Assista no ar:
Evidencias
TV TV
INÉDITO:
  • SAB14:00
REPRISES:
  • DOM21:00
  • SEG08:00
  • TER04:00
  • QUA01:00
  • QUI22:30

Comente


Current month ye@r day *


  • Daniel Inacio da Silva em 3 de junho de 2014 22:34

    muito bom…esse estudo glorias à DEUS…



  • marcos em 24 de maio de 2014 21:41

    eu quero saber se eu estou pecando em trabalhar no sábado, se a empresa aonde eu trabalho me obriga a trabalhar?



    • Manassés em 26 de maio de 2014 15:20

      Olá Marcos,
      Se alguém obrigá-lo a desobedecer a Deus, você irá desobedece-Lo?
      É por isso que temos na história os mártires, aqueles que morreram pela fé. Eles amaram mais a Deus do que ao mundo.
      Afinal, a escolha é cada um, mas o que determinará é o amor a Deus.
      Abraço!



  • João Batista em 21 de maio de 2014 13:52

    Boa tarde,gostaria de saber quantas vezes o sábado é citado na bíblia?



    • Manassés em 22 de maio de 2014 10:32

      Olá João,

      Alguns estudiosos apresentam os seguintes dados:
      O SÁBADO: Antigo e Novo Testamento – 159 vezes
      O SÁBADO: Novo Testamento – 63 vezes

      Abraço!



  • F.OLIVEIRA em 6 de março de 2014 14:50

    Irmão Alexandre a duvida do irmão Francisco Carlos é pertinente o que ele alega é que os Judeus, ou seja, os fariseus questionavam Jesus por por exemplo colher espigas no sábado (Mateus 12
    1 – NAQUELE tempo passou Jesus pelas searas, em um sábado; e os seus discípulos, tendo fome, começaram a colher espigas, e a comer.) também em (marcos 2:23 e lucas 6:1). ou seja, ele questiona o peso que há na maneira como o povo serve ao sábado. Tente responde-lo com mais clareza se é que convém.



    • Alexandre Dietrich em 7 de março de 2014 22:25

      Ótima pergunta querido irmão F. Oliveira, o sábado é o dia de adoração, o dia de louvarmos ao nosso maravilhoso Deus, com relação ao que Jesus fez no sábado.

      Nos relatos evangélicos se registram sete curas realizadas por Cristo no sábado: Lucas 4:33, 38-39; 6:6-10; 13:10-17, 14:2-4; João 5:5-10; 9:1-14. Alguns pontos são evidentes ao examinarmos tais relatos. Vejamos:

      (a) Sempre que Jesus cura alguém no dia de sábado, Ele é acusado de ser um transgressor do quarto mandamento (Êxodo 20:8-11);

      (b) A defesa de Jesus é realizada de maneira enfática. Ele se defende das acusações;

      (c) Jesus não se considera um transgressor do Sábado. Muito pelo contrário: Ele coloca a guarda do Sábado em um nível superior ao dos judeus. Ele se declara Senhor do Sábado (Marcos 2:27 e 28), diz que o sábado foi feito para o homem e que é lícito (de acordo com a lei) realizar atos de bondade no dia do Sábado (Mateus 12:12).

      Cristo chama os judeus de hipócritas quanto à guarda do sábado (Lucas 13:15).

      Por quê? Porque eles pretendiam guardá-lo, mas haviam colocado tradições, regras, mandamentos sobre o sábado que o próprio Deus jamais colocara. Quem quer que examine, hoje, os livros de ensino e tradição dos judeus (Mishnáh, Talmud e outros) perceberá as incríveis distorções do mandamento sabático.

      Por que os judeus questionavam as curas no dia do sábado? Porque para eles – não para Deus – curar era uma espécie de trabalho. Curar = trabalhar, e o mandamento diz: “Não farás nenhum trabalho” (Lucas 13:14). Incrível, não?

      Como pode? A maneira como eles guardavam o mandamento demonstrava o quanto eram mesquinhos, desumanos e desprovidos de qualquer misericórdia. É até irônico! Eles eram capazes de tirar uma ovelha que caísse num precipício (para evitar prejuízo material) mas não queriam que Jesus estendesse a mão para curar doentes e pecadores – não é terrível?!

      E o mandamento que fora dado pelo próprio Cristo no monte Sinai (Atos 7:30-52) para ser um dia deleitoso, prazeroso (Isaías 58:13,14) tornou-se um fardo insuportável que o judeus hipócritas, impunham sobre os infelizes membros da nação judia. Por isso Jesus disse que queria misericórdia e não sacrifício.

      Jesus é o Senhor do Sábado! Ele criou o sábado (Gênesis 2:2,3); deu-o como mandamento no Sinai (Êxodo 20) e o ratificou com sua vida aqui neste mundo. O Sábado não foi dado apenas para os Judeus, foi dado para toda a humanidade como um incentivo à gratidão e à união entre a criatura e o Criador.

      Jesus jamais transgrediu aquilo que Ele mesmo estabelecera. E quando Ele foi julgado pelo Sinédrio e por Pilatos, buscaram argumentos para condená-lo. Se Cristo tivesse de fato transgredido o sábado os judeus achariam facilmente tal motivo, pois para eles esse era um dos principais mandamentos – mas nada acharam nEle!

      Pelas leis do Antigo Testamento o sacerdote não tinha permissão para dar pão sagrado, mesmo ao israelita mais consagrado. Apenas os sacerdotes podiam comê-lo. Entretanto, houve uma circunstância peculiar, incomum. Davi e seus homens precisavam desesperadamente de pão para sua subsistência, tendo em vista a maldade do rei Saul em persegui-lo (e dificultar a alimentação deles) e o fato de não haver outro alimento à mão.
      Da mesma forma, nos dias de Jesus, em situação ordinária, não seria permitido entrar na seara e colher espigas num dia de sábado (para os judeus e não na concepção do Deus Criador). Mas aquela era também uma circunstância especial pelas seguintes razões:

      1) Jesus e seus discípulos estavam longe de casa, pois eram pregadores itinerantes. Estavam retornando de uma reunião na sinagoga, a qual funcionava no sábado até, aproximadamente, a hora do almoço (a fome nesse horário é grande);

      2) Tendo em vista que nenhum daqueles religiosos ofereceu alimento – e os alunos de Cristo necessitavam comer – não seria transgressão do quarto mandamento colher espigas para saciar a fome. Seria o mesmo que hoje colhermos uma fruta no sábado, ou seja, nada de mais.

      É fácil percebermos que na Bíblia o dia de guarda sempre foi – e sempre será – o Sábado (Mateus 5:17-19; Apocalipse 14:6, 7; Isaías 66:22, 23 – até nos dias da eternidade!). E, quando lemos os relatos em que Jesus discutia com os fariseus sobre o assunto, o tema em questão nunca foi: “o dia deve ser guardado ou não?”, mas sim: “o dia pode ser guardado desse jeito?”.

      Meditemos nisso com sinceridade e oração para que não tenhamos uma vida de pecado ao transgredirmos conscientemente o Sábado! (ler Tiago 2:10).

      Se as leis morais pudessem ser abolidas, então Cristo não precisaria vir para morrer pelos pecadores, bastaria apenas abolir ou destruir a lei, pois onde não há lei, não existe pecado, porque o pecado é a transgressão da lei (Romanos 4:15; 1João 3:4). Caso a lei moral tivesse sido abolida, isso me “libertaria” para adorar imagens, tomar o nome de Deus em vão, desonrar os pais etc. Qual é o cumprimento da lei? Não é amar a Deus e ao próximo (Mateus 22:36-40; Deuteronômio 6:5; Levítico 19:18)? A primeira parte da lei está relacionada com nosso amor a Deus, e a segunda com nosso amor ao próximo. Se você acha que não deve guardar o sábado, também não deve guardar qualquer outro mandamento. Ou você acha que o único mandamento abolido teria sido o sábado?

      O sábado foi instituído no Éden, antes que a nação israelita existisse (Gênesis 2:2-3), o que foi confirmado por Cristo quando disse que o sábado foi feito por causa da humanidade como um todo, e não para um povo específico apenas (Marcos 2:27). Em Isaías 58:13-14; Ezequiel 20:12 e 20; e Apocalipse 14:12, o sábado é tido como um sinal entre Deus e Seu povo. Isso não quer dizer que só vai se salvar quem guarda ou guardou o sábado, mas Deus sempre teve um povo, em todas as épocas, com uma mensagem específica para dar ao mundo.
      A grande pergunta que eu tenho a quem diz que a lei foi abolida é de como será o juízo final.
      Em todo julgamento há um réu, que está sendo julgado por infringir uma lei, é assim hoje, agora imagine, qual será a lei, como será este julgamento se não existir uma lei, sendo que se não existe lei não existe pecado, a grande estratégia do inimigo é afastar as pessoas da Palavra de Deus.

      Deus não diz para irmos nessa ou naquela igreja , Ele nos pede para seguirmos a Ele, independente de igreja, olha a linda promessa que tem em João 14:21:

      “Aquele que tem os Meus mandamentos e os guarda, esse é o que Me ama; e aquele que Me ama será amado por Meu Pai, e Eu também o amarei e Me manifestarei a ele. “

      Em nenhum local da Bíblia tem escrito que somente o sábado foi abolido, como vimos, até na Nova Jerusalém guardaremos o sábado, a grande questão está em Oséias 4:6:

      “O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento. Porque tu, sacerdote, rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos.”

      Que Deus ilumine muito a sua vida, um grande abraço e fique com Deus!



  • ramos em 29 de dezembro de 2013 1:36

    estou precisando de ajuda, conheci a fé a anos (25anos) mas ainda não sou liberto,como devo proceder? no dia de meu batismo me prostitui e hoje encontro dificuldades para ser fiel a Jesus Cristo, tem algo haver? preciso me batizar novamente? nunca falei isso ao meu pastor por medo de uma represália. estou muito confuso, com medo,e me sinto inseguro. obs. meu pecado vem de dentro pra fora,é muito forte, se é que entendes. estou gravemente precisando de ajuda, em nome de JESUS,veja a minha dor com muito amor. obrigado.



    • Manassés em 10 de março de 2014 16:40

      Olá Ramos
      A luta contra o pecado é diária.
      Só podemos vencer se estivermos verdadeiramente com Cristo. A vitória vem dEle.
      O batismo não opera milagres em si mesmo. Ele é apenas uma confirmação pública de sua entrega a Cristo – funciona como um pacto.
      Procure viver no ceio da igreja, forme grupos de oração e ande retamente diante do Senhor.
      Deus lhe abençoe!



  • FRANCISCO CARLOS em 13 de dezembro de 2013 17:39

    Falando sobre Guilherme Miller que errou ao marcar data para a segunda vida de Cristo, a suposta profetisa Ellen White, afirma o seguinte: “Elo após elo da cadeia da verdade recompensava seus esforços, enquanto passo a passo divisava as grandes linhas proféticas. Anjos celestiais estavam a guiar-lhe o espírito e a abrir as Escrituras à sua compreensão”. O Conflito dos Séculos. p. 321 Só se forem anjos caídos. Anjo fiel a Deus jamais levaria Miller a cometer a loucura que cometeu, marcar data para o retorno do Senhor. VOCES CONCORDAM COM ISSO NOS DIAS DE HOJE ?



  • FRANCISCO CARLOS em 13 de dezembro de 2013 17:11

    MUITAS PESSOAS CRITICAM AQUELES QUE GUARDAM O SABADO EU POREM PENSO DIFERENTE E VEJO DESTA FORMA;

    NÃO PE PECADO GUARDAR O SABADO.
    NÃO É PECADO A MULHERES USAREM O VEU .
    NÃO É PECADO LAVAR OS PEZ UM DOS OUTROS NA HORA DA CEIA ?
    NÃO É PECADO O OSCULO SANTO.
    NÃO É PECADO SUBIR MONTES.
    NÃO É PECADO JEJUAR >
    POREM DIGO QUE O PECADO ESTA NAQUELE QUE FAZ ESTAS COISAS E CONDENA QUEM NÃO AS FAZ.

    MEU RESUMO É SIMPLES SOBRE ESTE ASSUNTO.
    VEJO QUE O VELHO TESTAMENTO É MUITO IMPORTANTE PARA NOSSA FÉ QUE VEM DE TODA A PALAVRA DA BIBLIA.

    ENTENDO QUE DEUS SEPAROU UM POVO, O POVO DE ISRAEL E SUA DESCENDÊNCIA.

    TODAS AS COISAS RELACIONADAS NO ANTIGO TESTAMENTO FOI CRIADO PARA O POVO DE ISRAEL E PARA A HISTORIA DO MUNDO .

    VEJO QUE NO ANTIGO TESTAMENTO EXISTIAM DOIS POVOS OS DE DEUS (ISRAEL).
    OS IMUNDOS (GENTIOS) TODO AQUELE QUE NÃO FAZIA PARTE DO POVO DE ISRAEL.

    JESUS VEIO PARA OS DESCENDENTES DO POVO DE ISRAEL- OS JUDEUS E ELES O DESPREZARAM.

    JESUS SE VOLTA AGORA PARA O POVO GENTIO E ELES O ACEITAM E NASCE AI O NOVO TESTAMENTO COM SUAS ORDENANÇAS E MANDAMENTOS PARA UM NOVO POVO ,O POVO CRISTÃO.

    POREM ENTENDO QUE ESTA NOVA ALIANÇA MESMO DESPREZADA PELOS JUDEUS ESTA ABERTA PARA ELES E MUITOS SÃO OS QUE A ACEITAM E VIVEM NO SENHOR JESUS.

    NÃO VEJO NADA DE ERRADO EM FAZER AS COISAS QUE CITEI ACIMA, OU DEIXAR DE COMER CARNE DE PORCO OU QUALQUER ANIMAL IMUNDO E ETC…

    A PERGUNTA É ,O POVO CRISTÃO SERA JULGADO PELAS NORMAS DA ANTIGA ALIANÇA OU PELAS NORMAS DA NOVA ALIANÇA?

    A BIBLIA DIZ QUE E PELAS PALAVRAS QUE JESUS TEM FALADO O MUNDO SERA JULGADO!

    TE FAÇO OUTRA PERGUNTA, SERA QUE ENCONTRAMOS NO NOVO TESTAMENTO, MANDAMENTOS OU ORDENANÇA PARA FAZER ALGO QUE CITEI ACIMA?

    VOCE ME ENTENDE?



  • FRANCISCO CARLOSF em 13 de dezembro de 2013 15:32

    PORQUE ELLEN W DISSE QUE DEUS REVELOU A ELA O DIA E A HORA DA VOLTA DE JESUS, COMO ESTA EM O SEU LIVRO VIDA E ENSINO NOS RELATOS DE SUA PRIMEIRA VISÃO? ESTA CORRETO ? OS ADVENTISTAS CONCORDAM COM ISTO?



    • Manassés em 16 de dezembro de 2013 8:42

      Olá Francisco,
      Essa informação é nova para mim. Já li esse livro e não vi essa passagem.
      Na verdade EWG nunca marcou a data da volta de Cristo e Deus nunca revelou isto para para ela.
      Deus abençoe seu coração.



      • FRANCISCO CARLOS em 17 de dezembro de 2013 11:09

        VIDA E ENSINOS PG 58;
        Logo ouvimos a voz de Deus semelhante a muitas águas, a qual nos anunciou o dia e a hora da vinda de Jesus. Os santos vivos, em número de 144.000, reconheceram e entenderam a voz, ao passo que os ímpios julgaram fosse um trovão ou terremoto. Ao declarar Deus o tempo, verteu sobre nós o Espírito Santo, e nosso rosto brilhou com esplendor da glória de Deus como aconteceu com Moisés, na descida do Monte Sinai.

        O QUE NÃO ENTENDO O PORQUE ESTE RELATO NÃO ESTA NO DVD DA SENHORA ELLEN, JUSTAMENTE ESTA PARTE FOI CORTADA. SE EXISTE UMA EXPLICAÇÃO LOGICA SE É QUE EXISTE, DEVERIA ESTAR NO DVD DE SUA HISTORIA ,CORRETO?



      • francisco em 20 de dezembro de 2013 19:54

        IRMÃO JA ACHOU A RESPOSTAS SOBRE A PRIMEIRA VISÃO DE ELL G W?



        • Manassés em 12 de março de 2014 11:01

          Olá Francisco

          Gostaria de saber um pouco mais sobre Ellen G. White

          Os Adventistas do Sétimo Dia crêem que Ellen G. White tenha recebido o dom de profecia. Seus escritos são um guia para a compreensão mais clara da Bíblia, jamais um substituto para esta. Conforme ela mesma determinou “Os testemunhos escritos não são concedidos a fim de prover nova luz, mas para imprimir vividamente sobre o coração as verdades da inspiração já anteriormente reveladas”. (Testimonies, vol 5., p. 665.)
          Quero comentar com você algo interessante que ocorre com os profetas de Deus. As pessoas vão para extremos: alguns descrêem, outros quase idolatram. Nenhum destes extremos é bom.
          Veja o exemplo do profeta Moisés. Quando ele estava vivo, o povo de Deus o desprezou, o criticou, e por várias vezes reclamaram de sua liderança. Depois que ele morreu, passaram quase a idolatrá-lo, a ponto de se referirem aos livros da Bíblia que ele escreveu como os livros de Moisés. Na verdade, ele foi apenas um mensageiro de Deus.
          A Igreja Adventista do Sétimo Dia tem a Bíblia como a única regra de fé e prática. Entretanto, reconhecemos que Deus deu valiosas instruções para os cristãos de hoje através dos escritos de Ellen G White. A Bíblia nos aconselha a ter em alta consideração o Dom profético.

          (2CR 20:20) – Crede no SENHOR, vosso Deus, e estareis seguros; crede nos seus profetas e prosperareis.

          Deus utilizou profetas para orientar e aconselhar o seu povo ao longo de toda a história bíblica. Deus escolhe e usa profetas hoje também para fazer chegar até nós mensagens importantes.
          Segue um pequeno resumo de sua vida.

          “Ellen G. Harmon nasceu em Gorham, Maine, dia 26 de novembro de 1827 na família de Roberto e Eunice Harmon. Ela, junto com sua irmã gêmea Elizabeth, eram as mais jovens de um grupo de oito irmãos.
          Logo no começo de sua adolescência, Ellen e a sua família aceitaram as interpretações bíblicas de um fazendeiro que se tornou pregador Batista: Guillerme Miller. Junto com Miller e outros 50.000 adventistas, sofreu uma amarga decepção quando Cristo não regressou no dia 22 de outubro de 1844, a data que indica o fim da profecia dos 2.300 dias de Daniel capítulo 8.
          Em dezembro de 1844, Deus dá a Ellen sua primeira de quase 2.000 visões e sonhos. Em agosto, 1846, casou-se com Tiago White, um ministro adventista de 25 anos com quem compartilhou a convicção de que Deus a tinha chamado para que fizesse a obra de uma profetisa. Pouco depois de se casarem, Tiago e Ellen começaram a guardar o sábado como sétimo dia, conforme o quarto mandamento de Êxodo capítulo 20. Mãe de quatro rapazes, Ellen experimentou a dor de perder por meio da morte a dois de seus filhos. Herbert morreu poucas semanas depois de nascer e Henry morreu aos 16 anos. Seus outros dois filhos, Edson e William, chegaram a ser ministros adventistas.
          Ellen White foi uma escritora promissora. Começando em 1851, quando publicou seu primeiro livro, estende-se num volume de artigos, livros e folhetos. Entre eles alguns são puramente devocionais, enquanto outros são seleções de muitas de suas cartas pessoais com conselhos escritos na decorrência dos anos. Outros são históricos e delineiam a contínua batalha entre Cristo e Satanás pelo controle dos indivíduos e das nações. Também publicou livros sobre educação, saúde e outros temas de especial importância para a igreja. Depois de sua morte publicaram cerca de 50 compilações, na sua maioria materiais que não se tinham publicado com anterioridade. É autora de vários milhares de artigos que foram publicados, com o decorrer dos anos, nas revistas “Review and Herald”, “Signs of the Times” e outros jornais Adventistas do Sétimo Dia da época.
          Não obstante sua timidez, Ellen White se converteu eventualmente num oradora pública muito popular. Isso não só nos Estados Unidos, senão também na Europa e Austrália. Demandava-se sua presença não só em reuniões adventistas, senão também em audiências não-adventistas, onde apreciavam muito seus temas sobre temperança. Durante o ano de 1876, ela falou a uma multidão estimada em 20.000 pessoas, sua maior audiência, em Groveland, Massachusetts, por mais de uma hora e sem a ajuda de um microfone. Em sua visão de 6 de junho de 1863, Ellen White recebeu instrução sobre questões relacionadas à saúde, como o uso de drogas, fumo, café, chá, comidas com carne e sobre a importância do exercício, a luz do sol, o ar fresco e o auto-controle na dieta. Seus conselhos de saúde, baseados nesta e outras visões posteriores, têm provido aos adventistas um estilo de vida que tem, como resultado, que vivam uns sete anos mais do que a média de vida nos Estados Unidos.
          Ellen White costumava ler muito. Deu-se conta de que a leitura de outros autores lhe ajudava em sua própria redação enquanto apresentava as verdades que se lhe revelavam em visão. Também o Espírito Santo lhe impressionava para que, por vezes, incluísse em seus próprios artigos e livros gemas literárias das obras de outros autores. Não pretendeu ser infalível e nem que seus escritos fossem tratados em igual forma que as Escrituras Sagradas. Ainda assim, creu firmemente que suas visões eram de origem divina e que seus artigos e livros eram produzidos sob a condução do Espírito Santo de Deus. Foi basicamente uma evangelista, e sua preocupação principal na vida era a salvação das almas.
          Ellen White foi uma pessoa generosa e deu um bom exemplo de cristianismo prático. Por anos guardava retalhos de tecido, pois, se via uma mulher que precisava de um vestido, podia prover assistência. Em Battle Creek, assistia a leilões, comprava móveis usados e os guardava; então se a casa de alguém se incendiava ou qualquer outra calamidade afetava uma família, estava preparada para ajudar. Antes que a igreja implementasse um plano de aposentadoria, se ela sabia de algum ministro ancião que estava com problemas financeiros, enviava-lhe um pouco de dinheiro para ajudá-lo a enfrentar suas necessidades mais urgentes.
          Ellen White morreu no dia 16 de julho de 1915. Por 70 anos, ela apresentou fielmente as mensagens que Deus lhe deu para Seu povo. Nunca foi eleita para ocupar um cargo específico na igreja, ainda que os líderes da mesma sempre procurassem seu conselho. Freqüentou a escola só até os seus 9 anos, mas suas mensagens puseram em marcha as forças que deram a luz a todo o sistema educativo mundial da Igreja Adventista desde as creches até as universidades. Ainda que não tivesse nenhum treinamento médico, o fruto de seu ministério pode-se ver hoje na rede de hospitais e clínicas adventistas que se encontram ao redor do mundo. E ainda que não fosse formalmente ordenada como ministro do evangelho, provocou um impacto espiritual sem precedentes nas vidas de milhões. Desde um extremo da terra até o outro.
          Os livros de Ellen White continuam até o presente momento ajudando às pessoas a encontrar seu Salvador, a aceitar o perdão de seus pecados, a compartilhar esta bênção com outros, e a viver na esperança da promessa de seu cedo regresso!”

          Entre os livros que Ellen White escreveu destacam-se aqueles que abordam o Grande Conflito entre Cristo e Satanás, desde antes da Criação até a eternidade dos remidos no Lar dos salvos. Ao todo são 3.623 páginas cobrindo a Bíblia, do Gênesis ao Apocalipse.

          A “Série Conflito” abarca os seguintes livros:
          • Patriarcas e Profetas
          • Profetas e Reis
          • O Desejado de Todas as Nações
          • Atos dos Apóstolos
          • O Grande Conflito

          Leia os escritos de Ellen White. Sinta o Espírito Santo falando pessoalmente a seu coração. Sua vida cristã será incentivada e seu amor por Jesus fortalecido.



  • FRANCISCO CARLOS em 9 de dezembro de 2013 22:02

    SE A IGNORANCIA SALVA ,É MELHOR NÃO PREGAR O EVANGELHO POIS OS IGNORANTES JA ESTÃO SALVOS E SE EU LEVAR A JESUS PARA ELES E ELES NÃO ACEITAREM PODERÃO SE PERDER. NÃO FAZ SENTIDO, DEVEMOS PREGAR PARA SALVA-LO POIS TODOS PECARAM E ESTÃO DESTITUÍDOS DA GLORIA DE DEUS.



    • Manassés em 10 de dezembro de 2013 8:34

      Olá Francisco,
      Por que Jesus enviou os discípulos para pregar? (Mateus 10).
      Por que temos a Bíblia em mãos?
      Jesus disse: “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (Jo 8:32). “Ide portanto batizando, ensinando e fazendo discípulos…” (Mat. 28:19-20).
      Ninguém será salvo se não aceitar o seu salvador pessoal (Atos 3:19 e 4:12).
      A ignorância não salva ninguém, somente Cristo. Se pela ignorância uma pessoa fosse salva, seria melhor jogar fora toda a revelação bíblica.
      Observe o texto abaixo:
      “Se eu disser ao ímpio: Ó ímpio, certamente morrerás; e tu não falares, para dissuadir ao ímpio do seu caminho, morrerá esse ímpio na sua iniqüidade, porém o seu sangue eu o requererei da tua mão” (Ezequiel 33:8).
      O ímpio sendo ignorante ou não, pecado é pecado e ninguém será salvo sem remissão de seus pecados.
      Abraço!



      • FRANCISCO CARLOS em 13 de dezembro de 2013 12:20

        IRMÃO DISSO EU SEI, MAIS QUANDO PERGUNTO PARA UM IRMÃO ADVENTISTA SOBRE OS IRMÃOS QUE NÃO GUARDAVAM O SABADO ANTES DA IGREJA ADVENTISTA NASCER ELES ME FALAM COM TODA CERTEZA QUE AS PESSOAS ESTAVAM NA IGNORANCIA E DEUS NÃO IRIA LEVAR EM CONTA, NÃO ACEITO ESTA RESPOSTAS.O QUE ME DIZ.OBRIGADO POR RESPONDER.



  • FRANCISCO CARLOS em 9 de dezembro de 2013 21:57

    É LICITO COLOCAR GASOLINA NO SABADO? É LICITO PEGAR ONIBUS NO SABADO? É LICITO LIGAR A ENERGIA ELÉTRICA NO SABADO PARA REALIZAR-MOS O CULTO AO SENHOR NO SABADO OU MESMO NO LAR? SEI E ENTENDO QUE TUDO ISSO PODE SER LICITO, POREM PERGUNTO: É LICITO NO SABADO COLOCAR GASOLINA,PEGAR ONIBUS,USAR ENERGIA ELÉTRICA ETC SABENDO QUE PARA FAZER ISTO ESTAMOS DEPENDENDO DE PESSOAS QUE ESTÃO A VIOLAR O SABADO PARA QUE NÓS PODESSE-MOS FAZER O QUE É LICITO NO DIA DE DESCANSO ENQUANTO ELES TRABALHAM? O QUE JESUS FARIA? SERA QUE REALMENTE GUARDAM O SABADO OU ESTÃO TENTANDO GUARDA-LO? POR FAVOR ME DE A BASE BIBLICA PARA SUA EXPLICAÇÃO. LEMBRE-SE, “NEM TEU SERVO NEM TUA SERVA E NEM O TEU ANIMAL”. OBRIGADO



    • Manassés em 10 de dezembro de 2013 8:49

      Olá Francisco,
      Temos Dez Mandamentos, esta é a Lei de Deus, escrita pelo seu próprio dedo (Êx. 31:18).
      O cumprimento destes mandamentos são inviáveis? Se são, Deus então nos deu mandamentos injustos.
      Ore a Deus e peça a Sua orientação para que você entenda como ser um filho obediente.
      Não busque argumentos para desobedecer, não racionalize. Satanás oferece razões de sobra para qualquer pessoa que deseja seguir a conveniência dos seus próprios caminhos.
      Se você é uma pessoa sincera, encontrará em Deus as respostas e viverá em obediência, mesmo estando na contra-mão do mundo desobediente.
      E, lembre-se, ninguém tem desculpa para desobedecer. Em Cristo podemos ser mais que vencedores (Rom 8:37).
      Abraço!



      • FRANCISCO CARLOS em 13 de dezembro de 2013 12:23

        IRMÃO, POR FAVOR NÃO FUJA DA RESPOSTA, GOSTARIA DE SABER DE UMA FORMA BEM CLARA E OBJETIVA, PODEMOS OU NÃO FAZER ESTAS COISAS SEM FICAR SEM CULPA? O QUE DIZ A DOUTRINA ADVENTISTA E A SENHORA WHITE ? OBRIGADO



        • ALEXANDRE DIETRICH em 4 de março de 2014 17:28

          Olá irmão Francisco Carlos, a paz do Senhor!

          Jesus cometeu algum pecado e Ele foi crucificado sem pecado ou com pecado?

