos observar o sétimo dia (Isaías 66:23) da semana para louvar o Criador e também a Festa de Lua Nova, período mensal em que comeremos da árvore da vida, segundo Apocalipse 22:2.

      “‘De uma lua nova a outra e de um sábado a outro, toda a humanidade virá e se inclinará diante de mim’, diz o SENHOR”. Isaías 66:23.

      Se o Sábado será celebrado na Nova Terra, precisamos nos acostumar a observá-lo nos dias de hoje, antes da volta de Jesus! (ler Hebreus 3:13).

      Segundo posicionamento: Afirma que o sábado mencionado em Colossenses 2:16 é o semanal. Paulo não está combatendo o mandamento, mas sim uma maneira errada de guardar o dia, ensinada pelos hereges em Colossos.
      Essa é a posição de alguns teólogos, inclusive adventistas. Entre eles, se destaca o Dr. Samuelle Bacchiocchi, que foi o único não católico a defender uma tese doutoral na Universidade do Vaticano. Ele diz que o termo “Sábado” não poderia ser um sábado cerimonial por várias razões, entre elas: “Uma outra indicação significativa insurgindo contra os sábados cerimoniais, é o fato de que estes já estão incluídos nas palavras ‘dias de festa’ e se ‘sábado’ (grego sabbaton) significasse a mesma coisa, haveria uma repetição desnecessária”.
      A série de dias mencionados em Colossenses 2:16: “dias de festa (festividades anuais), lua nova (período mensal) e sábados” (período semanal), quando comparada com outros textos bíblicos, dá a entender que Colossenses trata do sábado semanal. Entretanto, no Antigo Testamento, nem sempre esta ordem de “festividades anuais”, “festa mensal” e “festa semanal” aparece. Leia em oração os textos a seguir e veja as diferenças e semelhanças com a construção frasal de Colossenses 2:16:

      • 2 Reis 4:23 – Um período mensal (sábado) e outro semanal (Lua Nova);
      • Isaías 66:23 – Um período mensal e outro semanal;
      • Ezequiel 46:1 – Período semanal e mensal;
      • Amós 8:5 – Período mensal e semanal;
      • 1 Crônicas 23:31 – Período semanal, mensal e festas fixas anuais (dificilmente ocorreria aqui uma repetição desnecessária, como diz do Dr. Bacchiocchi);
      • 2 Crônicas 2:4 – Período semanal, mensal e outro de festividades anuais;
      • 2 Crônicas 8:13 – Período semanal, mensal e de festas anuais;
      • 2 Crônicas 31:3 – Período semanal, mensal e outro de festividades;
      • Neemias 10:33 – Um período Semanal, um mensal e outro de festividades anuais;
      • Isaías 1:13 – Período mensal, semanal e de festas anuais.
      • Ezequiel 45:17 – Período mensal, semanal e outro de festividades anuais.
      • Ezequiel 46:3 Período semanal e outro mensal.
      • Oséias 2:11 Período mensal, semanal e festividades anuais.
      Perceba que a semelhança das construções das frases dá a entender que Colossenses 2:16 segue a mesma ordem de eventos, culminando com um período semanal.
      Ao explicar o porquê de o Sábado estar sendo mencionado na carta aos Colossenses, Bacchiocchi diz: “… podemos estabelecer que o sábado é mencionado na passagem não no contexto de uma discussão direta a respeito da obrigação da lei, mas no contexto de crenças e práticas sincretistas (que incorporava elementos do Velho Testamento, indubitavelmente para prover justificativas para seus princípios ascéticos)18 advogados pelos “filósofos” colossenses. Não somos informados de que tipo de observância de sábado esses mestres promoviam, todavia, na base da ênfase que davam à escrupulosa adesão a “regulamentos”, aparentemente o dia devia ser observado de um modo rigoroso e supersticioso”.

      Ele continua:
      “O fato então que no contexto de Colossenses 2 o “termo “lei” (grego nomos) se encontra ausente…da controvérsia” corrobora o que dissemos anteriormente, a saber, que a heresia colossense não se baseava no costumeiro legalismo judaico, mas sim nos incomuns (sincretísticos) tipos de regulamentos ascéticos e cúlticos, que minavam toda a suficiência da redenção de Cristo.

      Significado do termo “escrito de dívida” que foi “pregado na cruz”
      Aqui voltamos ao argumento dos pastores João Flávio Martinez e Natanael Rinaldi (citei apenas alguns) de que “o que foi cravado na cruz, de acordo com Colossenses 2:14, foi a Lei”. Na interpretação de Bacchiocchi e de outros estudiosos, o que foi encravado na cruz não foi a Lei. Isso porque o termo grego para a expressão “escrito de dívida” (cheirographon) não se refere à Lei, e sim a um “certificado de dívida” (de pecado), resultante de nossas transgressões. Deus removeu na cruz não a Lei, mas a possibilidade de cobrança contra os que foram perdoados por Cristo. Cristo removeu na cruz a possibilidade de condenação do ser humano! Ver Romanos 8:1.
      Em sua tese, Bacchiocchi sugere que o Sábado semanal está sendo abordado no texto, só que não a validade do mandamento em si, mas a forma errada como estava sendo guardado e ensinado pelos hereges de Colossos. Logo no início desta carta mencionei as heresias que estavam surgindo na igreja (Cristo é inferior, adoração a anjos, etc.) e que o Sábado jamais poderia fazer parte delas, sendo que o próprio Paulo o respeitava!
      Portanto, os teólogos que usam Colossenses 2:14-16 para dizer que a Lei de Deus e o Sábado foram “cravados na cruz”, não têm base bíblica e nem mesmo linguística para tal afirmação.

      Terceiro posicionamento: O texto de Colossenses 2:16 está fazendo menção aos sábados “cerimoniais” ou festas anuais (Levítico 23), que apontavam para Cristo.
      Assim como o Dr. Bacchiocchi, o grande apologista e pastor Francis D. Nichol também admite que a palavra Sábado aparece 60 vezes no Novo Testamento. Mas, para ele, as 59 vezes em que aparece trata-se do Sábado semanal e na sexagésima (Colossenses 2:16), o Sábado cerimonial é que está em questão. Essa festa cerimonial estaria apontando para Cristo (Colossenses 2:17) e, na compreensão dele (e de outros estudiosos), é sobre este tipo de “dia de descanso” cerimonial que Paulo está discutindo. A argumentação é que “o sábado jamais poderia ser uma sombra, como afirma Colossenses 2:17, de um evento futuro – a salvação em Cristo – sendo que foi criado no passado, no Édem”. Também, que o termo “ordenanças”, usado em Colossenses 2:14, se refere às ordenanças e leis cerimoniais do Antigo Testamento e, a expressão “escrito de dívida”, poderia ser “uma referência à lei mosaica, especialmente tal como a interpretavam os judeus. A semelhança da linguagem com Efé. 2: 15 e a proximidade entre as duas epístolas, fez pensar que o “escrito de dívida” e a “lei dos mandamentos em forma de ordenanças” são uma mesma coisa…”.

