Assista no ar:
Conexão Jovem
TV TV
INÉDITO:
  • SEG21:00
REPRISES:
  • DOM10:00
  • TER09:30
  • SEX10:30
  • SAB04:00

Depois do sim é que vem o casamento


Dia desses me perguntaram qual o segredo de um casamento de sucesso. Olhei seriamente meu interlocutor e esperei um pouco para responder. Não que seja meu costume demorar mais de meio segundo para dar uma resposta, mas esta me fez pensar, já que primeiro entendi que ele me considerava num casamento de sucesso. Estava certo. Sou muito bem casada, mesmo. Por outro lado, fiquei intrigada com o interesse que era por ruma fórmula mágica, alguma dessas poções ou um botão automático que faz a relação ficar boa de repente. Sim, pois relações humanas podem ser bem difíceis.
Depois do breve silêncio respondi carinhosa, mas firmemente: Não tenho segredo. Tenho trabalho! É isto que penso. Dá trabalho manter um bom casamento nos dias de hoje onde a independência é pregada como lei e a auto-indulgência nos permite lançar mão de todo artifício para ser supostamente feliz. As revistas e programas de TV pregam que se algo não sai como você deseja, se algo incomoda, jogue fora, pule do barco. Hasta la vista, baby. Não mesmo!
Por isto um bom casamento dá algum trabalho. O motivo é a dureza de se dominar, maneirar no orgulho, controlar os ânimos no meio do desentendimento, travar a língua para não ferir impensada e irreversivelmente, andar um pouquinho além do que se pensava, para não frustrar a quem se ama, além de planejar algumas surpresinhas e garantir palavras amáveis várias vezes por dia. Vai dizer que é fácil? Então tente!
E aí é que muitos esbarram. Casamento é um acordo consciente – alguns talvez concordaram sem tanta consciência – de duas pessoas com passado diferente, criação distinta, pensamentos inversamente opostos em viver juntos e caminhar na mesma direção e com algum ritmo em semelhança. São dois indivíduos que passam a ser vistos como um, ainda sendo dois. Querer ir para o mesmo destino e concordar em acelerar ou frear o passo para que o companheiro permaneça ao lado é o princípio do casamento de sucesso. Não é muito romântico falando assim, mas acredite, é sinônimo e muito amor!
Como tudo o que realmente vale a pena na vida, o casamento exige alguns sacrifícios, pois é uma maneira de nos moldarmos à outra pessoa, sem perder nossa própria essência e esta é uma linda metamorfose que acontece enquanto nos podamos regularmente. Podar significa cortar partes ruins que roubam energia útil para outras coisas mais importantes. Não é se anular como gente, entenda!
Todo este trabalho que dá é recompensado, creia-me, na agradável sensação de pertencer a alguém e ter esta pessoa só pra você. É na cumplicidade do olhar ou no sensível toque que diz tudo de uma só vez sem precisar nem se ver. O abraço que afoga o choro, a piscadela que emenda um sorriso. Gestos que confortam ou disparam alegria e só podem ser trocados dentro de uma intimidade que transcendem relações comuns e mesmo sanguíneas. É clichê, mas não tem jeito: amar é escolher e escolher fazer deste amor algo pelo qual vale a pena viver. Não tem mesmo muito segredo, mas que dá trabalho, ah, isto dá!

Fabianabertotti.com

Compartilhe:

Casamento Resistente

Amor Resistente – Amor Resiliente

Já observou o que acontece com uma vara de salto em altura no momento em que o atleta a usa para impulsioná-lo? Pois é. Libera energia e após a envergadura volta ao estado normal.
Na engenharia, a resistencia do aço é testada até o limite. Na construçao de uma grande estruturua, por exemplo, uma super carga é posta sobre a mesma e o esperado é que o aço resista e volte ao estado normal. E isso é técnicamente chamado de resiliência: a capacidade de um material voltar ao seu estado inicial após sofrer tensão.
Esse conceito apreendido da física se aplica muito bem a necessidade humana de resistir e superar dificuldades. Na década de 70, foram observadas as reações de pessoas submetidas a altos níveis de estresse e, alguns dos participantes da pesquisa, não adoeceram como seria o esperado. Daí entendeu-se que há pessoas capazes de reagir positivamente quando nada é favorável. Diz-se que o Brasileiro não desiste, nunca; se isso é verdade, então, o brasileiro é resiliente. Supera os próprios fracassos e renova as expectativas. Acredita que o recomeço é possível e assim o faz com um sorriso no rosto.
Com isso em mente, quero pensar em resiliencia para os relacionamentos.
Na vida a dois, mais do que em qualquer outra situação, é fundamental ser resistente as dificuldades – elas existem, mas não pressupõem o fim dos sonhos.
As frustrações são inevitáveis: o príncipe e a princesa, no dia-a-dia, são homem e mulher com todas as limitações inerentes ao ser humano. Diante dessa constatação, nos resta incluir na lista base dos preparativos de um casamento ou na construção de um relacionamento a percepção da necessidade de tolerar e resistir. As diferenças, as incompatibilidades em vez de ser o fim podem ser a vara para um salto mais alto e um estresse causador da descoberta de que esse relacionamento é de aço e suporta o peso dos conflitos. O que você tem encarado como um perigo do amor acabado pode ser visto como uma razão de superação aos desafios.
Não perca de vista que o termo resiliência foi adaptado ao comportamento humano para definir a nossa capacidade pessoal de superar dificuldades, vencer adversidades e se recompor de uma situação difícil ainda mais forte. E essa definição se associa ao casamento de uma forma muito direta: é possível e imperativo para a restauração das emoções e resgate do amor a reação positiva diante do estresse da convivência.
Talvez, você precise suportar um pouco mais, tolerar um pouco mais as debilidades do outro.
Menos exigências, mais paciência e mais perdão.
Os conflito fazem parte da relações humanas, mas os casais devem alcançar maturidade suficiente para dar menos crédito ao que é menos importante e muito mais crédito a aquilo que mais importa.
Não estou falando de anular-se ou de negar a crise, não. Estou falando de ser flexível, tolerante e tolerável até o limite da dignidade. Estou dizendo da atitude inteligente de recomeçar e casar quantas vezes forem necessárias com a mesma pessoa e com todos os desafios que ela ofereça. Essa vida conjugada pode dar certo, pode voltar ao estado normal mesmo tendo sido tão envergada e quase tocar o chão da separação.
O estadista britânico Winston Churchill em um dos seus discursos mais marcantes disse com autoridade sobre a decisão necessária para vencer:

“ Nunca desistir, nunca, nunca, nunca, nunca, em nada, grande ou pequeno, importante ou trivial, nunca desistir, exceto a convicções de honra e bom senso.”
É importante saber que todas as relações enfrentam crises, inseguranças, desgostos, … mas isto não significa necessariamente a morte do amor. Ainda pode haver uma perene busca de renascimento e reconstrução da vida. A idéia é não desistir, nunca. Não ser enganado pelo aparente impossível. Há casais enganados quando dizem que não se amam mais. Há homens e mulheres enganados pelos sentimentos. Mas sentimentos são vulneráveis e só o amor suporta a prova. Amor é principio.
Salomão, rei de Israel, viveu um grande amor com a princesa Sulamita. Na história dos dois destacam-se muitos eventos e entre eles, exatamente, a qualidade da superação frente às crises.

Certa vez, Salomão volta para casa e quer muito encontrar a mulher amada. Ela por sua vez, se recusa a recebê-lo. Ele insiste, mas não sendo atendido, vai embora. Ela se dá conta do que fez e o procura declarando a quem queira saber que de tanta saudade e culpa, ficou doente de amor. (Cantares 5 e 6)

Porém, essa crise não foi suficiente para causar ressentimentos, mas para fortalecer. Isso fica bem claro quando ela reconhece: “Eu sou do meu amado e o meu amado é meu”. Ele com amor resiliente declara que “entre todas as rainhas ela é a mais querida”.
Os dois olham com admiração um para o outro. Há romance, respeito, intimidade. Não há acusações. Não há mágoas. Não há separação.

“Eu sou do meu amado, e ele me tem afeição” – Esse é o amor resiliente; o amor que supera crises. O amor que não desiste de ser eterno. O amor que jamais acaba.

“As muitas águas näo podem apagar o amor, nem os rios afogá-lo…”

Está difícil, errado e infeliz? Há uma nuvem que cobre qualquer possibilidade de enxergar saída? Não desista agora. Antes, tenha certeza que já fez tudo para não sucumbir às águas. Nem mesmo as águas amargas ou as ondas provocadas pelas terríveis tempestades, podem matar o amor quando você decide ser resiliente como o aço. O verdadeiro amor é forte.

“Tudo crê, tudo espera e tudo suporta.”

@darleidealves
www.fazbem.com

Compartilhe:

Salve Seu Casamento

Restaurar o casamento, recomeçar, voltar ao primeiro amor. Há pessoas dispostas a dar tudo que tem para ver seu casamento nascer de novo. Há pessoas sofrendo terrivelmente com a dor de ver uma história de amor morrendo. Mas o Senhor tem um milagre pra realizar; Ele quer fazer vinho novo, no final da festa, quando tudo parece ter acabado.

Antes de tudo importa saber que a cada dia estamos mais longe da árvore da vida e, por isso, certamente, temos adoecido. Nossa alma, nossa mente, nossos sentimentos então doentes… o amor de muitos de nós está frio. Não é de nos admirarmos que alguém que prometeu amar para sempre deixe de amar de repente. Toda cabeça está enferma, todos estão carentes do milagre, do resgate.

Resgate exige plano, estratégia, sacrifício, conhecimento, esforço em nome da vida. E a palavra de Deus nos diz que para o resgate de Deus há um só caminho que devemos seguir o caminho da porta estreita.

“porque larga é aporta e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem” (Mateus 7:13-14).

O caminho da porta estreita é o caminho que também é estreito, apertado, difícil…
Poucos irão andar por ele, poucos estão dispostos a viver esse sacrifício, mesmo sabendo que ao final dele há a recompensa. A vida moderna tem nos ensinado que nós não podemos nos permitir sofrer, que importa o que eu quero, o que eu penso, o que eu sinto, o que eu sou… tudo eu!

Mas essa forma de viver baseado no eu não me permite enxergar que esse eu precisa seguir a voz que diz: “Esse é o caminho andai por ele.”

Que caminho?
O caminho da porta estreita. O caminho da dificuldade, da prova, da renúncia do eu.

Isso é uma decisão racional. Escolher o caminho a seguir. Aliás escolher é a prova mais dificil que o Senhor nos oferece por que Ele nos deixa livres. E essa nossa liberdade nos prende mais do que liberta. Ela nos prende a nossos desejos mais humanos e isso significa dizer que são eles que nos distanciam da experiência divina de escolher o que é correto muito mais do que escolher o que fácil.