          O querido irmão afirmou em seu comentário que “REFERENCIAS AOS JUDEUS E A JESUS POR POR VIOLAR O SABADO SEGUNDO OS COSTUMES JUDAICO”!
          Você acredita mesmo que Jesus pecou? Ou melhor, que Jesus pecou transgredindo o SÁBASO?
          Segundo II Co 5:21 e Heb 4:15, Jesus não pecou!
          Te pergunto: existe uma contradição bíblica entre o SEU comentário e II Co 5:21 e Heb 4:15?
          Se existe uma contradição, então Jesus não pode ser o Cristo, pois Ele não poderia pecar, assim como o cordeiro para o sacrifício não poderia ter defeito que era a representação do próprio Jesus Cristo (o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo).
          Segundo sua afirmação, como um pecador poderia remir outros pecadores?
          Obrigado por responder.
          Fique com Deus!



          • FRANCISCO CARLOS em 4 de março de 2014 18:05

            =IRMÃO ALEXANDRE, NÃO FOI ISSO QUE EU QUIS DIZER,POREM AFIRMO QUE AS UNICAS PASSAGENS RELACIONADAS AO SABADO E JESUS NO NOVO TESTAMENTO SE REFEREM AOS JUDEUS CRITICANDO OS ATOS DE JESUS NO DIA DE SABADO, E APROVEITANDO REINTEGRO A DUVIDA, POIS NO NOVO TESTAMENTO AS PASSAGENS RELACIONADAS AO SABADO SE REFEREM A JESUS E SEUS ATOS NESTE DIA, ENTÃO COMO PODEREI TER FÉ UMA VEZ QUE A FÉ VEM PELO OUVIR A PALAVRA SE NÃO ACHO NENHUM MANDAMENTO DIRETO AO POVO GENTIO PARA GUARDAR O SABADO? ESPERO QUE TENHA ENTENDIDO, OBRIGADO POR RESPONDER



        • ALEXANDRE DIETRICH em 4 de março de 2014 23:19

          Olá irmão Francisco Carlos, a paz do Senhor!
          Já entendi o que você quis dizer e que não foi que Jesus teria pecado! Nisso então concordamos!
          No entanto, estou com dúvida no seguinte:
          Que Jesus não pecou, eu e você concordamos! Não entendo por que você continua citando os relatos de acusação dos ESCRIBAS e FARISEUS contra Jesus e seus discípulos, como se a acusação dos mesmos fossem verdadeiras. Isso é que não entendo! Você poderia me explicar?
          Se Jesus não pecou nos episódios do SÁBADO e Se defendeu e defendeu os discípulos, por que você insiste em citar estes relatos como se houvesse algum problema com eles.
          Gostaria da sua explicação se possível.
          Quanto ao seu questionamento de um mandamento direto no N.T sobre o sábado te faço uma pergunta:
          Em que parte da bíblia existe a citação da divisão de V.T e N.T?
          Fique com Deus!



  • gilvan nascimento em 10 de outubro de 2013 17:56

    Pastor boa noite!
    gostaria de saber, se o novo testamento fala do sábado como lei ou só exemplos do que Jesus fez no sábado.Pois lendo um livro do espírito de profecia, estava escrito que o sábado não esta como lei no novo testamento.



    • Manassés em 14 de outubro de 2013 9:48

      Olá Gilvan,
      A compreensão de que os Dez Mandamentos são a Lei de Deus é algo que todos os judeus tinham em mente de forma clara. Não era um problema para o povo. É por essa razão que outros temas ganharam maior atenção no Novo Testamento. Afinal, Jesus, os discípulos, os apóstolos, os gentios e judeus convertidos aos cristianismo, todos guardavam o quarto mandamento da Lei de Deus – não era um ponto que merecia tanta preocupação.
      Existe outro tema que também não era problema no tempo do Novo Testamento e por isso não existem citações diretas – esse tema é o dízimo.
      O Velho Testamente era a Bíblia de Jesus e de todos os cristãos. Os evangelhos e as cartas foram surgindo sem a pretensão dos seus autores inspirados de que isso formasse no futuro o Novo Testamento. Quando Paulo falou que “toda a Escritura é divinamente inspirada” (2Tim 3:16), a Bíblia dele era o Velho Testamento e ele nem imaginava que suas cartas comporiam o Novo Testamento.
      Deus abençoe você e lembre-se: a Lei de Deus é perfeita (confira Romanos 7:12; 3:31).



    • FRANCISCO CARLOS em 13 de dezembro de 2013 15:29

      NÃO ENCONTREI EM TODAS AS PALAVRAS DE JESUS NO NOVO TESTAMENTO QUALQUER ORDENANÇA PARA GUARDAR O DIA DE SABADO, SOMENTE REFERENCIAS AOS JUDEUS E A JESUS POR POR VIOLAR O SABADO SEGUNDO OS COSTUMES JUDAICO. PEGUE UMA BIBLIA ONLINE E DIGITE NA BUSCA DISSE JESUS , NO NOVO TESTAMENTO E CONFIRA O QUE DIGO.



      • ALEXANDRE DIETRICH em 4 de março de 2014 17:31

        Olá irmão Francisco Carlos, a paz do Senhor!

        Jesus cometeu algum pecado e Ele foi crucificado sem pecado ou com pecado?

        O querido irmão afirmou em seu comentário que “REFERENCIAS AOS JUDEUS E A JESUS POR POR VIOLAR O SABADO SEGUNDO OS COSTUMES JUDAICO”!
        Você acredita mesmo que Jesus pecou? Ou melhor, que Jesus pecou transgredindo o SÁBASO?
        Segundo II Co 5:21 e Heb 4:15, Jesus não pecou!
        Te pergunto: existe uma contradição bíblica entre o SEU comentário e II Co 5:21 e Heb 4:15?
        Se existe uma contradição, então Jesus não pode ser o Cristo, pois Ele não poderia pecar, assim como o cordeiro para o sacrifício não poderia ter defeito que era a representação do próprio Jesus Cristo (o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo).
        Segundo sua afirmação, como um pecador poderia remir outros pecadores?
        Obrigado por responder.
        Fique com Deus!



  • Josilene em 6 de agosto de 2013 10:22

    Esse é um assunto que ainda me deixa com duvidas, gostaria se possivel, que você me respondesse: No caso de hospitais, busca à saúde, trabalho, que se encaixa como uma necessidade básica, imagine se esses profissionais parassem no sábado? Não escolhemos dia para adoecer, como os adventistas ver esses casos?



    • J.Washington em 6 de agosto de 2013 15:37

      Josilene, esta é uma pergunta importante. Leva-nos a refletir sobre o verdadeiro propósito do Sábado e no que se constitui transgressão do mandamento (Êxodo 20:8-11).

      Como sabemos, os Dez Mandamentos constituem a norma eterna do que é correto. Jesus não veio nos libertar da obediência à Lei (Mateus 5:17-17; Efésios 2:10), mas da condenação dela – a morte eterna (Romanos 6:23; Romanos 8:1). Todo aquele que ama a Jesus, em gratidão por seus pecados perdoados, procurará obedecer aos mandamentos de Deus (João 14:15) com a ajuda e a força que vem do próprio Criador! (Filipenses 2:13).

      Entender a razão para alguns mandamentos é mais fácil. Sabemos que não devemos matar, mentir ou roubar. Para entendermos a razão da observância do Sábado temos que refletir mais detidamente no caráter de Deus e seu propósito ao criar a raça humana. Deus nos criou não porque precisasse de nós. Criou-nos, entre outras razões, para ter a alegria do companheirismo conosco e também para nos dar a alegria do companheirismo com Ele. Daí a importância do Sábado – um dia para especial comunhão com Deus, nosso Criador (Gênesis 2:1-3; Êxodo 20:8-11).

      Durante a semana nos envolvemos com a luta pela sobrevivência, com a busca da realização pessoal e tantas outras coisas e temos dificuldade em separar tempo de qualidade para passar com Deus. Pensando nesta necessidade, Ele instituiu o Sábado – um dia para restauração física, comunhão social e maior companheirismo com o Criador.

      O Sábado é o dia ideal para ir à igreja (Lucas 4:16), orar, meditar, e cantar louvores. Outras atividades muito indicadas para este dia são as obras de caridade (Mateus 12:12) e o convívio social. Todos temos a necessidade de dar e receber amor, de saber que há pessoas que se preocupam conosco e que com elas nos sentimos bem. Ninguém duvida – especialmente os cientistas – dos benefícios físicos de um dia de repouso a cada semana.

      Diz o mandamento: “Seis dias trabalharás” Êxodo 20:8. Deus promete estar conosco para que em seis dias sejamos capazes de realizar tudo que realmente importa e é necessário. Então, descansamos no Sábado como uma celebração por termos “acabado” nossos afazeres e para passarmos mais tempo com nosso Deus Triúno que nos criou e nos salvou.

      O que a Bíblia aponta como impróprio para o dia de Sábado não é aliviar o sofrimento humano, realizar obras caritativas ou atender certas emergências, mas sim o trabalho para ganhar a vida.

      Quando um médico cristão atende alguém num dia de Sábado, não está transgredindo o quarto mandamento. Jesus disse: “É lícito fazer o bem aos Sábados” (Mateus 12:12). Certamente, os médicos não devem trabalhar neste dia como nos demais. Cumpre a cada um deles determinar o que constitui emergência médica e que tipos de atendimentos podem ser deixados para o dia seguinte.

      “O Sábado foi feito por causa do homem”, para benefício da humanidade, diz Jesus em Marcos 2:27. Se um familiar adoece no sétimo dia, todas as providências para atender essa pessoa estão em harmonia com o propósito do Sábado. Portanto, se for necessário contratar um taxi, comprar remédios, pagar por honorários médicos ou hospitalares, nada disso deve ser deixado de fazer.

      Vivemos num mundo aquém do ideal. Na Nova Terra não teremos acidentes, incêndios e nem assaltos. Enquanto ainda estivermos cercados pela presença e pelas consequências do pecado, devemos pedir a Deus sabedoria para decidir quê trabalhos realizar e não realizar no dia do Senhor. Isto é algo muito pessoal e precisa ser levado a sério.

      Em termos do uso de nosso tempo, Deus não aceita menos do que dedicarmos o Sábado a Ele. Deus é o nosso Criador, Mantenedor e Salvador pessoal. Ele merece nosso amor, lealdade e obediência.
      Tornar o Sábado o dia mais feliz e abençoado de cada semana faz parte do mandamento mais amplo de amar ao Senhor com todas as nossas forças e com todo nosso entendimento (Deuteronômio 6:5; 10:12; 30:6; Marcos 12:28-30). As pessoas que separam o Sábado como um dia sagrado estão tendo um dos maiores privilégios concedidos aos homens: entrar na presença de Deus semanalmente, gratuitamente, pela fé.

      Seja feliz!
      J.Washington/Equipe Bíblia Fácil



  • Robson em 17 de julho de 2013 16:48

    podemos praticar esportes no dia de sábado?porque eu tenho hábito de praticar.



    • J.Washington em 18 de julho de 2013 9:32

      Robson, estamos contentes com sua participação e interesse em saber mais da Palavra de Deus e Seu amor. Veja alguns pontos que os Adventistas do 7º Dia acreditam e que estão embasados na santa Bíblia:

      a. O sábado abarca nossa total relação com Deus. É uma indicação dos atos de Deus em nosso favor no passado, presente e futuro. O sábado protege a amizade do homem com Deus e nos oferece a oportunidade de desenvolver essa relação. Esquecer o sábado como um dia santo é sério porque nos leva à eventual destruição de nossa relação com Deus. O sábado é um deleite porque entramos no descanso de Deus e aceitamos o convite para comungar com ele. Recordar o sábado, é recordar a Ele.

      b. O sábado é um sinal perpétuo do pacto de Deus com os homens. Relembra-nos quem nos criou e quem nos santifica (Gênesis 1:1-3; Êxodo 31:13, 17; Ezequiel 20:12,20).

      c. O sábado é único. É uma ocasião especial para adorar a Deus como Criador, Reden¬tor e Senhor de nossa vida. Está no centro da lei moral como selo da autoridade divina. Temos a obrigação de respeitá-lo como símbolo da amante relação de Deus com seus filhos terrenais.

      d. O sábado é universal. A universalidade do sábado tem sua raiz na Criação, e portanto, seus privilégios e obrigações são para todos, indepen¬dente¬mente do setor de nossa atividade, ou classe social (Êxodo 20:11; 23:12; Deuteronômio 5:13; Isaías 56:1-8).

      e. Princípios orientadores para a observância do sábado. A Bíblia oferece princípios gerais sobre a observância do sábado que são aplicáveis aos nossos dias (Êxodo 16:29; 20:8-11; 34:21; Isaías 58:13: Neemias 13:15-22). O Espírito de Profecia, diz:

      “A lei proíbe o trabalho secular no dia de repouso do Senhor; o labor que constitui o ganha-pão deve cessar; nenhum trabalho que vise prazer ou proveito mundanos, é lícito nesse dia; mas como Deus cessou Seu labor de criar e repousou ao sábado, e o abençoou, assim deve o homem deixar as ocupações da vida diária, e devotar essas sagradas horas a um saudável repouso, ao culto e às boas obras”. Desejado de Todas as Nações, pág. 186

      Isso não significa que tenhamos que estar em um estado de inatividade total. A Bíblia nos convida a atender as necessidades e aliviar os sofrimentos dos outros, contudo, nem mesmo as boas obras devem obscurecer a característica principal do sábado, a saber, o descanso. Isso inclui o físico como o espiritual em Deus (Êxodo 23:12; Mateus 11:28), que nos leva a buscar a presença e a comunhão mediante a adoração – na meditação tranquila como no culto público (Êxodo 23:12; Mateus 12:10-13; Marcos 2:27; Lucas 13:11-17; Isaias 48:13; Mateus 12:1-8, etc.)

      f. A observância do sábado se baseia na autoridade da Palavra de Deus. Não há outra razão lógica para isso. Ao observá-lo em forma correta, estamos dizendo que aceita¬mos ao Senhor como nosso Criador e Proprietário.

      É verdade que às vezes temos que enfrentar resistência devido ao nosso compromi¬sso de guardar o santo sábado. Deixar tudo durante um dia por razões meramente religiosas, parece arbitrário e inexplicável aos olhos do mundo. Mas a devida obser¬vância do sábado é um testemunho que escolhemos obedecer a Deus. O sábado será uma prova especial no fim do tempo, e todos teremos que escolher entre ser fiéis à Palavra de Deus ou à autoridade humana (Apocalipse 14:7-12).

      Você deve cuidar da saúde, do corpo e da mente. Deus lhe deu seis dias para praticar esportes, no sétimo dia, que é o sábado, seu corpo deve repousar.

      Seja feliz!
      J.Washington/Equipe Bíblia Fácil



  • Carlos Robarto da Silva em 9 de julho de 2013 23:01

    TV NOVO TEMPO, A TV QUE FOI INSTALADA EM UM PONTO DA TERRA QUE DIVULGA PARA O RESTANTE DO MUNDO O VERDADEIRO EVANGELHO DE CRISTO.



    • FRANCISCO CARLOS em 9 de dezembro de 2013 22:20

      A BIBLIA QUE O CRISTÃO GENTIO DEVE SER REGIDO É O NOVO TESTAMENTO, JA PAROU PARA PENSAR QUE JESUS FOI ENVIADO PARA OS JUDEUS, QUE O TORA ERA PARA OS JUDEUS OU O POVO DE ISRAEL? NÓS TEMOS QUE OBEDECER AO NOVO TESTAMENTO E NÃO EXISTE NENHUM MANDAMENTO PARA O POVO GENTIOS GUARDAREM O SABADO, VOCE NÃO ENCONTRA NENHUMA PALAVRA QUE SAIU DOS LABIOS DE JESUS MANDANDO OS GENTIOS GUARDAREM O SABADO, SE NÃO ESTA ESCRITO NÃO PODEMOS OBEDECER; PROCURE NO NOVO TESTAMENTO ALGUMA ORDEM DE JESUS NESTE SENTIDO E VOCE NÃO VAI ENCONTRAR, JESUS SIM GUARDOU O SABADO COMO UM JUDEU EXEMPLAR OBEDECEU A ORDEM DE SEU PAI E NOS TEMOS QUE OBEDECER AS SUAS ORDENS COMO ELE OBEDECEU A DE SEU PAI E NOSSO PAI. A GUARDA DO SABADO NÃO É ARTIGO DE FÉ PARA N´´OS GENTIOS, POIS NÃO ESTA ESCRITO NO NOVO TESTAMENTO, NÃO POSSO TER FÉ NESTA ORDEM. DEUS DEU O SABADO AO POVO DE ISRAEL E PELO MOTIVO QUE ESTA ESCRITO NA REPETIÇÃO DOS 19 MANDAMENTOS QUE ESTÃO EM DEUTERONÔMIO CAP 5, VEJA E CONFIRA , E ESSA ALIANÇA NÃO FOI FEITA NEM COM ABRAÃO NEM COM JACO VEJA ESSA RESPOSTA EM DEUTEONOMIO CAP 4



      • Manassés em 10 de dezembro de 2013 8:16

        Olá Francisco,
        Os 17 primeiros livros do Velho Testamento são um registro histórico a respeito da criação, entrada do pecado, o plano da redenção, a origem e ministério do povo de Deus e a saga do povo de israel.
        Temos 5 livros poéticos: Jó, Salmos, Cantares, Eclesiastes e provérbios. Eles apresentam os sentimentos, a sabedoria e os conselhos para o povo de Deus.
        Os últimos 17 livros são proféticos. Temos nestes livros profecias para a época, para hoje e para o futuro. Como eu posso identificar se Cristo é o Messias de fato sem as profecias do Velho Testamento? Observe que as profecias de Daniel dizem respeito a toda a história, a partir de 457ac até 1844, e anuncia coisas para o futuro ainda.
        A pergunta é: como ignorar tudo isso como não sendo a Palavra de Deus vigente para hoje? Em 2 Tim. 3:16, Paulo afirma que “toda a Palavra é inspirada por Deus e útil para o ensino, repreensão e coração…” A Bíblia de Paulo era o Velho Testamento. O Novo Testamento surgiu cerca de 60 anos depois de Cristo. Dá para entender?
        No tempo de Jesus, a compreensão de que os Dez Mandamentos são a Lei de Deus era algo que todos os judeus tinham em mente de forma clara. Não era um problema para o povo. É por essa razão que outros temas ganharam maior atenção no Novo Testamento. Afinal, Jesus, os discípulos, os apóstolos, os gentios e judeus convertidos aos cristianismo, todos guardavam o quarto mandamento da Lei de Deus – não era um ponto que merecia tanta preocupação. Existe outro tema que também não era problema no tempo do Novo Testamento e por isso não existem citações diretas – esse tema é o dízimo. Interessante que as igrejas aceitam o dízimo, mas não aceitam os Dez Mandamentos (que inclusive foi escrito pelo dedos de Deus – Êx. 31:18).
        Pense, avalie e ore a esse respeito.
        Deus abençoe você e lembre-se: a Lei de Deus é perfeita (confira Romanos 7:12; 3:31).
        Abraço!



        • FRANCISCO CARLOS em 15 de dezembro de 2013 17:36

          IRMÃO ENTENDO QUE TODA BIBLIA É INSPIRADA POREM O MESSIAS NÃO FOI PROMETIDO AO POVO GENTIO, NÓS NÃO ESPERÁVAMOS UM MESSIAS AO CONTRARIO DO POVO JUDEU QUE TINHA ESTA PROMESSA, POR TANTO O VELHO TESTAMENTO NÃO FAZIA PARTE DA VIDA DOS GENTIOS, O NOVO TESTAMENTO SIM ,PORTANTO NÃO É O ANTIGO TESTAMENTO QUE ENSINA O MÉTODO PARA A SALVAÇÃO E SIM O NOVO, VEJA BEM, SE DER-MOS UM NOVO TESTAMENTO PARA UMA TRIBO NOS DIAS DE HOJE ELE LEVARA ESSA TRIBO A SALVAÇÃO POR INTERMEDIO DE JESUS? E SE DER-MOS SOMENTE O VELHO TESTAMENTO SERA QUE SERÃO SALVOS? POR FAVOR NÃO ME VENHA DIZER QUE SERÃO SALVOS COM A LUZ QUE RECEBERAM PARA SEREM SALVOS POIS A PALAVRA É BEM CLARA QUE SALVAÇÃO SÓ EM JESUS. AGUARDO RESPOSTA, OBRIGADO IRMÃO



          • ALEXANDRE DIETRICH em 4 de março de 2014 18:47

            Olá irmão Francisco Carlos, a paz do Senhor!

            Se Jesus só veio para os Judeus na sua visão, então de Abraão pra trás estão todos perdidos, pois a noção de gentio só veio depois dos Judeus?!

            Se Jesus só veio para os Judeus, então para quem Jesus preparou “o reino para ser possuído desde a FUNDAÇÃO do MUNDO”? Se os judeus não existiam na fundação do mundo? Para quem Jesus preparou o Reino então? Nem JUDEUS e muito menos GENTIOS existiam na FUNDALÇÃO do MUNDO! Para quem foi então? (Mateus 25 : 34)

            Se Jesus só veio para os Judeus, então por que Jesus “PADECEU desde A FUNDAÇÃO do MUNDO” se não existiam nem JUDEUS e muito menos GENTIOS? (Hebreus 9 : 26)

            Irmão, de onde você tirou que Jesus só existe no novo testamento?

            Por acaso os rituais de sacrifícios e festas anuais tipificavam a Jesus ou outras coisas?
            Eu achava que o V.T demonstrava o TIPO simbolizando o ANTÍTIPO?
            Então só o N.T fala de Jesus?
            Temos um problema grava aqui irmão Francisco Carlos! Se o V.T não fala de Jesus o SALVADOR, então os JUDEUS esperavam quem?

            Irmão, Deus é amor, mas também é JUSTIÇA!

            É o N.T ou o V.T que nos SALVA?
            Bom, eu achava que era Cristo, mas com sua afirmação acima, agora acho que é o N.T né?

            Abraços e fique com Deus!



      • ALEXANDRE DIETRICH em 4 de março de 2014 17:41

        Olá irmão Francisco Carlos, a paz do Senhor!

        Interessante seu comentário!

        Veja: Jesus era judeu, guardou os mandamentos como judeu, morreu como judeu e ressuscitou gentio.

        O que você afirma é mais ou menos o seguinte: enquanto judeu, o exemplo de Jesus foi válido, por que era judeu, mas depois de sua ressurreição virou gentio. O engraçado é que depois de sua ressurreição os discípulos continuaram a guardar os mandamentos, mas será que depois da ressurreição de Jesus os discípulos viraram gentios também, e seus exemplos não servem mais?
        Abraços e fique com Deus!



  • Arquimedes Firme em 27 de junho de 2013 1:15

    Estes estudos são uma benção para todos os participantes. Eu gostaria de receber adesivos para colar no meu carro e ajudar a divulgar a nossa TV Novo Tempo. Obrigado



  • matheus silva em 4 de junho de 2013 12:51

    presados irmaos o sabado e um di especia separado por deus no ato da criação.



  • Gabriela Taís em 21 de abril de 2013 18:31

    Olá, boa noite.

    Que a paz do Senhor esteja com todos vocês.
    Eu tenho uma dúvida, no caso foi mencionado que o sábado começa no por do sol na sexta e termina no por do sol da sábado então, no caso de se eu trabalho até as 18h da sexta-feira e eu pego um transporte público eu estou infringindo a Lei?

    Obrigada,



    • J.Washington em 22 de abril de 2013 12:59

      Gabriela,encontramos em Gênesis o relato da criação do dia, assim como a contagem bíblica deste, ou seja, tarde (noite) e manhã (dia):

      “Chamou Deus à luz Dia e às trevas, Noite. Houve tarde e manhã, o primeiro dia. E chamou Deus ao firmamento Céus. Houve tarde e manhã, o segundo dia. Houve tarde e manhã, o terceiro dia. Houve tarde e manhã, o quarto dia.
      Houve tarde e manhã, o quinto dia. Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. Houve tarde e manhã, o sexto dia” (Gn 1:5, 8, 13, 19, 23 e 31).

      Detalhe: “A palavra ‘dia’ (yom em hebraico), sempre significa um dia de 24 horas, quando usada com o numeral (primeiro, segundo, terceiro…). Logo, Gênesis 1, fala da criação em seis dias literais.” A explicação que se dá para a mudança da contagem do início e fim do dia está em Daniel 7:25: “Proferirá palavras contra o Altíssimo, magoará os santos do Altíssimo e cuidará em mudar os tempos e a lei” Isso foi uma profecia que se cumpriu, pois atualmente a lei de Deus foi mudada – o dia que a maioria das pessoas guarda é o domingo, – e o dia passou a ter seu início à meia-noite. “Não é estranho alguma coisa começar pela metade?”

      Vale ressaltar que o próprio Jesus citou que a parte clara do dia tem 12 horas, sobrando então 12 horas para a noite: “Respondeu Jesus: Não são doze as horas do dia?” (Jo 11:9).Diante desta importante declaração fica impossível pela contagem humana serem 12, as horas claras do dia. Já pela contagem divina isso se dá claramente, pois do pôr do sol para o nascer, há exatamente 12 horas (noite), e do nascer do sol para o seu ocaso (dia) também conta-se 12 horas. “O dia (ciclo de 24 horas), não há dúvidas, é contado pelo declinar da tarde (pôr do sol).” Concluímos que o sábado, sendo como os demais dias, tem seu início no pôr do sol (da sexta-feira) e término no pôr do sol seguinte (do sábado).

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



      • FRANCISCO CARLOS em 17 de dezembro de 2013 11:25

        IRMÃO A DUVIDA DELA ´´E SE ESTA OU NÃO INFLIGINDO O SABADO E NÃO SOBRE O POR DO SOL, ELA JA ENTENDEU ISSO, PORQUE VOCES RODEIAM TANTO?



  • Juliano da Silva Calhari em 7 de abril de 2013 19:15

    Olá Pastor Davi, eu sou adventista já faz 1 ano, mas tenho uma dúvida que meu avô sempre passa-me, em nossos debates bíblicos. Qual o propósito do Velho e Novo Testamento ?
    Porque, existem assuntos bíblicos muito mais comentados e outros menos discutidos, por serem passagens do Velho e Novo Testamento ?



    • J.Washington em 8 de abril de 2013 14:27

      Juliano, para termos uma resposta concreta e bíblica para essa pergunta, precisamos levar em conta algumas coisas:

      1) A Bíblia que Jesus possuía continha apenas os livros do Antigo Testamento. Os evangelhos e cartas do Novo Testamento vieram a existir bem depois, quando a igreja cristã (após Cristo ter subido ao Céu) reuniu os escritos dos apóstolos para preservá-los. Portanto, quando Jesus diz em João 5:39 para examinarmos as Escrituras, Ele está dizendo: estudem o Velho Testamento!

      Seja feliz!
      Equipe Biblia Fácil

      2) A Bíblia que os apóstolos tinham era o Antigo Testamento. Quando Paulo disse para “pregarmos a Palavra” (2 Timóteo 4:2), ele estava se referindo a todos os escritos dos profetas antigos.

      3) Jesus disse que não acreditar nos escritos de Moisés é o mesmo que não acreditar nEle! Veja: “Se vocês cressem em Moisés, creriam em mim, pois ele escreveu a meu respeito. Visto, porém, que não crêem no que ele escreveu, como crerão no que eu digo?” João 5:46, 47.

      Portanto, dizer que o Antigo Testamento foi abolido (refiro-me ao feixe de livros) é uma heresia que deve ser rejeitada e combatida por todo cristão que ama a Palavra de Deus.

      Que parte da Bíblia Jesus usava para explicar o evangelho?
      O Velho e o Novo Testamento são uma coisa só. Não foi Deus quem criou a divisão dos livros da Bíblia em “Velho” e “Novo”, e sim os homens. Não que isso seja errado, pois serve para separamos “nominalmente” os livros, para fins didáticos (até facilita a procura dos textos); mas, não devemos separar os escritos do Antigo e Novo Testamento em nível de doutrinas, ensinos e validade, pois tudo veio do mesmo Deus.
      O Novo Testamento não foi escrito para abolir o Velho Testamento, mas para confirmá-lo e completá-lo. Tanto que o Novo Testamento faz aproximadamente cerca de 637 referências ao Velho Testamento!
      Os nomes “Novo” e “Velho” Testamento, que identificam e divisão das duas partes da Bíblia, vieram a existir posteriormente. O Novo Testamento recebeu tal identificação no ano 200 d.C e o Velho, em 326 d.C.
      Portanto, para Deus não há divisão da Bíblia.
      Jesus Cristo, quando ia estudar as Escrituras, usava todos os escritos dos profetas (ver Lucas 24:27; 42, 44); não usava apenas o “Novo Testamento”, mesmo porque este ainda não existia no tempo dEle! O Salvador sabia que para serem bem compreendidas, a Escrituras devem ser estudadas em conjunto, a fim de chegar-se a um consenso quanto a uma doutrina, ensino ou instrução. Este princípio de interpretação da Bíblia (estudar um pouco aqui e um pouco ali) é exposto e defendido em Isaías 28:10: “Porque é preceito sobre preceito, preceito e mais preceito; regra sobre regra, regra e mais regra; um pouco aqui, um pouco ali”.
      Segundo essa regra, devemos estudar o conjunto das Escrituras como um todo a fim de entendermos a plenitude de sua mensagem.
      E, mais uma coisa importante: os textos a seguir nos dizem que todos os livros da Bíblia, sejam do Antigo ou do Novo Testamento, foram criados por Deus e são úteis para nos guiar no caminho da salvação:
      “Porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens santos falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo”. 2 Pedro 1:21.