      Nichol argumenta:

      “Nenhuma dessas referências (59 encontradas) sugere que o Sábado havia perdido, estava em processo de perder, ou deveria perder algo da santidade que o havia distinguido até ali. Portanto, se o Novo Testamento ensina a abolição do Sábado, este ensino deve ser encontrado nessa única sexagésima referência”

      O mesmo escritor tem um comentário importante sobre a abolição da lei:
      “… a alegação de que o Decálogo (Dez Mandamentos) foi abolido na cruz assume um caráter monstruoso e sacrílego. Quando Cristo morreu na cruz, foi mudada a natureza moral de Deus? É um sacrilégio fazer essa pergunta. Enquanto Deus for de natureza imutável, os princípios morais que irradiam de Sua natureza permanecem imutáveis. Enquanto a natureza de Deus abominar a mentira, o furto, o homicídio, o adultério, a cobiça e os falsos deuses, o Universo, até às suas extremidades mais remotas, será controlado por leis morais contra esses maus atos” .
      Outros estudiosos também afirmam que os Sábados mencionados são os cerimoniais, e isso com base em Levítico 23:3, 27 e 38, que fazem distinção entre os aspectos moral e o cerimonial do Sábado:

      “Em seis dias realizem os seus trabalhos, mas o sétimo dia é sábado, dia de descanso e de reunião sagrada. Não realizem trabalho algum; onde quer que morarem, será sábado dedicado ao SENHOR. Levítico 23:3 – Sábado semanal.

      “O décimo dia deste sétimo mês é o Dia da Expiação. Façam uma reunião sagrada e humilhem-se, e apresentem ao SENHOR uma oferta preparada no fogo. É um sábado de descanso para vocês, e vocês se humilharão. Desde o entardecer do nono dia do mês até o entardecer do dia seguinte vocês guardarão esse sábado”. Levítico 23:27 e 32 – Sábado anual.

      “Além dos sábados do Senhor…” Levítico 23:38 – segundo essa linha de estudiosos, aqui é feita uma separação entre os Sábados cerimoniais e morais.

      Vejamos a opinião de alguns eruditos evangélicos a respeito de Colossenses 2:16:

      Albert Barnes, presbiteriano:
      “Não há nenhuma evidência nessa passagem de que Paulo ensinasse que não havia mais obrigação de observar qualquer tempo sagrado, pois não há a mais leve razão para crer que ele quisesse ensinar que um dos Dez Mandamentos havia cessado de ser obrigatório á humanidade. Se ele tivesse escrito a palavra ‘o sábado’, no singular, então, certamente estaria claro que ele quisesse ensinar que aquele mandamento (o quarto) cessou de ser obrigatório, e que o sábado não mais deveria ser observado. Mas o uso do termo no plural, e a sua conexão, mostram que o apóstolo tinha em vista o grande número de dias que eram observados pelos hebreus como festivais, como uma parte de sua lei cerimonial e típica, e não a lei moral, ou os Dez Mandamentos. Nenhuma parte da lei moral – nenhum dos Dez Mandamentos – poderia ser referido como ‘sombra das coisas futuras’. Estes mandamentos são, pela natureza da lei moral, de obrigação perpétua e universal”.

      Adam Clarke, metodista:
      “… O sábado semanal se apóia numa base mais permanente, tendo sido instituído no Éden, para comemorar o término da criação em seis dias. Levítico 23:38 expressamente distingue ‘o sábado do Senhor’ dos outros sábados. Um preceito positivo é bom porque é ordenado e deixa de ser obrigatório quando ab-rogado; um preceito moral é mandato eterno, por ser eternamente justo”.

      “O que foi dito anteriormente é suficiente para esclarecer que Paulo jamais pretendeu abolir, em Colossenses 2:16 e 17, a obrigatoriedade moral do quarto mandamento, que por ter sido instituído na criação (Gênesis 2:1-3) e fazer parte da lei moral (Êxodo 20:8-11), também é um mandamento ‘santo justo e bom’(Romanos 7:12)”.

      Jamieson, Fausset e Brown (comentaristas evangélicos muito reconhecidos) dizem que os Sábados anuais “tiveram um fim com os serviços judaicos aos quais pertenciam”. E continuam: “O sábado semanal repousa sobre um fundamento mais permanente, tendo sido instituído no Paraíso para comemorar o término da criação em seis dias” .

      Conclusão:
      1) O primeiro posicionamento dos teólogos a respeito de Colossenses 2:16 (de que o mandamento foi abolido) precisa ser totalmente descartado pelos cristãos, pois o tema em questão na carta de Paulo (entre os outros já mencionados) não é a observância ou não de um dia, mas a forma herética como os dias eram observados e heresias que se infiltravam na igreja. Isso fica claro no contexto (capítulo 2) onde o apóstolo combate vários ensinamentos errados;

      2) A guarda do Sábado nunca foi considerada uma heresia. Mesmo porque (a) Deus a instituiu – Gênesis 2:1-3 e (b) o próprio Paulo guardava o Sábado;

      3) O segundo posicionamento a respeito de Colossenses (de que Paulo fala de um sábado semanal que estava carregado dos exageros e heresias dos ascetas de Colossos) pode ser aceito levando-se em conta o contexto e outros versos bíblicos em que a expressão “dias de festa, lua nova ou sábados” indica uma sequência anual, mensal e semanal;

      4) O terceiro posicionamento sobre Colossenses 2:16 (de que os sábados são os cerimoniais) também é apoiado por alguns textos bíblicos (como, por exemplo, Levítico 23:3 e 27, 28 que distinguem o Sábado semanal do Sábado anual) e pode ser aceito.

      Repetindo: a primeira tese que diz ter sido o Sábado abolido não tem base bíblica. As outras duas podem ser aceitas, apesar de usarem “caminhos” diferentes, chegam ao mesmo destino: o Sábado foi e sempre será um memorial da criação e um dia separado para a comunhão com o Criador. É um Sinal de fidelidade entre Deus e os Seus filhos (Ezequiel 20:12, 20).
      Deixo-lhe alguns textos bíblicos para reflexão:

      “Feliz aquele que age assim, o homem que nisso permanece firme, observando o sábado para não profaná-lo, e vigiando sua mão para não cometer nenhum mal”. Isaías 56:2.

      “Os que amam a tua lei desfrutam paz, e nada há que os faça tropeçar”. Salmo 119:165.

      Um abraço e que Deus lhe abençoe ricamente, aguardamos seu retorno, um grande abraço da equipe do EE.