A proposta do Senhor é:

“Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho
proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência, amando ao Senhor teu Deus, dando ouvidos à Sua voz, e achegando-te a Ele; pois Ele é a tua vida, e o prolongamento dos teus dias…” (Deuteronômio 30:19-20).

Escolher viver é escolher obedecer. Deus propõe bênção e maldição e parece impossível que alguém escolha a maldição, mas escolhe. Há milhares e milhares de pessoas escolhendo a maldição. Já pensou nisso? Escolhe a maldição quando escolhe desobedecer a Deus, quando escolhe fazer a própria vontade, quando escolhe ouvir os desejos da carne em vez de ouvir a voz do Espírito. Escolhe maldição quando escolhe abandonar a fé no Deus do impossível, a família, o casamento, o amor que prometera ser eterno.

Mas Deus é grande em misericórdia. As misericórdias do Senhor se renovam a cada manhã e duram para sempre. E para você que está vivendo um tempo de sombra em seu casamento lembre-se que o Bom Pastor anda no vale da sombra da morte para dar alento a ovelha cansada. Enquanto atravessa esse vale não tenha medo, não pense em desistir, não creia na derrota, mas creia na palavra que diz:

“Tudo coopera para o bem daqueles que amam a Deus e que são chamados segundo o Seu propósito.” (Romanos 8:28).

É necessário amar a Deus para que tudo coopere para seu bem. A questão que estamos interessados que tudo coopere para me fazer bem, mas não me dou conta que essa promessa é para os que amam a Deus.

Quero te perguntar: Você ama a Deus e anda conforme o chamado dEle para sua vida? Há devoção pessoal? Há busca do poder de Deus? Você teme ao Senhor e obedece a Sua palavra? Há busca pelo poder do Espírito Santo?

Sim. Na hora da provação, seja ela qual for: no casamento, na igreja, no trabalho, na família… o que importa é se achegar ao Senhor.

Seu casamento está ruindo? Busque ao Senhor. Seu marido não lhe dá o afeto que você precisa? Apegue-se ao Senhor. Ele é Deus forte e suficiente para suprir tuas necessidades e cooperar para o teu bem.

Aconteça o que acontecer, se você ama ao Senhor, a tua aflição será para o teu bem.
Não pergunte como. Apenas viva a experiência do deserto e espere atravessar o mar sob o comando poderoso do Senhor.

Se Deus, no Egito, houvesse perguntado a Moisés se ele queria ir ao deserto para viver 40 anos se preparando para aprender a conviver naquele ambiente inóspito com a missão de depois retornar ficar mais outros 40 anos acompanhando o povo hebreu, é certo que ele diria: não Senhor. Não posso. Não tenho condições de suportar…

Mas, Moisés conseguiu viver no deserto, aprender a viver sob circunstancias difíceis, e adquiriu experiência para ser o chefe, o líder na libertação do povo.

As provas nos tornam experientes, nos tornam fortes, quando enfrentadas e vencidas nos fazem melhores.

Esse deserto é, também, a sua aflição. É o seu casamento sem vida, sem água, sem amor.

O sábio Salomão diz que “com a tristeza no rosto se faz melhor o coração.”

“Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo
fogo, se ache em louvor, e honra, e glória” (1 Pedro 1:6-7).

Casamento é coisa séria e sagrada. É plano de Deus. Projeto que saiu das mãos do Criador.

“Deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne”. Assim não são mais dois, mas uma só carne.

“E Jesus confirma o que foi dito no principio e acrescenta: Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem” (Mateus 19:5-6).

E enquanto muitos casam crendo que se não der certo separa e está tudo certo a palavra declara o contrário:

“Porque o Senhor, o Deus de Israel, diz que odeia o divórcio, (…) portanto guardai-vos em vosso espírito e não sejais desleais” (Malaquias 2:16).

Há alguém interessado em que seu casamento acabe no cartório. Ele é o Diabo, Satanás. É ele quem planta a discórdia. É ele quem insinua que assim como está não dá, que é melhor separar, que não tem jeito, não tem amor que resista…

Ele é “o ladrão que vem para roubar, matar, e destruir. Já o Senhor Jesus veio para dar vida com abundância” (João 10:10).

Seu casamento foi feito na presença de Deus, com testemunhas, com festa, com aliança… não permita que as flechas inflamadas do diabo queime seus sonhos.
Não permita que ele roube os sonhos dos seus filhos, da sua família, dos seus amigos… que ele envergonhe a aliança que fora feita com Deus.

“Resisti ao Diabo e ele fugirá de vós.”

Temos nos esquecido que o Senhor nos deu a chave da vitória sobre as ciladas do mal: resistir. Resistir e não desistir. Crer no impossível.

Parece impossível que seu casamento mude. Parece, mas em nome de Jesus tudo é possível para o que crê.

O mais difícil é que você pode estar tentando sozinho (a), só você quer recomeçar, só você quer tentar novamente e restaurar seu casamento. Sim é difícil, mas creia:

Deus é o Deus do impossível.

Esta é a vitória que vence o mundo – nossa fé” (1 João 5:4)“Quanto ao Senhor, Seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é perfeito para com Ele.” (2 Crônicas 16:9).