      “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça” 2 Timóteo 3:16.

      A palavra “Toda”, empregada no texto supracitado, vem do termo grego “Paza” e significa “cada escrito”, ou seja: cada parte da Bíblia, até mesmo os livros antigos, é da autoria do Espírito Santo!
      Concluindo: a Bíblia é uma só. Se aceitarmos apenas parte dela, é o mesmo que rejeitarmos todo o restante.
      Estamos à sua disposição para maiores esclarecimentos.



      • FRANCISCO CARLOS em 26 de dezembro de 2013 9:12

        ME PERDOE IRMÃO, NÃO CONCORDO QUANDO DIZES QUE QUANDO PAULO PREGAVA ELE SE REFERIA AS PALAVRAS DOS PROFETAS ANTIGOS , POIS SE FOSSE VERDADE ESTA AFIRMAÇÃO ELE JAMAIS PASSARIA O QUE PASSOU, ELE PREGAVA O EVANGELHO DE JESUS.
        35 E Paulo e Barnabé ficaram em Antioquia, ensinando e pregando, com muitos outros, a palavra do Senhor.



        • ALEXANDRE DIETRICH em 4 de março de 2014 19:03

          Querido irmão Francisco Carlos, a paz do Senhor!

          Volto a lhe fazer a mesma pegunta:

          O V.T não fala de Jesus (Messias) é só o N.T que fala de Jesus?

          Engraçado, eu achava que Estevão tivesse sido apedrejado por condenar os JUDEUS por rejeitarem a Jesus citando o V.T, mas não, segundo sua informação, Estêvão foi apedrejado por condenar os JUDEUS por rejeitarem a Jesus citando o N.T que não existia ainda, mas tudo bem.

          Abraços e fique com Deus!



  • fabiana em 7 de março de 2013 23:22

    Aprendi com o pastor Arilton sobre a guarda do sábado ,trabalho na área da saúde fazendo plantão 12*36 entao meu plantão as vezes cai no sabado ,mesmo prestando cuidado ao proximo é pecado?Como devo fazer?



  • Cleonice Luciana em 21 de janeiro de 2013 20:30

    Sou telespectadora assídua do TV Novo tempo.
    Principalmente dos programas Bíblia Fácil e Arena do Futuro, com eles estou aprendendo muitas coisas, a importância do Batismo, a Guarda do 10 mandamentos, a Volta de Jesus e muitos outros assuntos.
    As vezes fico chateada quando viajo e o local onde estou não tem o canal 14.
    Estou em conflito com meu marido, Me ajudem.
    Somos de uma outra Igreja, que não se guarda o Sábado, a partir do momento que aprendi sobre a Guarda dele, estamos em nos desentendendo, pois temos aqui na Cidade onde moramos uma loja. Estou responsável por ela e pelos funcionários, mas quero de qualquer jeito guardar este dia como me manda o mandamento da Lei de DEUS, mas ele não aceita.
    Ele conversou com o Pastor e o Pastor disse que esse mandamento se cumpria no Velho Testamento. Me ajudem por favor. O que eu faco??



    • J.Washington em 6 de fevereiro de 2013 13:15

      Cleonice, somos livres para ceitar ou não, porém, os mandamentos de Deus são uma realidade.

      Não existe mandamento no Novo Testamento para guardar o Sábado. O Novo Testamento fala 50 vezes em pregar o evangelho; 23 vezes em pregar a Cristo; 7 vezes em pregar a Palavra; 8 vezes em pregar o reino; Zero vez em pregar o Sábado. Jesus e os outros escritores no N.T repetiram os mandamentos, menos o 4o – o Sábado…

      Por que o Novo Testamento não ordena de forma direta a guarda do sábado?

      1) Porque manda guardar de um modo indireto, através do exemplo dos apóstolos e de Jesus; não nos esqueçamos de que em muitas vezes “os atos valem mais do que as palavras”.

      2) Porque a Bíblia é uma só. O Velho e o Novo Testamento são um. O Novo Testamento faz cerca de 637 referências sobre o Velho Testamento. Veja o que Paulo diz:

      “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça…” II Timóteo 3:16.

      Paulo diz que TODA a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino; ele não diz: “Só o Novo Testamento é útil para o ensino”.

      O Novo Testamento não foi escrito para abolir o Velho Testamento, mas para confirmá-lo e completá-lo. Não sei se você sabia, mas os nomes “Novo” e “Velho” Testamento, que é a identificação e divisão das duas partes da Bíblia, foram dados pelos homens. O Novo Testamento recebeu este nome no ano 200 D.C e o Velho no ano 326 d.C.
      Para Deus não existe Velho ou Novo Testamento, pois considera as Escrituras como uma só. Esta divisão veio para nos facilitar a busca de versos bíblicos.

      Se Deus colocou o mandamento diretamente no Velho Testamento, isto basta para todo cristão que segue completamente Sua palavra; ela é um só. Deus disse “Lembra-te” (Êxodo 20:8) porque já sabia que os seres humanos iriam esquecer Seu dia de guarda. Você não está esquecendo?

      Alguns teólogos dizem: “o Velho Testamento foi abolido”, mas, então, porque eles continuam pregando sobre a importância de devolver o dízimo?

      Há muita incoerência em afirmar também que a guarda do sábado foi abolida. É incoerente o argumento de muitos autores a respeito deste assunto, pois eles pegam o que lhes convêm no Velho Testamento (caso do dízimo) e lançam fora o que não lhes convêm (a guarda do sábado). Ora, como vamos aceitar um ensinamento e rejeitar outro, sendo que ambos estão unidos? Lembre-se: a adoração e o ato de dizimar estão ligados um ao outro.

      Muitos afirmam que o mandamento do sábado não foi repetido no Velho Testamento; mas uma ordem de dizimar também não o foi; assim como o dízimo, a guarda do sábado foi “confirmada” no novo testamento; não foram repetidos porque não havia necessidade, pois as pessoas da época seguiam muito bem estas instruções. (lembrando de que a guarda do sábado é mencionada no Novo Testamento).

      Se tivéssemos de abolir a guarda do sábado porque este mandamento não foi repetido de modo “direto” (foi repetido “indiretamente” através do exemplo de Jesus, Virgem Maria e dos apóstolos), também teríamos de abolir em todas as igrejas evangélicas o ato de dizimar.

      Vejamos uma pesquisa sobre o assunto, realizada por um estudioso das Escrituras:

      “Os adversários da verdade apresentam um quadro comparativo, ardilosamente engendrado e incompleto, em que procuram demonstrar que o quarto mandamento não consta no Novo Testamento. Será que não leem com atenção o Novo Testamento? Pois nele, tanto Cristo quanto os apóstolos nos são apresentados em várias ocasiões pregando ou adorando aos Sábados, como se esse procedimento fosse a coisa mais natural. Por que não fez constar no quadro Lucas 23:5, que se refere à guarda do sábado “conforme o mandamento”?

      “Para contraditar aquele gráfico omisso, apresentamos um quadro verdadeiro quanto à observância do Sábado no Novo Testamento:

      Reuniões no sábado mencionadas no Novo Testamento.

      Marcos 1:21Cristo ensinava Seus patrícios no Sábado. Ensino religioso. Realizou a cura do endemoninhado. Objetivos espirituais. Marcos 3:1 Mateus 12:1 Lucas 6:6
      Cristo entrou na sinagoga e pôs-se a ensinar. Curou o homem que tinha a mão mirrada, o que irritou os fariseus. Demonstração do poder de Deus no dia de Sábado.
      Lucas 4:16 e 17 Cristo foi à casa de culto. Diz o texto que o fez “segundo o Seu costume”. Quer dizer que sempre ia ao culto no Sábado. O que fez lá dentro foi puramente ato de culto. Leitura e exposição da Palavra de Deus. Não foi com objetivo de agradar os judeus, porque os desagradou bastante, a ponto de ser expulso da sinagoga e da cidade. Quiseram atirá-lo ao precipício.
      Lucas 4:31 Cristo usualmente ensinava nos Sábados. Nenhuma insinuação quanto ao dia de guarda.
      Lucas 23:56 As santas mulheres, seguidoras de Cristo, inclusive Sua mãe, respeitosamente guardaram o “Sábado conforme o mandamento”. Nada sabiam acerca do domingo!
      Atos 13:44 e 42-44 Paulo em reunião de culto. Como os judeus abandonassem a sinagoga, no Sábado seguinte “quase toda a cidade” (gentios) se ajuntou para ouvir a Palavra de Deus. Boa oportunidade para Paulo lhes dizer que, como não estavam na sinagoga com os judeus, o dia de guarda seria o domingo…
      Atos 16:12 e 13 Reunião de culto ao ar livre. Longe de sinagogas, que talvez não houvesse na cidade. Os apóstolos procuraram um lugar tranquilo para o culto sabático.
      Atos 17:1 e 2 Na sinagoga. Reunião de culto. Paulo, “como tinha por costume”, foi ao culto no Sábado. O dia de guarda não se alterara na era cristã. Reunia-se indistintamente com judeus e gentios, ou sem eles, ao ar livre. O que interessava era a guarda do dia…
      Atos 18:1-4 e 11 Temos aqui a considerar o seguinte: v. 4 “todos os sábados”; v. 11 “ficou ali um ano e meio ensinando”. Nesse ano e meio transcorreram 78 sábados, tempo mais que suficiente para Paulo ensinar que o dia de repouso fora mudado; v. 3 Paulo “trabalhava em fazer tendas”. No Sábado não trabalhava. Cumpria a lei de Deus que manda trabalhar seis dias. Logicamente não descansou no domingo. A Bíblia diz que o fazia no sábado e preferimos ficar com a Bíblia; v. 4 diz que Paulo estudava a Palavra de Deus com “judeus e gregos”. Também com os gentios no sábado.

      “Temos aí aproximadamente 90 reuniões religiosas no sábado, ‘conforme o mandamento’” .

      Deus quer passar um tempo de vinte e quatro horas com você no Sábado, além do tempo que dispõe na semana (que não é de vinte e quaro horas, devido ao trabalho e outras atividades), assim como o fez com Cristo enquanto Ele esteve aqui na Terra. (O próprio Jesus desfrutou da guarda do Sábado juntamente com Seus apóstolos, e em nenhum momento disse-lhes que o dia de guarda havia sido abolido ou mudado; muito pelo contrário, Ele confirmou a importância da lei – ver Mateus 5:17-19, João 14:15, 15:10, etc); não negue isso a Ele, se o ama de todo o coração.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • leila cordeiro do nascimento em 21 de janeiro de 2013 2:17

    e biblico que casais que vivem uma uniao estavel nao possam se batizar? e biblico tambem que as crianças quando nascem ja tem pecados? e que pecados sao esses? ouvi isso no programa biblia facil. obriga, fiquem com Deus.



    • J.Washington em 7 de fevereiro de 2013 13:27

      Leila, todos nós nascemos em um mundo de pecado, portanto somos pecadores com tendências para errar e a garantia em Cristo Jesus da salvação eterna, desde que aceitemos.

      Sobre união estável, a Bíblia deixa claro que o cristão deve viver de acordo com as leis do Estado desde que estas não estejam contrárias as leis de Deus. Sendo assim, vejamos o que diz a lei sobre União estável.

      União Estável – É a convivência não adulterina (nenhum deles podem ser casados com outra pessoa) nem incestuosa (pai com filha, mãe com filho, irmão com irmã, padrasto com enteada), duradoura (não podem ser apenas alguns dias, semanas, ou meses de relacionamento), pública (todo mundo que os conhece sabe que vivem juntos) e contínua (sem interrupção), de um homem e de uma mulher, sem vínculo matrimonial, convivendo como se casados fossem, sob o mesmo teto ou não, constituíndo, assim, sua família de fato (Prof. Álvaro Villaça).

      Alguns sugerem com muita propriedade que o termo União Estável veio, de certa forma, substituir o termo “Concubinato”. Isto porque o “Concubinato” sugere uma forma pejorativa de se reconhecer ou aceitar a relação afetiva de um homem e uma mulher (não estou fazendo nenhuma apologia ou concordância com o concubinato, é somente expressão jurídica que não se pode ignorar que existem muitas situações onde o vínculo afetivo é uma verdade), já que pelo Concubinato os dois estariam IMPEDIDOS de se casarem.

      Logo a União Estável tem sua “garantia” prevista na Constituição Federal, que dispõe o seguinte:
      Art. 226, parágrafo terceiro: Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.

      Vejam que existem algumas palavras no texto constitucional que entendo serem necessária para esclarecimento.
      A união estável é reconhecida como “entidade familiar” … “a lei facilitará sua conversão em casamento”. A própria Constituição diz que a FAMÍLIA É A BASE DA SOCIEDADE. Se a Constituição entendesse que bastaria a “União Estável” entre homem e mulher para se garantir a “Sociedade”, ela não disporia no texto constitucional que “a lei facilitará sua conversão em casamento”.

      Ora, se está “tudo certo” para que “facilitar a conversão em casamento”?? É evidente que o Estado brasileiro entende que a “União Estável” é um “estado” do “casal” de impedimento momentâneo, ou seja, que aquela situação do “casal” não perdurará até o fim da vida dos mesmos.

      Historicamente, o instituto da “União Estável” veio “resolver” as inúmeras questões e discussões judiciais que ingressavam diariamente nos tribunais brasileiros, onde pessoas que não regularizavam sua situação marital, por questões inversas ao instituto ou do próprio objetivo legal, reclamavam seus direitos em receber parte do que amealharam durante a relação do casal. Ao fim da relação, quando se acabava o “amor” os casais sempre se viam em disputas jurídicas e, muitas vezes, tinham que provar que conviveram durante determinado tempo, alguns tribunais diziam que tinha que ser em tempo maior que dois anos, outros tribunais diziam que em um ano era suficiente a prova. Outras situações surgiam quando um morria e o outro objetivava receber pensão por morte providenciária.
      Assim, o argumento existe para que uma pessoa viva em “União Estável” com outra, não pode valer em face do que “gerou o instituto”, noutras palavras a “União Estável” veio para “arrumar a casa” e não para criar uma nova situação marital.

      O batismo de uma pessoa que está em uma união estável, deve ser avaliado por uma comissão da igreja local.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Marco Antonio em 19 de janeiro de 2013 20:58

    Minha duvida é o seguinte,referênte o sábado….Como fica a questão profissional.Trabalho numa empresa 12 anos (Drogaria),e esse tipo de comércio fica aberto aos sábados,e as vezes tenho que trabalhar nesse dia para receber até mesmo advendistas para comprar o medicamento , seu familiar que ficou doente,como fica?……… Sou cristão……quero esclarecimento…



    • J.Washington em 6 de fevereiro de 2013 15:27

      Marco, a instituição do sábado não está acima da instituição da vida. O ideal de de Deus é que vivamos no mundo real obedecendo sua Palavra. Agora que você conhece a verdade dos mandamentos, deve propor um ajuste em sua escala de trabalho. Um funcionário que serve há 12 anos na mesma empresa, pode combinar com o empregador para folgar nas horas do sábado. Ir a uma farmácia ou hospital embusca de ajuda é uma escolha pela vida, trabalhar todos os sábados quando se pode negociar a liberação no sétimo dia é uma decisão arriscada. Deixe Deus ser Deus, confie!

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Ivanilde Abreu Ribeiro em 19 de janeiro de 2013 2:12

    Amei essa pregaçao sobre o sabado. O sabado é uma realidade q muitos n querem enchegar. Q papai do céu abençoe a vida de todos, e q possamos guardar seu santo dia. Obs: Amo a novo tempo, so tem pastores maravilhosos, gosto de todos. Parabens esse programa e 10.



    • J.Washington em 29 de janeiro de 2013 19:28

      Ivanilde, o estudo do sábado é uma bênção. Obrigado pelas palavras de ânimo e reconhecimento.
      Continue acompanhando os nossos programas.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Helena Carvalhais em 18 de janeiro de 2013 17:34

    Acho que devido às ocupações de final de ano, meu comentario não pode ser respondido. Eu só queria entender essa questão sobre “ovelhas desse aprisco”, e só os caros irmãos adventistas poderão me responder à luz da palavra de Deus, visto tal afirmação parte com tamanha convicção de vossa denominação, a qual respeito e admiro, bem como tantos pastores que conduzem tão bem a Palavra, como pr Medina (que pena que não tenho visto mais na N.T), pr Alexandro Munhós (?), e tantos outros, admiravelmente competente e sério. Por isso, tive o cuidade de salvar minha postagem para que em caso de perda, eu pudesse novamente expor ao caro pastor. Se achar que não é conveniente coloca-lo, eu entendo, mas por favor, Pastor, gostaria sinceramente de ter essa explicação de vossa parte, visto ser esse assunto de muito seriedade.

    Comentário SÁBADO

    8 comentários para “12. Sábado”
    1. Helena Carvalhais disse:
    O seu comentário está aguardando moderação.
    23 de dezembro de 2012 às 19:51
    Ontem, sábado, assistindo ao programa “Bíblia Fácil”, o apresentador (ilustre Pastor) afirmou que o verso segundo escreveu S.João 10:16 : Tenho ainda outras ovelhas que não são deste aprisco; a essas também me importa conduzir, e elas ouvirão a minha voz; e haverá um rebanho e um pastor., se refere à IASD, pois esta é o aprisco verdadeiro porque observa o dia de sábado.
    Pois bem, um católico romano afirmou também:
    “Note bem o artigo definido “A”(vers. 18) que o Mestre diz. Ele não disse “as” minhas igrejas, portanto, somente uma é a dele a Petrina, ou seja, se retroagirmos na história, partindo do Papa atual, BENTO XVI, chegaremos em Pedro!!!. Isto é claro, cristalino, insofismável!
    É evidente que Ela, Igreja Católica, NÃO é a única que salva!
    O Mestre deixa bem claro no capitulo 10, 16: “Tenho ainda outras ovelhas que não são deste redil: também a elas devo conduzir; escutarão a minha voz, e haverá um só rebanho e um só pastor”.
    Entendemos, salvo melhor juízo, que nesse outro redil, incluem-se todas as igrejas evangélicas, os crentes e não crentes, pois a TODOS Deus quer salvar!. Todos somos Povo de Deus!. Desde que, essas “outras ovelhas”, SE CONVERTAM e aceitem tudo o que Jesus nos deixou explicitados em seus Evangelhos.”
    Volto ao meu raciocínio:
    Penso que se buscarmos conhecer as diferentes denominações, encontraremos seus defensores dizendo que pertencem ao verdadeiro aprisco e as “outras” é que estão espalhadas como por exemplo: A IASD, a ICAR…..e aí?
    Então, pergunto ao Ilustre Pastor apresentador, é a Igreja Adventista o verdadeiro rebanho do Senhor? Por cessar o trabalho no dia de sábado ? Isso é o que leva-a a se considerar a legítima do Senhor?
    Quando Jesus citou a parábola, não estaria ele se referindo ao seu legítimo rebanho: Os Judeus e às ovelhas de “outro aprisco”, Os Gentios? A Igreja Adventista é composta de judeus? Não? São de gentios, assim como eu? Então, somos ovelhas “de outro” aprisco, que Jesus Cristo, através de sua morte na cruz, buscou, reconciliou e nos fez ovelhas de Seu Pasto.



    • J.Washington em 31 de janeiro de 2013 11:27

      Helena, agradecemos sua participação. Somos todos ovelhas do Bom Pastor. Deus tem filhos queridos em diversas igrejas e logo-logo ambos ouvirão e entenderão a Voz do Pastor e se decidirão, ficarão do lado da Verdade, seguirão um único Caminho, terão a Vida.

      Vamos estudar um pouco mais o assunto de como identificar o rebanho verdadeiro? A resposta está um pouco longa, mas é de grande valia.

      O ditado de que diz: “todos os caminhos conduzem a Deus” é um engano de Satanás para iludir as pessoas e fazê-las “adorar” a Deus (ou ao próprio inimigo) “de qualquer jeito”, para que percam a salvação. Para Jesus, não há “muitos caminhos”, mas apenas dois: um que conduz a Deus e outro que leva para perdição: “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela.” Mateus 7:13-14. “Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte.” Provérbios 14:12. Há, no meio “religioso”, falsos ensinadores dos quais temos de nos cuidar: “Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores.” Mateus 7:15.

      A Bíblia nos fornece as características da igreja verdadeira. Ao escolhermos uma congregação para freqüentar, precisamos levar em conta:

      1) Se tal igreja segue a Bíblia como única regra de fé e prática: “Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema.” Gálatas 1:8 (ver Isaías 8:19, 20).
      A igreja verdadeira não substitui as Escrituras Sagradas por outros supostos “evangelhos” ou pela “tradição da igreja” (Mateus 15:3, 9). Aceita a Bíblia como ela é, pratica todos os seus ensinos e aceita a todas as doutrinas bíblicas.
      2) Se tal igreja possui o “testemunho de Jesus” mencionado em Apocalipse 12:17.
      A descendência da mulher contra a qual Satanás estaria mais irado é aquele remanescente que “guarda os mandamentos de Deus” e “tem o testemunho de Jesus”, que é o Espírito de Profecia (Apocalipse 19:10, última parte). Ter o “Espírito de Profecia” é ter o dom profético. Em todos os tempos, Deus chama profetas e, nos últimos dias, Ele chamou Ellen G. White para guiar as pessoas de volta à Bíblia. “Não havendo profecia, o povo se corrompe…” Provérbios 29:18.
      3) Se tal igreja guarda todos os mandamentos de Deus, inclusive o quarto que ordena santificar o dia de sábado: “Irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar com os restantes da sua descendência, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus; e se pôs em pé sobre a areia do mar”; “Aquele que guarda toda a lei e tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos.” Apocalipse 12:17 e Tiago 2:10.
      Em profecia apocalíptica (que tem símbolos e se refere ao tempo do fim), “dragão” é um símbolo de Satanás (Apocalipse 12:9) e a “mulher pura” é um símbolo da igreja de Deus (2 Coríntios 11:2). Paulo, falando aos coríntios, disse que estava preparando-os para apresentá-los à comunidade da igreja como uma “virgem pura” perante Deus. A mulher pura realmente é um símbolo apropriado para a igreja pura, que mantém intocáveis todos os ensinamentos de Jesus. Já, a mulher prostituta e impura de Apocalipse 17 simboliza a igreja apostatada, que traiu o seu esposo – Cristo – seguindo doutrinas erradas.

      Vejamos outro verso que nos mostra a importância de uma igreja incentivar as pessoas a obedecer todos os mandamentos de Deus: “Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.” Apocalipse 14:12.

      Novamente, a Bíblia diz que os santos são aqueles que “guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus”. A guarda dos mandamentos, inclusive o repouso no sábado, é uma das principais características da verdadeira igreja. E não poderia ser diferente, pois o sábado é um memorial do Deus Criador e da criação. Todo aquele que guarda o sábado está adorando a Deus e demonstrando crer que não está neste mundo como fruto do acaso ou da “evolução”.

      No Apocalipse, há um chamado para que adoremos a Deus no sábado: “… Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.” Apocalipse 14:7.

      Agora, comparemos esse convite com o mandamento de Êxodo 20: “Porque, em seis dias, fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o SENHOR abençoou o dia de sábado e o santificou.” Êxodo 20:11.

      Veja a semelhança do texto de Apocalipse 14:7, onde é feito um convite para que “adoremos aquele que fez o céu, a terra, o mar, e tudo o que neles há…” com Êxodo 20:11, onde é dito para santificarmos o sábado porque “em seis fez o Senhor o céu, a terra, o mar e tudo o que neles há” e, ao sétimo dia, descansou. O texto de Apocalipse está parafraseando o quarto mandamento. É um convite para que adoremos a Deus no sábado e tal mensagem é especialmente para o povo dos últimos dias! Deus está chamando um grupo de pessoas para que sejam fiéis adoradores.
      Quando tinha 12 anos de idade, fiz a seguinte oração a Deus: “Senhor Deus, ajude-me a achar a igreja verdadeira…” Deus atendeu essa minha oração em aproximadamente quatro anos – no tempo dEle. E hoje sou muito feliz por Ele ter me conduzido das trevas para a maravilhosa luz em Cristo!

      Faça o mesmo. Ore a Ele para que lhe mostre o caminho a seguir, pois não irá lhe deixar só nesta procura. Assim como me respondeu, irá responder a você. Deus tem a igreja “invisível”, pessoas espalhadas por diversas denominações. A elas, Ele quer conduzir (João 10:16) e lhes dirige um convite amoroso e urgente registrado em Apocalipse 18:4: “Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela [de Babilônia, símbolo de toda confusão religiosa que há no mundo], povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos.”

      É muito importante que descubramos qual é a igreja que segue toda a Palavra, pois Jesus é claro em afirmar que não adianta alguém “dizer que é de Cristo se não faz a vontade de Deus”: “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade.” Mateus 7:21-23.

      Estejamos cientes de que operar milagres e realizar qualquer outro tipo de sinal (ou até professar o nome de Jesus) não é prova de que uma igreja é de Deus, pois Satanás e seus anjos maus têm poder para fazer tais coisas, inclusive através de líderes religiosos. O que faz uma igreja ser verdadeira é seguir, em tudo, a vontade do Pai: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos.” João 14:15. “Por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que vos mando?” Lucas 6:46. “Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; assim como também eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai e no seu amor permaneço.” João 15:10.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Paulo Francisco de Oliveira em 18 de janeiro de 2013 10:55

    Ter verdadeira liberdade não é tão fácil como pensam as pessoas não é verdade? Jesus Cristo disse: CONHECEREIS A VERDADE, E A VERDADE VOS LIBERTARÁ João 8:32. Dentro dessa orientação, temos a melhor resposta para o que seja a verdadeira liberdade. A verdadeira liberdade consiste em conhecer e viver a Verdade. Quando se discorre acerca do que seja verdade, pode haver diversas interprretações. Se considerarmos um dito popular “cada cabeça uma sentença”, concluiremos que cada pessoa tem a sua própria verdade. Continuando nessa linha de raciocínio, quanto maior a quantidade de pessoas, maior a quantidade de “VERDADES”. Se cada um insistir na sua verdade (ponto de vista), não se chegará a uma conclusão, muito menos a uma solução. Portanto devemos realmente apreender e entender a PALAVRA DE DEUS (Bíblia Sagrada) – Paulo Francisco de Oliveira



    • J.Washington em 30 de janeiro de 2013 13:10

      Paulo, por mais que sejam apresentadas várias ‘verdades’, só uma é a Verdadeira; Jesus!
      Ele liberta, cura, salva.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Lucas Rodrigues em 17 de janeiro de 2013 0:39

    Gosto muito do programa creio que o dia de sabado foi feito para a santificação, mas em Mateus 5: 17 e 20, nesses dois versiculos Jesus dizia que não vim para tirar a Lei mas sim para cumpri-lá, disse mais se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus, jamais entrareis no reino do céus.
    Jesus num debate religioso, colocou um exemplo muito bom para refletir-mos, Mateus 12:3 ao 8. Pela Lei Davi deveria ser condenado, Jesus disse no versiculo 7- “Mas, se vós soubésseis o que significa: MISERICÓRDIA QUERO E NÃO HOLOCAUTOS, não tereis condenado inocentes.
    Uma dúvida a salvação vem por Jesus ou guardar o Sabado ? Somos salvos pelas obras ou por fé em Cristo Jesus?
    Tiago 4:11,12 São grandes versiculos para reflexão se julgamos a lei, não és observador da lei, mas juiz. UM SÓ LEGISLADOR E JUIZ, AQUELE QUE PODE SALVAR E FAZER PERECER…..



    • J.Washington em 30 de janeiro de 2013 16:32

      Lucas, não somos salvos pela santificação de um mandamento e sim pela Graça de Cristo. A obediência é resultado da intimidade e amor que devemos ter pelo amorável Salvador.

      A obediência é uma evidência externa de uma santificação interna. Por isso, a guarda do sábado bem como a observância dos demais mandamentos implicará em salvação eterna para aqueles que, em resultado da santificação efetuada por Cristo, são obedientes.

      Conclusão:

      Somos salvos pela graça e não pela guarda dos mandamentos em si.