  • felix em 24 de março de 2013 0:47

    No dia 23 de março de 2013 às 0:48, fiz uma crítica e duas perguntas, gostaria de respostas claras, objetivas e, se possível, com referências escriturísticas. O administrador retirou a opção “Responder” me obrigando a reiniciar a discussão. Ficaria imensamente grato se me responder como resolver o problema apresentado em meu último questionamento, devido ao fato das soluções apresentadas para guarda do sábado tropeçarem em sí mesmas. Eu não disse que “não há pecado”, pois este mundo jaz no maligno. Disse que: -Acredito que nenhum GENTIO será julgado pela guarda do sábado judaico (ponto). E pra quem acredita que somente seguir um resumo das ordenanças deixadas pelo poderoso, glorioso, santo e eterno Pai o levará ao céu, leia Romanos 3:28.



    • Administrador em 24 de março de 2013 23:47

      Que ótimo podermos continuar nosso diálogo querido irmão e amigo, O texto mais elucidativo e completo sobre o tema está em Efésios 2:8 a 10: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas”.

      Note que o primeiro destaque do texto é a afirmação de que a salvação é de graça, e que o homem por si só não possui fé (“isto não vem de vós”) e nem obras. Por outro lado é mediante a fé que o homem pode exercer seu papel de produzir boas obras. Este texto revela a inter-conectividade entre fé e obras, colocando-as no mesmo nível na escala da justificação.

      Foi neste sentido que Tiago escreveu: “Não foi por obras que Abraão, o nosso pai, foi justificado, quando ofereceu sobre o altar o próprio filho, Isaque? Vês como a fé operava juntamente com as suas obras; com efeito, foi pelas obras que a fé se consumou.” (Tiago 2:21 e 22).

      É pela obras que a fé se consuma, e é pela fé que se produzem boas obras. Fé e obras: inseparáveis!

      Outro exemplo desta conectividade entre fé e obras: “De igual modo, não foi também justificada por obras a meretriz Raabe, quando acolheu os emissários e os fez partir por outro caminho? Porque, assim como o corpo sem espírito é morto, assim também a fé sem obras é morta” (Tiago 2:25 e 26).

      É relevante notar que Paulo, quando enfatiza a justiça pela fé, está reagindo à crença de que a lei ou as obras justificam o homem por si só. A questão de Tiago não está direcionada à justiça pela lei como meio de salvação, mas a conectividade e inseparabilidade entre a fé e as obras. Sendo assim, a teologia de Paulo não está diretamente oposta à de Tiago, pois eles não estão tratando do assunto sobre o mesmo prisma, mas reagindo a ênfases diferentes. Enquanto Paulo tenta equilibrar o ponto de vista dos cristãos judaizantes (aqueles que acreditavam na justiça somente pela lei ou obras), Tiago alerta aos cristãos da conhecida “graça barata”, onde a fé por si só era o meio de justiça. Analisando profundamente as questões em que Paulo e Tiago discutiam, vamos perceber que o objetivo dos dois era um só: mostrar que o homem não possui meios próprios de alcançar a justiça, nem por obras (como afirma Paulo) e nem pela fé em si mesma (como afirma Tiago).

      Ellen G. White, comentando o texto de Tiago escreveu: “O apóstolo Tiago viu os perigos que surgiram ao apresentar o tema da justificação pela fé, e tratou de demonstrar que a fé genuína não pode existir sem as obras correspondentes… Nossa fé deve abundar em boas obras, pois a ‘fé sem obras está morta’. Cada dever cumprido, cada sacrifício feito no nome de Jesus, proporcionam uma abundante recompensa” .

      O décimo capítulo do livro Nisto Cremos provê uma harmonização clara sobre o assunto: “O apóstolo Tiago adverte contra uma compreensão incorreta da justificação pela fé sem manifestar as obras correspondentes. Ele demonstrou que a fé genuína não pode existir sem as obras… A experiência de Abraão revelou que as obras constituem evidência de um genuíno relacionamento com Deus ”.

      Champlin, ao comentar os versos de Tiago sobre a justiça pelas obras, concluiu: ”A fé, sem a ajuda e a cooperação das obras, jamais poderá justificar a um homem diante de Deus. ”

      Note a declaração do Comentário Adventista: “Tiago não nega que o homem seja declarado justo pela fé, pois a entrevista que acaba de apresentar do Gen. 15:6 assim o demonstra; o que nega enfaticamente é que a profissão de fé, por si só, possa justificar a alguém. As boas obras acompanham à fé e demonstram a validez da fé pela qual uma pessoa é justificada. Se não houver obras é evidente que tampouco existe uma fé genuína . Ninguém que tenha decidido ser mais e mais semelhante a Cristo, poderá viver uma vida que não tenha boas obras. O apóstolo continua pondo a ênfase na inseparabilidade da fé e as obras. É evidente que não se está ocupando do problema de as ‘obras da lei’ segundo os requisitos rituais do judaísmo” .

      Uma vez claro a inter-conectividade e inseparabilidade entre a justiça pela fé e as obras, gostaria de reagir à ênfase demasiada da atualidade na justiça pela fé mostrando o papel das obras no contexto da justificação.

      Em Romanos 2:5 e 6, Paulo mostra a importância das obras: “Mas, segundo a tua dureza e coração impenitente, acumulas contra ti mesmo ira para o dia da ira e da revelação dos justo juízo de Deus, que retribuirá a cada um segundo o seu procedimento”.

      Outros textos elucidativos sobre o papel das obras na justificação:

      Mateus 5:16: “Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus”.

      Hebreus 10:24: “ Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras”.

      Textos que revelam que haverá recompensas para as boas obras:

      Mateus 16:27: “Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e, então, retribuirá a cada um conforme as suas obras”.

      Apocalipse 20:12: “ Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros”.

      Apocalipse 20:13: “ Deu o mar os mortos que nele estavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foram julgados, um por um, segundo as suas obras”.

      Algumas obras ajudam no processo de justificação:

      Provérbios 10:12: “ O ódio excita contendas, mas o amor cobre todas as transgressões”.

      Tiago 5:20: “Sabei que aquele que converte o pecador do seu caminho errado salvará da morte a alma dele e cobrirá multidão de pecados”.

      I Pedro 4:8: “Acima de tudo, porém, tende amor intenso uns para com os outros, porque o amor cobre multidão de pecados”.

      É interessante que um dos malfeitores, após contemplar Jesus na cruz, manifestou fé em Seu sacrifício, e mesmo pregado no madeiro, produziu obras, pois ele repreendeu o outro malfeitor que zombava de Jesus, testemunhando Seu amor.

      Podemos concluir que somos justificados pela fé e pelas obras, uma vez que é impossível desconectar esses dois aspectos da justificação. Assim harmonizamos a obra de Jesus em nós (santificação/obras) com a obra de Jesus por nós (justificação na cruz/fé).

      Uma análise muito importante que devemos refletir irmão é que em todo julgamento há uma lei não é mesmo? Qual a lei que será no juízo final? A Lei de Deus, o que pensa sobre isso?
      Conte sempre conosco, estamos muito felizes em poder conversar contigo, que Deus abençoe muito a sua vida, um grande abraço da equipe do EE.



