doe agora TV TV
INÉDITO:
  • SAB14:30
REPRISES:
  • SEG07:30
  • SEG22:30
  • SAB03:00

Comente



  • Maria Lucia Roberto em 17 de março de 2016 9:09

    Lucia, eu gostaria de receber orientação sobre alimentação mais saudável.
    Principalmente no almoço, como substituir a carne .
    Obrigado pela atenção



    • bibliafacil em 23 de março de 2016 10:55

      Maria, temos em nossa programação da TV Novo Tempo vários programas que poderão auxilia-la sobre uma vida saudável acesse novotempo.com/vidaesaude e acompanhe as dias



  • Miguel Francisco em 28 de janeiro de 2016 22:09

    Na verdade este programa causa grande impacto na vida daquele que insiste em viver a tradição do homem.



  • Danilo em 11 de abril de 2015 17:27

    não estou conseguindo solicitar o estudo biblico Apocalipse



  • Gislaine em 17 de janeiro de 2015 14:54

    Preciso ajudar meu filho adolescente a se livrar da masturbação ele tem 13 anos e estou muito preocupada… ele se esforça mas cai na tentação quando esta sozinho! Estou desesperada e não sei mas o que fazer ja tentamos de tudo e ele também já é batizado. Por favor me ajudem?!



    • Manassés em 30 de janeiro de 2015 7:45

      Olá Gislaine,
      Enviei por e-mail algumas orientações para você.
      Deus lhe abençoe!



  • fabiano santos da silva em 21 de abril de 2014 20:23

    paz do Senhor gostaria de tira uma duvida sobre as leis de Deus os 10 mandamentos creio nisso estudando um pouco a biblia encontramos em joao 13;34 que fala q devemos amar uns aos outro creio e devemos praticalo esse mandamento nao estou olhando com olhar critico estou querendo aprende mais a palavra de Deus pergunta sera q Deus nos deichou 11´ mandamentos e parque nao estar junto com os 10 mandamentos e porque Deus nao escreveu nas tabuas q eu chamo tanbem de sagrada fiquem com Deus



  • Leandro em 26 de junho de 2013 5:49

    Olá Pastor, gosto muito deste programa!
    Por favor, explica-me esta passagem:”Digo-vos ainda isto:se dois de vós se unirem sobre a terra para pedirem seja o que for, o conseguirão de meu Pai que está nos céus. Porque onde dois, ou três estão reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” – Mateus 18:19
    De acordo com a passagem, qualquer pedido feito por mais de 2 pessoas será concedido, é isso? Então se uma pessoa sozinha orar, a oração não será atendida?
    Desculpe a minha ignorância, mas não consegui compreender…
    Abraços!



    • J.Washington em 3 de julho de 2013 12:22

      Leandro, agradecemos sua participação. A oração é uma forma segura de se comunicar com Deus. Ela aproxima a Terra do Céu.
      Aproveitamos para lhe convidar a refletir no texto abaixo:

      Quatro coisas acontecem quando alguém ora em favor de outra pessoa.

      Recentemente, no programa de TV Está Escrito, entrevistei Larry Dorsey, antigo chefe da equipe médica do Hospital Geral de Dallas. Após examinar 130 casos médicos de pacientes em recuperação de doenças com risco de vida, nos últimos 25 anos, o Dr. Dorsey chegou à conclusão de que, cientificamente, há uma dramática diferença quando as pessoas são alvo de orações intercessórias. Se isso é real no domínio da fisiologia, pense em como é muito mais verdadeiro no campo da cura espiritual.

      Por que é necessário orar pelos não conversos se Deus quer conquistá-los para Cristo? Será que Ele não está fazendo tudo o que pode para conquistá-los sem nossa oração?

      Há algo essencial na ciência da oração que a mente humana não pode compreender e isso não deve nos desencorajar. Não é porque não compreendemos tudo sobre eletricidade que não podemos nos beneficiar da luz, do calor e da energia elétrica.

      No final do século 19 quase nada se sabia a respeito da vitamina B, embora uma pessoa que comesse pão integral recebesse tantos benefícios quanto recebemos atualmente. O ponto é simplesmente este: não é necessário conhecer tudo sobre algo para receber os seus benefícios. E ainda que não compreendamos plenamente a ciência da oração, há quatro razões por que devemos orar pelos outros:

      1. A oração permite que Deus fale sobre os pecados em nossa vida que nos impedem de sermos ganhadores de almas, bem-sucedidos. Os israelitas tinham acabado de ser derrotados pelos homens de uma cidadezinha chamada Ai. Josué começou a orar fervorosamente pela situação e Deus lhe disse: “Levanta-te! Por que estás prostrado assim sobre o rosto? Israel pecou, e violaram a minha aliança, aquilo que Eu lhes ordenará, pois tomaram das coisas condenadas, e furtaram, e dissimularam, e até debaixo da sua bagagem o puseram. Pelo que os filhos de Israel não puderam resistir aos seus amigos”(Js 7:10-12). O poder de Deus havia sido limitado porque havia pecado entre o povo de Deus e Ele usou a oração para falar a respeito do seu pecado.