      Mesmo assim, temos de obedecer à lei, porque:

      • É dessa maneira que demonstramos que aceitamos a graça de Deus e seu poder para obedecermos (sua graça nos capacita a obedecer);

      • Porque as obras são demonstração de fé;

      • Desta maneira demonstramos que estamos realmente convertidos;

      • Através da obediência provamos que amamos a Jesus de verdade, pois é um sinal de nosso amor a Deus.

      • Somos salvos por Deus para praticarmos as boas obras (obediência). Somos a “luz do mundo” e temos de dar o exemplo de uma boa conduta.

      • Nossa obediência á lei de Deus vem como uma conseqüência de nossa comunhão com Deus. O cristão salvo pela graça passa a ter uma vida santa ao lado de Deus.

      • Não devemos guardar a lei para recebera salvação, pois esta vem pela graça de Jesus; guardamos sim por que é algo natural, espontâneo de um cristão convertido.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



    • Lucas Rodrigues em 3 de fevereiro de 2013 4:42

      Boas meu caro J. Washington

      Concordo que a obediencia e disciplina, Deus agrada mesmo mas a questão que ousadamente faz seguinte afirmações sendo a Igreja verdadeira descartando as outras, bom fato estudando a história em 1844, não quero ofender ninguém, mas a profecia que a volta de Jesus seria neste ano . Para uma “Igreja que diz verdadeira”, em todos os sentidos não foi precipitada?
      Eu creio que Deus é presente a todo momento, mesmo quando não paramos no “sabádo”, mas tiramos um dia para contemplar a sua grandeza e louvar, João 4:23,24 o importante é que o seus adoradores o adorem em espirito em verdade. Vendo no Livro de Atos CAP15 percebece que tem desde tempos antigos discipulos de Moisés pregando no sabádo, mas nos versiculos 8 ao 11 entende-se que Deus conhece o nosso coração, conhece o nossos desejos, mas Atos 15:19,20 e 28,29 diz as orientações que deve ser seguido. (claro que tem mais outras referencias).
      Que o crescimento quem da é Deus 1 Coríntios 3:7, quando andam a defender denominações andam segundo os homens e não pela vontade de Deus 1 Coríntios 3:4.
      E o resultado da comunhão com Jesus em nossa vida é o amor ao proximo, ajudar uns aos outros.
      Desejo tudo de bom que Deus te abençoe e Jesus sempre te guiando para ser instrumento do Senhor fazendo a vontade dEle. Valeu J. Whashington



  • ulisses souza em 16 de janeiro de 2013 17:19

    SUPONHAMOS QUE EXISTE UM ABISMO ENTRE O CEU E A TERRA, E A CRUZ É A PONTE E CADA DEGRAU É UM MANDAMENTO DE DEUS.
    SE EU AMO A DEUS COMO POSSO NÃO GUARDA SEUS MANDAMENTOS…???
    SE ME AMAIS GUARDAREIS MEUS MANDAMENTOS ASSIM DIZ O SENHOR!!

    LOGO OS 10 MANDAMENTOS FORAM ESCRITOS PELO PROPRIO DEDO DE DEUS.

    O SABADO É TÃO IMPORTANTE QUANTO OS OUTROS…

    ADRIANO EXPERIMENTE GUAR-LO E VERA A DIFERENÇA EM SUA VIDA QUE DEUS O ABENÇÕE..



  • Jaqueline em 15 de janeiro de 2013 20:13

    Olá, pedi 3 estudos da Bíblia fácil por correspondência em outubro, para mim, meu esposo e minha mãe. E até agora nenhum de nós recebeu a correspondência. Sei que tem o estudo on line, mas em caso de estudar preferimos o impresso, devido ao pouca possibilidade de acessar a internet por onde formos. Não encontrei o email de vcs, então resolvi postar aqui. Fico grata.



    • J.Washington em 30 de janeiro de 2013 17:18

      Jaqueline, os dados de cada interessado devem ser inseridos no formulário que encontra-se no link abaixo:

      http://migre.me/d2CkD

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Isabela Almeida em 15 de janeiro de 2013 18:14

    Olá !
    Obrigada mais uma vez por ter respondido a minha dúvida referente ao programa anterior, mas com o passar dos estudos algumas dúvidas ainda aparecem.Gostaria de saber referente ao sábado, o que devo fazer se já estava trabalhando nesse dia antes de saber atravéis desse estudo que o mesmo é sagrado e não se deve trabalhar.O que devo fazer pedir demissão fazer um acordo, porque preciso do trabalho para me manter. Estou querendo fazer o certo porém preciso do trabalho, será que seria correto passar alguma situação ou necessidade já que me foi consedido a oportunidade de estar trabalhando!
    Aguardo retorno, e obrigada mais uma vez!



  • Anna Carolina dos Santos Borge em 13 de janeiro de 2013 14:23

    Um desafio foi lançado durante o programa: em qual texto da Biblia se fala em guardar o domingo???? Ora…o próprio apresentador disse, no inicio o programa, que o ensinamento é que se guarde 1 dia em 7 ( usando o texto de Gn 2:2-3). Onde esta, nesse texto, a palavra sábado? Se eu guardar uma segunda-feira, por exemplo, contados 7 dias adiante novamente será segunda!!!! Esse texto não nos ensina uma lei, e sim um principio: de se guardar um dia em cada sete para descanso. Mais adiante, quando a lei é dada se diz ” em SEIS DIAS façam os seus trabalhos, mas no SETIMO não trabalhem…” Ex 23:12. 
    O q Deus santificou, portanto, foi o dia do descanso, esse que sucede 6 dias de trabalho, sem considerar um dia mais importante que outro. Tanto assim que Paulo expressamente declara respondendo o mesmo questionamento (se havia diferença entre guardar o sabado ou outro dia): ” ha que considere um dia mais sagrado que outro; ha quem considere iguais todos os dias. Cada um deve estar plenamente convicto em sua propria mente. Aquele que considera um dia como especial para o Senhor o faz. Aquele que come carne, come para o Senhor, pois dá graças a Deus.” (Rm 14.5-6)
    Ao se ler todo o contexto (vv 1 a 8), se percebe que Paulo considera fraco na fé os que nao comem carne e os que consideram um dia mais sagrado que outro, mas adverte os mais fortes (que comem carne e consideram iguais todos os dias) a entender que eles o fazem para Deus, nao devendo ser condenados por isso. Paulo conclui advertindo ambos os grupos (fracos e fortes) no v. 13: “portanto, deixemos de julgar uns aos outros”.



    • J.Washington em 6 de fevereiro de 2013 13:23

      Anna, o que podemos fazer é orientar. Veja:

      O que Paulo queria dizer com a expressão: “Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados”

      Com esse texto, Paulo tinha em vista os gnósticos, hereges dualistas (diziam que a carne é má e o espírito é bom) e sincretistas (misturavam ritos judaicos com a adoração dos anjos). Ensinavam que o mundo material não foi criado pelo grande e verdadeiro Deus, mas por um Demiurgo (o chefe dos Arcontes), um ser imperfeito e limitado em poder e sabedoria. Diziam que Jesus não é o Salvador-Sofredor, mas apenas um Revelador-Iluminador, e que a salvação é obtida pelo conhecimento, ou autoco-nhecimento, que vem quando a pessoa liberta a faísca divina que recebeu na Criação (Pfeiffer, C. F. Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de janeiro: CPAD, 2007, p. 871).

      Paulo menciona, nessa mesma epístola, algumas práticas desses gnósticos: “culto dos anjos” (2:18), “aparência de sabedoria, culto de si mesmo, falsa humildade, rigor ascético [desprezo pelo corpo e suas sensações, para possibilitar a vitória do espírito] (2:23), chamadas de “preceitos e doutrinas dos homens” (2:22) – o que não é o caso dos 10 mandamentos, que são preceitos de Deus, escritos com Seu próprio dedo (Êx 31:18). O problema era que esses hereges estavam se colocando no papel de juízes dos irmãos (Cl 2:16,18,21), em pelo menos duas questões:
      1. Comida e bebida – Os gnósticos, com seu rigor ascético, davam muito valor ao jejum, como prelúdio para uma revelação divina (Martin, R. P. Colossenses e Filemom: introdução e comentário. São Paulo: Mundo Cristão, 1973, p. 100). Acusavam os irmãos de não observarem certas prescrições alimentares. Achavam que comer carne era um tipo de canibalismo, pois acreditavam na transmigração das almas (Martin, R. P, Ibid.).

      A expressão “não manuseies isto, não proves aquilo, não toques aquiloutro” (Cl 2:21) parece apontar mais para regras ascéticas (confira “rigor ascético” em 2:23), do que para regras mosaicas quanto aos alimentos limpos e imundos (Bacchiocchi, S.From Sabbath to Sunday. Roma: The Pontifical Gregorian University Press, 1977, p. 352,353). O fato é que o ascetismo já estava em curso nos dias de Paulo, com alguns pregando como necessários à salvação o vegetarianismo e a abstinência de vinho (Rm 14:2,21) e a observância de determinados dias (Rm 14:5,6). Além de exigir abstinência de alimentos, chegavam a proibir o casamento (1 Tm 4:3).

      2. Dia de festa, lua nova, ou sábados – São os feriados e dias santos judaicos, guardados legalisticamente, como meio de salvação, e para aplacar os “poderes astrais”, que, segundo os gnósticos, dirigiam não só as estrelas, mas a vida das pessoas (Bacchiocchi, S. Ibid, p. 361 e Martin, R. P. Colossenses e Filemom: introdução e comentário, op. cit, p. 101). Esses dias santos envolvem os sábados anuais/cerimoniais das festas, o sábado mensal da lua nova, e o sábado semanal. Paulo não está falando contra a observância desses dias, mas contra os motivos errados em fazê-lo (Martin, R. P. Op. cit., p. 101.) Note que Paulo guardou alguns sábados cerimoniais, mas não para merecer a salvação (At 20:16 e 1 Co 16:8).

      “Tudo isso tem sido sombra das coisas que haviam de vir” (Cl 2:17). Há os que dizem que os “sábados” mencionados em 2:16 são somente os cerimoniais. Basicamente, seu argumento é que nenhum mandamento da lei de Deus é “sombra”, pois não são simbólicos. (Ver Nichol, F. D. Comentário Bíblico Adventista Del Séptimo Dia, v. 7. Boise: Pacific Press Publishing Association, 1990, p. 211.) A dificuldade com essa interpretação é que, se os “sábados”, em Colossenses 2:16, são somente cerimoniais, a que feriados ou dias santos estaria se referindo a expressão “dia de festa”, mencionada pouco antes, no mesmo verso? Teria Paulo feito uma repetição desnecessária? Ao que parece, o texto de Colossenses 2:16 refere-se a quaisquer tipos de sábado: anuais, mensais ou semanais. Expressão similar à de Colossenses 2:16 (só que ao inverso) é encontrada em Gálatas 4:10: “Guardais dias [dias santos semanais], e meses [dias santos mensais], e tempos e anos [dias santos anuais]“. O problema era a guarda legalística desses dias, como meio de justificação e salvação.

      Quanto à palavra “sombra” (skiá), em Colossenses 2:17, a dificuldade ocorre quando ela é sempre vista em sentido negativo, como algo imperfeito e transitório (como em Hebreus 8:5 e 10:1). É verdade que os ritos judaicos eram “sombras” transitórias, que apontavam para Cristo, e se tornaram sem efeito quando Ele foi sacrificado. Os sábados anuais se cumpriram em Cristo, pois cada festa apontava para algum aspecto dEle e de Seu ministério. Os sábados da Lua Nova, que, “no judaísmo tradicional, era considerado um Dia menor de Expiação” (rabino Yaacov Farber, em: http://www.cmy.on.ca/Monthly_ Newsletter/2005/january2005pt.htm), com toques de trombetas e sacrifícios (Nm 28:11 e 14), também não fazem mais sentido, tendo em vista o sacrifício de Cristo. Já o sábado semanal não deve ser visto como “sombra” transitória e passageira, mas como “sombra” ou “símbolo do descanso da salvação presente e futura” (Bacchiocchi, S. Op. cit., p. 359), que o crente encontra em Jesus. Esse sentido simbólico do sábado semanal é apresentado em Hebreus 4:3,4,9-11.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



      • FRANCISCO CARLOS em 3 de janeiro de 2014 15:55

        DA MESMA FORMA QUE PAULO FALAVA AOS GNOSTICOS DEUS FALAVA PARA OS JUDEUS QUANDO DISSE QUE O SABADO SERIA UM SINAL ENTRE MIM E VOS. SE FOSSE PARA TODOS OS POVOS NÃO SERIA SINAL!



        • ALEXANDRE DIETRICH em 4 de março de 2014 20:28

          Olá irmão Francisco Carlos, a paz do Senhor!

          Por que Deus disse através de Isaías que O Eunuco (o povo judeu não produziam EUNUCOS- eram estrangeiros) que honrassem o Seu sábado e “abraçassem Sua aliança” Ele “se agrada disso” . Deus “também lhes darei na minha casa e dentro dos meus muros um lugar e um nome, melhor do que o de filhos e filhas; um nome eterno darei a cada um deles, que nunca se apagará” (Is 56:4-5).

          Por que o EUNUCO (estrangeiro) receberia tal privilégio não sendo JUDEU sendo que na sua visão é só para os JUDEUS, mesmo Deus através de Isaías afirmando o contrário?

          Por que Deus disse através de Isaías que “aos filhos dos estrangeiros, que se unirem ao SENHOR” e “TODOS os que guardarem o SÁBADO” , “também os levarei ao meu santo monte, e os ALEGRAREI na MINHA CASA de ORAÇÃO; os seus HOLOCAUSTOS e os seus SACRIFÍCIOS serão aceitos no MEU ALTAR; porque a MINHA casa será chamada CASA de ORAÇÃO para TODOS os POVOS” (Is 56:6-7).

          Se o SÁBADO é somente para os Judeus, por que Deus diz que a Sua CASA de ORAÇÃO o será para TODOS os POVOS, se era apenas para os JUDEUS?

          Se o SÁBADO é somente para os Judeus, por que Deus afirma que o “estrangeiro” que “guardasse o SÁBADO” Deus o levaria para Seu Santo Monte e os ALEGRARIA na SUA CASA DE ORAÇÃO, se fosse apenas para os JUDEUS?

          Se o SÁBADO é somente para os Judeus, por que Deus ACEITARIA seus HOLOCAUSTOS e SACRIFICIOS em SEU ALTAR, se fosse apenas para os JUDEUS?

          Por que Deus disse através de Isaías que sua casa seria CASA de ORAÇÃO para TODOS os POVOS, se a adoração a Deus e o Sinal do SÁBADO eram apenas para os JUDEUS? ( Is 56:7).

          Será que Isaias entendeu errado?

          Abraços e fique com Deus?



  • reginaldo em 12 de janeiro de 2013 16:11

    naquele tempo passou jesus pelas searas em um sábado e os seus dicipulos tendo fome começaram a collher espigas e a comer e os fariseus vendo isto disseram eis que os teus dicipulos fazem o que não é licito fazer num sábado ele porém , hles disse não tendes lido o que fez davi quando teve fome ele e os que com ele estavam como entrou na casa de deus e comeu os pães da proposição que não hle era licito comer nem aos que com eles estavam mas só aos sacerdotes ou não tendes lido na lei que aos sábados os sacerdotes no templo violaram o sábado e ficam sem culpa pois eu vos digo que esta aqui quem é maior do que o templo mas se vós soubésseis o que significa misericordia quero e não sacrifio não condenareis inocetes PORQUE O FILHO DO HOMEN ATÉ DO SÁBADO É SENHOR MATEUS 12 ATÉ VERCICULO 8 QUE NÃO ACEITOU JESUS FOI OS RELIGIOSOS MUITA TEORIA



    • J.Washington em 7 de fevereiro de 2013 10:36

      Reginaldo,um dos textos mais conhecidos da relação Cristo e Sábado está registrado na Bíblia no livro de Marcos capítulo 2, e nos versos 27 e 28: “O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do homem é senhor também do sábado.”

      Estes versos vieram depois de um incidente em que os discípulos estavam sem comer e no dia de sábado colheram algumas espigas de trigo para matar a fome.

      Diante da crítica dos fariseus o Senhor argumentou que Davi, estando também com fome, comeu os pães do santuário que só os sacerdotes poderiam comer e ficou sem pecado.

      Os líderes judeus no tempo de Cristo haviam criado uma série de proibições relacionadas com a guarda do Sábado, limitando até o numero de passos que a pessoa podia dar. Se ultrapassasse o número deveria ficar parada até terminar o Sábado no por do sol.

      Outra coisa, as curas efetuadas por Jesus Cristo eram consideradas pelos fariseus como pecado. E Jesus não concordava com essas interpretações que colidiam com o pensamento divino e roubavam a benção que o Sábado devia proporcionar.

      Um dos argumentos fortes do Senhor Jesus é que os que O condenavam, socorriam os seus próprios animais quando caiam na valeta em um dia de sábado.

      Jesus estava na igreja num Sábado e quando entrou alguém com a mão ressecada. Jesus perguntou : “E lícito nos sábados fazer o bem ou fazer o mal? Salvar a vida ou tirá-la? Mas eles ficaram em silêncio. Olhando-os ao redor, indignado e condoído com a dureza dos seus corações, disse ao homem: Estende a tua mão. Estendeu-a, e a mão lhe foi restaurada.” Marcos 3:4, 5.

      Achavam que por tê-lo curado, Jesus não guardou o Sábado e elaborar um plano para matá-lo por isso. (Verso 6).
      Como Senhor do santo Sábado Ele queria afastar todas as tradições erradas e regras humanas que distorciam a santidade desse dia. Para Jesus o Sábado está relacionado com bênçãos. Por isso estava todos os Sábados na Igreja.

      Na Bíblia lemos o que fala acerca de Jesus: “Indo para Nazaré, onde fora criado, entrou num sábado, na sinagoga, segundo o seu costume, e levantou-se para ler.” (Lucas 4:16)

      Recomendou que os fiéis orassem para que a destruição de Jerusalém não ocorresse no Santo dia de repouso. (Mateus 24:20).

      Jesus transmitia esse respeito para com o sétimo dia através de Sua vida e após ter morrido na cruz do Calvário, as fiéis mulheres cristãs, foram levar unguentos e especiarias para ungi-lo, mas no Sábado descansaram conforme o mandamento.

      Nós lemos em Lucas 23: 56: “ Então, se retiraram para preparar aromas e bálsamos. E, no sábado, descansaram, segundo o mandamento.”

      A mensagem de Jesus havia sido entendida: “ Não vim para destruir a lei e os profetas, vim para cumprir.” Mateus 5:17.

      Para aqueles que pensavam que o Sábado é uma instituição criada apenas para judeus, basta ler o relatório do Gênesis, quando Deus o estabeleceu para Adão e Eva, ou seja para a humanidade e devia permanecer para recordar o Poder Criador:

      Na Palavra de Deus lemos: “Assim, foram acabados os céus e a terra, e todo o seu exército. E havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a sua obra que tinha feito. E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a obra que, como Criador, fizera.” Gên. 2:1-3.

      É interessante pensar que quando Jesus afirmou que É o Senhor do Sábado, Ele estava falando com conhecimento de causa. Ele é o Criador. A Trindade estava presente, mas Jesus foi o agente da criação, portanto foi Ele quem pronunciou a benção sobre o sétimo dia.

      A Palavra de Deus declara em João 1: 1-3 e 14 “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele , e sem Ele nada do que foi feito se fez. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória como do unigênito do Pai.”

      Foi Ele quem disse: “Lembra-te do dia do Sábado para o santificar. Seis dias trabalharas e farás toda a tua obra Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus. Porque em seis dias fez o Senhor o Céu e a Terra, o mar e tudo o que neles há. E ao sétimo dia descansou. Por isso o Senhor abençoou o dia de sábado e o santificou.” Êxodo 20:8-11. O sábado é portanto um memorial da Criação.

      O Sábado foi criado para que depois de seis dias de lutas e trabalhos, o corpo repouse devidamente, e possa desligar-se dos compromissos materiais, das preocupações rotineiras da vida.

      Desligar-se também da escola, da firma, dos trabalhos diários e de tudo o que é secular para comungar com o Maravilhoso Pai Celestial. Estamos assim honrando a Sua Palavra como o Criador do Universo.
      Sabe de uma coisa?

      Se o Sábado fosse respeitado não haveria ateus, porque todos creriam em Deus, não haveria violência, porque todos teriam respeito pela vida, teríamos mais segurança, compreensão e amor.

      O Sábado é um memorial da presença divina em um mundo agredido pelo pecado. Um memorial da Redenção também.
      Jesus disse: “Venham a Mim todos os que estão cansados e oprimidos e eu os aliviarei.” Mateus 11:28
      Venha filho, venha para o convívio sagrado com o Senhor Jesus. Ele oferece a você o descanso, a benção e a santificação, que jamais encontrará em outros caminhos. Venha para a benção. Venha para a Paz.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Gilberto Grando em 5 de janeiro de 2013 13:53

    Gostaria de receber o livro “Bíblia Fácil”, que está sendo anunciado.
    Gilberto grando
    Rua Valtemor José Angonese…
    BairroSão Luiz
    CEP – 95.074.802
    CAXIAS DO SUL, RS.



    • J.Washington em 31 de janeiro de 2013 16:56

      Gilberto, parabéns pelo interesse em aprender mais do Livro Sagrado. Para receber seu guia de estudos, basta informar seus dados no link abaixo:

      http://migre.me/d3AUm

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Wagner Christensen em 2 de janeiro de 2013 12:07

    Não guardo o Sábado, nem sigo, nem tenho um dia especial para o Senhor, o Senhor é para ser adorado todos os dias, antes de falar desse outro assunto sobre o vinho para que não digam que o Pastor da minha Igreja ´bebe porisso que fala isso, digo que ele é totalmente contra bebidas alcolicas, e acho que o irmão não pode generalisar quando falou sobre bebida fermentada, e creio que o vinho que Jesus transformou era fermentado sim, temos que deixar de sermos Santarrões donos da verdade, nós mesmos se estivessemos lá quando Jesus foi crucificado estariamos gritando crucifica, crucifica, temos que deixarmos de sermos fariseus, abços Wagner Igreja Mundial do Poder de Deus- Apóstolo Waldemiro Santiago



    • J.Washington em 31 de janeiro de 2013 19:01

      Wagner, obrigado por sua participação. Você aborda dois assuntos relevantes, e queremos tratá-los com carinho, vamos começar com um:

      Existe um grande conflito e que hoje está muito acentuado. Esse conflito consiste em conhecer a verdadeira vontade de Deus. Daí a importância de saber se cumprir todos os mandamentos é realmente necessário, ou se só acreditar no sacrifício de Jesus é suficiente.

      Esse conflito nasce com a incapacidade do homem de chegar a Deus pelo próprio intelecto. A Teologia é importante, a Filosofia dá referências, a Ciência, em amplo sentido, pode também contribuir para a compreensão de muitas questões insertas nas Escrituras. Porém, é importante nos achegarmos a Deus com o coração aberto, humilde e disposto a aceitar a verdade, mesmo que ela contrarie nossas tendências e conveniências.

      Acho que o exemplo de Abraão é suficiente para elucidar e afastar a aparente oposição estabelecida entre a lei e a graça. Abraão, muito antes de ser pai, acreditou em Deus e em Sua promessa de que seria pai de muitas nações. Esta fé lhe foi imputada por justiça, ou seja, Abraão foi justificado pela fé.

      As obras não salvam. Isso é correto. Mas será pelas más obras que os ímpios serão condenados. Você pode procurar e irá encontrar inúmeras advertências relacionando as más obras (ou descumprimento das leis) ao juízo. Juízo, você sabe, é a execução de uma sentença, a condenação, a morte eterna. Os santos não entrarão em juízo, por isso os termos: salvos, salvação, remidos, etc. Salvação de quê? Do juízo, é claro. Da morte eterna, evidentemente, e do pecado.

      Voltando a Abraão, notamos que Deus lhe prometera uma descendência como o número das estrelas, mas quando lhe dá um filho, Isaque, o pede em sacrifício. Foi uma ordem direta e clara (como dizem os militares) a Abraão. Abraão já havia cumprido tal ordem em seu coração, pois se dispôs a executá-la. Abraão sacrificaria Isaque se fosse realmente esta a vontade de Deus. Ele sabia que o Criador honraria Sua promessa, qualquer que fosse a circunstância. Abraão cumpriu a lei em seu coração, pois intentou sacrificar seu filho ao Senhor. Isto é OBRA, OBEDIÊNCIA!

      A fé sem obras é morta (Tiago 2:26). Todo crente diz e repete isso o tempo todo, principalmente quando fala em caridade, esmolas, visitas a doentes e presos, etc. Mentalmente, muitos se indispõem em estender o conceito de obras ao cumprimento da lei, dos mandamentos, embora este seja o completo sentido da palavra “obras”. Caridade, auxílio, visitas, não matar, não adulterar, guardar o Sábado, não se curvar a outros ídolos, etc.
      Grifei o “guardar o Sábado” porque as outras questões, a meu ver, estão de certa forma pacificadas. O Sábado é a grande questão. Existem outras, eu sei. A questão dos alimentos puros e impuros é uma delas. Mas a disposição para reconhecer a vigência de um mandamento é a mesma para reconhecer a vigência do outro, e o inverso também é verdadeiro.

      A quem muito for dado, muito será cobrado (ver Lucas 12:47, 48). Imagino que depois de Satanás e seus anjos, os que mais sentirão o peso da glória de Deus em confronto com a própria pecaminosidade serão os TEÓLOGOS que não cumprem a lei (não a civil dos judeus, nem o cerimonialismo). Ai do Teólogo que estuda a Palavra de Deus para satisfazer sua própria vaidade, diz conhecer as Escrituras e delas tira conclusões que não revelam a verdadeira vontade de Deus. Dessa maneira eles (teólogos anti-lei) se tornam verdadeiras pedras de tropeço, cuja repulsa Jesus deixou bem clara no evangelho (Mateus 7:21-23).
      A verdade que envolve a lei e a graça é muito simples. Mas Deus só a revela ao coração que se dispõe a recebê-la. Ele a oculta dos sábios e entendidos, porque estes, em sua maioria, são soberbos, e Deus resiste aos soberbos! (Tiago 4:6; 1 Pedro 5:5).

      Jesus já acenava para tal questão em Seu ministério, pois sabia que Satanás, pai da mentira (João 8:44 – nela incluída a meia-verdade), iria utilizar o próprio processo de salvação para enganar o homem mais uma vez e arrastá-lo para longe do Senhor. Afirmou Jesus que a árvore que não der frutos será cortada e lançada ao fogo (Mateus 7:19, 20). Paulo afirma que os frutos da carne são (não taxativo): prostituição (não adulterarás, etc), homicídios (não matarás), idolatria (não terás outros deuses diante de mim), “e coisas semelhantes a estas” (Gálatas 5:21).

      Seria coincidência o fato de a maioria dos frutos da carne mencionados por Paulo consistirem no descumprimento dos 10 mandamentos?

      Jesus diz que não é possível uma árvore dar frutos bons e ruins. Diz também que uma árvore boa não dá frutos maus, nem a árvore má, frutos bons (Mateus 7:17, 18).
      Jesus cumpriu efetivamente todas as leis (até as civis). Mas Seu êxito não se deve à Sua natureza divina, no fato de, mesmo sendo homem, foi ungido pelo Espírito Santo, porque orava constantemente, porque jejuava, porque estava em comunhão com o Pai, ininterruptamente.

      Isso prova que a nós também é possível observar os mandamentos pela graça de Deus, é claro (Filipenses 2:13). Sozinhos não conseguimos nem amar a nós mesmos. Claro que pecaremos (pois a natureza pecaminosa continua dentro de nós e precisa ser morta todos os dias), mas não porque os mandamentos são pesados (1 João 5:3) ou impossíveis de se observar quando estamos totalmente ligados a Deus. Quem diz isso é Lúcifer, o tempo todo, desde antes da fundação do mundo. Ele é quem acusa as leis de Deus de irrazoáveis; é ele quem acusa Deus de tirano.
      É comum ouvir do crente a repetição de alguns textos bíblicos como: “Nada é impossível ao que crê”. “Tudo posso naquele que me fortalece”. Mas, em sinceridade, você já ouviu algum crente dizer isso sob a perspectiva de cumprir a lei, os mandamentos?

      Para nos socorrer em nossas ânsias materiais e seculares, em nossos medos e apuros, clamamos a Deus e sem o menor constrangimento cobramos-Lhe o cumprimento de Suas promessas. Mas para nos ajudar a cumprir a lei, já ouviu alguém dizer a Deus: “Ó Senhor, tu disseste que ao que crê tudo é possível, e eu creio, e eu quero que o Senhor me ajude a cumprir a lei”?

      Se pecamos, não é porque não podemos cumprir a Lei com a ajuda de Jesus, pois podemos sim (o Espírito de Deus efetua em nós “tanto o querer quanto o realizar” – Filipenses 2:13). Desobedecemos porque somos naturalmente maus, inclinados às coisas deste mundo. Veja o que está escrito em 1 Coríntios 10:13: “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.” O problema não está na Lei de Deus, mas em nós!