      • Felix em 25 de março de 2013 2:37

        Eu penso que o irmão fala pelos cotovelos e não responde nada que eu pergunto.



        • Administrador em 25 de março de 2013 11:02

          Me perdoe querido irmão se não estou atendendo as suas expectativas, queremos muito continuar conversando contigo, o que acha de estudarmos a Bíblia por e-mail juntos? Desta forma iríamos conversando e tirando as dúvidas que possam surgir, o que você acha?



          • Felix em 25 de março de 2013 13:41

            Como poderemos discutir via e-mail e se o irmão não consegue responder de forma clara e coerente meus questionamentos mais simples? Eis as perguntas que ficaram sem respostas:
            1- Estaria eu transgredindo a lei assistindo a um programa evangélico no sábado, mesmo sabendo que é atividade comercial?
            2- Ir de ônibus a igreja no sábado é transgredir a lei?
            3- Acessar a internet no sábado é transgredir a lei?
            4- Adorar a Deus no domingo é transgredir a lei?
            Veja, estou fazendo perguntas simples que tem como respostas argumentos simples. Basta responder se concorda ou não, e colocar um livro(s) que trata do assunto para que eu possa estudá-lo, porque o irmão sabe que se pegarmos versículos isolados da bíblia, acharemos justificatica para matar quem não guarda o sábado (que é o assunto em questão), por exemplo.



          • Administrador em 25 de março de 2013 16:59

            Ok querido irmão e amigo, vamos as suas perguntas, depois nos diga a sua opinião que sabe ser muito importante para nós.

            1- Estaria eu transgredindo a lei assistindo a um programa evangélico no sábado, mesmo sabendo que é atividade comercial?
            Veja irmão, se for um programa evangélico, o correto é que não seja uma atividade comercial, pois o intuito de levarmos a Palavra de Deus é buscar almas, principalmente no sábado.

            2- Ir de ônibus a igreja no sábado é transgredir a lei?
            Não é das tarefas mais fáceis dar um posicionamento sobre este assunto, devido às diferentes formações de nossas concepções morais individuais. Para alguns seria correto, pois arrazoam: “é melhor viajar ou pagar passagens aos sábados do que deixar de ir à Igreja, privando-se assim das bênçãos da adoração sabática”. Outros pensam de maneira diferente: “não devemos profanar o sábado do Senhor fazendo com que outros trabalhem para nós ou pagando passagens aos sábados; o ideal é que cada irmão arrume uma carona ou providencie outros meios para que possa ir à igreja aos sábados (o que nem sempre é possível…)”. Como vemos, as opiniões são divergentes e cada posição tem suas razões. Entretanto, é possível que individualmente cheguemos a uma opinião equilibrada, levando-se em conta que não devemos ferir a consciência moral dos irmãos. Deve-se ressaltar que hoje vivemos em um contexto social bem diferente: devido ao enorme crescimento populacional e urbano é inviável construir uma igreja Adventista em cada bairro ou rua do país de modo que não se precise pegar um ônibus no dia de Sábado. Certo é que a Bíblia ensina que não se deve comprar o vender no dia de Sábado (Neemias 10:31 e 13:15-22), indicando que a realização de qualquer tipo de comércio no santo dia do Senhor é ilícita.
            Acredito que as instruções dadas pela irmã White em relação ao assunto são totalmente equilibradas e deveriam ser seguidas:
            “Se desejamos a bênção prometida aos obedientes, devemos observar mais estritamente o sábado. Temo que muitas vezes empreendamos nesse dia viagens que bem poderiam ser evitadas. De conformidade com a luz que o Senhor nos tem concedido em relação com a observância do sábado, devemos ser mais escrupulosos quanto a viagens nesse dia, por terra ou mar. A esse respeito devemos dar às crianças e jovens bom exemplo. Para ir à igreja, que requer a nossa cooperação ou à qual devemos transmitir a mensagem que Deus lhe destina, pode tornar-se necessário viajar no sábado; mas sempre que possível devemos, no dia anterior, comprar a passagem e tomar todas as disposições necessárias. Quando empreendermos viagem, devemos esforçar-nos o mais possível por evitar que o dia da chegada ao destino coincida com o sábado.
            “Quando obrigados a viajar no sábado, cumpre evitarmos a companhia dos que procuram atrair-nos a atenção para as coisas seculares. Devemos ter a mente concentrada em Deus e com Ele entreter comunhão. Sempre que se nos ofereça a oportunidade, falemos com outros acerca da verdade. Cumpre-nos em todo tempo estar dispostos a aliviar sofrimentos e ajudar os que sofrem necessidades. Nesses casos Deus requer de nós que façamos uso legítimo do conhecimento e sabedoria que nos deu. Não devemos, entretanto, falar acerca de negócios nem iniciar qualquer conversação mundana. Em todo tempo e em qualquer lugar Deus quer que Lhe testemunhemos nossa fidelidade, honrando Seu Sábado” .
            É bom que cada um de nós avalie por si mesmo a questão tendo nossa consciência direcionada e santificada pelo Espírito Santo, levando-se em consideração as orientações, baseadas na Palavra de Deus, dadas pela Sra. White.
            Com o passar dos anos, guardar o sábado em nossa sociedade tornar-se-á ainda mais difícil, principalmente por ocasião do decreto dominical que obrigará a todos a santificarem o domingo (essa profecia pode ser estuda em Apocalipse 13 à luz da história); entretanto, precisamos ser fieis a Deus até o fim, como o foram Sadraque, Mesaque e Abede-Nego quando lançados na fornalha acesa por terem decidido adorar unicamente a Deus (veja Daniel 3). Preferiam a morte a negar a fé no Eterno. Do mesmo modo que eles puderam desfrutar da presença de Deus em meio às dificuldades, podemos hoje usufruir o cuidado divino de acordo com a promessa de Jesus de que Ele “estaria conosco todos os dias, até a consumação dos séculos” (leia Mateus 28:20).

            3- Acessar a internet no sábado é transgredir a lei?
            Da mesma forma que fazemos co qualquer outro meio de comunicação, depende do que assistimos irmão, podemos acessar a internet no sábado para estudarmos a Bíblia e usarmos a web para levarmos a Palavra de Deus a outras pessoas.

            4- Adorar a Deus no domingo é transgredir a lei?
            Claro que sim, devemos adorar a Deus todos os dias, aí você pode nos perguntar, qual a diferença do sábado então não é mesmo?
            A diferença é que no domingo podemos fazer todas as atividades da semana e no sábado dedicamos exclusivamente para Deus.

            Aguardaremos seu retorno e sua opinião, conte sempre conosco, que Deus abençoe muito você, um grande abraço da equipe do EE.