      Com muita frequência, quando você e eu oramos pelos outros, Jesus impressiona nosso coração com a necessidade de um relacionamento mais íntimo com Ele. Na atmosfera da oração, a conquista de almas é o apoio através do qual Jesus repreende o pecado de nossa vida. Nós dizemos: “Oh, Senhor, jamais vi a mim mesmo desse modo antes. Se é assim que sou realmente, se minha amargura, meus ciúmes, meu orgulho estão se interpondo entre mim e Ti, oh, Senhor, remove tudo isso, de modo que Tu possas operar por meu intermédio para conquistar aquela alma.” É na oração que Jesus nos revela as atitudes que impedem Seu trabalho através de nós.

      2. A oração intensifica nosso desejo de obter a graça desejada. Um dos motivos pelos quais Jesus não atende imediatamente ao nosso pedido é porque Ele deseja que tenhamos uma harmonia tão próxima com Ele que trabalhemos com mais empenho pela salvação de determinada alma. Quanto mais oramos pela salvação de alguém mais a desejamos e quanto mais a desejamos, procuraremos mais oportunidades criativas para alcançar aquela pessoa.

      3. A oração nos coloca em contato com a sabedoria divina. O Único que é verdadeiramente sábio para conquistar almas é Deus. “Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida” (Tg 1:5). Isaías 50:4, ao descrever o ministério profético de Jesus, diz: “O Senhor Deus me deu língua de eruditos, para que eu saiba dizer boa palavra ao cansado”. Somente Jesus nos dá língua de erudito. Ele revela as palavras certas para dizer aos homens e às mulheres. Com essa sabedoria, podemos conhecer as chaves certas para abrir as portas. É a sabedoria de Cristo que nos faz escolher a chave certa para abrir determinado tipo de coração a fim de que receba os tesouros do evangelho.

      4. A oração dá a Deus oportunidade de operar mais poderosamente do que não oramos. Daniel 10 conta-nos a respeito do mensageiro celestial que explicou a Daniel a grande batalha que havia sido travada na mente de Ciro. Os anjos bons lutaram para que os anjos maus recuassem de modo que Ciro pudesse tomar a decisão certa. Os anjos maus tentaram destruir os bons e, desse modo, deixar Ciro envolto em trevas. Quando Daniel orou, a batalha irrompeu e o próprio Jesus desceu, combateu os anjos maus a decisão certa e inteligente. Desse modo, Israel foi libertado e a oração intercessória de Daniel comprovadamente foi atendida.

      Não está Deus fazendo tudo o que pode para salvar uma pessoa antes de orarmos? Sim, mas quando oramos como Daniel, damos a Deus a oportunidade de fazer mais do que Ele havia feito antes. Deus escolheu voluntariamente limitar-Se na grande controvérsia entre o bem e o mal para não interferir na vontade humana. Quando uma pessoa ora por outra, damos a Deus a oportunidade de operar mais decisivamente nas mentes do que Ele o faria de outro modo.

      Para quem você ora?

      A oração intercessória é uma obra individual. Não basta escolhermos 100 nomes e orarmos por eles rapidamente de modo que algo mágico aconteça. Há algumas formas de vida nas quais nascimentos múltiplos são comuns. Um opossum, por exemplo, dá luz a uma dúzia ou mais de filhotes, porém não é assim com os seres humanos. Ocasionalmente presenciamos o nascimento de gêmeos e, muito mais raro, o nascimento de trigêmeos ou quadrigêmeos. A maioria dos seres humanos nasce um por vez e este é o modo pelo qual as almas são conquistadas. Se quiser ganhar uma alma, comece apenas com uma.

      O nosso trabalho é pleitear diante de Deus com propósitos específicos em favor de João, José ou Alice. “Quanto a mim, longe de mim que eu peque contra o Senhor, deixando de orar por vós” (1Sm 12:23). Você tem uma lista de oração? Está apresentando diante de Deus, em oração, homens e mulheres? A conquista de almas é obra de Deus, e não do homem. A oração abre nossa mente e coração para sermos usados como canais através dos quais o Espírito Santo trabalha.