      Vejo a graça como esta oportunidade a mais que o Senhor nos dá, a cada momento, de interrompermos a conduta pecaminosa e agirmos segundo Sua vontade.

      Assim, é claro que todos pecamos, mas não vivemos no pecado. Há uma diferença substancial aí. Lutamos contra o pecado. Isso é a busca pela santificação, sem a qual ninguém verá a Deus (Hebreus 12:14).
      Tudo é bem simples. As obras não salvam: são consequência natural da fé (ver Efésios 2:8-10). Guardar o Sábado não é legalismo, é reconhecer que Deus o santificou ainda antes da entrada do pecado (Gênesis 2:1-3). É reconhecer que nosso Criador e Pai sabia de antemão das nossas necessidades de descansar fisicamente, mediante a abstenção de quaisquer obras, e espiritualmente, entrando em Seu descanso quando dedicamos um período que ELE DETERMINOU – a Ele e à comunhão contínua com Ele (Êxodo 20:8-11).

      Jesus afirmou categoricamente que não veio revogar a lei, e sim cumpri-la (Mateus 5:17-19). Quem afirma que Jesus revogou a lei advoga a tese acariciada por muitos de que Jesus foi cínico, populista e político naquele momento. Ora, Jesus jamais utilizou meias-palavras. Jesus não revogou o Sábado. Muitas, inúmeras obras foram realizadas por Jesus em pleno Sábado, e muitos se apegam a isto para dizer que Jesus revogou a observância do sétimo dia. Ora, que eu saiba, Jesus não era um assalariado nem um empresário. Só vivia para cumprir o Seu ministério. Jesus não estava trabalhando no Sábado, estava sinalizando, dizendo ao homem, EU SOU O CORDEIRO DE DEUS, Eu sou o “EU SOU” do antigo Testamento (João 8:58, 59; compare com Êxodo 3:14), o DEUS ETERNO, e estava no templo todos os sábados. É preciso entender que a natureza da obra que Jesus realizava aos sábados não é a mesma natureza das obras terminantemente proibidas pelo Senhor de serem realizadas no dia santo.

      O Senhor sabe que temos nossos afazeres, nossas ansiedades, e Ele quer que lancemos sobre ele toda a nossa fadiga, carnal e espiritual, e que descansemos nossa mente e coração num dia reservado só pra Ele, no momento em que ELE DETERMINOU, não nós: NO SÁBADO (Marcos 2:27, 28).

      Existem muitas conjeturas e muitos argumentos sedutores para desabonar a guarda do Sábado. Você com certeza os encontrará. Mas nenhum deles, você vai sentir, irá destruir o discernimento dado pelo Espírito de Deus.
      Disse Jesus que até do Sábado o Filho do homem é Senhor (Mateus 12:8). Ele não diria isso se o Sábado tivesse de perder a santificação dada por Deus, afinal, para quê ser Senhor de algo sem importância?
      Veio-me agora uma coisa à mente: os mandamentos de Deus foram escritos por Suas próprias mãos (Êxodo 31:18). Eles são o que Mauro Fernando Meister chama de “Leis Morais”… Hoje ninguém discute a vigência dos mandamentos: não matar, não adulterar, não roubar, não cobiçar, honrar pai e mãe, não dirás falso testemunho… Porque estes mandamentos regulam a vida entre os homens. Mas note: os mandamentos que regulam a relação dos homens com Deus estão a cada dia mais fragilizados sob a rubrica do legalismo:

      Não terás outros deuses diante de mim: Hoje um programa de televisão, um jogo de futebol, a profissão, o automóvel, o status social (principalmente o intra-igreja), entre outros tantos, podem muito bem se constituir em deuses que se interponham entre nós e o Senhor. Mas é tudo muito “discutível”. A transigência com este preceito precede o descumprimento do mandamento seguinte.

      Não farás para ti imagem de escultura… e não te encurvarás a elas nem as servirás…:
      A transgressão deste mandamento não é prerrogativa dos católicos e dos umbandistas. Muitos ídolos e imagens, se não levantados por nós, nos são apresentados diariamente: a perversão sexual, luxúria, glutonarias, etc. Essas coisas estão aí, e nos curvamos a elas quando não as resistimos. Mas isto também é muito “discutível”.
      Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão: Muitos querem mostrar ao mundo que pertencem a um “grupo de elite”: “os salvos”, e fazem questão de usar camisetas e adesivos com slogan do tipo: PROPRIEDADE EXCLUSIVA DE JESUS. E a vida desses crentes, em muitos casos, não encontra correspondência em seus dizeres. Isto não é usar o nome do Senhor em vão? É “discutível” também?

      Lembra-te do dia do Sábado, para o santificar: Não há um único verso em toda a Bíblia que ordene a guarda do domingo, mas muitos teólogos insistem em tirar conclusões a partir de textos que não autorizam esse método de interpretação.

      Por fim, deixo-lhe um verso para meditação: Tiago 2:14-26.
      “Verificais que uma pessoa é justificada por obras e não por fé somente.” (Tiago 2:24)
      Não era minha intenção ser tão longo, mas senti o Espírito Santo me ordenar estas palavras.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • EDMAR em 26 de dezembro de 2012 14:14

    Bom dia! gostei do programa a respeito do sábado! porém, o pastor falou sobre o hospital adventista, sobre o medico servir voluntariamente no dia sabado. mas, no hospital não trabalha só o medico no sabado. tem toda a estrutura: como começando pelo vigilante, porteiro, recepcionista, maqueiro, pessoal de limpeza, auxiliares, enfermeiras, e etc… e não só o hospital adventista, mas os hospitais publicos de emergencia… as equipes que trabalham nas ambulancias, no SAMU, SALVAR, CORPO DE BOMBEIRO ETC… gostaria que o pastor respondesse-me!



    • J.Washington em 6 de fevereiro de 2013 18:44

      Edmar, entendemos sua preocupação. Vamos estudar um pouco mais o assunto?

      É preciso entender a diferença entre uma instituição de saúde secular e uma cristã adventista no dia de sábado.

      Três pontos:

      1° O ambiente- numa instituição secular não há o ambiente sabático que se constitui em uma clínica ou instituição de saúde adventista. Na instituição de saúde adventista há o culto e as músicas tocadas nos ambientes são puramente espirituais.

      2° A rotina: numa instituição secular aos sábados a rotina é a mesma da semana, sendo que nem tudo o que acontece no hospital é de caráter de urgência, pois há determinados procedimentos que podem ser evitados para o dia de sábado podendo ser feitos durante a semana sem que isso prejudique a saúde do paciente. Já numa instituição adventista de saúde os procedimentos são diferentes dos demais feitos durante a semana, sendo o atendimento prestado de caráter urgente e para a manutenção da vida.

      3° Rodízio: numa instituição secular os rodízios podem cair em diferentes dias da semana, sendo que o profissional da área pode trabalhar vários sábados sem a real necessidade de se estar ali, já numa instituição de saúde adventista o profissional que tem de ir aos sábados trabalha num esquema de rodízio, sendo que presta os seus serviços um ou dois sábados no mês. Sendo que muitos ali são obreiros não recebem por isso, por serem assalariados.

      Cristo quando esteve aqui trouxe a verdadeira compreensão do que deve ou não ser feito nas horas do sábado, sendo que o seu principal objetivo era levar a pessoa à salvação e não apenas aliviar o problema físico, portanto as instituições de saúde adventistas cumprem também com esse papel, pois pela forma diferenciada de atendimento não trata apenas da enfermidade física, mas também da espiritual. As nossas instituições trabalham com a obra médico missionária. O sábado é um dia de adoração, santificação, libertação e salvação e esse ideal é alcançado em nossas instituições de saúde.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Lucas em 26 de dezembro de 2012 2:16

    Pastor. Gostaria que me tirasse uma dúvida.
    dias atrás minha familia perdeu 2 entes queridos.
    Resumindo minha irmã esta em outro estado sem algum tipo de comunicação, pois trabalha em garimpo com seu esposo. Hoje ela ligou e contei o acontecido. Ela disse que tinha sonhado com 2 cachorros pretos e a imagem dela e pensou que algo teria acontecido e realmente aconteceu.
    Meses atrás ela ( minha irmã ) me acompanhava em um Quarto de Hospital pois tinha feito uma cirurgia. E uma certa noite ela sonhou com outro Ente vestida toda de branco, na manhã seguinte recebemos noticia que haveria falecido.

    sobre a morte desses 2 entes queridos que foi dias atrás, minha esposa falou que tinha uma grande borboleta preta na casa da minha mãe e outra na casa da minha avó em outra cidade vizinha, antes de acontecer o falecimento deles.

    Então a minha dúvida é: esses são realmente sinais Divino, qual a explicação pra isso ? nós podemos mesmo ser avisados por sonhos, sinais algo assim ? pois tem pessoas que sonham com caixão e aparece o rosto da pessoa e no outro dia a pessoa falece ! pode mesmo alguem ser avisado que uma pessoa está prestes a morrer ?

    Minha mãe e minha vó são Adventistas a muitos anos, nasci em berço Adventista.
    sou de Tangará da Serra-MT
    Espero que me responda. Um grande Abraço



    • J.Washington em 1 de fevereiro de 2013 12:58

      Lucas, obrigado por nos confiar detalhes dos sonhos. Vamos ver o que a Bíblia diz?

      Determinar a natureza específica de cada sonho de uma pessoa é um assunto muito complexo e subjetivo. Além dos “sonhos mentirosos” e não autênticos (Jeremias 23:32; 29:8 e 9), existem dois grandes grupos de sonhos reais. O primeiro e mais comum deles é o formado pelos sonhos naturais, que fazem parte do processo normal de descanso durante o sono, e cujo conteúdo pode apresentar-se de forma organizada ou desorganizada. Uma vez que “dos muitos trabalhos vêm os sonhos” (Eclesiastes 5:3), é provável que pessoas envolvidas em assuntos religiosos acabem sonhando com eles, sem que tais sonhos sejam de origem sobrenatural.

      Já o segundo grupo básico de sonhos é formado pelos sonhos sobrenaturais, que podem ser de origem divina ou satânica. Os sonhos de origem divina têm normalmente um propósito salvífico bem definido, e podem ser concedidos tanto aos profetas verdadeiros (Números 12:6), como aos membros comuns do povo de Deus (Joel 2:28), e mesmo às pessoas que não pertencem ao povo de Deus (Gênesis 41; Daniel 2). Por sua vez, os sonhos de origem satânica são quase sempre fascinantes, e podem conter verdades, para confundir a pessoa. Suas predições podem até se cumprir, mas eles tendem a afastar, eventualmente e de alguma forma, a pessoa de Deus e de Sua vontade (ver Jeremias 29:8; Mateus 24:24; 1 Pedro 5:8).

      Torna-se evidente, portanto, que tanto os sonhos naturais como os sobrenaturais (quer divinos ou satânicos) podem ter um conteúdo religioso. Além disso, o simples fato de Deus conceder um sonho sobrenatural a alguém não transforma essa pessoa automaticamente num profeta, como pode-se inferir das experiências de Faraó (Gênesis 41) e de Nabucodonosor (Daniel 2). Embora todo profeta receba sonhos de origem divina (Números 12:6), nem todos os que recebem tais sonhos podem ser considerados profetas. O chamado para o ministério proféticos é algo diferente e bem mais abrangente.

      A atitude de atribuir a Deus a origem de todos os sonhos de cunho religioso, e de buscar sempre um significado especial para o seu conteúdo, é altamente perigosa. Aqueles que assim agem são tentados a se considerar mais privilegiados por Deus do que os demais, tornando-se presas fáceis das artimanhas do maligno. Somos advertidos pelo próprio Deus de que todos os sonhos (até mesmo os dos profetas) devem permanecer subordinados à autoridade normativa das Escrituras. “O profeta que tem sonho conte-o como apenas sonho; mas aquele em quem está a Minha palavra, fale a Minha palavra como verdade. Que tem a palha com o trigo? – diz o Senhor” (Jeremias 23:28). ”À lei e ao testemunho! Se eles não falarem desta maneira, jamais verão a alva” (Isaías 8:20; ver também Mateus 7:21-23; Gálatas 1:8 e 9; 1 João 2:4; 4:1).
      Sonhos jamais são usados por Deus como um fim em si mesmos, mas apenas como um meio de nos aproximar mais dEle e de Sua Palavra (ver João 20:29). Ademais, não podemos permitir que nossa fé dependa de tais meios, possíveis de serem usados também por Satanás. Portanto, se você tiver um sonho que julga ser de procedência divina, mas não tem plena certeza disso, o mais prudente é tentar extrair dele uma lição positiva para a vida, até que a sua origem e o seu propósito fiquem melhor esclarecidos.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • clelia freitas prasil de siqueira em 24 de dezembro de 2012 1:57

    Gostaria que me enviasse por escrito, o estudo sobre o Sábado. Por vídeo me é dificil porque não tenho audio bom no computador.
    Caso seja possivel, pode ser pelo meu email ou aqui no site mesmo
    Que a graça de Deus esteja com todos
    clélia



    • J.Washington em 1 de fevereiro de 2013 13:26

      Clelia, o assunto do sábado é maravilhoso e vasto. Veja agora um deles:

      Uma das teorias mais usadas para justificar a mudança do sábado para o domingo é a de que o sábado foi abolido na cruz e o domingo instituído em seu lugar através da ressurreição de Cristo. Por mais popular que seja, esta teoria carece de fundamentação bíblica e de comprovação histórica. O texto de João 20:19, normalmente usado para apoiar a teoria, simplesmente declara que os discípulos estavam reunidos, com “as portas da casa” trancadas, por “medo dos judeus”, sem qualquer alusão ao domingo como um novo dia de guarda. Além disso, a primeira evidência histórica concreta sobre a existência de cristãos observadores do domingo é encontrada somente na metade do segundo século de nossa era.

      A tese doutoral de Samuele Bacchiocchi, intitulada From Sabbath to Sunday: A Historical Investigation of the Rise of Sunday Observance in Early Christianity (Roma: Pontifical Gregorian University Press, 1977), demonstra “que a adoção do domingo em lugar do sábado não ocorreu na primitiva Igreja de Jerusalém, por virtude de autoridade apostólica, mas aproximadamente um século depois na Igreja de Roma”.

      Sob a influência cultural paganizadora do Império Romano, o cristianismo dos primeiros séculos acabou absorvendo vários elementos de origem pagã, dentre os quais se destaca o culto ao Sol de origem persa (mitraísmo). Os mitraístas romanos veneravam o Sol Invictus cada domingo e celebravam anualmente o seu nascimento no dia de 25 de dezembro. Tentando harmonizar alegoricamente o Sol Invictus com o “sol da justiça” do cristianismo (Ml 4:2; Jo 8:12), muitos cristãos começaram a adorar a Cristo no domingo como “dia do Sol” (Sunday em inglês e Sonntag em alemão), com o duplo propósito de se distanciarem do judaísmo perseguido pelos romanos e de se tornarem mais aceitos dentro do próprio Império Romano.

      Mas o que parecia inicialmente apenas um sincretismo religioso começou a assumir um caráter institucional. A 7 de março de 321 d.C., o imperador Constantino, um devoto adorador de Mitra, decretou “que todos os juízes, e todos os habitantes da cidade, e todos os mercadores e artifíces descansem no venerável dia do Sol”. Esse decreto foi seguido por várias medidas eclesiásticas para legalizar a observância do domingo como dia de guarda para os cristãos. O próprio Catecismo Romano, 2.ed. (Petrópolis, RJ: Vozes, 1962), p. 376, reconhece a atuação da Igreja Católica nesse processo, ao declarar: “A Igreja de Deus, porém, achou conveniente transferir para o domingo a solene celebração do sábado.”

      Por mais atraentes e populares que sejam algumas teorias sobre a origem da observância do domingo, não podemos impor ao texto bíblico interpretações artificiais e desenvolvimentos históricos que só ocorreram após o período bíblico. Para sermos honestos com a Palavra de Deus, precisamos permitir que ela mesma nos diga qual o verdadeiro dia de guarda do cristão (ver Gl 1:8; Ap22:18 e 19).

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Roberto Mendonça em 24 de dezembro de 2012 0:16

    Paz e Graça a todos do Bíblia Fácil, tenho acompanhado todos os programas da Novo Tempo… são todos excelentes, na região que moro só tenho acesso a esse canal através da sky, e dou graças a Deus por isso, através da novo tempo temos aprendido muito sobre a ´Bíblia é maravilhoso receber o estudo de uma forma clara e bem tranparente. obrigado a equipe do Bíblia Fácil.



    • J.Washington em 1 de fevereiro de 2013 13:22

      Roberto, nos alegramos com a notícia de que você está nos vendo e aprendendo mais do Amor de Deus. Louvado seja o Senhor!

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Leonardo em 23 de dezembro de 2012 20:31

    Não entendo porque os meus comentários não são publicados. Então gostaria de deixar um recado para o administrador do site ( a pessoa responsável por publicar ou não os comentários):
    que o administrador entre em contato comigo para debatermos sobre a Lei de Deus. Que seja como um desafio pois se estão tão convictos com a verdade não a motivo de temer. Acredito que será edificante… espero o retorno ansiosamente.
    Email para contato: maalalel@hotmail.com
    Fique com Deus.



    • J.Washington em 1 de fevereiro de 2013 13:31

      Leonardo, obrigado por sua participação, ela bem-vinda. O blog do programa Bíblia Fácil é um espaço para se estudar a Palavra do Senhor. Nosso proposta não é debater religião ou entrar em polêmicas. Se desejar, pergunte e responderemos com base no Livro Sagrado. Eis um texto dentro do assunto dos mandamentos:

      Uma das teorias mais usadas para justificar a mudança do sábado para o domingo é a de que o sábado foi abolido na cruz e o domingo instituído em seu lugar através da ressurreição de Cristo. Por mais popular que seja, esta teoria carece de fundamentação bíblica e de comprovação histórica. O texto de João 20:19, normalmente usado para apoiar a teoria, simplesmente declara que os discípulos estavam reunidos, com “as portas da casa” trancadas, por “medo dos judeus”, sem qualquer alusão ao domingo como um novo dia de guarda. Além disso, a primeira evidência histórica concreta sobre a existência de cristãos observadores do domingo é encontrada somente na metade do segundo século de nossa era.

      A tese doutoral de Samuele Bacchiocchi, intitulada From Sabbath to Sunday: A Historical Investigation of the Rise of Sunday Observance in Early Christianity (Roma: Pontifical Gregorian University Press, 1977), demonstra “que a adoção do domingo em lugar do sábado não ocorreu na primitiva Igreja de Jerusalém, por virtude de autoridade apostólica, mas aproximadamente um século depois na Igreja de Roma”.

      Sob a influência cultural paganizadora do Império Romano, o cristianismo dos primeiros séculos acabou absorvendo vários elementos de origem pagã, dentre os quais se destaca o culto ao Sol de origem persa (mitraísmo). Os mitraístas romanos veneravam o Sol Invictus cada domingo e celebravam anualmente o seu nascimento no dia de 25 de dezembro. Tentando harmonizar alegoricamente o Sol Invictus com o “sol da justiça” do cristianismo (Ml 4:2; Jo 8:12), muitos cristãos começaram a adorar a Cristo no domingo como “dia do Sol” (Sunday em inglês e Sonntag em alemão), com o duplo propósito de se distanciarem do judaísmo perseguido pelos romanos e de se tornarem mais aceitos dentro do próprio Império Romano.

      Mas o que parecia inicialmente apenas um sincretismo religioso começou a assumir um caráter institucional. A 7 de março de 321 d.C., o imperador Constantino, um devoto adorador de Mitra, decretou “que todos os juízes, e todos os habitantes da cidade, e todos os mercadores e artifíces descansem no venerável dia do Sol”. Esse decreto foi seguido por várias medidas eclesiásticas para legalizar a observância do domingo como dia de guarda para os cristãos. O próprio Catecismo Romano, 2.ed. (Petrópolis, RJ: Vozes, 1962), p. 376, reconhece a atuação da Igreja Católica nesse processo, ao declarar: “A Igreja de Deus, porém, achou conveniente transferir para o domingo a solene celebração do sábado.”

      Por mais atraentes e populares que sejam algumas teorias sobre a origem da observância do domingo, não podemos impor ao texto bíblico interpretações artificiais e desenvolvimentos históricos que só ocorreram após o período bíblico. Para sermos honestos com a Palavra de Deus, precisamos permitir que ela mesma nos diga qual o verdadeiro dia de guarda do cristão (ver Gl 1:8; Ap22:18 e 19).

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Helena Carvalhais em 23 de dezembro de 2012 19:51

    Ontem, sábado, assistindo ao programa “Bíblia Fácil”, o apresentador (ilustre Pastor) afirmou que o verso segundo escreveu S.João 10:16 : Tenho ainda outras ovelhas que não são deste aprisco; a essas também me importa conduzir, e elas ouvirão a minha voz; e haverá um rebanho e um pastor., se refere à IASD, pois esta é o aprisco verdadeiro porque observa o dia de sábado.

    Pois bem, um católico romano afirmou também:
    “Note bem o artigo definido “A”(vers. 18) que o Mestre diz. Ele não disse “as” minhas igrejas, portanto, somente uma é a dele a Petrina, ou seja, se retroagirmos na história, partindo do Papa atual, BENTO XVI, chegaremos em Pedro!!!. Isto é claro, cristalino, insofismável!
    É evidente que Ela, Igreja Católica, NÃO é a única que salva!
    O Mestre deixa bem claro no capitulo 10, 16: “Tenho ainda outras ovelhas que não são deste redil: também a elas devo conduzir; escutarão a minha voz, e haverá um só rebanho e um só pastor”.

    Entendemos, salvo melhor juízo, que nesse outro redil, incluem-se todas as igrejas evangélicas, os crentes e não crentes, pois a TODOS Deus quer salvar!. Todos somos Povo de Deus!. Desde que, essas “outras ovelhas”, SE CONVERTAM e aceitem tudo o que Jesus nos deixou explicitados em seus Evangelhos.”

    Volto ao meu raciocínio:
    Penso que se buscarmos conhecer as diferentes denominações, encontraremos seus defensores dizendo que pertencem ao verdadeiro aprisco e as “outras” é que estão espalhadas como por exemplo: A IASD, a ICAR…..e aí?

    Então, pergunto ao Ilustre Pastor apresentador, é a Igreja Adventista o verdadeiro rebanho do Senhor? Por cessar o trabalho no dia de sábado ? Isso é o que leva-a a se considerar a legítima do Senhor?
    Quando Jesus citou a parábola, não estaria ele se referindo ao seu legítimo rebanho: Os Judeus e às ovelhas de “outro aprisco”, Os Gentios? A Igreja Adventista é composta de judeus? Não? São de gentios, assim como eu? Então, somos ovelhas “de outro” aprisco, que Jesus Cristo, através de sua morte na cruz, buscou, reconciliou e nos fez ovelhas de Seu Pasto.
    E que sacrifício Ele fez! E certamente não foi para levar para o céu, apenas uma denominação mas Uma Igreja lavada e remida no seu sangue. Amém.



    • J.Washington em 6 de fevereiro de 2013 16:53

      Helena, agradecemos sua participação. Deus tem muitas ovelhas em outros rebanhos. Vamos entender como identificar a igreja verdadeira?

      É simples. Vou estudar com você 5 dessas verdades apresentadas na Bíblia.

      A primeira delas encontra-se em João 17:3: “E a vida eterna é esta: que te conheçam a Ti o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo a quem enviaste”. Esta é a primeira verdade: O próprio Deus. Jesus aqui nesse texto referiu-se ao Pai como sendo o “Deus verdadeiro”. Ele é a verdade. A Igreja deve sustentar isso – deve procurar adorar a Deus como sendo o único Criador e Mantenedor de todas as coisas.

      A segunda verdade que a Bíblia apresenta está em João 14:6: “Eu sou o caminho, a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por Mim”. Você sabe quem disse essas palavras? Sim – o próprio Jesus. Jesus é a segunda verdade. E Ele deve ser apresentado da maneira certa. Ele é o Messias, o Salvador do Mundo, o próprio Deus encarnado, bem como disse o apostolo João: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus. Este Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade”. João 1:1 e 14. Paulo acrescentou que “nEle, Jesus, habita corporalmente toda a plenitude da Divindade”. Colossenses 2:9. Esta é a verdade mais sublime da Bíblia: Deus se fez homem a fim de morrer pelos nossos pecados. Esta deve ser uma das colunas que a Igreja Verdadeira deve defender.

      A terceira verdade da Bíblia está em I João 5:6: O final do verso diz: “E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a própria verdade”. O Espírito Santo – a Terceira Pessoa da Trindade é uma das verdades que a Igreja deve sustentar. Aliás, é o próprio Espírito que conduz a Igreja para a verdade: João escreveu: “quando vier, porém, o Espírito da Verdade, Ele vos guiará a toda a verdade” João 16:13. Esse é um dos trabalhos do Espírito Santo – levar você, amigo, ao conhecimento dessas verdades. É Ele quem instrui, quem nos convence do pecado; quem nos leva até Jesus.

      A quarta verdade está em João 17:17. Diz assim: “Santifica-os na verdade: a tua Palavra é a verdade”. A Biblia também é uma das verdades que a igreja deve sustentar. Tudo o que uma igreja ensina, deve estar em coerência com a Bíblia. Nenhuma palavra deve ser tirada e nenhuma acrescentada. Como os antigos arautos, que tinham que dar o sonido certo na trombeta, os arautos do evangelho devem dar o sonido certo quanto ao que está na Bíblia. E quando falamos na Bíblia como sendo a verdade, não estamos falando apenas do Novo Testamento. “Toda a Bíblia”, disse Paulo, “é inspirada por Deus, e útil para o ensino”. II Timóteo 3:16 e 17. A Igreja Verdadeira prega toda a Bíblia.

      A última verdade que eu gostaria de ler com você se encontra no livro dos Salmos: “Tu estás perto, Senhor, e todos os teus mandamentos são verdade”. Salmo 119:151. A quinta verdade que a Bíblia apresenta são os 10 mandamentos. Esses são os 10 preceitos imutáveis da Lei de Deus – e como disse o texto, todos eles são a verdade. Muitas igrejas seguem a Lei do Senhor, mas se esquecem do quarto mandamento, que fala sobre o sábado. E a Bíblia diz que “qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos”. Tiago 2:10. A Igreja de Deus, como diz a Bíblia, sustenta a verdade sobre os mandamentos de Deus, inclusive sobre a verdade do sábado.

      Então amigo, descobriu qual é a Igreja Verdadeira? A Igreja de Deus aqui na Terra representa o grupo de crentes que segue essas 5 verdades básicas. Eles seguem a Deus Pai, a Jesus O Filho, ao Espírito Santo, e buscam seguir o que está na Bíblia e nos 10 mandamentos. Jesus está lhe convidando para fazer parte desse povo. Jesus te convida a buscar essas verdades. Ele mesmo disse que ao conhecermos a verdade, a verdade nos libertaria. Às vezes, conhecer a verdade dói – machuca – mas ela liberta. Eu te convido hoje a buscar essas verdades. Entregue sua decisão nas mãos de Deus. E Ele irá libertar você.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Nilton da Silva Francisco em 23 de dezembro de 2012 16:36

    O Sábado foi ABENÇOADO E SANTIFICADO POR DEUS. O que DEUS santifica será para sempre, jamais poderá ser esquecido. Nunca esqueçam disso.Nunca!!!



    • J.Washington em 1 de fevereiro de 2013 13:41

      Nilton, obrigado pela lembrança quanto o quarto mandamento da Lei de Deus.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • marcela em 23 de dezembro de 2012 14:40

    Como funciona o batismo na igreja adventista?o que temos que fazer antes?



    • J.Washington em 1 de fevereiro de 2013 13:45

      Marcela, a Igreja Adventista do 7º Dia segue o exemplo de Cristo, que também foi batizado. Vamos estudar mais um pouco esse assunto?

      “Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado” (Marcos 16:16).

      “E acrescentou: Jesus, lembra-te de mim quando vieres no teu reino. Jesus lhe respondeu: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso” (Lucas 23:42-43).

      Conquanto a salvação seja única e exclusivamente por intermédio de Jesus, ao estudarmos os versos citados acima paralelamente um ao outro, podemos chegar à conclusão de que:

      1) O batismo é importante, pois ao ser batizada, uma pessoa está demonstrando publicamente que crê no Senhor Jesus. Se a pessoa, por má vontade, não quer aceitar o santo batismo, está demonstrando que ainda não aceitou (ou não entendeu) o sacrifício de Jesus em sua vida. Sendo que ela “não creu”, não será salva.

      2) Há casos especiais em que uma pessoa “não batizada” será salva. A história do ladrão na cruz ilustra este fato, pois ele não tinha condições físicas no momento de evidenciar sua crença no Senhor. Se o tivesse, teria aceitado o batismo. Como ele não poderia descer do madeiro onde estava pendurado, mas creu em Jesus e O aceitou, o Senhor lhe deu a salvação.