  • felix em 19 de março de 2013 13:38

    Estou tendando entender e gostaria de ajuda, peço-a humildemente. Por que a guarda do sábado não é discutida em Atos 15:19-20?



    • Ailto Santana em 19 de março de 2013 15:52

      Olá FELIX! Muito agradecido pelo seu comentário, é uma oportunidade de crescermos juntos no conhecimento da Palavra de Deus. Veja o que diz o verso 21 de Atos 15 “Porque Moisés tem, em CADA CIDADE desde os TEMPOS ANTIGOS, os que o pregam nas sinagogas, onde é LIDO TODOS OS SÁBADOS.” – O texto é muito claro, era algo feito nos TEMPOS ANTIGOS e em CADA CIDADE, portanto, o sábado era praticado nos dias de Paulo, a Palavra de Deus continuva sendo estudada, era LIDA TODOS OS SÁBADOS. E um detalhe, não era apenas para judeus, veja o que está escrito em Atos 18:4 “E todos os sábados discorria na sinagoga, persuadindo tanto JUDEUS COMO GREGOS”. E para aqueles que apresentam o argumento que Paulo só ia aos sábados porque era o dia em que a Sinagoga era aberta, veja qual foi a atitude de Paulo em Filipos na Macedônia Atos 16:13 – “No Sábado, saímos da cidade para junto do rio, onde nos pareceu haver um lugar de oração; e assentando-nos, falamos às mulheres que para ali tinham se dirigido”. O que vemos na prática Felix, é que Paulo e os apóstolos continuavam observando a guarda do Sábado. Atenciosamente. Ailto Santana



      • felix em 22 de março de 2013 4:09

        Pelo que Deus me permitiu entender, é que os apostolos tinham mandamentos muito mais importantes do que a guarda do sabado. Então eu, gentio, não peco em não guardar o sábado, se o faço pelo Senhor. Estaria eu pecando em adorar a Deus no domingo por exemplo? Estaria quem guarda o sábado pecando indo ao supermercado ou acessando sua pagina no facebook?



        • Administrador em 22 de março de 2013 18:00

          Querido irmão e amigo, parabéns por estar buscando na Bíblia sobre este dia tão especial, é exatamente desta forma que Deus nos orienta a fazer e você perceberá a cada momento que o sábado foi criado para que cada um de nós pudéssemos nos aproximar de Deus ainda mais.
          Todos os mandamentos são de igual importância para Deus irmão, veja o que está escrito em Tiago 2:10:
          Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos.
          Ou seja, se tropeçar em um só mandamento torna-se culpado da mesma forma, por isso, de nada adianta guardarmos 9 mandamentos, perceba que Deus já sabia que muitas pessoas deixariam de cumprir apenas um mandamento.
          Sobre o que fazer no sábado, existem algumas coisas básicas a serem observadas:
          a) Não comprar, vender ou se envolver em qualquer tipo de negócio;
          b) Não exercer nenhum trabalho secular ou algo que possa ser feito em qualquer outro dia da semana;
          c) Preparar as atividades caseiras na sexta-feira;
          d) Nunca se esquecer que o maior objetivo do sábado é ter mais tempo para estar com Cristo, num relacionamento mais íntimo, através do estudo da Bíblia e da oração;
          e) É um dia para louvar e adorar a Deus na sua igreja;
          f) É um dia para apreciar o convívio dos irmãos em Cristo;
          g) É um dia dedicado à família;
          h) É um dia propício para apreciar a criação de Deus através da natureza;
          i) É um dia para fazer o bem a si e aos outros;
          j) Especialmente, é um dia de fé e de lembrança. Na luta pela sobrevivência, na agitação da vida, somos tentados a querer dirigir nossos caminhos por nós mesmos e nos esquece¬mos de que tudo que mais precisamos é confiar em Deus, descansar na Sua sabedoria e no plano que Ele tem delineado para nossa vida. O sábado é para nos lembrar de tudo isso, a fim de descan¬sarmos, pela fé, na segurança dos braços de Jesus e na certeza da Sua graça.
          Concluindo essa primeira parte, podemos dizer que o sábado e os demais mandamentos divinos são eternos. Nunca houve um tempo na existência do homem em que Deus não tivesse dado de maneira tão clara e tão explícita aquilo que deve ser obedecido para o próprio bem e felicidade do ser humano (Salmo 111:7 e 8). Se O amamos, iremos guardar Seus mandamentos (João 14:15), que “não são pesados” (1 João 5:3). A obediência é o resultado natural e espontâneo da fé que opera por amor a Deus, e não uma mera demonstração exterior de religiosidade. Jamais a obediência a qualquer mandamento poderá nos salvar (Efésios 2:8, 9). As obras não salvam, apenas Cristo. Só Ele, por meio da Pessoa do Espírito Santo, pode colocar no coração do homem o impulso para obedecer (Atos 4:12; Efésios 2:10). A obediência é a expressão externa de nossa transformação interna (2 Coríntios 5:17; Tito 3:7, 8) e uma expressão de gratidão e amor para com Deus (Hebreus 10:16 e 17).
          Deixe apenas que a luz divina, que emana da cruz de Cristo, ilumine seus caminhos e os motivos do seu coração. Nunca esqueça que o sábado não é uma invenção humana, mas um presente de Deus para o benefício do homem (Marcos 2:27, 28). E Deus não erra.

          Dicas para guardar o sábado de maneira agradável

          O que fazer no Sábado
          a) Levítico 23:32 – celebrar a chegada do dia do Senhor com um bonito culto de adoração, ao pôr-do-sol de sexta-feira;
          b) Levítico 23:3; Lucas 4:16 – ir à igreja. Participar de programações espirituais nos coloca em íntima ligação com Deus;
          c) Atos 16:13 – ir a retiros espirituais;
          d) Atos 16:13 – passear em meio à natureza. É um ótimo dia para fazer piqueniques com a família. Já pensou em fazer isso na beira de um lago? Isso é marcante, especialmente para as crianças. Ir a zoológicos, parques… Esse contato com a natureza traz saúde mental e mostra aos filhos o quanto o sábado é um dia especial. As crianças aprender a respeitar a Deus e aos pais;
          e) Mateus 12:12 – fazer o bem em favor do próximo. Visitar os necessitados é uma atividade própria para o sábado. Fazer algo por alguém que precisa é um remédio para a baixa auto-estima;
          f) Isaías 58:13-14 – direcionar as atenções para os assuntos espirituais. Falar sobre Deus, o Céu, a vida eterna, o amor de Jesus Cristo, o Seu perdão sem igual… Esse tipo de diálogo, diferente das conversas que temos durante a semana, é bom para melhorar o convívio com a família e agradável para as rodas de amigos;
          g) Atos 16:13; 13:42-44 – orar e estudar mais a Bíblia. É ótimo separar momentos para a devoção pessoal e também para estudar a Bíblia com um amigo.
          Como você pôde ver, o sábado pode ser desfrutado de várias maneiras. Deve-se usar a imaginação e a criatividade, não esquecendo que o sábado não será sábado se não for um dia de serviço dedicado ao próximo.
          Qual a sua opinião sobre isso querido irmão, o que você está achando sobre o sábado?
          Aguardaremos seu retorno, conte sempre conosco, sua opinião é muito importante para nós, que Deus abençoe muito a sua vida, um grande abraço da equipe do EE.