      Grupos de oração

      Além da oração particular pelas almas, observe a instrução dada por Jesus: “Em verdade também vos digo que, se dois dentre vós, sobre a terra, concordarem a respeito de qualquer coisa que, porventura, pedirem, ser-lhes-á concedida por Meu Pai, que está nos Céus. Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em Meu nome, ali estou no meio deles”(Mt 18:19 e 20). E Ellen White acrescenta: “Por que dois ou três não se reúnem e suplicam a Deus pela salvação de alguém especial e também de outros?” (Testimonies of the Church, vol. 7, pág. 21).

      Esses pequenos grupos de oração proveem a base para o evangelismo bem-sucedido. A obra de conversão não é natural e, sim, sobrenatural. Um comerciante pode persuadir uma pessoa a comprar um carro. As agências de propaganda podem levar um indivíduo a comprar um novo terno. Um investidor pode levar uma pessoa a se interessar por uma casa. As vendas podem ser resultado de certas técnicas e, desse modo, as pessoas vendem seus produtos. Pode ser até possível um ministro cristão convencer uma pessoa a unir-se à igreja, mas só Deus pode trazer a conversão genuína à alma. O evangelismo bem-sucedido deve incluir o ministério da oração.

      Desenvolva uma lista de nomes específicos para serem alvo de oração. Ore a Deus diariamente por eles apresentando diante do Senhor seus nomes escritos. Se possível, escolha um companheiro de oração e juntos, bombardeiem o Céu com suas orações. Deus responderá e você se tornará um canal de Suas bênçãos em profusão. O rio da água da Vida será derramado através de você para tocar outra vida para o Reino de Deus.

      O Novo Testamento revela que a explosão evangelística narrada no livro de Atos foi resultado do derramamento poderoso do Espírito Santo. Já que estamos vivendo nos dias da colheita final da Terra, é essencial para o sucesso de qualquer campanha evangelística unir as congregações locais em uma abordagem coordenada e integrada na conquista de almas para Cristo, orando pelo derramamento poderoso do Espírito Santo e Deus concederá resultados fabulosos. O Espírito será derramado e almas serão conquistadas.

      Seja feliz!
      J.Washington/Equipe Escola Bíblica



  • Regina em 26 de junho de 2013 5:14

    Huuum, entendi pastor!
    Mas então quer dizer que eu não posso comer nada relativo a carne dos animais impuros?Por exemplo o porco: presunto, calabresa, o bacon, é isso? Não deveríamos também então não cortar o cabelo, não tocar em mulheres grávidas… enfim: Devem os Cristãos obedecerem as leis do velho testamento?
    Por favor pastor, me esclareça sobre isso pois em um lugar me falam que eu não devo seguir o velho testamento, e em outro falam que eu devo. Mas se formos seguir, será muita coisa!
    Obrigada mais uma vez!



  • Regina em 21 de junho de 2013 3:50

    Olá, tudo bem Pastor J. Washington?
    A bíblia nos motra uma relação de animais impuros em Levíticos, e sempre comi carne de porco que também é considerado impuro. Mas encontrei essa passagem em Marcos 7:14-23 “E, chamando de novo para junto de si a multidão, disse-lhes: “Ouvi-me todos, e entendei! Nada há no exterior do homem que, penetrando nele, o possa tornar impuro; mas o que sai, isso é o que o torna impuro. Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça!”
    Gostaria de saber o seguinte: nessa passagem, Jesus não declara qualquer alimento puro? O que ele quis dizer nessa passagem?
    Obrigada pela atenção!



    • J.Washington em 21 de junho de 2013 14:05

      Regina, agradecemos, mais um avez, sua importante participação. Quanto ao assunto de marcos 7:14-23, devemos ressaltar:

      “Não é o que entra pela boca o que contamina o homem, mas o que sai da boca, isto, sim, contamina o homem.” (Mt 15.11).

      “Nada há fora do homem que, entrando nele, o possa contaminar; mas o que sai do homem é o que o contamina.” (Mc 7.15).

      Nestes versos Jesus não está dando a permissão para usarmos todos os tipos de alimentos. Pegue sua Bíblia e analise comigo o seguinte texto: “Então, lhe disse Pedro: Explica-nos a parábola. Jesus, porém, disse: Também vós não entendeis ainda?” (Mt 15.15-16) (Grifo meu). Após análise do contexto que Jesus proferiu esta declaração, alguns fatos se tornam claros:

      Primeiro: Isto que Jesus contou é uma parábola. Sabemos que este tipo de narração não deve ser considerado uma doutrina, pois, uma história fictícia é utilizada apenas para ilustrar a fim de se transmitir uma lição moral e/ou espiritual;

      Segundo: Cristo não poderia estar falando dos alimentos considerados imundos, sendo que eram judeus quem estavam presentes. De modo algum haveria na mesa deles algum tipo de carne imunda para o Salvador estivesse tratando do assunto;
      Terceiro: Jesus tinha outro propósito ao mencionar esta parábola:

      “Mas o que sai da boca vem do coração, e é isso que contamina o homem. Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias. São estas as coisas que contaminam o homem; mas o comer sem lavar as mãos não o contamina”. (Mt 15.18-20).