      Isto não quer dizer que não precisemos do batismo. O ladrão na cruz não tinha condições físicas para fazê-lo, já muitos de nós temos. Se tivermos como ir a um tanque batismal ou rio e não o fizermos, não estamos provando que realmente aceitamos a Jesus. (Leia Marcos 16:16 e Mateus 10:32 e 33). Seria o mesmo que um noivo dizer que ama sua noiva e ao pedir a ela para que ele assuma um compromisso (casamento), ele diga: “eu te amo, mas casamento não!”. Que amor seria esse?

      O batismo é uma demonstração de fé no Salvador e a fé evidencia-se pelas obras (Tiago 2:26). Quando não há nenhum empecilho do tipo que o ladrão na cruz teve, devemos evidenciar nosso amor pelo Salvador sendo imersos na água. Aceite o amor de Jesus; Ele fez tudo por você. Abra-lhe o coração neste momento. Ele irá entrar, fazer morada em sua vida e dar-lhe toda a paz que você deseja. “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo” (Apocalipse 3:20).

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • marcela em 23 de dezembro de 2012 14:35

    Como a maioria das igrejas nao grardam o sabado e nao ensinam a pratica dele,eu que estou pensando em me batizar,estaria eu em pecado se a igreja que frequento nao grarda o sabado?



    • J.Washington em 1 de fevereiro de 2013 13:48

      Marcela, vamos tratar dois temas com você, o primeiro é sobre o batismo e o segundo sobre a igreja verdadeira. Tudo bem?

      “Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado” (Marcos 16:16).

      “E acrescentou: Jesus, lembra-te de mim quando vieres no teu reino. Jesus lhe respondeu: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso” (Lucas 23:42-43).

      Conquanto a salvação seja única e exclusivamente por intermédio de Jesus, ao estudarmos os versos citados acima paralelamente um ao outro, podemos chegar à conclusão de que:
      1) O batismo é importante, pois ao ser batizada, uma pessoa está demonstrando publicamente que crê no Senhor Jesus. Se a pessoa, por má vontade, não quer aceitar o santo batismo, está demonstrando que ainda não aceitou (ou não entendeu) o sacrifício de Jesus em sua vida. Sendo que ela “não creu”, não será salva.
      2) Há casos especiais em que uma pessoa “não batizada” será salva. A história do ladrão na cruz ilustra este fato, pois ele não tinha condições físicas no momento de evidenciar sua crença no Senhor. Se o tivesse, teria aceitado o batismo. Como ele não poderia descer do madeiro onde estava pendurado, mas creu em Jesus e O aceitou, o Senhor lhe deu a salvação.
      Isto não quer dizer que não precisemos do batismo. O ladrão na cruz não tinha condições físicas para fazê-lo, já muitos de nós temos. Se tivermos como ir a um tanque batismal ou rio e não o fizermos, não estamos provando que realmente aceitamos a Jesus. (Leia Marcos 16:16 e Mateus 10:32 e 33). Seria o mesmo que um noivo dizer que ama sua noiva e ao pedir a ela para que ele assuma um compromisso (casamento), ele diga: “eu te amo, mas casamento não!”. Que amor seria esse?
      O batismo é uma demonstração de fé no Salvador e a fé evidencia-se pelas obras (Tiago 2:26). Quando não há nenhum empecilho do tipo que o ladrão na cruz teve, devemos evidenciar nosso amor pelo Salvador sendo imersos na água. Aceite o amor de Jesus; Ele fez tudo por você. Abra-lhe o coração neste momento. Ele irá entrar, fazer morada em sua vida e dar-lhe toda a paz que você deseja. “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo” (Apocalipse 3:20).

      Como posso descobrir qual é a igreja verdadeira?

      Esta é uma das perguntas mais importantes que um ser humano pode fazer para si e para Deus. Isso porque o ditado de que diz: “todos os caminhos conduzem a Deus” é um engano de Satanás para iludir as pessoas e fazê-las “adorar” a Deus (ou ao próprio inimigo) “de qualquer jeito”, para que percam a salvação. Para Jesus, não há “muitos caminhos”, mas apenas dois: um que conduz a Deus e outro que leva para perdição: “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela.” Mateus 7:13-14. “Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte.” Provérbios 14:12. Há, no meio “religioso”, falsos ensinadores dos quais temos de nos cuidar: “Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores.” Mateus 7:15.
      A Bíblia nos fornece as características da igreja verdadeira. Ao escolhermos uma congregação para freqüentar, precisamos levar em conta:
      1) Se tal igreja segue a Bíblia como única regra de fé e prática: “Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema.” Gálatas 1:8 (ver Isaías 8:19, 20).
      A igreja verdadeira não substitui as Escrituras Sagradas por outros supostos “evangelhos” ou pela “tradição da igreja” (Mateus 15:3, 9). Aceita a Bíblia como ela é, pratica todos os seus ensinos e aceita a todas as doutrinas bíblicas.
      2) Se tal igreja possui o “testemunho de Jesus” mencionado em Apocalipse 12:17.
      A descendência da mulher contra a qual Satanás estaria mais irado é aquele remanescente que “guarda os mandamentos de Deus” e “tem o testemunho de Jesus”, que é o Espírito de Profecia (Apocalipse 19:10, última parte). Ter o “Espírito de Profecia” é ter o dom profético. Em todos os tempos, Deus chama profetas e, nos últimos dias, Ele chamou Ellen G. White para guiar as pessoas de volta à Bíblia. “Não havendo profecia, o povo se corrompe…” Provérbios 29:18.
      3) Se tal igreja guarda todos os mandamentos de Deus, inclusive o quarto que ordena santificar o dia de sábado: “Irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar com os restantes da sua descendência, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus; e se pôs em pé sobre a areia do mar”; “Aquele que guarda toda a lei e tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos.” Apocalipse 12:17 e Tiago 2:10.
      Em profecia apocalíptica (que tem símbolos e se refere ao tempo do fim), “dragão” é um símbolo de Satanás (Apocalipse 12:9) e a “mulher pura” é um símbolo da igreja de Deus (2 Coríntios 11:2). Paulo, falando aos coríntios, disse que estava preparando-os para apresentá-los à comunidade da igreja como uma “virgem pura” perante Deus. A mulher pura realmente é um símbolo apropriado para a igreja pura, que mantém intocáveis todos os ensinamentos de Jesus. Já, a mulher prostituta e impura de Apocalipse 17 simboliza a igreja apostatada, que traiu o seu esposo – Cristo – seguindo doutrinas erradas.
      Vejamos outro verso que nos mostra a importância de uma igreja incentivar as pessoas a obedecer todos os mandamentos de Deus: “Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.” Apocalipse 14:12.
      Novamente, a Bíblia diz que os santos são aqueles que “guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus”. A guarda dos mandamentos, inclusive o repouso no sábado, é uma das principais características da verdadeira igreja. E não poderia ser diferente, pois o sábado é um memorial do Deus Criador e da criação. Todo aquele que guarda o sábado está adorando a Deus e demonstrando crer que não está neste mundo como fruto do acaso ou da “evolução”.
      No Apocalipse, há um chamado para que adoremos a Deus no sábado: “… Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.” Apocalipse 14:7.
      Agora, comparemos esse convite com o mandamento de Êxodo 20: “Porque, em seis dias, fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o SENHOR abençoou o dia de sábado e o santificou.” Êxodo 20:11.
      Veja a semelhança do texto de Apocalipse 14:7, onde é feito um convite para que “adoremos aquele que fez o céu, a terra, o mar, e tudo o que neles há…” com Êxodo 20:11, onde é dito para santificarmos o sábado porque “em seis fez o Senhor o céu, a terra, o mar e tudo o que neles há” e, ao sétimo dia, descansou. O texto de Apocalipse está parafraseando o quarto mandamento. É um convite para que adoremos a Deus no sábado e tal mensagem é especialmente para o povo dos últimos dias! Deus está chamando um grupo de pessoas para que sejam fiéis adoradores.
      Quando tinha 12 anos de idade, fiz a seguinte oração a Deus: “Senhor Deus, ajude-me a achar a igreja verdadeira…” Deus atendeu essa minha oração em aproximadamente quatro anos – no tempo dEle. E hoje sou muito feliz por Ele ter me conduzido das trevas para a maravilhosa luz em Cristo!
      Faça o mesmo. Ore a Ele para que lhe mostre o caminho a seguir, pois não irá lhe deixar só nesta procura. Assim como me respondeu, irá responder a você. Deus tem a igreja “invisível”, pessoas espalhadas por diversas denominações. A elas, Ele quer conduzir (João 10:16) e lhes dirige um convite amoroso e urgente registrado em Apocalipse 18:4: “Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela [de Babilônia, símbolo de toda confusão religiosa que há no mundo], povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos.”
      É muito importante que descubramos qual é a igreja que segue toda a Palavra, pois Jesus é claro em afirmar que não adianta alguém “dizer que é de Cristo se não faz a vontade de Deus”: “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade.” Mateus 7:21-23.
      Estejamos cientes de que operar milagres e realizar qualquer outro tipo de sinal (ou até professar o nome de Jesus) não é prova de que uma igreja é de Deus, pois Satanás e seus anjos maus têm poder para fazer tais coisas, inclusive através de líderes religiosos. O que faz uma igreja ser verdadeira é seguir, em tudo, a vontade do Pai: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos.” João 14:15. “Por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que vos mando?” Lucas 6:46. “Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; assim como também eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai e no seu amor permaneço.” João 15:10.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • luis eduardo de souza em 22 de dezembro de 2012 20:07

    nao concordo com voce quando dis que quem nao guarda o sabado esta condenado a peridiçao como pode o mundo ter sido feito em 6 dias se a ciencia ja provou que tudo o que existe no universo incluindo o sol a terra e todos os planetas existem a bilhoes de anos e se foi deus quem fez o homem um ser social nao e possivel que todos descancem num unico dia



    • J.Washington em 1 de fevereiro de 2013 13:57

      Luis, agradecemos sua participação. O quarto mandamento da Lei de Deus é especial. Nesse fim dos tempos o ponto central é ‘adoração’. A quem adoramos? É uma questão de escolha.

      Como adventistas, cremos na perpetuidade da lei de Deus, pois ela é uma transcrição do caráter do próprio Deus. Ora, se a ordenança do sábado encontra-se no Decálogo, e este é eterno (pois é uma transcrição do caráter de Deus), então ele era guardado sim antes da criação do mundo como o dia especial de adoração. O Salmo 111:7 e 8 diz: “As obras das suas mãos são verdade e juízo, seguros todos os seus mandamentos. Permanecem firmes para todo o sempre; e são feitos em verdade e retidão.” Salmos 111:7-8. O texto de Isaías 66:23 confirma que durante toda a eternidade futura, o sábado também será guardado. “E será que desde uma lua nova até à outra, e desde um sábado até ao outro, virá toda a carne a adorar perante mim, diz o SENHOR.” Isaías 66:23.

      Assim como os princípios “não matarás, não terás outros deuses diante de mim, não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão” e todos os outros mandamentos da Lei de Deus eram observados desde a eternidade, o princípio do sábado também sempre foi observado.

      “É o Criador dos homens, o Doador da lei, que declara não ser Seu desígnio pôr à margem os seus preceitos. Tudo na Natureza, desde a minúscula partícula de pó no raio de sol até os mundos; nas alturas, encontra-se debaixo de leis. E da obediência a essas leis dependem a ordem e a harmonia do mundo natural. Assim, há grandes princípios de justiça a reger a vida de todo ser inteligente, e da conformidade com esses princípios depende o bem-estar do Universo. Antes que a Terra fosse chamada à existência, já existia a lei de Deus. Os anjos são governados por Seus princípios, e para que a Terra esteja em harmonia com o Céu, também o homem deve obedecer aos divinos estatutos. No Éden, Cristo deu a conhecer ao homem os preceitos da lei “quando as estrelas da alva juntas alegremente cantavam, e todos os filhos de Deus rejubilavam”. Jó 38:7. A missão de Cristo na Terra não era destruir a lei, mas, por Sua graça, levar novamente o homem à obediência de Seus preceitos.” O Maior Discurso de Cristo, página 48.
      Ellen White diz ainda acerca de Jesus: “Ele devia mostrar a natureza espiritual da lei, apresentar seus princípios de vasto alcance, e tornar clara sua eterna obrigatoriedade.” Página 49.

      Se pecado é “transgressão da lei” (1 João 3:4), então Satanás quebrou a lei de Deus no Céu, pois pecou. Portanto, a lei de Deus e seus princípios já existiam no Céu antes da criação do mundo.

      A Bíblia diz ainda: “Para sempre, ó Senhor, a Tua palavra permanece no Céu.” Sal. 119:89. “Acerca dos Teus testemunhos eu soube, desde a antiguidade, que Tu os fundaste para sempre.” Sal. 119:152.
      Portanto, cremos que a lei do Senhor é eterna em seus princípios, pois são uma transcrição do caráter e da vontade de Deus para Suas criaturas.

      Abaixo estão alguns pontos importantes acerca da natureza da Lei.

      A natureza da Lei

      - A Lei é um reflexo do caráter de Deus. Ela possui os mesmos atributos do seu Legislador: é perfeita (Salmo 19:7); santa e boa (Romanos 7:12); verdadeira (Salmo 119:151); justa (Salmo 119:172).

      - A Lei é eterna como o próprio Deus. Ela era obedecida antes do Sinai (Gênesis 26:5; Êxodo 16; 18:16) e continuou em vigor mesmo depois da cruz (Atos 17:2; Tiago 2:10-12; 1 João 2:4; Apocalipse 14:12).

      - A Lei é universal. Seus princípios não estão restritos a uma nação ou etnia. São extensivos a todas as pessoas de todas as épocas: “Pois esse é o dever de todo o homem”. (Eclesiastes 12:13).

      - A Lei é espiritual (Romanos 7:14). Portanto, somente aqueles que são espirituais e revelam o fruto do Espírito, é que podem obedecer à Lei (João 15:4; Gálatas 5:22 e 23). É o Espírito de Deus que nos fortalece para a obediência (Salmo 51:10-12). Ele quer gravar a Sua Lei em nosso coração. (Jeremias 31:33).

      - A Lei é positiva. Por trás de cada “não”, existem princípios positivos que trarão paz, segurança e felicidade aos que observam a lei. Por exemplo: o sexto mandamento, “Não matarás”, possui o seu lado positivo: “Promova a vida”.

      - O resumo da Lei é o amor. Os Dez Mandamentos consistem em duas partes, indicadas pelas duas tábuas sobre as quais Deus escreveu Sua lei (Deuteronômio 4:13). Os quatro primeiros mandamentos regulamentam nossos deveres para com Deus, ao passo que os seis últimos orientam os deveres para com o próximo. Por isso, Jesus resumiu a lei em dois mandamentos principais: Amar a Deus e amar ao próximo como a nós mesmos (Mateus 22:36-40). Agora, o fato de ter resumido em dois não indica que devemos descartar toda a lei. Isso seria uma incoerência.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • tacito em 22 de dezembro de 2012 13:57

    o que os adventistas pregam a respeito do corpo de cristo em relação a santa ceia?



    • J.Washington em 4 de fevereiro de 2013 16:35

      Tácito, obrigado pela oportunidade que você nos dá para responder essa importante pergunta. Vamos a resposta?

      A santa ceia é uma cerimônia estabelecida por Jesus e ao participarmos da mesma, reafirmamos nossa crença em sua morte e ressurreição (por isso Ele disse: “… fazei isto em memória de mim” – Lc 22:19, 1 Co 11:24-25). A verdadeira cerimônia da Santa Ceia deve ser acompanhada pelo lava-pés a fim de que a mesma seja completa de acordo com o que Jesus ensinou. Podemos encontrar este ensinamento no Evangelho de João 13:1-10. Mas qual é o seu significado? No verso 10 lemos: “Declarou-lhe Jesus: quem já se banhou (foi batizado) não necessita de lavar senão os pés, quanto ao mais está todo limpo…” Podemos ver que o lava-pés é uma espécie de “mini batismo”. Mas por que precisamos dele? Porque na vida tropeçamos e caímos. Temos de constantemente sermos purificados de nossos pecados, e a cerimônia do lava-pés é uma oportunidade para isso. É importante que renovemos nossa fé e comunhão com Cristo.

      Existe algum problema em não participarmos da santa ceia? Vejamos um exemplo: Depois que levantou do lugar onde estava, Jesus pegou uma toalha e foi lavar os pés dos discípulos. Ao aproximar-se de Simão Pedro para fazer o mesmo, o mesmo não aceitou. Disse Jesus: “Se eu não te lavar, não tens parte comigo” (v. 8). Ao ouvir esta declaração, apavorado, Pedro exclamou: “Senhor, não somente os pés, mas também as mãos e a cabeça”. A Bíblia diz que se não aceitarmos participar, não temos parte com Jesus, pois estamos demonstrando que não aceitamos o Seu sacrifício e que não possuímos o caráter humilde de Cristo.

      Os Cristãos primitivos também realizavam o lava-pés. Em l Timóteo 5:10, encontramos a orientação de Paulo a Timóteo para que dê cargos na igreja somente para as viúvas que já “lavaram os pés dos santos” (crentes da igreja). Vemos aqui a importância desta instituição na vida de um crente, pois demonstra a autenticidade da conversão efetuada em sua vida. Deus tem dois principais propósitos ao instituir o Lava-pés:

      1) Renovar nossa fé no sacrifico e ressurreição de Cristo, purificando-nos assim de nossos pecados;
      2) Desenvolver em nós a humildade de Cristo.

      Quando lavamos os pés de nosso irmão, estamos dizendo-lhe que não somos maior que ele. É um momento maravilhoso de nos reconciliarmos com aquela pessoa que um dia nos magoou (ou magoamos) “Ora, se eu sendo o Senhor e o mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros” (Jo 13:14). A participação no rito nos ensina a sermos mais humildes, preparando-nos assim, para irmos para o céu. Lembremos nas palavras do Mestre:

      “Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também” (Jo 13:15).

      “Ora, se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes” (Jo 13:17)

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • José em 21 de dezembro de 2012 23:33

    Muito bom esse programa. Altamente esclarecedor. Os organizadores estão de parabéns!
    Ao refletir sobre o programa eu senti como se Deus estivesse afastando as tradições humanas para que sentíssemos o prazer do reencontro com nosso Pai celeste. É como se Deus entrasse no tempo e nos desse saudades da criação e harmonia perfeitas que tínhamos quando ele nos criou, bem como esperança e descanso na promessa do reencontro e restauração de todas as coisas.
    Realmente, sem sombra de dúvidas. O sábado está na Bíblia e é mandamento de Deus. Todas as vezes que termina o expediente de sexta feira todos ficam contentes ao deixar suas atividades e ir para casa descansar com a família. É bom para todos e é muito apreciado.
    Continuem fazendo programas assim e Deus seja louvado!



    • J.Washington em 4 de fevereiro de 2013 16:43

      José, louvado seja o Senhor por suas palavras de esperança. O sábado é um dia de alegria! Permaneça ligado na Novo Tempo.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Vanessa Benício em 21 de dezembro de 2012 16:35

    Boa tarde,

    Comecei a ver o programa Bíblia fácil por acaso no sábado à noite e não parei mais, todo os sábados as 22:00hs eu assisto e acompanho o estudo, é muito bom, estou aprendendo muito.
    Confesso que fiquei confusa com estudo com o tema de guardar o sábado. Entendo que é um dia santificado por Deus. Mas fica a pergunta quando o Senhor em gênesis descansou no sétimo dia não existia o dia “sábado” esse dia da semana foi criado pelo homem, como nós todos começamos a trabalhar na segunda feira não seria correto descansarmos no sétimo dia ou seja no domingo? e guardar o domingo?



    • J.Washington em 7 de fevereiro de 2013 17:32

      Vanessa, o sábado nos mandamentos de Deus é realmente uma bênção. Deus ficou satisfeito com tudo que fez. O sábado foi instituído antes do homem e da mulher, pois a adoração é para o Senhor.

      O sétimo dia sempre foi designado por sábado; não foi a partir do Êxodo que recebeu nome, apesar da nomenclatura não ter sido nencionado em Gênesis. Isso porque o mandamento de Êxodo 20:8-11 APONTA para o sábado da Criação, indicando que aquele dia era sábado. Hebreus 4:4 e 9, conquanto se referia ao repouso da fé, esclarece o assunto (o escritor entendia ser o sétimo dia da criação o Sábado). Os escritores e profetas bíblicos jamais iriam familiarizar-se com um costume pagão, como por exemplo, em escrever ou mencionar nas Escrituras um dia da semana cujo nome se refira a um deus pagão: “Em tudo o que vos tenho dito, andai apercebidos; do nome de outros deuses nem vos lembreis, nem se ouça de vossa boca”. (Êxodo 23:13). Se tivessem feito isso em relação ao sábado, todos eles estariam em conflito com esta ordem de Deus.

      Mesmo sendo o Sábado conhecido pelos caldeus como “dia de Saturno”, o certo é que o SIGNIFICADO PRIMÁRIO da palavra é DESCANSO (hebraico Shabbath). Foi Deus quem nomeou esse dia como sendo “descanso” (ou sábado, com o mesmo sentido).

      PODEMOS OBSERVAR QUALQUER DIA?

      Ainda que o termo sábado signifique “descanso”, a santificação desse dia repousa sobre uma base muito mais sólida do que uma possível razão linguística: num insofismável “Assim Diz o Senhor” (Gênesis 2:1-3; Êxodo 20:8-11; Isaías 56:2; 58:13-14; Mateus 5:17-19; Marcos 2:28; João 14:15, etc). Mas trata-se de uma questão MORAL, de ADORAÇÃO e de ACEITAÇÃO DO SENHORIO DE DEUS EM NOSSA VIDA. Guardando o sábado demonstramos que aceitamos a soberania de Deus e não do homem; mostramos que seguimos o padrão moral e de adoração estabelecido pelo Criador e não o padrão moral e de adoração estabelecido pelo ser humano. Jesus foi bem claro a respeito desta questão: “Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra.

      Aquele, pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus”. (Mateus 5:17-19).
      Portanto, as Escrituras não apoiam a observância de outro dia. Isso é aceito por diversos comentaristas; um deles é o Cardeal Gibbons: “Podeis ler a Bíblia do Gênesis ao Apocalipse, e não encontrareis uma única linha que autorize a santificação do domingo. As Escrituras ordenam a observância religiosa do Sábado, dia que nós nunca santificamos”. [Cardeal Católico Gibbons, em The Faith of Our Fathers, edição de 1892, pág. 111].

      Que possam ser nossas as palavras dos apóstolos: “Então, Pedro e os demais apóstolos afirmaram: Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens”. (Atos 5:29).

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • edgar de arruda barboza junior em 20 de dezembro de 2012 16:59

    Vou fazer um pergunta: eu posso passar seus videos para meus amigos do faceboock



    • J.Washington em 7 de fevereiro de 2013 15:53

      Edgar, obrigado pela boa vontade de compartilhar nosso conteúdo para outras pessoas. Desde que você respeite a fonte e o conteúdo seja exibido na íntegra sem nenhuma edição, pode divulgar os vídeos nas redes sociais.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Suely Cavalcante em 20 de dezembro de 2012 16:28

    amei o programa…bom demais…sou adventista ha 13 anos e descansar no sábado é um enorme prazer…parar o meu trabalho secular é uma benção…Deus seja louvado…



  • Maria de Fátima em 20 de dezembro de 2012 2:24

    Eu começo a entender o que nunca me foi ensinado. Guardar o sábado é lei de Deus.Não sabia bem porquê, mas em minha vida profissional sempre relutei em trabalhar aos sábados e consegui não ter mais essa obrigação conversando com meu chefe. Embora não soubesse sobre o dia de sábado, não me sentia bem em trabalhar nesse dia e mesmo assim, mudei essa situação há anos. Que bom saber que mesmo na minha ignorância, obedeço a Deus. Através desse programa estou conhecendo a bíblia, estou conhecendo a Deus. Obrigado.



  • Valdo em 19 de dezembro de 2012 19:53

    Onde encontrar uma igreja adventista?? Em Tabuleiro do Norte Ceará e em Fortaleza Ceará.



    • Pablo em 19 de dezembro de 2012 20:28

      Rua Manoel Tavares, 150 Centro. 62960000
      City: Tabuleiro do Norte
      State: Ceará
      Pastor: Francisco Jonas de Sousa Ribeiro

      Em fortaleza tem 20 igrejas acesse o site http://www.encontreumaigreja.com.br/ e pesquise fortaleza ceara para mais detalhes.

      Abraço.



  • alexandre em 19 de dezembro de 2012 18:01

    Pra ver como o sábado é maravilhoso, Deus já sabia da correria dos tempos, da falta de tempo do homem com Ele que fez o sétimo dia. Aproveitemos e nos alegremos nas coisas Senhor, adora-lo, louva-lo, orar e ajudar o próximo, aproveitar com a família e amigos, apreciar a criação, a natureza. Busque a paz e comunhão com Cristo principalmente neste dia santificado e abençoado. Mas não seja que nem um corredor só de final de semana, que treina apenas um dia pois se você assim o for, nunca chegará ao final do percusso e não será coroado com a vitória.



    • J.Washington em 20 de dezembro de 2012 10:44

      Alexandre, você está certo. Deus abençoou e santificou o sétimo dia por amor a nós.
      Devemos honrá-Lo diariamente e especialmente no santo sábado.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Valdo em 19 de dezembro de 2012 15:23

    Sobre a guarda do sábado, obtive essa informação por parte de uma igreja evangélica:
    —————————————————————
    Imagine se todo o mundo tivesse de descansar exatamente no dia de sábado. Hospitais, Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Polícia, profissionais da área da saúde, enfim, todos os serviços públicos urgentes estariam literalmente paralisados. E se neste dia houvesse um acidente ou qualquer catástrofe? Como socorrer os acidentados? Como apagar os incêndios? Como atender uma mulher que vai dar à luz? Deveria esperar até o domingo?
    A Bíblia diz:
    E acrescentou: O sábado, ou o sétimo dia, foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado, ou do sétimo dia. Marcos 2.27
    Deus fez o mundo em seis dias e no sétimo descansou. Ele não mandou guardar o sábado e sim o sétimo dia. O sétimo dia para uns não o é para outros. Se começarmos a trabalhar no domingo, então o sétimo dia será o sábado. Se começarmos a trabalhar na segunda-feira, então o sétimo dia será no domingo, e assim por diante. Isto é, o sétimo dia de descanso pode ser qualquer dia da semana. Não necessariamente no sábado.
    E Deus fez assim justamente porque já sabia que seria impossível todos guardarem um mesmo dia.
    Jesus curou num dia de sábado e ainda deixou uma pergunta: “Se sua ovelha cair em um buraco num dia de sábado, por acaso não vai socorrê-la só porque é sábado?
    ———————————————————-

    Sobre o texto bíblico:
    O sábado, ou o sétimo dia, foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado, ou do sétimo dia. Marcos 2.27

    Como interpretar detalhadamente essa passagem?
    (O sábado, ou o sétimo dia, foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado) como interpretar isso?



    • Pablo em 19 de dezembro de 2012 16:56

      O sábado é um memorial da criação. Criação de Deus e não do homem. Se o sábado está associado a Deus, não tem como relacionar aos dias trabalhados pelo homem. Além do mais a bíblia já diz sábado, vc é que tá querendo alterar o texto, não tem como encaixar outro dia da semana ali.
      Se todos guardassem o sábado seria um dia maravilhoso e uma experiência sem igual. Já imaginou o mundo todo adorando a Deus ao mesmo tempo…;)
      Com relação ao sábado ter sido criado por causa do homem é pq o homem tem necessidade desse dia para crescimento espiritual.
      O dia de sábado não é para ficar dormindo ou apenas prestando culto e louvor a Deus, mas também para ajudar o próximo, ou seja, trabalho rotineiros devem ser feitos antes do sábado, qualquer imprevisto que exija uma atitude imediata não constitui violação do sábado, pois o mesmo foi criado por causa do homem e não o contrário. Se tem um incêndio na casa do vizinho qualquer guardador do sábado tem obrigação de ir ajudar, essa é a correta guarda do sábado.



    • Ezequiel deSant em 19 de dezembro de 2012 18:51

      A TODOS
      SÁBADO está muito além da Lei – Decálogo ou Lei – Cerimônia – é isso e muito mais!!!
      é uma questão de FÉ!!! Fé no Criador! Fé no que o Criador escolheu para suas criaturas!!!



      • J.Washington em 4 de fevereiro de 2013 17:09

        Ezequiel, obrigado por sua participação. O sábado é um sinal entre o Criador e você. Ezequiel 20:12 e 20.