  • felix em 19 de março de 2013 13:30

    Há profissionais que trabalham no sábado e não guardam para sí os rendimentos do dia, eles pecam? E os que guardam?



    • Administrador em 22 de março de 2013 0:11

      Muito importante esta questão querido irmão, a Bíblia é muito clara neste sentido de que não devemos trabalhar neste dia e sim dedicarmos a Deus.Por isso, o ideal não é guardarmos os rendimentos do dia mas sim nos aproximarmos de Deus, o que você acha sobre isso?
      Conte sempre conosco, que Deus abençoe muito a sua vida, um grande abraço da equipe do EE.



      • felix em 22 de março de 2013 13:43

        poderia me indicar onde está claro na bíblia que é proibido trabalhar no sábado e quais as consequências para quem o faz?



        • Administrador em 22 de março de 2013 17:50

          Claro querido irmão e amigo, será uma alegria enorme poder conversar contigo sobre um dia tão especial e importante para nossas vidas. Alguns textos nos mostram que não devemos realizar nenhum trabalho mas sim nos dedicarmos a Deus neste dia, vejamos:
          a) Êxodo 20:10; João 5:17 – não realizar nenhum trabalho cotidiano (para não desviar a atenção do Criador), mas apenas obras em benefício do próximo;
          b) Neemias 10:31; 13:15-20 – não comprar, vender ou realizar qualquer atividade comercial. Não devemos contribuir para que outras pessoas desrespeitem o sábado.
          Importante: Só se deve assistir televisão se o programa estiver em harmonia com a espiritualidade do dia.

          O que Jesus mais gostava de fazer no Sábado?
          a) Lucas 4:16 – ir à igreja;
          b) Lucas 4:16 – ler;
          c) Lucas 4:31; 6:6; 13:10 – ensinar as pessoas sobre a Bíblia;
          d) João 5:17 – trabalhar em favor do próximo (Jesus não trabalhava na carpintaria no dia de sábado!)
          e) Mateus 12:1-8; Marcos 2:23-28; Lucas 6:1-5 – sair com os discípulos para evangelizar. Nessa ocasião, os discípulos de Cristo aproveitaram o convívio com a natureza e colheram alguns cereais para irem comendo pelo caminho.
          f) Mateus 12:9-13; Marcos 3:1-6; Lucas 6:6-11; 13:10-17; 14:1-5; João 5:1-15; 9:1-16 – curar as pessoas doentes fisicamente e/ou espiritualmente. Essas coisas boas que Jesus fazia no sábado eram consideradas pecado pelos judeus daquela época(ver João 5:18). Entretanto, Jesus mostrou e ensinou a maneira correta de se guardar o sábado! Em Seus debates com os fariseus, Jesus cumpriu a profecia de Isaías 42:21.
          Deixo um texto para sua reflexão muito forte, mas que é a Palavra de Deus, veja o que está escrito em I João 2:4 que diz:
          Aquele que diz: Eu O conheço, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade.
          Ou seja, aquele que diz conhecer Jesus mas não guarda os mandamentos, entre eles o sábado, é considerado mentiroso por Deus, sabemos quem é o pai da mentira, perceba o perigo de não seguir a Palavra do Senhor em nossas vidas não é mesmo?
          Qual a sua opinião a respeito, conte sempre conosco, que Deus abençoe muito a sua vida, um grande abraço da equipe do EE.



          • Felix em 23 de março de 2013 0:48

            Há certa incoerência aí, pois se eu tivesse TV, uma DROGA que larguei a 3 anos, eu incorreria na transgressão da emissora que está praticando atividade comercial, pois o programa, mesmo religioso, não é de graça. Então eu tropeçaria em um ponto, certo? Se eu guardar o sábado, e pegar um ônibus para ir a igreja no sábado, estarei consumindo o produto do pecado do motorista, que está trabalhando. Meu irmão, suas respostas me convenceram, não guardar o sabado judaico não levará nenhum gentio ao inferno. Obrigado, e que Deus tenha piedade de nossas almas pecadoras.



          • Administrador em 23 de março de 2013 17:59

            Veja querido irmão e amigo, precisamos seguir sempre a Palavra de Deus, aplica-la em nossas vidas, com isso estaremos guardando os mandamentos. Sabemos que o pecado é a transgressão da Lei, no entanto, sem lei não há pecado não é mesmo?
            Se não existe pecado, não há necessidade de Jesus voltar e nos resgatar do pecado não é verdade?
            O que você pensa sobre isso, você concorda?
            Aguardaremos seu retorno, estamos muito felizes com esta oportunidade de conversar contigo sobre estes assuntos, você é muito especial para nós e muito mais para Deus, que Ele te abençoe muito a sua vida, um grande abraço.



  • jessica em 28 de fevereiro de 2013 17:18

    muito interessante , realmente , e a verdade do que está na Bíblia, o homem e que modifica a palavra através de seus Princípios não pelo que está na Bíblia, continuem assim, a verdade e maravilhosa que o Espírito Santo continue iluminando vocês.



  • Elizabeth Carolle em 20 de fevereiro de 2013 18:27

    Olá Pr. Ivan, eu me converti a pouco tempo para a Igreja Adventista do 7º dia, sábado passado foi o primeiro que guardei e amei ter feito isto. Eu sempre congreguei na Igreja Batista, mas ao estudar a bíblia pude ver que estava indo pelo caminho errado. Quero dizer que seus programas tem contribuído muito para o meu crescimento espiritual, vou orar a Deus pra que ele continue te dando sabedoria pois evangelizar é uma tarefa bastante difícil. Além disso gostaria de sugerir um tema para um dos próximos programas: “Fé e razão: O verdadeiro elo perdido?” Gostaria de saber se há como unir fé e razão, Deus e ciência. Afinal Deus nos fez seres pensantes com capacidade de conhecimento com algum propósito. Salomão pediu Sabedoria e foi muito abençoado. De que forma os conhecimento do mundo, digo, da ciência, pode nos levar a Deus?



    • Administrador em 25 de março de 2013 17:13

      Muito obrigado pela sugestão do tema querida irmã, ficamos muito felizes em saber que tomou esta decisão em sua vida, saiba que é a melhor e maior atitude que poderoa tomar, realmente nos deixa com uma alegria enorme.
      Você poderia nos enviar o seu testemunho de como conheceu a Palavra de Deus e no que o Está Escrito te ajudou nesta decisão?
      O que você acha?
      Conte sempre conosco, que Deus abençoe muito a sua vida, um grande abraço da equipe do EE.