      Note, os fariseus diziam que, se uma pessoa comesse sem lavar as mãos (ritual de purificação), iria ser contaminada (Mc 7.1-4). O objetivo de Jesus era ensinar que a “fonte” das más ações praticadas pelo ser humano se acha no “interior”, não no “exterior”. Não há proveito apenas quando o exterior é purificado, como faziam os fariseus. (Mt 23.26).

      Portanto, ao Jesus dizer: Ele“não é o que entra pela boca que contamina ao homem, mas o que sai da boca…” Ele está se referindo ao ato de lavar as mãos como ritual de purificação. Simplesmente está afirmando: “Não é o ato de não lavar as mãos antes das refeições que irá contaminar o homem, mas as palavras más que saem da sua boca”.

      Seja feliz!
      J.Washington/Equipe Escola Bíblica



  • paulo sergio em 3 de junho de 2013 15:25

    Realmente estou convicto do que se trata a lei na minha igreja não se ensina com essa mesma clareza e vejo que os adventistas tem interesse de abrir os olhos do povo.
    Não dá para dizer que se está debaixo da graça se não pratica as leis de Deus e quanto ao sábado, quer omundo queira ou não, é biblico e mandamento de Deus.



  • Souza em 6 de maio de 2013 3:16

    Olá pastor, por favor me responda!estou desesperado e preciso da ajuda de voces…
    Já li que Deus abomina a homossexualidade, então uma pessoa homossexual não terá a salvação mesmo guardando seus mandamentos?
    Não sei mais o que fazer, já tentei me converter pois sei que tal prática é imunda perante nosso Senhor, mas mesmo sabendo disso, não consigo deixar de pensar. Já pedi a Deus para me ajudar, mas isso me parece impossivel. O que posso fazer?
    Agradeço a ajuda, por favor.
    Abraços.



    • J.Washington em 18 de junho de 2013 14:54

      Souza, estamos felizes com sua participação. O assunto que você apresenta é sério e ao mesmo tempo simples para Deus. Ele lhe ama!
      Vamos lembrar alguns pontos importantes?

      Homofobia é uma atitude de rejeição ou aversão a alguém homossexual e à homossexualidade. Igual a maior parte das fobias, ela é geralmente infundada e sem razão. O Dr. Ronald M. Springtt, em seu livro “O limite do prazer”, apresenta o resultado de uma importante pesquisa sobre homossexualidade. A seguir, abordaremos esse assunto com algumas citações da referida obra lançada pela Casa Publicadora Brasileira.

      Homossexualidade é uma conduta desenvolvida ao longo de anos no convívio familiar no qual a pessoa faz escolhas muito sutilmente, muito subconscientemente sobre sua orientação sexual. A ciência não comprova que uma pessoa nasça homossexual.

      “Dizer que a homossexualidade é uma doença, por exemplo, não suscita esperança no cliente. Mas dizer que a homossexualidade é um pecado, como a Bíblia diz que é, isto, sim, oferece esperança. Talvez não haja fator mais importante na tarefa de ajudar pecadores homossexuais do que este. Essas pessoas precisam desesperadamente de esperança, com de tudo mais. É essencial neutralizar todo aspecto de desesperança gerado pelo modelo médico e/ou genético de homossexualidade.” J.E Adams, Competent to Counsel (Phillipsburg, J: Presbyterian and Reformed Publishing Co., 1970), p.36

      “O homossexual talvez não seja capaz de eliminar a atração que sente por pessoas do próprio sexo, mas pela graça de Deus ele é capaz de controlar seus impulsos.” S. Kubo, Theology and Ethics of Sex (Nashville: Southern Publishing Association, 1980), p.75

      Assim como os heterossexuais estão sujeitos a pensamentos impuros e desejos imoderados, também acontece com os homossexuais. Como cristãos, acreditamos que o Senhor pode mudar o que o mundo não pode.

      Homossexuais que insistem em levar um estilo de vida homossexual ativo e até o glorificam, precisam repensar essa postura, caso desejem tornar-se cristãos. A idéia de que se pode perdoar tudo, enquanto a pessoa continua obstinadamente no erro é uma graça barata que a igreja não pode aceitar. Acaba-se transformando numa “graça que admite a justificação do pecado, e não a justificação do pecador arrependido que se afasta do pecado e de quem o pecado se afasta”. D. Bonhoeffer, The Cost of Discipleship (Nova York: Macmillian, 1959), p.36

      “A lei moral deve ser aplicada até mesmo – especialmente! – em face do desleixo popular. A religião deve ensinar a sociedade; deve estabelecer para ela ideais morais por que lutar, normas éticas e espirituais, sem as quais os homens os homens desenvolverão uma má consciência”. N. Lamm, “The News Dispensation on Homosexuality: A Jewish Reaction to a Developing Attitude”, Jewish Currents (janeiro-fevereiro 1968), p. 15,16

      Homossexualidade à luz da Bíblia:

      – “…até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro” (Romanos 1:26-27).