Ou seja, a proposta é: Para resgatar meu casamento vou buscar a Deus de corpo e alma. Vou confiar que Ele tem a restauração, a transformação, o vinho novo. Não vou desistir de fazer valer na minha vida o poder de JEsus. Eu sei que Ele pode. Tudo se trasforma quando Jesus é chamado para ser a prioridade em nossa vida. Ele é quem nos ensina a amar e perdoar. Ele nos conduz em um relacionamento saudável ou nos orienta quanto a possibilidade de deixarmos um relacionamento doentio.

Os casamentos estão acabando por que está faltando o temor do Senhor.Homens que ferem e traem a esposa. Mulheres que também traem e não vivem o poder do amor.Pessoas frias tornam a vida do outro uma dor sem fim… onde iremos parar? a minha proposta é que pare aos pés de Jesus e encontre aos pés do Salvador a saída. Ele nos propõe perdão, nos propõe crer no recomeço. Ele nos diz para crer nEle e renovar as forças. Ele nos diz que pode fazer ressuscitar o que já está morto e fazer seu casamento ter novo sentido.

Há pessoas que já leram esse artigo esperando encontrar uma receitam mas aqui está apenas a indicação de que sofrer não é o fim e que o que resiste às lutas recebe o mérito da vitória.Isso não significa que as vítimas devem continuar vítimas, mas que as vítimas podem recorrer ao Senhor para sentir o rio da graça e da água da vida banhando sua história de poder e transformação.

“Pedi e dar-se-vos-á; buscai e encontrareis…” (Mateus 7:7).

Peça e busque. Reclame o cumpriemnto dessa promessa na sua vida. Deus nunca falha!

Darleide Alves
Produtora e Apresentadora – Tv Novo Tempo

Compartilhe:

A mais bela das canções de amor é biblica

“Que os seus lábios me cubram de beijos!”

Deve ter sido algum acidente para que um texto tão expressivo sobre um romance com cenas que explicitam amor, sensualidade, crise e companheirismo entre um casal faça parte do livro sagrado, ainda pensam alguns. Mas, isso é para quem não alinha amor conjugal e sexo com a aprovação de Deus. Estes ficam com as bochechas vermelhas ao ler os 8 capitulos da poesia romântica e não conseguem perceber a inspiração.
Mas Cantares de Salomão deveria ser estudado por todos os casais para descobrir a beleza e as alegrias que um relacionamento baseado em verdadeiro amor produz.

O amor conjugal e todas as delicias que esse relacionamento proporciona para a mente e o corpo é um presente de Deus. É uma linda expressão de amor do Criador para os filhos criados, em perfeição, com as próprias mãos, pondo ao dispor, na proporção devida, a felicidade de viverem a plenitude do prazer, da harmonia, da afeição das descobertas e sensações vitais.

Cantares não é um erro; é um acorde que, por mais dissonante que pareça, faz a beleza do amor de Deus ser cantado com tal sonoridade: singular e completa.

Os personagens da poesia inspirada amam e são amados um do outro. Isso só pode ser divino. Há uma cumplicidade e uma admiração que se manifestam, entre o casal, com o poder de ensinar com propriedade o que sustenta uma relação. Neste caso temos um homem amando e que é amado. O amado continuamente dá ênfase ao que a amada tem de melhor. A louva pelos atributos que lhe chamam a atenção:

“você é a mais bela de todas as mulheres”
“O seu rosto é lindo”
“deixe-me ouvir a sua voz; pois a sua voz é suave, e o seu rosto é lindo.
“Como você é bela, minha querida! Como você é linda! Como os seus olhos brilham”
“Como você é perfeita.”
“Com um só olhar, meu amor … você me roubou o coração”

Perceba que esse homem esbanja elogios. Investe em gestos e palavras de carinho. E isso é irresistível. Não há mulher que resista a tanto galanteio, tanta habilidade em dizer-lhe coisas agradáveis. Um homem tem todo o poder de afirmar a auto-estima de uma mulher. O que um marido diz repercute nas emoções, na sexualidade, na perspectiva de vida de uma mulher que, em resposta, ama com todas as forças que a condição feminina lhe permite ou se fecha sob o peso do desafeto.

Há relacionamentos secos de carinho. Há homens que pouco valorizam o amor verbalizado, mas é fato que o amor expresso desenvolve-se dia após dia e torna o casamento e a família um lugar de tremendas conquistas.

A mulher de Salomão é bem parecida com as mulheres de todos os tempos: se apaixonam, amam e se entregam.E eis a resposta de uma mulher amada:

“Você é meu e eu sou sua.”

Um marido que sabe expressar afeto, que usa a linguagem da intimidade e do reconhecimento consegue fazer uma mulher feliz e a torna eternamente envolvida.

“Entre dez mil homens, o meu amado é o mais bonito e o mais forte. ..”

“O seu falar é doce e tudo nele me agrada.”

É o que eu disse: A mulher se apaixona e se entrega a um homem que diz palavras agradáveis. Sulamita o descreve como um homem lindo e forte, mas arremata com a afirmação que ele é agradável e diz coisas bonitas ao seus ouvidos.