  • claudia fernandes em 10 de fevereiro de 2013 23:06

    oi boa noite,sou adventista de pernambuco,sou casada tenho 1 filho,trabalhoem hospital como enfermeira nos sabados deus permite esse tipo de trabalho,pois é licito fazer bem aos sabados como fico to sem direcao,me ajudem,



    • Ailto Santana em 14 de fevereiro de 2013 10:49

      Olá CLAÚDIA FERNANDES! Minha irmã, você trabalha todos os sábados? Se for o caso da sua resposta for sim, em que momento do sábado você vai a igreja com a sua família para adorar a Deus? Se for o sistema de plantão (comum na area de saúde, você pode trocar o seu plantão com alguém. É assim que são feitos os nossos atendimentos no Hospital Adventista. Leia o Documento Oficial da Igreja sobre o Sábado ele é bastante esclarecedor http://novotempo.com/estaescrito/2012/03/21/documento-oficial-da-iasd-sobre-a-guarda-do-sabado/#
      Atenciosamente;



  • Vera Ramos em 19 de setembro de 2012 8:00

    Acompanho este e outros programas da novo tempo. Amo muito vocês! Aprendo e sou ricamente abençoada. Adoro ao Senhor todos os dias de minha vida. Trabalho com meninas no sábado com a palavra de Deus,e reservo o domingo para descanso, consagração e integração no corpo de Cristo. Estaremos juntos na eternidade com aQuele que nos remiu,o Senhor Jesus. Disso não tenho dúvidas,pois não haverá sábados…domingos…ELE SERÁ NOSSO DIA PERFEITO!



    • Ailto Santana em 19 de setembro de 2012 12:37

      Olá VERA RAMOS! Muito agradecido pelo seu contato. Parabéns pelo seu trabalho com meninas. E pela sua disposição em adorar a DEUS todos os dias. Só gostaria apenas de esclarecer que a palavra SÁBADO quer dizer descanso. E foi para esse propósito que DEUS santificou (separou) o sétimo dia da semana conforme está escrito em Gênesis 2:2 e 3 veja “E havendo Deus acabado no dia sétimo a obra que fizera, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito. E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que Deus criara e fizera.” Veja que a BÊNÇÃO DO SENHOR foi colocada no Sábado e não no Domingo. Foi também essa a razão de DEUS ter colocado o Sábado no quarto mandamento veja Êxodo 20:8 “Lembra-te do dia de sábado para o santificar”, então se você deseja receber mais bênçãos no seu ministério, pratique aquilo que Ele deixou em Sua Palavra. Atenciosamente;



  • Cristina Batista em 13 de março de 2012 2:25

    Há três meses venho acompanhando os estudos do Programa Está Escrito, Arena do Futuro e Lições da Bíblia. Tenho estado em conflito pq minha tradição religiosa (protestante) sempre enfatizou a ilegitimidade da guarda do Sábado, sob o argumento da Graça e dos Filhos da Promessa. A atitude que tomei foi a de estudar a Palavra, continuar assistindo aos Programas e solicitei um estudo bíblico. Tenho orado sinceramente a Deus dizendo que estou de coração aberta pra fazer a vontade dEle, e se o Espírito Santo confirmar ao meu espírito que Deus quer que eu santifique o Sábado a Ele, assim o farei. Pq, sinceramente, quero agradar ao meu Deus.



  • Antonio Elismar em 12 de março de 2012 20:33

    Todos os evangélicos concordam em um ponto, Deus é o criador de tudo que existe, porem a maioria não aceita o mandamento do sabado.Basta analisarmos com atenção, o mandamento do sabado que se encontra em exodo capitulo 20:8-11, e lá encontraremos que o senhor não apenas nos pede para guardarmos sabado, mas ele nos dar a razão para isso.Porque em seis dias fez o senhor a terra, o mar e tudo que neles há e, ao setimo dia descansou; por isso o senhor abençoou o dia de sabado e o santificou.V (11). Se os cristão não guardam o sabado eles não poderão discordar da teoria evolucionista, pois como poderão provar que Deus é o criador? Deus deixou a sua placa de inauguração da obra da criação no tempo e não no espaço, e quer as pessoas aceitem ou não, o sabado vem a todos nós, não precisamos ir até ele. Todas as semanas como prova de que Deus criou o universo devemos descansar nesse dia fazendo a obra do senhor. Confesso que há algumas coisas na Biblia que talvez jamais compreenderemos nesta vida, porem a guarda do quarto mandamento é tão clara como as aguas cristalina



  • Roselani Santos em 11 de março de 2012 11:43

    Olá, nunca vi uma resposta tão sábia como esta sobre o sábado, o Espirito Santo é maravilhoso!
    Só um detalhe, depois que comecei a guardar o sábado como manda as escrituras sagradas minha vida foi transformada! Um abraço! Que o Senhor continue usando a vida de vcs poderosamente!



  • Fábio Mário Pétta Ravazzolo em 10 de março de 2012 13:36

    Assim como a Srª Cláudia, sou Engenheiro e preservava o domingo como aprendiz Espírita. Hoje, convencido de que o espiritismo foi manipulado pelo lado obscuro e perverso de Satanás, e iluminado pelas orientações TODAS BÍBLICAS de como preservar o verdadeiro SÉTIMO DIA para louvor e aprofundamento espiritual em Cristo Jesus, dedico-me neste Santo e Deleitoso Dia do Senhor ao contínuo aprendizado DIVINO sem mais me desviar do SÁBADO DO SENHOR para o “DOMINGO” HUMANO. Se a Bíblia, a Palavra de Deus, te responder às perguntas, não crie subterfúgios para ignorar suas respostas, mesmo que você tenha o livre arbítrio. Lembre-se, você terá o conhecimento em suas mãos. E dele fará o que quiser, porque lhe foi dado o livre arbítrio, contudo A Palavra de Deus é a Palavra final que resolvi ter em minha alma. Que assim seja! Amém! Sim porque quero tê-Lo como meu único Salvador de um Deus realmente Vivo!



    • Ailto Santana em 12 de março de 2012 11:00

      Olá FÁBIO! DEUS SEJA LOUVADO POR SUA DECISÃO! Estamos postando na íntegra o seu poderoso testemunho. Um forte abraço.



  • Pablo Silva em 9 de março de 2012 23:21

    Série abençoada! Só depois que comecei a estudar a Bíblia há um ano e aceitar essa verdade (do sábado), passei a conhecer o Deus que eu achava que conhecia. Que imenso Ele é! Quanto tempo eu perdi. Sou adventista há dois meses. Talvez esse texto possa ajudar nossos irmãos, que com sinceridade buscam aceitar a verdade: “Bem aventurado é aquele que não achar em mim motivo para tropeçar”, disse Jesus. Mateus 11:6.
    Jesus é usado como motivo para que muitos tropecem em relação ao dia de sábado. Continuem irmãos, estudando a Bíblia, e adorando o Criador no lugar da criatura. As criaturas amanhã pode ser que morram, mas o Criador certamente estará aqui. Quando separamos o sábado para adorar a Deus, passamos a nos conhecer melhor.
    Que o Espírito Santo visitem vocês todos os dias!