      – “Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas” (1 Coríntios 6:9).

      Paulo emprega o substantivo arsenokoites (“homossexual”, “pederasta”) como alguém que não herdará a salvação por estar sob a condenação de Deus (1 Coríntios 6:9; 1 Timóteo 1:10).

      Deus não criou dois homens ou duas mulheres, mas apenas um homem e uma mulher e disse para serem fecundos e multiplicarem-se (Gênesis 1:28).

      O propósito de Deus é que um homem junte-se com uma mulher e os dois formem “uma só carne” (Gênesis 2:24).

      Desde a antiguidade, a homossexualidade é encontrada na história humana. Em Gênesis 19:4 e 5 há referência sobre as impenitentes cidades de Sodoma e Gomorra. O termo sodomia provém desse relato bíblico como uma referência à prática homossexual e outras deturpações do gênero.

      Outro relato está em Juízes 19:22:

      – “Enquanto eles se alegravam, eis que os homens daquela cidade, filhos de Belial, cercaram a casa, batendo à porta; e falaram ao velho, senhor da casa, dizendo: Traze para fora o homem que entrou em tua casa, para que abusemos dele.”

      A recomendação divina é:

      – “Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação” (Levítico 18:22).

      – “e também um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos praticaram coisa abominável” (Levítico 20:13).

      A Bíblia contém evidências de que o Criador ama todo pecador, mas não fica feliz com os atos de desobediência.

      Seja feliz!
      J.Washington/Equipe Escola Bíblica



      • Souza em 21 de junho de 2013 4:32

        Ah, eu entendi! Muito obrigado Pastor J.Washington, agora por favor me responda outra pergunta: a masturbação também seria um pecado? Pois para que eu evite o ato de me deitar com homens por ser uma coisa abominável, eu costumo me masturbar-se e o desejo do ato some!
        Devo parar com a masturbação também?É a única forma de escapar do desejo de me relacionar com homens pastor…
        Novamente, obrigado pela atenção!!!



        • J.Washington em 21 de junho de 2013 13:51

          Souza, agradecemos sua participação e retorno. Você deve evitar os estímulos.

          A masturbação é um dos hábitos mais arraigados na vida dos seres humanos. Isso porque esse vício, além de não fazer parte do plano de Deus em relação ao sexo, é algo escravizador, traz culpa e desanima todo aquele que quer seguir o padrão estabelecido por Deus para sua vida. Como disse o conselheiro e psicólogo cristão Jay E. Adams:

          “A masturbação pode adquirir um controle tão tenaz sobre eles (adolescentes, jovens, etc) que as suas energias são desperdiçadas, desviando seus pensamentos dos seus estudos, levando-os a pensar no sexo por onde quer que vão, e com qualquer pessoa que vejam…” . Isso nos mostra quão importante é que a vitória sobre a masturbação venha o mais rápido possível, pois quanto mais praticada, mais enraizada fica na vida da pessoa.
          Para entendermos o porquê da masturbação ser algo errado, primeiramente é necessário que saibamos qual é a base bíblica para o sexo:
          “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne”. Gênesis 2:24.

          O sexo é um presente criado por Deus para a humanidade. O objetivo do Senhor ao criá-lo é prover ao casal a oportunidade de partilharem juntos momentos prazerosos em companhia e intimidade; foi criado para a alegria e felicidade do casal (não o foi apenas para a procriação). Ao terminar a criação do homem e, certamente, sua sexualidade, Deus disse que “era muito bom” (ver Gênesis 1:31).

          Sendo que Deus fez o sexo para que fosse desfrutado entre o casal, a dois, e que o mesmo deve ser o meio legítimo de satisfação de nossos desejos sexuais, podemos acertadamente concluir que se masturbar não é recomendável, pois não faz parte do plano de Deus para o sexo (feito a dois a fim de que ambos tornem-se “uma só carne” = companheirismo mútuo e prazer ao cônjuge).

          Mesmo não havendo referências diretas nas Escrituras quando à masturbação, há “princípios bíblicos que se aplicam ao tema”:

          O Princípio de I Coríntios 6:12: Não devermos ser dominados.

          “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas”. 1 Coríntios 6:12 – grifo meu.