Com essa plataforma de respeito e admiração, de conquista mútua, o casal tem tempo de estarem juntos e se olharem nos olhos. Eles investem tempo sozinhos. A relva é o leito. A paisagem é o cenário e os dois vivem momentos lindos e ternos. Há toques, caricias, intimidade sexual e declarações de amor que permanecem além do momento. Eles não amam calados. Não sucumbem a crença de que é pressuposto que se amem já que estão casados. Não. O amor que sentem é declarado constantemente. Ela diz:

“O meu amor está falando comigo.” – Esse casal se comunica. Salomão verbaliza o que sente. É lindo e próspero. É descrito numa poesia dos moldes hebraicos e com riqueza de detalhes que torna tão explicito ser “carne da mesma carne e ossos dos ossos de quem se ama” com tamanha ternura.
E que relacionamento não dá certo quanto há diálogo? O silêncio é que é mortal. Impede o crescimento emocional e o perdão. As palavras bem ditas são curativas.

Quantos sonhos seriam sem fim e quantos amores seriam eternos se construíssem um enredo assim: conversando, namorando sempre, olhando nos olhos e dizendo coisas lindas de se ouvir, trocando juras de fidelidade e sendo totalmente desejáveis um para o outro. Esse casal blinda as entradas do adultério, das frustrações e das separações.

Isso não significa que sempre será tempo bom e não há crise alguma. Não. Os conflitos existem, mas são resolvidos e deixados no passado.Permanece apenas o aprendizado.

“O inverno já foi, a chuva passou.” – A vida não é o tempo todo poesia e céu azul. Mas o tempo sombrio, o casal não estabelece o fim. Talvez, um tempo mais recluso, mais introspecto, mas não menos amoroso. A expectativa é que logo irá nascer o sol da nova estação. Haverá flor no campo, relva verde, pássaros cantando e muito amor em todo o tempo até que o tempo cinza vai passando e as nuvens carregadas dão lugar ao céu azul de verão. Por algum motivo, em uma das bodas, um procura o outro e não encontra. Sai a procura até encontrar. Quando encontra abraça e beija. É isso. Alguém precisa ceder, ir ao encontro, abraçar e beijar. Um ajuda o outro a recomeçar sem que nada ou ninguém interfira. A princesa de Salomão pede ás mulheres de Jerusalém, que prometam não perturbarem os momentos de amor dos dois. Que ninguém perturbe os nossos.

“Sessenta soldados, os melhores de Israel, faziam a guarda pessoal do Rei.”
“Cada um armado com uma espada, por causa dos perigos da noite.”

Marido e mulher precisam estar protegidos dos perigos que cercam um relacionamento. Há limites que são guardados, há segredos que não devem ultrapassar a porta do quarto. As janelas da intimidade com outros precisam ser fechadas e para isso usa-se a espada da fidelidade em pensamento, palavras e gestos. Os principais guardas de um casamento são o respeito, o compromisso, a fidelidade, o perdão e os gestos de amor.

-O respeito protege o valor que o outro possui.
-O compromisso é a confirmação dos votos feitos no altar, com testemunhas e na presença de Deus.
-Perdão é para todo dia ser liberado e esse por si só já é uma expressão divina de amor. Mas ainda se desdobra em reconhecimento e dedicação ao outro. Olhando nos olhos do outro celebrando a união.
-A fidelidade é o laço que une o humano ao divino.
Vejam ainda algumas expressões do amado para a amada .
“Pode haver sessenta rainhas, oitenta concubinas e muitas moças”
“mas eu amo somente uma …
Todas as mulheres olham para a minha amada e dizem que ela é feliz …”

Estas são revelações que definem a maior prova de amor e que resulta em felicidade; deste os tempos que Deus criou uma mulher para um homem e celebrou o que considerou ser muito bom, pessoalmente. De lá até aqui nada mudou. Amar é ter compromisso com a felicidade do outro, até por que, esse outro é pedaço da alma. O nome de um está gravado no coração do outro e esse tipo de amor é forte e nem as águas apagam, jamais. Esse é o amor que não se compra e nem se vende: é amor pra toda a vida. É reflexo de Deus em nosso olhar.

Amor é pra ser perfeito e pra ser eterno até que dure a infinita misericórdia de Deus sobre todos nós. É o som do coração de Deus – o Cântico dos Cânticos.

Darleide Alves

Compartilhe:

Carta de mãe para filho e nora

Clyde, Ohio, Setembro, 1870

Queridos Edson e Ema,

Vocês, meus filhos, entregaram o coração um ao outro; da mesma forma como o deram inteiramente e sem reservas a Deus.

Em sua vida conjugal procurem animar um ao outro. Mostrem os nobres e elevados princípios da santa fé nas conversações diárias e na intimidade de sua vida. Sejam sempre zelosos e ternos pelos sentimentos um do outro. Não permitam nenhum tipo de zombaria, gracejo ou repreensão irônica entre vocês. Essas coisas são perigosas. Elas ferem. O ferimento pode ser encoberto, contudo a ferida existe, e a paz está sendo sacrificada e a felicidade ameaçada.