        O sábado semanal, bem como os demais mandamentos do Decálogo (Tg 2), são divinos e eternos (Mt 5:17-19). Nunca houve um tempo na existência do homem em que Deus não tivesse dado de maneira tão clara e explícita, aquilo que deve ser obedecido para o próprio bem e felicidade do homem (Sl 111:7-8). Se o amamos, iremos guardar os seus mandamentos que “não são pesados” (1 Jo 5:3). A obediência é o resultado natural e espontâneo da fé que opera por amor a Deus e não uma mera demonstração exterior de religiosidade. Jamais a obediência a qualquer mandamento poderá nos salvar; as obras não salvam, apenas Cristo pode salvar e colocar no coração do homem o impulso para obedecer (At 4:12). A obediência é apenas uma expressão de gratidão e amor (Jo 14:15 e Hb 10:16-17).

        Seja feliz!
        Equipe Bíblia Fácil



    • andré em 24 de dezembro de 2012 15:34

      Prezado irmão,

      se toda a humanidade resolvesse guardar O Sábado, NÃO EXISTIRIA VIOLENCIA, NEM ACIDENTES, NEM DOENÇA, NEM DOENTE, NEM MÉDICO, NEM POLÍCIA, ….

      Quando este evangelho eterno for pregado [Apocalipse 14:6-12] vamos viver no paraíso meu irmão !



  • adriano em 19 de dezembro de 2012 13:52

    bom dia, gostei do programa faz ajente querer estudar mais a biblia, mais mesmo assim dizer que se guarda o sabado ou o domingo é errado ou certo não é o fato mais importante. Mais sim aceitar a cristo e viver essa verdade que tanto adventistas, batistas, assemleia e etc…concordam ser a unica maneira de se erda a vida eterna.

    Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo. (Colossenses 2:16, 17)
    Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio SENHOR ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar. Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente. Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o SENHOR não come, e dá graças a Deus. (Romanos 14:4-6)
    por isso eu agretido que todos os dias são para adorar, orar, buscar a Deus, viver em santidade.

    sim eu agredito que todos nos que aceitamos a Cristo somos irmãos e filho e erdero de Deus



    • J.Washington em 6 de fevereiro de 2013 19:17

      Adriano, agardecemos por sua colaboração. Veja a resposta que preparamos para você:

      O que Paulo queria dizer com a expressão: “Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados”

      Com esse texto, Paulo tinha em vista os gnósticos, hereges dualistas (diziam que a carne é má e o espírito é bom) e sincretistas (misturavam ritos judaicos com a adoração dos anjos). Ensinavam que o mundo material não foi criado pelo grande e verdadeiro Deus, mas por um Demiurgo (o chefe dos Arcontes), um ser imperfeito e limitado em poder e sabedoria. Diziam que Jesus não é o Salvador-Sofredor, mas apenas um Revelador-Iluminador, e que a salvação é obtida pelo conhecimento, ou autoco-nhecimento, que vem quando a pessoa liberta a faísca divina que recebeu na Criação (Pfeiffer, C. F. Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de janeiro: CPAD, 2007, p. 871).

      Paulo menciona, nessa mesma epístola, algumas práticas desses gnósticos: “culto dos anjos” (2:18), “aparência de sabedoria, culto de si mesmo, falsa humildade, rigor ascético [desprezo pelo corpo e suas sensações, para possibilitar a vitória do espírito] (2:23), chamadas de “preceitos e doutrinas dos homens” (2:22) – o que não é o caso dos 10 mandamentos, que são preceitos de Deus, escritos com Seu próprio dedo (Êx 31:18). O problema era que esses hereges estavam se colocando no papel de juízes dos irmãos (Cl 2:16,18,21), em pelo menos duas questões:
      1. Comida e bebida – Os gnósticos, com seu rigor ascético, davam muito valor ao jejum, como prelúdio para uma revelação divina (Martin, R. P. Colossenses e Filemom: introdução e comentário. São Paulo: Mundo Cristão, 1973, p. 100). Acusavam os irmãos de não observarem certas prescrições alimentares. Achavam que comer carne era um tipo de canibalismo, pois acreditavam na transmigração das almas (Martin, R. P, Ibid.).

      A expressão “não manuseies isto, não proves aquilo, não toques aquiloutro” (Cl 2:21) parece apontar mais para regras ascéticas (confira “rigor ascético” em 2:23), do que para regras mosaicas quanto aos alimentos limpos e imundos (Bacchiocchi, S.From Sabbath to Sunday. Roma: The Pontifical Gregorian University Press, 1977, p. 352,353). O fato é que o ascetismo já estava em curso nos dias de Paulo, com alguns pregando como necessários à salvação o vegetarianismo e a abstinência de vinho (Rm 14:2,21) e a observância de determinados dias (Rm 14:5,6). Além de exigir abstinência de alimentos, chegavam a proibir o casamento (1 Tm 4:3).

      2. Dia de festa, lua nova, ou sábados – São os feriados e dias santos judaicos, guardados legalisticamente, como meio de salvação, e para aplacar os “poderes astrais”, que, segundo os gnósticos, dirigiam não só as estrelas, mas a vida das pessoas (Bacchiocchi, S. Ibid, p. 361 e Martin, R. P. Colossenses e Filemom: introdução e comentário, op. cit, p. 101). Esses dias santos envolvem os sábados anuais/cerimoniais das festas, o sábado mensal da lua nova, e o sábado semanal. Paulo não está falando contra a observância desses dias, mas contra os motivos errados em fazê-lo (Martin, R. P. Op. cit., p. 101.) Note que Paulo guardou alguns sábados cerimoniais, mas não para merecer a salvação (At 20:16 e 1 Co 16:8).

      “Tudo isso tem sido sombra das coisas que haviam de vir” (Cl 2:17). Há os que dizem que os “sábados” mencionados em 2:16 são somente os cerimoniais. Basicamente, seu argumento é que nenhum mandamento da lei de Deus é “sombra”, pois não são simbólicos. (Ver Nichol, F. D. Comentário Bíblico Adventista Del Séptimo Dia, v. 7. Boise: Pacific Press Publishing Association, 1990, p. 211.) A dificuldade com essa interpretação é que, se os “sábados”, em Colossenses 2:16, são somente cerimoniais, a que feriados ou dias santos estaria se referindo a expressão “dia de festa”, mencionada pouco antes, no mesmo verso? Teria Paulo feito uma repetição desnecessária? Ao que parece, o texto de Colossenses 2:16 refere-se a quaisquer tipos de sábado: anuais, mensais ou semanais. Expressão similar à de Colossenses 2:16 (só que ao inverso) é encontrada em Gálatas 4:10: “Guardais dias [dias santos semanais], e meses [dias santos mensais], e tempos e anos [dias santos anuais]“. O problema era a guarda legalística desses dias, como meio de justificação e salvação.

      Quanto à palavra “sombra” (skiá), em Colossenses 2:17, a dificuldade ocorre quando ela é sempre vista em sentido negativo, como algo imperfeito e transitório (como em Hebreus 8:5 e 10:1). É verdade que os ritos judaicos eram “sombras” transitórias, que apontavam para Cristo, e se tornaram sem efeito quando Ele foi sacrificado. Os sábados anuais se cumpriram em Cristo, pois cada festa apontava para algum aspecto dEle e de Seu ministério. Os sábados da Lua Nova, que, “no judaísmo tradicional, era considerado um Dia menor de Expiação” (rabino Yaacov Farber, em: http://www.cmy.on.ca/Monthly_ Newsletter/2005/january2005pt.htm), com toques de trombetas e sacrifícios (Nm 28:11 e 14), também não fazem mais sentido, tendo em vista o sacrifício de Cristo. Já o sábado semanal não deve ser visto como “sombra” transitória e passageira, mas como “sombra” ou “símbolo do descanso da salvação presente e futura” (Bacchiocchi, S. Op. cit., p. 359), que o crente encontra em Jesus. Esse sentido simbólico do sábado semanal é apresentado em Hebreus 4:3,4,9-11.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • adriano em 19 de dezembro de 2012 13:30

    ANTES DO CONCERTO DO SINAI DEUS NÃO ORDENOU A NINGUÉM QUE GUARDASSE O SÁBADO.
    A ÚNICA Lei dada por Deus ao homem a princípio foi a que está inserida em Gênesis 2:16-17:

    E ordenou o SENHOR Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.
    Quando o Senhor chamou Abraão e lhe anunciou o Evangelho da salvação, o qual viria a ser revelado de maneira mais ampla e clara com a vinda de Jesus, nada lhe comunicou quanto à necessidade de se guardar o Sábado, ou mesmo a “Lei de Moisés”, coo algo necessário para se obter a salvação, conforme registardo em Gálatas 3:8.
    Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti.
    NO NOVO CONCERTO, SOB O QUAL ESTAMOS, NÃO EXISTE MANDAMENTO PARA GUARDAR O SÁBADO, EMBORA ENCONTREMOS TODOS OS OUTROS DO DECÁLOGO.
    Mandamento Antigo Testamento Novo Testamento
    1.º Êxodo 20:2-3 I Coríntios 8:4-6;Atos 17:23-31
    2.º Êxodo 20:5,6 I João 5:21
    3.º Êxodo 20:7 Tiago 5:12
    4.º Êxodo 20:8-11 ? ? ? ? ? ? ? ? ? ?
    5.º Êxodo 20:12 Efésios 6:1-3
    6.º Êxodo 20:13 Romanos 13:9
    7.º Êxodo 20:14 I Coríntios 6:9-10
    8.º Êxodo 20:15 Efésios 4:28
    9.º Êxodo 20:16 Colossenses 3:9;Tiago 4:11
    10.º Êxodo 20:17 Efésios 5:3
    Em nenhum lugar do Novo Testamento encontramos qualquer texto que ensine o que o cristão deve guardar o Sábado como mandamento e que, uma vez quebrado, traga condenação da parte do Senhor.



    • J.Washington em 19 de dezembro de 2012 17:48

      Adriano, obrigado por sua participação. Vamos estudar um pouco mais sobre o sábado na Bíblia?

      Por que o Novo Testamento não ordena de forma direta a guarda do sábado?

      1) Porque manda guardar de um modo indireto, através do exemplo dos apóstolos e de Jesus; não nos esqueçamos de que em muitas vezes “os atos valem mais do que as palavras”.

      2) Porque a Bíblia é uma só. O Velho e o Novo Testamento são um. O Novo Testamento faz cerca de 637 referências sobre o Velho Testamento. Veja o que Paulo diz:

      “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça…” II Timóteo 3:16.

      Paulo diz que TODA a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino; ele não diz: “Só o Novo Testamento é útil para o ensino”.
      O Novo Testamento não foi escrito para abolir o Velho Testamento, mas para confirmá-lo e completá-lo. Não sei se você sabia, mas os nomes “Novo” e “Velho” Testamento, que é a identificação e divisão das duas partes da Bíblia, foram dados pelos homens. O Novo Testamento recebeu este nome no ano 200 D.C e o Velho no ano 326 d.C.

      Para Deus não existe Velho ou Novo Testamento, pois considera as Escrituras como uma só. Esta divisão veio para nos facilitar a busca de versos bíblicos.

      Se Deus colocou o mandamento diretamente no Velho Testamento, isto basta para todo cristão que segue completamente Sua palavra; ela é um só. Deus disse “Lembra-te” (Êxodo 20:8) porque já sabia que os seres humanos iriam esquecer Seu dia de guarda. Você não está esquecendo?
      Alguns teólogos dizem: “o Velho Testamento foi abolido”, mas, então, porque eles continuam pregando sobre a importância de devolver o dízimo?
      Há muita incoerência em afirmar também que a guarda do sábado foi abolida. É incoerente o argumento de muitos autores a respeito deste assunto, pois eles pegam o que lhes convêm no Velho Testamento (caso do dízimo) e lançam fora o que não lhes convêm (a guarda do sábado). Ora, como vamos aceitar um ensinamento e rejeitar outro, sendo que ambos estão unidos? Lembre-se: a adoração e o ato de dizimar estão ligados um ao outro.

      Muitos afirmam que o mandamento do sábado não foi repetido no Velho Testamento; mas uma ordem de dizimar também não o foi; assim como o dízimo, a guarda do sábado foi “confirmada” no novo testamento; não foram repetidos porque não havia necessidade, pois as pessoas da época seguiam muito bem estas instruções. (lembrando de que a guarda do sábado é mencionada no Novo Testamento).

      Se tivéssemos de abolir a guarda do sábado porque este mandamento não foi repetido de modo “direto” (foi repetido “indiretamente” através do exemplo de Jesus, Virgem Maria e dos apóstolos), também teríamos de abolir em todas as igrejas evangélicas o ato de dizimar.
      Vejamos uma pesquisa sobre o assunto, realizada por um estudioso das Escrituras:

      “Os adversários da verdade apresentam um quadro comparativo, ardilosamente engendrado e incompleto, em que procuram demonstrar que o quarto mandamento não consta no Novo Testamento. Será que não leem com atenção o Novo Testamento? Pois nele, tanto Cristo quanto os apóstolos nos são apresentados em várias ocasiões pregando ou adorando aos Sábados, como se esse procedimento fosse a coisa mais natural. Por que não fez constar no quadro Lucas 23:5, que se refere à guarda do sábado “conforme o mandamento”?

      “Para contraditar aquele gráfico omisso, apresentamos um quadro verdadeiro quanto à observância do Sábado no Novo Testamento:

      Reuniões no sábado mencionadas no Novo Testamento.

      Marcos 1:21
      Marcos 3:1
      Mateus 12:1
      Lucas 6:6
      Lucas 4:16 e 17.
      Lucas 4:31
      Lucas 23:56
      Atos 13:44 e 42-44
      Atos 16:12 e 13
      Atos 17:1 e 2
      Atos 18:1-4 e 11

      “Temos aí aproximadamente 90 reuniões religiosas no sábado, ‘conforme o mandamento’” .

      Deus quer passar um tempo de vinte e quatro horas com você no Sábado, além do tempo que dispõe na semana (que não é de vinte e quaro horas, devido ao trabalho e outras atividades), assim como o fez com Cristo enquanto Ele esteve aqui na Terra. (O próprio Jesus desfrutou da guarda do Sábado juntamente com Seus apóstolos, e em nenhum momento disse-lhes que o dia de guarda havia sido abolido ou mudado; muito pelo contrário, Ele confirmou a importância da lei – ver Mateus 5:17-19, João 14:15, 15:10, etc); não negue isso a Ele, se o ama de todo o coração.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



      • adriano em 20 de dezembro de 2012 1:20

        oi boa noite. o que eu não intendo é que sendo o dia de sabado tam importante para Deus pois ele descansou da criação, porque Adão, noé, abrão,…não quardaram o sabado que so depois de mais ou menos 3 mil anos depois com a lei de moises é que se passa a quarda. Ou sera que minha biblia estar errada em romanos 14.
        A lei e os profetas duraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele. (Lucas 16:16)
        Porque todos os profetas e a lei profetizaram até João. (Mateus 11:13)
        Porque a lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo. (João 1:17)
        eu sei da importancia do velho testamento mais a nova aliança foi feita por cristo permitindo salvação para todos nós.

        conferso que não sou teólogo, sou apenas estudante de psicologia e me interesso por certas divergência que existe no meio cristão, eu não quero mudar sua forma de pensamento respeito pois temos livre arbítrio para escoler.



        • Djalma Policarpo Junior em 20 de dezembro de 2012 21:57

          Irmãos, com respeito a Nova Aliança, pergunto a quem possa me explicar, quem contruiu a terra, o mar as fontes das águas, e o homem quem o fez, quem instituiu as lei dos mandamentos e com que propósito, quem ensinou que quem ama guarda os mandamentos do pai, quem foi que disse que aquele que diz que me conhece e ñ guarda os meus mandamentos, é mentiroso e a verdade ñ está nele, será que este é o mesmo que disse que muitos me dirão Senhor, Senhor ñ curamos e expulsamos demônios em teu nome, e abertamente vos direi apartaivos de mim vós que praticais a iniquidade, e iniquidade ñ é a transgreção da lei, mas que lei, quem disse e com que propósito disse em João 15:10 a respeito de como devemos fazer para permanecer no amor de DEUS e do filho, quem estava crucificado desde a fundação do mundo, terá sido Paulo o apóstolo, e o Apóstolo João seria ele um lunático apaixonado, que escreveu misteriosamente as Revelações, que só no céu vamos ter esse mistério revelado, será DEUS um senhor idoso que faz coisas erradas ou antiquadas e que o seu filho JESUS veio pra concertar o que estava errado? Graças e pela Graça, sabemos quem é o nosso DEUS e o que ELE quer de nós, e que devemos estudar a bíblia com espirito de oração um pouco aqui e um pouco alí, e devemos sim guardar todos os mandamentos de DEUS para permanecermos no seu amor, assim como JESUS guardou e permaneceu no amor do pai, CRISTO ñ nos isentou de guardarmos os mandamentos, ELE nos mostrou a maneira correta de guarda-los, então se vc acha que guardando 9 mandamentos vc agrada a DEUS, devo lhe dizer amado que quem tropeça em um desses mandamentos se torna culpado de todos, mas a esperança é verdadeirmente CRISTO JESUS, por que se vc cair tens um salvador que te levanta, basta vc reconhecer que caiu se arrepender e pedir perdão, e ELE estará pronto para recebe-lo, desejo que todos continuem buscando o Reino dos Céus e nunca esqueçam, o caminho é longo, duro com espinhos, CRISTO caminha conosco. Tenham todos uma boa virada de ano e Mranatha.



          • J.Washington em 8 de fevereiro de 2013 11:16

            Djalma, obrigado pela participação. Você terminou seu texto muito bem. Parabéns!

            Sobre a Nova Aliança:

            “Por conseguinte, a lei é santa; e o mandamento, santo, e justo, e bom”. (Romanos 7:12) – Veja que é Paulo quem está falando isto.

            O fato de estarmos na Nova Aliança não termina com o mandamento de Deus. Veja:

            “Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR: Na mente, lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas inscreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo”. (Jeremias 31:33 RA).

            “Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor: na sua mente imprimirei as minhas leis, também sobre o seu coração as inscreverei; e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo”. (Hebreus 8:10 RA).

            Percebeu? No Novo Concerto não guardamos a lei “na letra”, mas no espírito, ou seja, no de coração. Na Nova Aliança a lei será escrita por Deus em nossa mente e coração para obedecermos automaticamente, através da comunhão com Deus.

            Seja feliz!
            Equipe Bíblia Fácil



        • Neil em 22 de dezembro de 2012 1:13

          Adão guardou desde o primeiro Sábado deste mundo;
          Adão ensinou assim a todos os seus filhos (viu 10 gerações e viveu 56 anos com noé);
          Abrão também guardou (Gn. 26:5).
          O Povo de Israel guardou.
          Jesus guardou.
          Os apóstolos guardaram.
          A igreja adventista guarda.



          • marlise teixeira em 22 de dezembro de 2012 17:13

            estudo segunda temporada biblia fácil,novo tempo so tem me dado bençaos minha casa.sábado é do senhor ,assistir biblia fácil e estudar biblia aos sábados ´´e para mim e meu marido uma grande bençao.depois tem 12 horas arena futuro com pastor gonçalves ,este é nosso pastor aos sábados este é culto familiar minha casa.tudo que aprendo falo para as pessoas.tenho recebidpo muitas bençaos.achei igreja adventista cidade novo cabrais.estou feliz.amém.feliz natal com jesus irmaos.



        • Rubem Barros em 27 de janeiro de 2013 17:03

          Amigo Adriano,
          Li seus comentários e indagações postadas em 20/12/12 e gostaria de lhe indicar um material que encontra-se no: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/licoes/adultos/2012/li612012.html
          Um material do 1º Trimestre/2012, que tem como título “DEUS, O LEGISLADOR”, onde podemos perceber que a Lei de Deus sempre existiu, antes do Sinai, e que o sábado também era conhido e guardado antes da promulgação da Lei.



          • J.Washington em 28 de janeiro de 2013 13:11

            Rubem, eis uma contribuição que pode enriquecer seu conhecimento.

            Seja feliz!
            Equipe Escola Bíblica



      • Cássia Castro em 20 de dezembro de 2012 17:25

        Para aqueles que acham que a Lei Moral (os Dez Mandamentos) só passou a existir após o Sinai coloco exemplos abaixo exemplificando que ela já existia desde o Éden e era transmitida oralmente de pai para filho através do ensino familiar (Êxodo 13:9).

        A verdade é que o livro de Gênesis dá um testemunho incrível da existência da lei de Deus muito antes do Sinai.”

        “Gênesis 1 e 2 descreve a criação perfeita de Deus. Gênesis 3 relata a queda de Adão e Eva. Em Gênesis 4 temos o primeiro assassinato. Como Caim saberia que era culpado pelo assassinato de seu irmão se não houvesse a lei para definir o assassinato como pecado?”

        “Muito antes do Sinai, Deus condenou especificamente o assassinato, na aliança que estabeleceu com Noé após o dilúvio [‘Se alguém derramar o sangue do homem, pelo homem se derramará o seu; porque Deus fez o homem segundo a sua imagem.’ Gên. 9:6].”

        “Em Jó, o mais antigo livro da Bíblia, encontramos Deus elogiando por duas vezes a justiça de Jó. O que Ele declarou acerca do caráter de Jó? [‘Perguntou ainda o SENHOR a Satanás: Observaste o meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal.’ Jó 1:8]. Obviamente, estava em vigor um padrão do que era certo e errado. Jó viveu muito antes do Êxodo, e ele nem mesmo era da linhagem da aliança.”

        “3. O que Jó incluiu em seu padrão acerca do que é certo e errado?” “De madrugada se levanta o homicida, mata ao pobre e ao necessitado, e de noite se torna ladrão. Aguardam o crepúsculo os olhos do adúltero; este diz consigo: Ninguém me reconhecerá; e cobre o rosto.” (Jó 24:14-15). “Os mandamentos que proíbem matar, furtar, adulterar, etc.”

        “Quando Abraão mentiu a Abimeleque acerca de Sara, foi repreendido por sua falsidade. E embora Abimeleque fosse o rei de Gerar, e não de linhagem israelita, Deus o manteve no mesmo padrão de pureza matrimonial encontrado no Decálogo e exigiu que Sara fosse devolvida a Abraão [‘Então, chamou Abimeleque a Abraão e lhe disse: Que é isso que nos fizeste? Em que pequei eu contra ti, para trazeres tamanho pecado sobre mim e sobre o meu reino? Tu me fizeste o que não se deve fazer.’ Gên. 20:9].”

        “4. Que testemunho especial Deus deu a Isaque sobre Abraão, seu pai?” “Multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus e lhe darei todas estas terras. Na tua descendência serão abençoadas todas as nações da terra; PORQUE ABRAÃO OBEDECEU AS MINHAS PALAVRAS E GUARDOU OS MEUS MANDAMENTOS, OS MEUS PRECEITOS, OS MEUS ESTATUTOS E AS MINHAS LEIS.” (Gên. 26:4-5). “Abraão obedeceu a Palavra do Senhor e guardou Seus preceitos, mandamentos, decretos e leis.”

        “O que é fascinante em Gênesis 26:5 é que o hebraico usa quatro palavras diferentes, mshmrt, mzvot, huqot e torot (de Torá, ‘a lei’) para descrever as leis que Abraão obedeceu. Certamente os Dez Mandamentos estavam incluídos nessas palavras.”

        “Por ordem divina, Jacó retornou a Betel para construir um altar ao Senhor. O patriarca sentiu necessidade de reavivamento em sua casa. O que ele pediu que sua família fizesse?” “Então, disse Jacó à sua família e a todos os que com ele estavam: Lançai fora os deuses estranhos que há no vosso meio, purificai-vos e mudai as vossas vestes; levantemo-nos e subamos a Betel. Farei ali um altar ao Deus que me respondeu no dia da minha angústia e me acompanhou no caminho por onde andei.” (Gên. 35:2-3).

        Em Êxodo 16:4 a 29 Deus prova a Israel, no deserto, a observância do Sábado:

        “Então disse o Senhor a Moisés: Eis que vos farei chover pão dos céus, e o povo sairá, e colherá cada dia a porção para cada dia, para que Eu veja se anda em Minha lei ou não… E aconteceu que ao sexto dia colheram pão em dobro, dois ômeres para cada um; e os príncipes da congregação vieram a Moisés. Respondeu-lhes ele: Isto é o que disse o Senhor: Amanhã é repouso, o santo Sábado do Senhor… Porquanto o Sábado é do Senhor, hoje não achareis no campo. Seis dias colherás, mas o sétimo dia é o Sábado; nele não haverá. Ao sétimo dia saíram alguns do povo para colher, porém, não acharam. Então disse o Senhor a Moisés: Até quando recusareis guardar os Meus Mandamentos e as Minhas Leis? Considerai que o Senhor vos deu o Sábado; por isso Ele, no sexto dia vos dá pão para dois dias; cada um fique onde está, ninguém saia do seu lugar no sétimo dia…”

        Este incidente ocorreu no deserto de Sim, antes dos filhos de Israel haverem chegado ao Sinai, onde foi entregue a Lei. Tanto o Sábado como a Lei existem desde a Criação.

        Claramente, a ideia de que não havia nenhuma lei antes do Sinai não tem sentido, à luz das muitas coisas que a Bíblia ensina sobre a vida antes do Sinai.



  • adriano em 19 de dezembro de 2012 13:20

    bom dia eu vir o programa do dia 18 sobre o sabado e achei interesante.
    mais conferso que não concordo com seu ponto de vista, mais reipeito pois romanos 14:1-5 fala muito sobre esta questão.

    Falou mais o SENHOR a Moisés, dizendo: Tu, pois, fala aos filhos de Israel, dizendo: Certamente guardareis meus sábados; porquanto isso é um sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o SENHOR, que vos santifica. Portanto guardareis o sábado, porque santo é para vós; aquele que o profanar certamente morrerá; porque qualquer que nele fizer alguma obra, aquela alma será eliminada do meio do seu povo. Seis dias se trabalhará, porém o sétimo dia é o sábado do descanso, santo ao SENHOR; qualquer que no dia do sábado fizer algum trabalho, certamente morrerá. Guardarão, pois, o sábado os filhos de Israel, celebrando-o nas suas gerações por aliança perpétua. Entre mim e os filhos de Israel será um sinal para sempre; porque em seis dias fez o SENHOR os céus e a terra, e ao sétimo dia descansou, e restaurou-se. (Êxodo 31:12-17)

    Deus menciona a morte para todo aquele que profanar o Sábado e isto faz parte da ordem de Deus para o pleno cumprimento da lei do Sábado. Será que os Adventistas estão dispostos a “exterminam do meio do povo” quem profana o Sábado para o pleno cumprimento da Lei? Ver Gálatas 3:10)



    • J.Washington em 12 de fevereiro de 2013 17:12

      Adriano, agradecemos sua colaboração. Deus é equilibrado e os seus filhos devem fazer o mesmo. Quanto ao assunto do sábado, existe um grande conflito e que hoje está muito acentuado. Esse conflito consiste em conhecer a verdadeira vontade de Deus. Daí a importância de saber se cumprir todos os mandamentos é realmente necessário, ou se só acreditar no sacrifício de Jesus é suficiente. Esse conflito nasce com a incapacidade do homem de chegar a Deus pelo próprio intelecto. A Teologia é importante, a Filosofia dá referências, a Ciência, em amplo sentido, pode também contribuir para a compreensão de muitas questões incertas nas Escrituras. Porém, é importante nos achegarmos a Deus com o coração aberto, humilde e disposto a aceitar a verdade, mesmo que ela contrarie nossas tendências e conveniências.

      Acho que o exemplo de Abraão é suficiente para elucidar e afastar a aparente oposição estabelecida entre a lei e a graça. Abraão, muito antes de ser pai, acreditou em Deus e em Sua promessa de que seria pai de muitas nações. Esta fé lhe foi imputada por justiça, ou seja, Abraão foi justificado pela fé. As obras não salvam. Isso é correto. Mas será pelas más obras que os ímpios serão condenados. Você pode procurar e irá encontrar inúmeras advertências relacionando as más obras (ou descumprimento das leis) ao juízo. Juízo, você sabe, é a execução de uma sentença, a condenação, a morte eterna. Os santos não entrarão em juízo, por isso os termos: salvos, salvação, remidos. Salvação de quê? Do juízo, é claro. Da morte eterna, evidentemente, e do pecado.

      Voltando a Abraão, notamos que Deus lhe prometera uma descendência como o número das estrelas, mas quando lhe dá um filho, Isaque, o pede em sacrifício. Foi uma ordem direta e clara (como dizem os militares) a Abraão. Abraão já havia cumprido tal ordem em seu coração, pois se dispôs a executá-la. Abraão sacrificaria Isaque se fosse realmente esta a vontade de Deus. Ele sabia que o Criador honraria Sua promessa, qualquer que fosse a circunstância. Abraão cumpriu a lei em seu coração, pois intentou sacrificar seu filho ao Senhor. Isto é OBRA, OBEDIÊNCIA! A fé sem obras é morta (Tg 2:26). Todo crente diz e repete isso o tempo todo, principalmente quando fala em caridade, esmolas, visitas a doentes e presos, etc. Mentalmente, muitos se indispõem em estender o conceito de obras ao cumprimento da lei, dos mandamentos, embora este seja o completo sentido da palavra “obras”. Caridade, auxílio, visitas, não matar, não adulterar, guardar o Sábado, não se curvar a outros ídolos, etc.
      Grifei o “guardar o Sábado” porque as outras questões, a meu ver, estão de certa forma pacificadas.