          Aqui Paulo ensina que até mesmo “aquelas coisas que são corretas, não devem ter a permissão de dominar um crente a ponto de tornarem-se senhores do mesmo, e ele tornar-se o seu escravo” . Se o que é correto não deve nos dominar, muito menos o devem as coisas que não são boas.
          O Princípio de Mateus 5:27-28: Não devemos adulterar.

          “Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela”. Mateus 5:27-28.

          “O adolescente, apanhado na espiral da masturbação, eventualmente não pode evitar ser também envolvido nesse outro pecado” (adultério), pois quando se masturba, certamente pensará em outra pessoa, inclusive alguém que é casada (o).

          O Princípio de I Coríntios 7:9: O desejo sexual deve ser aliviado através do sexo, com o cônjuge.
          “Caso, porém, não se dominem, que se casem; porque é melhor casar do que viver abrasado”. 1 Coríntios 7:9.
          “Paulo não ensina que a masturbação é uma medida apropriada de alívio para o desejo sexual (o abrasar-se). Ele não diz por exemplo: ‘É melhor o hábito da masturbação do que abrasar-se’. Bem pelo contrário, ele alista o autocontrole como a única alternativa para o casamento…a masturbação não apaga o incêndio, mas joga mais combustível no mesmo”.

          Esse texto claramente estabelece que para aliviar os desejos sexuais há 2 alternativas:

          1. Autodomínio;
          2. Casamento.

          O Princípio de I Coríntios 7:3-4: “A capacidade sexual do indivíduo não existe para si mesmo” .
          “O marido conceda à esposa o que lhe é devido, e também, semelhantemente, a esposa, ao seu marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim o marido; e também, semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim a mulher”. 1 Coríntios 7:3-4.
          “Deus proveu a sexualidade do indivíduo para benefício do seu cônjuge legítimo. No sexo, como em tudo o mais, sempre será verdadeiro que mais bem-aventurada coisa é dar do que receber. O sexo ego-centralizado, por conseguinte, constitui um uso ilegítimo da sexualidade”.

          As Escrituras orientam que o sexo não deve ser desfrutado “solitariamente” mas sim com alguém (o cônjuge); assim, vê-se que a masturbação é uma perversão do ato sexual, pois o indivíduo está buscando seu próprio prazer apenas; não está dando prazer à outra pessoa, (sua esposa ou marido). A capacidade sexual foi dada para que déssemos prazer a outrem.

          Analisando tais princípios bíblicos, podemos concluir que realmente a masturbação não é aprovada por Deus, pois não condiz com Suas orientações em relação ao ato sexual; é algo egoísta, que estimula ao adultério (Mateus 5:27-28) e que tende a estragar nossa saúde física e mental (devido ao sentimento de culpa). Tal é pecado (conquanto não seja dos mais ofensivos. Entretanto, mesmo os pecados menos ofensivos são perigosos…), pois ao prejudicarmos qualquer área de nossa vida (física, mental ou espiritual) estamos destruindo o “templo do Espírito Santo”. (I Coríntios 3:16-17; 6:19-20).

          Como vencer a masturbação?

          Há dicas que poderão ser muito úteis a fim obter-se a vitória. Antes, deve-se ressaltar que a vitória sobre a masturbação não vem de um dia para o outro. Alguns demoram mais, outros menos. Irá depender do tempo em que o vício está arraigado na vida da pessoa, sua força de vontade e, principalmente sua comunhão com Deus. Se vier a cair, jamais deverá desanimar, mas continuar lutando, pois “é na vossa perseverança que ganhareis a vossa alma” (Lucas 21:19).

          Muitos jovens ao praticarem o ato desanimam e tendem a parar de orar e estudar a Bíblia; mas isso é totalmente errado. Se ao lado de Deus vêm as dificuldades para vencermos, imagine sem Deus! Mesmo que caia no ato, não deixe de estudar a Bíblia e de orar a Deus. Peça a Deus que lhe fortaleça a cada dia a fim de que vá obtendo a vitória sobre esse hábito.

          É necessário também descobrir quando e onde ocorre a masturbação com maior frequência. Se, por exemplo, ocorre ao recolher-se para dormir, “deverás ocupar-se de vigoroso exercício físico depois de fazer suas orações, mas antes de retirar-se para seu quarto, para que caia na cama exausto” . Se a masturbação ocorre pela manhã, será bom que ponha o despertador do outro lado do quarto, a fim de que tenha de levantar-se da cama para desligá-lo. A próxima providência a tomar será arrumar imediatamente a cama.

          Se nenhum desses casos for o seu, escreva-me dizendo o momento em que mais a vontade de masturbar-se lhe ataca, a fim de que tracemos um plano que se adapte à sua situação.

          Muito exercício físico, atividades manuais, vigiar os olhos (não ver cenas de sexo ou mulheres nuas em revistas ou TV), oração e nutrir bons pensamentos, são importantíssimos meios a serem utilizados nesta batalha.