Meu filho, guarde-se e em nenhum momento manifeste a menor inclinação que lembre um espírito ditatorial e arbitrário. Haverá recompensa em cuidar de suas palavras antes de dizê-las. Isto será mais fácil do que retratá-las ou apagar sua impressão depois. Fale sempre bondosamente. Suavize os tons de sua voz. Permita que somente amor, bondade e mansidão sejam expressos em seu semblante e em sua voz. Faça disto uma atividade que difunda raios de luz, mas nunca permita que fique uma nuvem. Ema será tudo que você deseja, se for cauteloso e não lhe der nenhum motivo para sentir-se aflita, perturbada e duvidar da genuinidade de seu amor. Vocês próprios podem conquistar sua felicidade ou perdê-la. Através do esforço para sujeitar sua vida à Palavra de Deus, podem tornar correta, nobre, elevada e agradável a senda da vida um para o outro.
Estejam dispostos a ceder. Edson, ceda algumas vezes em seu julgamento. Não seja obstinado, mesmo se o seu procedimento lhe parecer sensato. Você deve ser complacente, paciente, bondoso, sensível, compassivo, educado, mantendo as pequenas cortesias da vida, os atos afetuosos, a ternura, as palavras cordiais e encorajadoras. Que as bênçãos de Deus repousem sobre vocês, meus filhos, é a oração de sua mãe.

Mamãe,

Ellen White
Carta 24, 1870.

Compartilhe:

“honrado seja o casamento” (Heb. 13:4);

O homem não foi feito para habitar na solidão; ele deveria ser um ente social. Sem companhia, as belas cenas e deleitosas ocupações do Éden teriam deixado de proporcionar perfeita felicidade. Mesmo a comunhão com os anjos não poderia satisfazer seu desejo de simpatia e companhia. Ninguém havia da mesma natureza para amar e ser amado.

O próprio Deus deu a Adão uma companheira. Proveu-lhe uma ajudadora que lhe correspondesse – a qual estava em condições de ser sua companheira, e que poderia ser um com ele, em amor e simpatia. Eva foi criada de uma costela tirada do lado de Adão, significando que não o deveria dominar, como a cabeça, nem ser pisada sob os pés como se fosse inferior, mas estar a seu lado como seu igual, e ser amada e protegida por ele. Como parte do homem, osso de seus ossos, e carne de sua carne, era ela o seu segundo eu, mostrando isto a íntima união e apego afetivo que deve existir nesta relação. “Porque nunca ninguém aborreceu a sua própria carne; antes a alimenta e sustenta.” Efés. 5:29. “Portanto deixará o varão a seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.” Gên. 2:24.

Deus celebrou o primeiro casamento. Assim esta instituição tem como seu originador o Criador do Universo. “Venerado… seja o matrimônio” (Heb. 13:4); foi esta uma das primeiras dádivas de Deus ao homem, e é uma das duas instituições que, depois da queda, Adão trouxe consigo de além das portas do Paraíso. Quando os princípios divinos são reconhecidos e obedecidos nesta relação, o casamento é uma bênção; preserva a pureza e felicidade do gênero humano, provê as necessidades sociais do homem, eleva a natureza física, intelectual e moral. Patriarcas e Profetas, pág. 46.

Então, ao unir o Criador as mãos do santo par em matrimônio, dizendo: O homem “deixará o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á a sua mulher, e serão ambos uma carne” (Gên. 2:24), enunciou a lei do casamento para todos os filhos de Adão, até ao fim do tempo. Aquilo que o próprio Pai Eterno declarou bom, era a lei da mais elevada bênção e desenvolvimento para o homem. O Maior Discurso de Cristo, págs. 63 e 64.

Faça com que o Namoro Perdure

Nem uma palavra deve ser proferida, nem uma ação praticada, que não queiram que os santos anjos contemplem e registrem nos livros do alto. Devem ter em vista unicamente a glória de Deus. O coração só deve ter afeição pura, santificada, digna dos seguidores de Jesus Cristo, exaltada em sua natureza, e mais celeste que terrena. Qualquer coisa diferente é depreciável, degradante no namoro; e o casamento não pode ser santo e honroso aos olhos de um Deus puro e santo, a menos que seja segundo os exaltados princípios da Biblia.

Seria mais próprio deixar algumas horas do namoro antes do casamento para a vida de casados. O Lar Adventista, págs. 55 e 56.

“Se o Senhor não Edificar a Casa” Sal. 127:1
Os que pensam em casar-se devem tomar em conta qual será o caráter e a influência do lar que vão fundar. Ao tornarem-se pais, é-lhes confiado um santo legado. Deles depende em grande medida o bem-estar dos filhos neste mundo e sua felicidade no mundo por vir. Determinam, em grande extensão, a imagem física e a moral que os pequeninos recebem. E da qualidade do lar depende a condição da sociedade; o peso da influência de cada família concorrerá para fazer subir ou descer o prato da balança.

A escolha do companheiro para a vida deve ser feita de molde a melhor assegurar, aos pais e aos filhos, a felicidade física, mental e espiritual – de sorte que habilite tanto os pais como os filhos a serem uma bênção aos semelhantes e uma honra ao Criador. A Ciência do Bom Viver, págs. 357 e 358.
Jesus não começou Seu ministério por alguma grande obra perante o Sinédrio em Jerusalém. Numa reunião familiar, em pequenina vila galiléia, foi manifestado Seu poder para aumentar a alegria das bodas. Assim mostrou Sua simpatia para com os homens, e desejo de lhes proporcionar felicidade. O Desejado de Todas as Nações, pág. 128.

Aquele que deu Eva a Adão por companheira, operou Seu primeiro milagre numa festa de casamento. Na sala festiva em que amigos e parentes juntos se alegravam, Cristo começou Seu ministério público. Sancionou assim o casamento, reconhecendo-o como instituição por Ele mesmo estabelecida. A Ciência do Bom Viver, pág. 356.