      O Sábado é a grande questão. Existem outras, eu sei. A questão dos alimentos puros e impuros é uma delas. Mas a disposição para reconhecer a vigência de um mandamento é a mesma para reconhecer a vigência do outro, e o inverso também é verdadeiro. A quem muito for dado, muito será cobrado (Lc 12:47, 48). Imagino que depois de Satanás e seus anjos, os que mais sentirão o peso da glória de Deus em confronto com a própria pecaminosidade serão os TEÓLOGOS que não cumprem a lei (não a civil dos judeus, nem o cerimonialismo). Ai do Teólogo que estuda a Palavra de Deus para satisfazer sua própria vaidade, diz conhecer as Escrituras e delas tira conclusões que não revelam a verdadeira vontade de Deus. Dessa maneira eles (teólogos anti-lei) se tornam verdadeiras pedras de tropeço, cuja repulsa Jesus deixou bem clara no evangelho (Mt 7:21-23).

      A verdade que envolve a lei e a graça é muito simples. Mas Deus só a revela ao coração que se dispõe a recebê-la. Ele a oculta dos sábios e entendidos, porque estes, em sua maioria, são soberbos, e Deus resiste aos soberbos! (Tg 4:6; 1 Pe 5:5). Jesus já acenava para tal questão em Seu ministério, pois sabia que Satanás, pai da mentira (Jo 8:44 – nela incluída a meia-verdade), iria utilizar o próprio processo de salvação para enganar o homem mais uma vez e arrastá-lo para longe do Senhor. Afirmou Jesus que a árvore que não der frutos será cortada e lançada ao fogo (Mt 7:19, 20). Paulo afirma que os frutos da carne são (não taxativo): prostituição (não adulterarás, etc), homicídios (não matarás), idolatria (não terás outros deuses diante de mim), “e coisas semelhantes a estas” (Gl 5:21).

      Seria coincidência o fato de a maioria dos frutos da carne mencionados por Paulo consistirem no descumprimento dos 10 mandamentos?

      Jesus diz que não é possível uma árvore dar frutos bons e ruins. Diz também que uma árvore boa não dá frutos maus, nem a árvore má, frutos bons (Mt 7:17, 18). Jesus cumpriu efetivamente todas as leis (até as civis). Mas Seu êxito não se deve à Sua natureza divina, no fato de, mesmo sendo homem, foi ungido pelo Espírito Santo, porque orava constantemente, porque jejuava, porque estava em comunhão com o Pai, ininterruptamente.

      Isso prova que a nós também é possível observar os mandamentos pela graça de Deus, é claro (Fp 2:13). Sozinhos não conseguimos nem amar a nós mesmos. Claro que pecaremos (pois a natureza pecaminosa continua dentro de nós e precisa ser morta todos os dias), mas não porque os mandamentos são pesados (1 Jo 5:3) ou impossíveis de se observar quando estamos totalmente ligados a Deus. Quem diz isso é Lúcifer, o tempo todo, desde antes da fundação do mundo. Ele é quem acusa as leis de Deus de irrazoáveis; é ele quem acusa Deus de tirano. É comum ouvir do crente a repetição de alguns textos bíblicos como: “Nada é impossível ao que crê”. “Tudo posso naquele que me fortalece”. Mas, em sinceridade, você já ouviu algum crente dizer isso sob a perspectiva de cumprir a lei, os mandamentos?

      Para nos socorrer em nossas ânsias materiais e seculares, em nossos medos e apuros, clamamos a Deus e sem o menor constrangimento cobramos-Lhe o cumprimento de Suas promessas. Mas para nos ajudar a cumprir a lei, já ouviu alguém dizer a Deus: “Ó Senhor, tu disseste que ao que crê tudo é possível, e eu creio, e eu quero que o Senhor me ajude a cumprir a lei”? Se pecamos, não é porque não podemos cumprir a Lei com a ajuda de Jesus, pois podemos sim (o Espírito de Deus efetua em nós “tanto o querer quanto o realizar” – Filipenses 2:13). Desobedecemos porque somos naturalmente maus, inclinados às coisas deste mundo. Veja o que está escrito em 1 Coríntios 10:13: “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.” O problema não está na Lei de Deus, mas em nós!

      Vejo a graça como esta oportunidade a mais que o Senhor nos dá, a cada momento, de interrompermos a conduta pecaminosa e agirmos segundo Sua vontade. Assim, é claro que todos pecamos, mas não vivemos no pecado. Há uma diferença substancial aí. Lutamos contra o pecado. Isso é a busca pela santificação, sem a qual ninguém verá a Deus (Hb 12:14). Tudo é bem simples. As obras não salvam: são consequência natural da fé (ver Efésios 2:8-10). Guardar o Sábado não é legalismo, é reconhecer que Deus o santificou ainda antes da entrada do pecado (Gn 2:1-3). É reconhecer que nosso Criador e Pai sabia de antemão das nossas necessidades de descansar fisicamente, mediante a abstenção de quaisquer obras, e espiritualmente, entrando em Seu descanso quando dedicamos um período que ELE DETERMINOU – a Ele e à comunhão contínua com Ele (Êx 20:8-11).

      Jesus afirmou categoricamente que não veio revogar a lei, e sim cumpri-la (Mt 5:17-19). Quem afirma que Jesus revogou a lei advoga a tese acariciada por muitos de que Jesus foi cínico, populista e político naquele momento. Ora, Jesus jamais utilizou meias-palavras. Jesus não revogou o Sábado. Muitas, inúmeras obras foram realizadas por Jesus em pleno Sábado, e muitos se apegam a isto para dizer que Jesus revogou a observância do sétimo dia. Ora, que eu saiba, Jesus não era um assalariado nem um empresário. Só vivia para cumprir o Seu ministério. Jesus não estava trabalhando no Sábado, estava sinalizando, dizendo ao homem, EU SOU O CORDEIRO DE DEUS, Eu sou o “EU SOU” do antigo Testamento (Jo 8:58, 59; compare com Êx 3:14), o DEUS ETERNO, e estava no templo todos os sábados. É preciso entender que a natureza da obra que Jesus realizava aos sábados não é a mesma natureza das obras terminantemente proibidas pelo Senhor de serem realizadas no dia santo.

      O Senhor sabe que temos nossos afazeres, nossas ansiedades, e Ele quer que lancemos sobre ele toda a nossa fadiga, carnal e espiritual, e que descansemos nossa mente e coração num dia reservado só pra Ele, no momento em que ELE DETERMINOU, não nós: NO SÁBADO (Mc 2:27, 28). Existem muitas conjeturas e muitos argumentos sedutores para desabonar a guarda do Sábado. Você com certeza os encontrará. Mas nenhum deles, você vai sentir, irá destruir o discernimento dado pelo Espírito de Deus. Disse Jesus que até do Sábado o Filho do homem é Senhor (Mt 12:8). Ele não diria isso se o Sábado tivesse de perder a santificação dada por Deus, afinal, para quê ser Senhor de algo sem importância?

      Veio-me agora uma coisa à mente: os mandamentos de Deus foram escritos por Suas próprias mãos (Êx 31:18). Eles são o que Mauro Fernando Meister chama de “Leis Morais”… Hoje ninguém discute a vigência dos mandamentos: não matar, não adulterar, não roubar, não cobiçar, honrar pai e mãe, não dirás falso testemunho… Porque estes mandamentos regulam a vida entre os homens. Mas note: os mandamentos que regulam a relação dos homens com Deus estão a cada dia mais fragilizados sob a rubrica do legalismo:

      Não terás outros deuses diante de mim: Hoje um programa de televisão, um jogo de futebol, a profissão, o automóvel, o status social (principalmente o intra-igreja), entre outros tantos, podem muito bem se constituir em deuses que se interponham entre nós e o Senhor. Mas é tudo muito “discutível”. A transigência com este preceito precede o descumprimento do mandamento seguinte.

      Não farás para ti imagem de escultura… e não te encurvarás a elas nem as servirás…:
      A transgressão deste mandamento não é prerrogativa dos católicos e dos umbandistas. Muitos ídolos e imagens, se não levantados por nós, nos são apresentados diariamente: a perversão sexual, luxúria, glutonarias, etc. Essas coisas estão aí, e nos curvamos a elas quando não as resistimos. Mas isto também é muito “discutível”.
      Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão: Muitos querem mostrar ao mundo que pertencem a um “grupo de elite”: “os salvos”, e fazem questão de usar camisetas e adesivos com slogan do tipo: PROPRIEDADE EXCLUSIVA DE JESUS. E a vida desses crentes, em muitos casos, não encontra correspondência em seus dizeres. Isto não é usar o nome do Senhor em vão? É “discutível” também?

      Lembra-te do dia do Sábado, para o santificar: Não há um único verso em toda a Bíblia que ordene a guarda do domingo, mas muitos teólogos insistem em tirar conclusões a partir de textos que não autorizam esse método de interpretação.

      Por fim, deixo-lhe um verso para meditação – Tiago 2:14-26. “Verificais que uma pessoa é justificada por obras e não por fé somente” (Tg 2:24). Não era minha intenção ser tão longo, mas senti o Espírito Santo me ordenar estas palavras.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Jurema Cirne Franco em 19 de dezembro de 2012 7:38

    Prezado Pastor Arilton, sua palavra nesse programa Bíblia Fácil sobre o Sábado do Senhor veio de encontro com uma dúvida minha, se eu poderia fazer pós graduação presencial aos sábados. Estou na Igreja Central Adventista de Niterói a dois anos e já sou batizada nela, embora já fosse batizada em outra denominação e Satanás já estava me convencendo que não teria nenhum problema de eu estudar no Sábado e o danado ainda me mostrou uma passagem na Bíblia que ia de encontro com o pensamento que ele me colocou que ” Deus sa be os dias dos retos…” e já estava eu indo nesse caminho, mas o seu último programa, que, aliás eu vi todas as repetições, que Deus me levou a ver, me mostrou que não devo estudar no Sábado, como o senhor disse em bom tom. Sou servidora pública e uma pós me trará benefício financeiro, mas não me adapto aos estudo a distância, mas vendo o seu programa decidi confiar em Deus que é capaz de me suprir todas as necessidades se eu obedecê-LO e amá-LO e adorá-LO em seu Dia Santo. Deus o abençoe e continue dizendo as verdades que o povo de Deus precisa saber. Muito obrigada por essa luz.



    • J.Washington em 6 de fevereiro de 2013 19:23

      Jurema, o Espírito Santo está falando, apelando ao seu coração. Deus não desiste de você. Ele te chama para ser uma servidora em Sua obra. A leitura da Bíblia, a comunhão com Deus, o hábito de oração e colocar o seu Criador em primeiro lugar, vão fortalecer sua fé. Deus seja louvado por sua decisão e testemunho.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Isabela Almeida em 18 de dezembro de 2012 20:26

    Comecei a vê esse programa e simplismente me apaixonei, me pego as tardes e as noites lendo a Biblía, é facinante a forma que vocês passam a palavra, com seriedade e clareza.Estou muito feliz, porém vejo como também não é fácil para quem segue outras religiões a contradição em alguns pontos e a guerra das mesmas querendo provar o que não pode ser mudado, a palavra é apenas uma, não existe para cada religião uma palavra da Biblía diferente. Aproveito esse momento e questiono o seguinte ou melhor pergunto, qual o nome correto ao dirigir-se a DEUS? Tenho essa dúvida até porque Deus não seria um nome, então para determinada religião seria Jeová. Por favor me tirem essa dúvida, quero me corrigir quando direcionar-me ao nosso Senhor.
    Agredeço por tudo, um abraço!



    • J.Washington em 19 de dezembro de 2012 12:16

      Isabel, agradecemos suas palavras de reconhecimento. Deus se apresenta em tempos diferentes com nomes variados. Ao você se dirigir a Deus, pode trata-Lo com o respeito de um Pai, o carinho de uma mãe e a abertura ao falar com seu Melhor amigo. Quanto ao nome Jeová:

      O hebraico era escrito somente com consoantes, pois não havia vogais. O nome que as Testemunhas de Jeová atribuem a Deus (Jeová) surgiu da união deste tetragrama com as vogais da palavra Adonai (Senhor). “Os judeus consideravam o título JHVH tão sagrado que não o pronunciavam mesmo quando liam as Escrituras… Ao invés disso, liam Adonai… Consequentemente a verdadeira pronuncia de JHVH, que hoje se ensina como sendo Jeová, se perdeu” .

      Isso quer dizer que não temos como saber qual é a pronúncia certa do tetragrama, mesmo que Jeová significa “Eterno”. É impossível pronunciar um nome hebraico que não possuía vogais. As Testemunhas de Jeová não têm como provar que Jeová é o nome de Deus e, além disso, Deus possui vários nomes que designam o caráter dEle, entre eles Elohim ¸o primeiro nome Divino a aparecer na Bíblia! (Gênesis 1.1 – “No princípio criou Deus-Elohim)…”). Finalizamos com as palavras do Pastor Jobson Santos: “… a preocupação de Deus não é com a adoração do seu “nome” em qualquer língua humana (seja hebraico, grego, inglês ou português), mas sim com dar glória a Ele próprio, com uma adoração profunda e verdadeira à Sua pessoa”.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • marcio de paula silva em 18 de dezembro de 2012 17:34

    Olá pastor,sobre essa questão de se eu morar longe da igreja e no sábado eu pegar um onibus de linha,eu concordo com o que o senhor disse,mais tem alguns aqui que estão refutando a sua resposta dizendo que com isso eu estaria sendo co-autor pois eu estaria alimentando o sistema pois estaria pagando pela viagem,que argumento eu poderia utilizar no dialogo com essas pessoas?



    • J.Washington em 4 de fevereiro de 2013 17:15

      Marcio, não é das tarefas mais fáceis dar um posicionamento sobre este assunto, devido às diferentes formações de nossas concepções morais individuais. Para alguns seria correto, pois arrazoam: “é melhor viajar ou pagar passagens aos sábados do que deixar de ir à Igreja, privando-se assim das bênçãos da adoração sabática”. Outros pensam de maneira diferente: “não devemos profanar o sábado do Senhor fazendo com que outros trabalhem para nós ou pagando passagens aos sábados. O ideal é que cada irmão arrume uma carona ou providencie outros meios para que possa ir à igreja aos sábados (o que nem sempre é possível…)”. Como vemos, as opiniões são divergentes e cada posição tem suas razões. Entretanto, é possível que individualmente cheguemos a uma opinião equilibrada, levando-se em conta que não devemos ferir a consciência moral dos irmãos.

      Deve-se ressaltar que hoje vivemos em um contexto social bem diferente: devido ao enorme crescimento populacional e urbano é inviável construir uma igreja Adventista em cada bairro ou rua do país de modo que não se precise pegar um ônibus no dia de Sábado. Certo é que a Bíblia ensina que não se deve comprar o vender no dia de Sábado (Ne 10:31 e 13:15-22), indicando que a realização de qualquer tipo de comércio no santo dia do Senhor é ilícita. Acredito que as instruções dadas pela irmã White em relação ao assunto são totalmente equilibradas e deveriam ser seguidas:

      “Se desejamos a bênção prometida aos obedientes, devemos observar mais estritamente o sábado. Temo que muitas vezes empreendamos nesse dia viagens que bem poderiam ser evitadas. De conformidade com a luz que o Senhor nos tem concedido em relação com a observância do sábado, devemos ser mais escrupulosos quanto a viagens nesse dia, por terra ou mar. A esse respeito devemos dar às crianças e jovens bom exemplo. Para ir à igreja, que requer a nossa cooperação ou à qual devemos transmitir a mensagem que Deus lhe destina, pode tornar-se necessário viajar no sábado, mas sempre que possível devemos, no dia anterior, comprar a passagem e tomar todas as disposições necessárias. Quando empreendermos viagem, devemos esforçar-nos o mais possível por evitar que o dia da chegada ao destino coincida com o sábado.

      “Quando obrigados a viajar no sábado, cumpre evitarmos a companhia dos que procuram atrair-nos a atenção para as coisas seculares. Devemos ter a mente concentrada em Deus e com Ele entreter comunhão. Sempre que se nos ofereça a oportunidade, falemos com outros acerca da verdade. Cumpre-nos em todo tempo estar dispostos a aliviar sofrimentos e ajudar os que sofrem necessidades. Nesses casos Deus requer de nós que façamos uso legítimo do conhecimento e sabedoria que nos deu. Não devemos, entretanto, falar acerca de negócios nem iniciar qualquer conversação mundana. Em todo tempo e em qualquer lugar Deus quer que Lhe testemunhemos nossa fidelidade, honrando Seu Sábado” .

      É bom que cada um de nós avalie por si mesmo a questão tendo nossa consciência direcionada e santificada pelo Espírito Santo, levando-se em consideração as orientações, baseadas na Palavra de Deus, dadas pela Sra. White. Com o passar dos anos, guardar o sábado em nossa sociedade tornar-se-á ainda mais difícil, principalmente por ocasião do decreto dominical que obrigará a todos a santificarem o domingo (essa profecia pode ser estuda em Apocalipse 13 à luz da história); entretanto, precisamos ser fieis a Deus até o fim, como o foram Sadraque, Mesaque e Abede-Nego quando lançados na fornalha acesa por terem decidido adorar unicamente a Deus (veja Daniel 3). Preferiam a morte a negar a fé no Eterno. Do mesmo modo que eles puderam desfrutar da presença de Deus em meio às dificuldades, podemos hoje usufruir o cuidado divino de acordo com a promessa de Jesus de que Ele “estaria conosco todos os dias, até a consumação dos séculos” (leia Mt 28:20).

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • mateus em 18 de dezembro de 2012 16:08

    Gostaria de dizer aqui que gosto muito do seu programa, e que pra mim a TV Novo Tempo é a melhor TV brasileira, deixo o dia todo ligado no meu trabalho.
    Mas nesta questão do sábado não há o que concordar ou discordar, é uma questão de como a pessoa crer. De acordo com o Capítulo 14 de Romanos, aquele que faz diferença entre dia e dia o faz para o SENHOR, e aquele que não faz diferença também o faz para o SENHOR. Mas devemos estar firme naquilo que cremos. Pois se cremos em algo mas não o seguimos cometemos pecado.
    Abraços, que DEUS continue a o abençoar muito.



    • J.Washington em 18 de dezembro de 2012 17:06

      Mateus, agradecemos sua preferênia pela TV Novo Tempo. Quanto mais tempo a TV ligada na Novo Tempo, mais vida e esperança na sua vida.
      Quanto ao 4º mandamento, o sábado:

      Nossa salvação é única e exclusivamente pela graça de Jesus. “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus” (Ef 2:8 RA). Deus salvará as pessoas que realmente crerem que Jesus é o Messias, o filho de Deus enviado a este mundo para salvar o pecador. “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa” (At 16:31 RA). A questão da santificação do sétimo dia tem a ver com a nossa adoração a Deus. Quando guardamos o sábado estamos reafirmando que cremos que um dia fomos criados por um Deus amoroso e que não estamos neste mundo pelo acaso. Pode-se dizer que o sábado é um “memorial do poder criador de Deus e de Sua criação”.

      Assim, podemos concluir que devemos guardar o 7º Dia não para sermos salvos, mas sim por que já estamos (Ef 2:10). O fazemos porque adoramos a Deus e porque um dia Ele nos libertou do pecado, pois pecado é exatamente a transgressão da lei (1 Jo 3:4). Agora, se rejeitarmos os mandamento de Deus estaremos mostrando que a graça de Cristo não operou em nosso coração. Se não permitirmos que o Espírito Santo habite em nosso ser, não seremos transformados em novas criaturas, como diz o verso: “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” (2 Co 5:17 RA).

      Que possamos aceitar a Deus como nosso salvador a cada dia, e seguindo sempre o conselho bíblico. Essa é uma prova de amor que podemos dar ao mesmo Cristo que disse: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos” (Jo 14:15).

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • francisco em 18 de dezembro de 2012 16:04

    Sobre o Sábado: Se uma pessoa é adventista e trabalha em um cartorio por exemplo, ele guarda o sabado normal, mas e o domingo ele vai trabalhar no cartorio sendo que o cartorio so abre de segunda a sexta….e ai como fica essa situação essa pessoa folga no sabado e no domingo……ou seja essa pessoa se benefanto os ouicia dessa situação com 2 dias de folga enquanto as demais so folgam no domingo….eai….



    • J.Washington em 4 de fevereiro de 2013 17:33

      Francisco, o tempo de serviço é determinado pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Se sua profissão não exige que trabalhe aos domingos, aproveite para desenvolver uma atividade com a família, dedique-se aos estudos, etc. A Bíblia fala que temos 6 dias para realização de tarefas do nosso interesse e um dia, o sábado, para dedicação exclusiva ao nosso Criador.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Rayani Wagmacker em 18 de dezembro de 2012 14:28

    O programa do dia 15/12/2012 foi especialmente lindo. Parabéns! Sempre há o que aprender a respeito do sábado! Me emocionei muito!



    • J.Washington em 18 de dezembro de 2012 17:14

      Rayani, estamos felizes por ter gostado do nosso programa. O assunto do sábado é divino e vem do coração de Deus.
      Sua emoção é tamb´rm motivação para continuarmos semeando esperança.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Maria José Pacheco de Almeida em 18 de dezembro de 2012 1:23

    Gostaria de cumprimenta o Pr. Arilton, por sua facilidade de comunicação com a bíblia eu acho simplismente belo esse conhecimento , que o Senhor tem com a palavra de Deus.Gostaria de um dia poder ouvir o Senhor dar um ensino bíblico, e eu estar presente para ouvir. Gosto muito desse programa , sempre vejo pela internet. Que Deus o abençoe cada vez mais.Atenciosamente Maria Jose.



    • J.Washington em 18 de dezembro de 2012 12:48

      Maria, muito obrigado pelas palavras de reconhecimento.Todos são convidados a conhecer e ensinar a Palavra de Deus. Você pode pedir, através, do blog do programa o nosso guia de estudos. Acesse o link abaixo:

      http://migre.me/cqZvf

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Jeane em 17 de dezembro de 2012 18:15

    Amo assistir esse programa, e ver as pessoas descubrindo as verdades bíblicas.
    Muuuuuuuuuuito bom!
    Deus seja louvado!



    • J.Washington em 18 de dezembro de 2012 13:16

      Jeane, agradecemos seu carinho para com o programa Bíblia Fácil.
      Muuuuuuuuuto legal!
      Deus seja louvado!

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • valdene viana em 17 de dezembro de 2012 18:15

    que maravilha de esclerecimneto sobre o sabado o ESPIRITO SANTO capacita este homem para falar essas verdades ao coração de todos,abençoado aquele que ouve a palavra de Deus com humildade e a coloca em prática,que Deus continue abençoando a novo tempo e o pragrama bíblia fácil para que eles possam esta passando através do Espirito Santo de Deus a todos os que necessitam saber e até aos que já sabem para se firmarem e se renovar na presença do Senhor Deus!amém



    • J.Washington em 18 de dezembro de 2012 13:28

      Valdene, as verdades sobre o sábado e o Espírito Santo estão contidas na Bíblia à disposição de todos.
      Obrigado pelas palavras de esperança.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



  • Julia Beatriz da Rocha em 17 de dezembro de 2012 13:38

    Paz e Graça a todos do Bíblia Fácil!

    Fui Testemunha de Jeová por 13 anos, depois me batizei na Assembleia de Deus, mas estou há um bom tempo afastada. Confesso que vivo um momento de grande confusão espiritual, gosto muito de assistir a programação da TV Novo Tempo, contudo fico insegura de me aproximar da Igreja Adventista, devido a questões tais como, Ellen White, igreja verdadeira e outras. Com relação ao sábado apesar de haver muitas polêmicas nesse assunto, estou QUASE me convencendo que de fato temos de guardá-lo, mas para mim ainda é muito confuso, pois temo cair no mesmo engodo das Testemunhas de Jeová! Enfim, quero parabenizá-los pelo excelente programa e peço que orem por mim e minha família, pois sou jovem e quero saber as verdades de Deus para poder servi-lo plenamente.

    Um abraço a todos,

    Julia



    • J.Washington em 18 de dezembro de 2012 13:37

      Julia, você fez a escolha certa. Estudar a Bíblia é o melhor que podemos fazer nesses últimos dias.
      Quanto a escritora Ellen White, não há o que temer. O sábado é o sinal de Deus, veja Ezequiel 20:12 e 20.

      A Sra.. White jamais teve a pretensão de ser comparada a Deus ou a Jesus. Sua postura de humildade diante das revelações que recebeu pode ser comprovada em várias de suas citações:

      “Recomendo-vos, caros leitores, a Palavra de Deus como regra de vossa fé e prática. Por essa Palavra seremos julgados. Nela Deus prometeu dar visões nos “últimos dias”; não para uma nova regra de fé, mas para conforto do Seu povo e para corrigir os que se desviam da verdade bíblica. Assim tratou Deus com Pedro, quando estava para enviá-lo a pregar aos gentios.” (A Sketch of the Christian Experience and Views of Ellen G. White, pág. 64 – Reimpresso em Primeiros Escritos, p. 78; grifos meus)

      “Os testemunhos escritos não são concedidos a fim de prover nova luz, mas para imprimir vividamente sobre o coração as verdades da inspiração já anteriormente reveladas.” (Testimonies, vol. 5, p. 665. – grifo meu)

      A Sra. Ellen G. White NUNCA pregou a salvação pelas obras. Veja um dos seus muitos textos que abordam o assunto:

      “Nem a morte, nem a vida, altura ou profundidade, nada nos poderá separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus; não porque a Ele nos apeguemos com firmeza, mas porque Ele nos segura com Sua forte mão. Se nossa salvação dependesse de nossos próprios esforços não nos poderíamos salvar; mas ela depende de Alguém que está por trás de todas as promessas.” (Atos dos Apóstolos¸ p. 553, grifos meus).

      A declaração da Sra. White no livro Testemunhos Seletos, vol. 3, p. 23, deve ser entendida em todo o seu contexto. Quando lemos todo o capítulo 2 podemos ver que Ellen White disse que o Sábado “implica em salvação eterna” para aquele que conhece a verdade.
      1) “…a vontade divina é que esse dia seja para nós de deleites” – p. 16;
      2) “Assim como o sábado foi o sinal que distinguiu Israel quando saiu do Egito para entrar em Canaã, é, também, o sinal que deve distinguir o povo de Deus que sai do mundo para entrar no repouso celestial. ” – p. 16 e 17;
      3) “Para os que guardam o sábado, esse dia é o sinal da santificação” – p. 17.

      Outros dois pontos merecem destaque:
      1) A citação completa na p. 23 explica o porquê do sábado importar em salvação eterna: “Santificar o sábado ao Senhor importa em salvação eterna. Diz Deus: “Aos que Me honram, honrarei” (1 Sm 2:30). Veja que ela usou o texto de 1 Samuel 2:30 para explicar que a santificação do sábado implicará em salvação eterna porque santificar o sábado é uma questão de honrar a Deus, o “Senhor do sábado” (Mc 2:28). E, quem desonrar a Deus de forma rebelde até o tempo do fim, não poderá ser salvo.
      2) Antes de a referida citação (“Santificar o sábado ao Senhor importa em salvação eterna”), no mesmo contexto, Ellen White está dando conselhos de como deve ser observado o sábado. Isso nos mostra que ela está, na citação da p. 23, mostrando a importância de não relaxar na observância do mandamento, de não ser um transgressor voluntário. Portanto, longe de ensinar a salvação pela Lei, Ellen White está exortando as pessoas de que, rejeitar uma verdade depois de conhecê-la significa desonrar a Deus, o que levará à perdição. Também mostra que relaxar na observância do sábado é errado, pois é uma afronta ao mandamento. Qualquer mandamento que seja desobedecido voluntariamente implicará em perdição. Isso não se aplica apenas ao quarto, que ordena a observância do sábado: “Pois qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos” (Tg 2:10).
      A obediência é uma evidência externa de uma santificação interna. Por isso, a guarda do sábado bem como a observância dos demais mandamentos implicará em salvação eterna para aqueles que, em resultado da santificação efetuada por Cristo, são obedientes. A Sra. White está dizendo que a Lei é o resultado de um coração transformado e não o meio de salvação. Ela está em perfeita harmonia com Efésios 2:8-10.

      Seja feliz!
      Equipe Bíblia Fácil



    • Rayani Wagmacker em 18 de dezembro de 2012 14:42

      Júlia, não tenha medo! Eu sou adventista de berço e estava afastada há alguns anos. E o Espirito Santo tem mudado a minha vida através da Noto Tempo. Desde então tenho recebido bençãos de todas as maneiras na minha vida. Tenho certeza que vc vai tirar todas as suas dúvidas se pedir orientação divina com sinceridade de coração.Vou orar por vc! Abs