          “Vinde, pois, e arrazoemos, diz o SENHOR; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã”. Isaías 1:18. “Tornará a ter compaixão de nós; pisará aos pés as nossas iniquidades e lançará todos os nossos pecados nas profundezas do mar”. Miquéias 7:19.

          Se Deus perdoa-nos ao cometermos os mais horríveis pecados, porque não irá lhe perdoar? Deus sabe da estrutura de cada um de nós; Ele sabe quanto tempo precisamos para vencer determinados maus hábitos que temos e nos dá esse tempo.

          Não centralize suas atenções apenas neste assunto da masturbação de modo que sua vida gire em torno disso. Mesmo que seja bom obter a vitória sobre a mesma, devemos dar atenção também a outras coisas.

          Vá a Jesus do jeito que está. Lembre-se de que pelo Seu poder podemos todas as coisas (Filipenses 4:13). Jesus é mais poderoso que qualquer vício; Seu amor por você é tão grande que um dia morreu na cruz do calvário para salvar-lhe. Creia em seu perdão: o perdão divino é tão maravilhoso que ao nos perdoar apaga nossos pecados e nem quer mais se lembrar deles (Isaías 43:25). Converse com o Salvador em oração todos os dias e peça-lhe poder para vencer. Faça sua parte em seguir as dicas apresentadas, na certeza de que Jesus estará fazendo a parte dEle.

          Seja feliz!
          J.Washington/Equipe Escola Bíblica



          • Souza em 22 de junho de 2013 0:21

            Muito obrigado pastor!
            Suas palavras me fizeram pensar, e irei pedir para que Deus me ajude em minha luta!
            Peço que ore por mim também.
            Que Deus abençoe TODOS VOCÊS!!!!
            Mais uma vez… obrigado!



  • ELISIA em 5 de maio de 2013 11:46

    gostaria de lhe fazer uma pergunta. o que é feito da nossa alma qando morremos,ja que nossa carne fica no pó da terra,desde já agradeço.



    • J.Washington em 12 de junho de 2013 14:52

      Elisia, agradecemos sua participação e interesse em saber mais da Palavra de Deus.
      Vamos estudar um pouco mais o assunto da vida após a morte?

      Nas informações etimológicas , nós podemos encontrar que as palavras “alma” e “espírito” nas Escrituras provêm de palavras hebraicas e gregas, línguas em que a Bíblia foi escrita. Vejamos:

      Alma – No Antigo Testamento vem do hebraico vpn (nephesh). Ocorre aproximadamente 755 vezes, sendo traduzida de diferentes formas, dependendo do contexto. No Novo Testamento, a palavra grega é quch (psychê) e ocorre aproximadamente 105 vezes.
      Espírito – No Velho Testamento são usadas as palavras Mwr (ruach) e hmvn (neshamah). Aparece 377 vezes. No Novo Testamento, a palavra grega para espírito é pneuma (pneuma) e aparece 220 vezes .

      Como essas palavras são traduzidas

      São explanadas de diversas formas nas Escrituras. Eis alguns exemplos:
      • Alma é traduzida como: vida (Gênesis 9:4,5; 35.18; Salmo 31:13), pessoa (Gênesis 14:21; Deuteronômio 10:22; Atos 27:37), cadáver (Números 9:6); apetite (Eclesiastes 6:7) coração (Êxodo 23:9) ser vivente (Apocalipse 16:3) pronomes pessoais (Salmo 3:2; Mateus 26:38). A palavra “alma” aparece na Bíblia aproximadamente 1600 vezes e em nenhum caso refere-se a uma entidade imaterial com imortalidade e que sobreviva fora do corpo.

      • Espírito pode ser traduzido como: vento (respiração – Gênesis 8:1), espírito (no sentido de alento, ânimo – Juízes 15:19), atitude ou estado de espírito (Romanos 8:15; 1 Coríntios 4:21), sopro ou hálito de Deus (2 Tessalonicenses 2:8) consciência individual (1 Coríntios 2:11, primeira parte). O termo também é usado para se referir a seres pessoais: anjos e demônios (Hebreus 1:14; 1 Timóteo 4:1); a Cristo (1 Coríntios 3:17 ) a Divina natureza de Cristo (Romanos 1:4), à Terceira Pessoa da Trindade (Romanos 8:9-11; 1 Coríntios 2:8-12 ); a Deus Pai (João 4:24) e a pessoas vivas (Hebreus 12:22, 23).