Unicamente a presença de Cristo pode tornar homens e mulheres felizes. Todas as águas comuns da vida, Cristo pode transformar em vinho do Céu. O lar se torna então como um Éden de bem-aventurança; a família, um belo símbolo da família no Céu.

Compartilhe:

Casamento com infiéis

Há cristãos que se arriscam a casar com pessoas que não possuem compromisso de fidelidade com Deus. Este é um dos casos que exige o maior cuidado com estudo e oração. Essa união promove a verdaeira felicidade? A vida cristã será favorecida? Essa união é do agrado de Deus?
Antes de dar a mão em casamento, deveria todo homem e toda mulher indagar se aquele com quem está para unir seu destino, é digno. Qual é seu passado? É pura a sua vida? É o amor que ele ou ela exprime de caráter nobre, elevado, ou é simples inclinação emotiva? Tem os traços de caráter que a tornarão feliz? Poderá ela encontrar verdadeira paz e alegria na afeição dele? Ser-lhe-á permitido, a ela, conservar sua individualidade, ou terá de submeter seu juízo e consciência ao domínio do marido? Como discípula de Cristo, ela não pertence a si mesma, foi comprada por preço. Pode honrar as reivindicações do Salvador como supremas? Serão conservados puros e santos o corpo e a alma, os pensamentos e propósitos? Essas perguntas têm influência vital sobre o bem-estar de toda mulher que se casa.
A religião é necessária no lar. Só ela pode prevenir os ofensivos erros que tantas vezes amarguram a vida conjugal. Unicamente onde Cristo reina, pode haver amor profundo, verdadeiro, altruísta. Então uma pessoa e outra se amalgamarão, e as duas vidas se fundirão em harmonia. Anjos de Deus serão hóspedes do lar, e suas santas vigílias santificarão a câmara matrimonial. Será banida a vil sensualidade. Os pensamentos serão dirigidos para Deus, no alto; a Ele ascenderá a devoção do coração.
O coração anela o amor humano, mas esse amor não é bastante forte, ou bastante puro, ou precioso bastante, para suprir o lugar do amor de Jesus. Unicamente em seu Salvador pode a esposa encontrar sabedoria, força e graça para enfrentar os cuidados, responsabilidades e tristezas da vida. Deve constituí-Lo sua força e guia. Que a mulher se entregue a Cristo antes de se entregar a qualquer homem, e não assuma qualquer relação que entre em atrito com isso. Os que encontram a verdadeira felicidade, precisam da bênção dos Céus sobre tudo que possuem e fazem.
É a desobediência a Deus que enche de miséria a tantos corações e lares. Minha irmã, a menos que desejes ter um lar de onde nunca se levantam as sombras, não te unas com um homem que é inimigo de Deus.
Pergunte-se a si mesma: “Não desviará um marido descrente os meus pensamentos de Jesus? Ele é amante dos prazeres mais do que amante de Deus; não me levará a apreciar as coisas de que gosta?”
As Ordens de Deus
O Senhor ordenou ao Israel antigo que não se permitissem casamentos com pessoas das nações idólatras ao seu redor: “Nem te aparentarás com elas; não darás tuas filhas a seus filhos, e não tomarás suas filhas para teus filhos.” É dada a razão para isso. A Infinita Sabedoria, prevendo o resultado de semelhantes uniões, declara: “Pois fariam desviar teus filhos de Mim, para que servissem a outros deuses; e a ira do Senhor se acenderia contra vós, e depressa vos consumiria.” “Porque povo santo és ao Senhor teu Deus; o Senhor teu Deus te escolheu, para que Lhe fosses o Seu povo próprio, de todos os povos que sobre a Terra há.” “Saberás pois que o Senhor teu Deus é Deus, o Deus fiel, que
guarda o concerto e a misericórdia até mil gerações aos que O amam e guardam os Seus mandamentos; e dá o pago em sua face a qualquer dos que O aborrecem, fazendo-o perecer; não será remisso para quem O aborrece, em sua face lho pagará.” Deut. 7:3, 4, 6, 9 e 10.
No Novo Testamento existem proibições semelhantes acerca do casamento de cristãos com ímpios. O apóstolo Paulo, em sua primeira carta aos coríntios, declara: “A mulher casada está ligada pela lei todo o tempo que o seu marido vive; mas, se falecer o seu marido, fica livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor.” I Cor. 7:39.
De novo, em sua segunda epístola, escreve: “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e Eu serei o seu Deus e eles serão o Meu povo. Pelo que saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e Eu vos receberei; e Eu serei para vós Pai e vós sereis para Mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-poderoso.” II Cor. 6:14-18.
Quem ousará desrespeitar estas direções claras e positivas?
As ordens que citei não são palavras de homens, mas de Deus. Mesmo que o companheiro de tua escolha fosse em todos os outros aspectos digno, no entanto, ele não aceitou a verdade para este tempo; é um descrente, e és pelo Céu proibida de unir-te a ele. Não podes, sem perigo para tua alma, desrespeitar esta ordem divina.
Desejo advertir-te de teu perigo, antes que seja tarde

Unires-te a um incrédulo é colocares-te no terreno de Satanás. Ofendes o Espírito de Deus e perdes Sua proteção. Podes sujeitar-te a tão terríveis desvantagens na peleja da batalha pela vida eterna?