  • Claudia Leal em 8 de março de 2012 10:21

    Ja fui Religiosa, era catolica, quando aceitei Jesus, ele me transformou com novos pensamentos, novos rumos. Quero parabeniza-lo pela aprendizagem oferecida. Você é uma benção, O meu dia de descanso, é do Senhor, o meu shabat. Não é o sabado nomeado pela criatura e sim o meu dia de descando. O dia que posso dedicar ao Senhor. Graça e Paz



    • Ailto Santana em 8 de março de 2012 16:07

      Olá CLAUDIA! Muito obrigado pelo contato e comentário. Muito embora respeite a sua opinião ( você que escolhe o dia para ser oferecido como dia de guarda ao Senhor certo?) ela não tem embasamento bíblico. Você até pode fazer uma festa de aniversário em qualquer dia da semana, mas isso não quer dizer que aquele dia é o dia que você nasceu. Não podemos chamar comum, aquilo que DEUS SANTIFICOU. O sábado não é um dia comum, a Bíblia diz em Gênesis 2:2 a 3 “E havendo Deus acabado no dia sétimo a obra que fizera, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito. E ABÊNCOOU Deus o dia sétimo, e o SANTIFICOU; porque nele DESCANSOU de toda a sua obra que Deus criara e fizera.” E isso fica ainda mais explícito quanto vemos escrito na própria Lei de Deus conforme Êxodo 20:8 a 11 – Deuteronômio 5:7 a 31 – Agora Claudia sem querer ser chato: Como Deus o Teu Criador te dá um presente, e você rejeita? Como Ele pede pra você santificar um dia específico (o sétimo dia da Semana, o Sábado) e você se acha no direito de escolher outro? Ele Como Criador determina um dia para ter um encontro especial com você, e você diz que vai olhar na sua agenda, pra ver se dá? Desse jeito não estamos colocando o SENHOR em primeiro lugar na nossa vida (Mateus 6:33) Ele merece o primeiro lugar, Ele é digno de ocupar o primeiro lugar: Ele deu o que tinha de melhor: A vida do seu Filho por nós. Um abraço e estamos orando por você.



  • Claudia Leal em 8 de março de 2012 10:13

    Basicamente, quem nomeou os dias da semana foram os judeus, por volta do séc. 17 AC. O sábado era o 7º dia, o Sabath, dia em que o Senhor descansou depois de fazer o mundo. SHABBATH, que significa (dia) de descanso, o dia de descanso é o dia que podemos tirar para o Senhor, para ir a Igreja, louvar o Senhor, estudar a Palavra. A nomeclatura do sabado foi criado pelos homens(criatura).O SHABBATH, é o dia que temos para o SENHOR, seja ele qualquer dia, podendo ser a segunda, terça, quarta… Deus conhece os nossos corações e sabe as nossas intenções, se eu trabalho no dia de sabado, sou medico, então não posso atender os meus pacientes? Se o dia de descanso cair no domingo, busco Deus no domingo, se cair no sabado busco Deus no sabado, a proposito, tenho SEDE de DEUS, não só nos dias de descanso e sim todos os dias de minha vida. AMOOO JESUS CRISTO, meu SALVADOR. A religião não salva ninguem , quem salva é JESUS CRISTO, Não defendo nenhuma religião, pois Deus não habita em templos feitos por mãos humanas “(Atos 17:24 ). Vamos pedir Sabedoria, pois ela vem de Deus e buscar Conhecimento. Graça e Paz



    • Ailto Santana em 8 de março de 2012 16:33

      Bem Cláudia, obrigado mais uma vez pela oportunidade de esclarermos mais dúvidas sobre a importãncia de observarmos o Sábado, como um dia especial, voltado para a Família, adoração e amor ao próximo. A Igreja Adventista do Sétimo Dia tem uma Rede de Hospitais e Clínicas, e inclusive, nos EUA temos um centro Médico de referência mundial na área de Cardiologia Infantil (Loma Linda University Medical Center) veja http://lomalindahealth.org/medical-center/about-us/index.page, e de uma coisa você pode estar certa: no sábado qualquer hospital (adventista ou não) trabalha no sistema de plantão e atendimento de urgência. Nenhum hospital no fim de semana (Sábado e Domingo) tem o seu atendimento normal, evita-se marcar cirurgias para esses dias, inclusive partos, porque o atendimento é com menor número de médicos e enfermeiros. Como Jesus disse: Uma coisa vos hei de perguntar: É lícito nos sábados fazer bem, ou fazer mal? salvar a vida, ou matar? Lucas 6:9 – Aconselho você a assistir o programa COMO GUARDAR O SÁBADO, será o quinto e ultimo da série sobre o sábado. Nele iremos tratar de todos esses detalhes. Um grande abraço e estamos orando por você.



  • reginaldo lima em 8 de março de 2012 10:13

    bom dia

    JESUS ia na sinagoga(templo) todas os dias . veja lucas 22:53 . ele disse ´´diariamente´´
    o verdadeiro cristao é aquele que vai a igreja todos os dias e não só aos sabados ou domingos.



    • Ailto Santana em 8 de março de 2012 17:34

      Olá REGINALDO! Obrigado pela sua participação em nosso Blog, vejo que você conhece bem as escrituras. Então por certo você deve saber que há uma diferença entre templo e sinagoga. Templo era todo um complexo religioso, ali havia o pátio onde era realizado o sacrificio contínuo às 9h da manhã e às 3h da tarde. Ali no templo o pecador ia para oferecer seus sacrificios quando pecava, o movimento era intenso, mas o culto de adoração era na sinagoga, Jesus menciona isso em Lucas 4:16 – Você já parou para pensar: Se os judeus não aceitam a Jesus como Messias porque não continuam fazendo sacrifícios de cordeiros para o perdão dos pecados? É simples porque o templo não existe mais. Nas sinagogas não existem sacrifícios. O Santo e o santíssimo só existiam no templo. Podemos ir a igreja todos os dias, não vejo nada de errado nisso, o problema é não irmos exatamente no dia que o SENHOR estabeleceu como dia de GUARDA: Tu, pois, fala aos filhos de Israel, dizendo: Certamente guardareis meus sábados; porquanto isso é um sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o SENHOR, que vos santifica. Êxodo 31:13
      Celebração e Adoração.



  • Vanderson cunha em 8 de março de 2012 8:25

    Gostei bastante deste post legal mesmo que Deus continue iluminando o Pr.Ivan Saraiva e a TV Novo Tempo.