      Por que existem tantos sentidos para as palavras “alma e espírito”? As línguas bíblicas não possuem um considerável número de verbetes. O hebraico, por exemplo, não possui vogais, preposições, ou conjunções. Esta escassez de palavras faz com que um termo seja traduzido de diferentes formas. Como comparação, vejamos a língua portuguesa. Mesmo sendo rica em letras e verbetes, enfrenta certas dificuldades. A palavra “manga” tem mais de 1 sentido: refere-se à manga de um casaco e a uma fruta. Se a nossa língua, com seus muitos verbetes, tem palavras com vários sentidos, imagine o alfabeto hebraico!

      Apesar das diversas traduções, é importantíssimo sabermos que o conceito básico de “espírito” e “alma” encontrados no texto de Gênesis 2:7, onde é mencionado o processo utilizado por Deus na criação do homem: “Então, formou o SENHOR Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida (neshamah), e o homem passou a ser alma (nephesh) vivente”. Deus formou ao homem de dois elementos: pó da terra e fôlego de vida. De acordo com o original, este texto seria da seguinte forma: “Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o espírito de vida (fôlego de vida), e o homem passou a ser uma pessoa vivente”. Isso significa que no conceito bíblico:

      – O principal significado de “espírito” (mesmo podendo ser traduzido de várias maneiras) é fôlego de vida;
      – “Alma” é a união do corpo com o fôlego de vida, ou seja, a pessoa como um todo. Uma pessoa viva. Veja Deuteronômio 10:22: “Com setenta almas [pessoas], teus pais desceram ao Egito; e, agora, o SENHOR, teu Deus, te pôs como as estrelas dos céus em multidão.”
      Digamos que você tenha uma lâmpada e não tenha a eletricidade. Teria a luz? Certamente não. Agora, suponhamos que você tenha a eletricidade, mas não tenha a lâmpada. Haveria luz? Também não. Para haver a luz, é necessário haver a lâmpada e a eletricidade. Apenas um desses itens não basta. O mesmo se dá em relação à vida! Para existirmos temos de ter o corpo e o espírito (fôlego de Deus). Do contrário não temos vida; deixamos de existir e dormimos o sono da morte. O próprio Cristo, o “Autor da Vida” (Atos 3:15) comparou a morte a um sono:

      Isto dizia e depois lhes acrescentou: Nosso amigo Lázaro adormeceu, mas vou para despertá-lo. Disseram-lhe, pois, os discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo. Jesus, porém, falara com respeito à morte de Lázaro; mas eles supunham que tivesse falado do repouso do sono. Então, Jesus lhes disse claramente: Lázaro morreu (Jo 11:11-14).

      Com essa comparação, Cristo confirmou o que disse Salomão a respeito do estado do ser humano na morte:

      Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, porque a sua memória jaz no esquecimento. Amor, ódio e inveja para eles já pereceram; para sempre não têm eles parte em coisa alguma do que se faz debaixo do sol (Eclesiastes 9:5-6).

      O estado do ser humano na morte

      Na Bíblia, a morte é comparada a um sono (sem sonhos) aproximadamente 53 vezes, indicando assim o estado de inconsciência dos mortos até a volta de Jesus (Salmo 6:5; 13:3; 88:10-12; 115:17; Isaías 38:18-19; Eclesiastes 9:5-6 e 10; 1 Tessalonicenses 4:13-16).

      A Bíblia não apóia em absoluto a doutrina popular de que os mortos permanecem conscientes até a ressurreição. Pelo contrário, enfaticamente refuta tal ensinamento (Salmo 115:17; Eclesiastes 9:5). Emprega-se comumente o verbo dormir como símbolo da morte (Deuteronõmio 31:16; 2 Samuel 7:12; 1 Reis 11:43; Jó 14:12 ; Daniel 12:2; João 11:11,12; 1 Coríntios 15:51; 1 Tessalonicenses 4:13-17;). A declaração de Jesus, que consolava a seus discípulos com a idéia de que eles voltariam a estar com ele na ocasião de sua segunda vinda e não na morte, ensina claramente que o “sono” não é uma comunicação consciente dos justos com o Senhor (João 14:1-3). Do mesmo modo, Paulo explicou que ao produzir-se o segundo advento, todos os justos que então estão vivos e os mortos que ressuscitarão neste momento se unirão simultaneamente com Cristo, sem que os vivos precedam os mortos (1 Tessalonicenses 4:16,17)” .

      Se a morte fosse um começo de uma nova existência, não poderia ser chamada pelas Escrituras de nossa “inimiga” (1 Coríntios 15:26), teria de ser chamada de amiga, pois estaria nos ajudando a ir para o paraíso…

      Seja feliz!
      J.Washington/Equipe Escola Bíblica



  • Francisco Ildebrando em 26 de abril de 2013 23:37

    Se você se sente oprimido pela Lei de Deus, isso diz algo a seu respeito. Se a Lei é santa e você odeia a Lei, então você não é santo.
    Paul Washer