Lembra-te de que tens um Céu a ganhar, e um caminho aberto para a perdição, a evitar. Quando Deus diz uma coisa, quer dizer isso mesmo. Quando proibiu aos nossos primeiros pais comer do fruto da árvore da ciência do bem e do mal, sua desobediência abriu a todo o mundo as comportas da desgraça. Se andarmos contrariamente a Deus, Ele andará contrariamente a nós. Nosso único procedimento seguro é prestar obediência a todas as Suas ordens, sejam quais forem as custas. Todas as Suas exigências se fundam em infinito amor e sabedoria. Testimonies, vol. 5, págs. 361-365.
Como nos Dias de Noé

“Como aconteceu nos dias de Noé”, disse Cristo, “assim será também nos dias do Filho do homem. Comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos.” Luc. 17:26 e 27. O povo desta geração casa-se e dá-se em casamento com o mesmo desenfreado desrespeito às ordens de Deus que foi manifesto nos dias de Noé.
Há no mundo cristão uma assombrosa, alarmante indiferença para com os ensinos da Palavra de Deus acerca do casamento de cristãos com descrentes. Muitos que professam amar e temer a Deus preferem seguir a inclinação de seu próprio espírito, em vez de tomarem conselho com a Sabedoria Infinita. Em uma questão que interessa vitalmente a felicidade e bem-estar de ambas as partes, para este mundo e o porvir, a razão, o juízo e o temor de Deus são postos de parte, permitindo-se que domine o cego impulso, a obstinada determinação. Homens e mulheres de outro modo sensatos e conscienciosos, fecham os ouvidos aos conselhos; são surdos aos apelos e rogos de amigos e parentes, e dos servos de Deus. A expressão de um aviso ou advertência é considerada impertinente intromissão, e o amigo que é fiel bastante para pronunciar uma admoestação, é tratado como inimigo.
Tudo isto é como Satanás deseja. Ele tece seu encanto em volta da alma, e esta se torna enfeitiçada, apaixonada. A razão deixa cair as rédeas do domínio próprio sobre o colo da concupiscência, a paixão não santificada toma o domínio até que, demasiado tarde, a vítima desperta para uma vida de miséria e escravidão. Não é este um quadro traçado pela imaginação, mas apresentação de fatos. Deus não dá Sua sanção a uniões que Ele proibiu expressamente. Por anos tenho estado a receber cartas de diferentes pessoas que contraíram casamento infeliz, e as revoltantes histórias que me apresentaram são bastantes para oprimir o coração. Não é coisa fácil decidir que conselho possa ser dado a esses infelizes, ou como sua dura sorte possa ser aliviada; mas sua triste experiência deveria servir de advertência aos outros.
Nesse século do mundo, quando as cenas da história terrestre em breve hão de terminar e estamos prestes a entrar no tempo da angústia tal como nunca houve, quanto menor o número de casamentos realizados tanto melhor para todos, homens e mulheres. Acima de tudo, quando Satanás opera com todos os enganos da injustiça naqueles que perecem, acautelem-se os cristãos para não se unirem com descrentes. Deus falou. Todos os que O temem submeter-se-ão a Suas sábias ordens. Nossos sentimentos, impulsos e afeições têm de dirigir-se rumo ao Céu, não da Terra, não na baixa e vil sarjeta do pensamento e condescendência sensuais. É tempo agora de pôr-se toda alma como à vista do Deus que
Devem os seguidores de Cristo ser co-obreiros de seu Senhor; devem ser “irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio duma geração corrompida e perversa, entre a qual”, diz Paulo, “resplandeceis como astro no mundo”. Filip. 2:15.

Queira Deus ajudar-te a resistir à prova e conservar tua integridade. Apega-te, pela fé, a Jesus. Não decepciones teu Redentor.
Ellen White – Testemunhos Seletos – Volume 2
felizes para sempre

Compartilhe:

Casamentos apressados

Casamentos precoces não convêm. Relação tão importante como a do casamento, e tão vasta no alcance de seus resultados, não deve ser assumida precipitadamente, sem suficiente preparo, e antes de se acharem bem desenvolvidas as faculdades mentais e físicas. (A Ciência do Bom Viver, pág. 358).

Rapazes e meninas entram em relacionamentos sérios com amor imaturo, com juízo não desenvolvido, sem sentimentos nobres e elevados, e assumem os compromissos matrimoniais, completamente guiados por suas paixões juvenis.

Afeições formadas com pouca idade têm muitas vezes resultado em uniões infelizes, ou em dolorosas separações. As uniões precoces, formadas sem o consentimento dos pais, raramente são felizes. As afeições juvenis devem ser refreadas, até chegar o período em que a idade suficiente e a experiência tornarão honrosa e segura a sua manifestação. Os que não se refrearem estarão em perigo de arrastarem uma existência infeliz.

Um jovem entre os dez e os vinte anos é incapaz de julgar da habilidade de uma pessoa tão jovem como ele mesmo, para ser sua companheira por toda a vida. Depois de se haver tornado o juízo deles mais assentado, consideram-se ligados um ao outro por toda a vida, e talvez incapazes de se tornar mutuamente felizes. Então, em vez de fazer de sua sorte o melhor que podem, lançam-se recriminações, a brecha que os separa se alarga, até que se estabeleça positivamente a indiferença e a negligência mútuas. Para eles nada existe de sagrado na palavra “lar”. Sua própria atmosfera acha-se envenenada por palavras desamorosas e amargas censuras. Mensagens aos Jovens, pág. 452.

www.ellenwhitebooks.com

Compartilhe: