Ouça agora:

Música
Rádio Rádio
Categoria: Lições da Bíblia

Um novo cristão


menina cativa

6. “Agora sei que não há Deus em nenhum outro lugar, senão em Israel. Por favor, aceita um presente do teu servo” (2Rs 5:15, NVI). De que modo essas palavras ajudam a revelar a experiência da salvação? Ap 14:12; 1Jo 5:2, 3; Rm 6:1

Teria sido fácil para Naamã retornar diretamente do Jordão para Damasco após sua cura. Contudo, como um gesto de gratidão, ele e seus acompanhantes voltaram à casa do profeta. Dessa vez encontraram Eliseu em pessoa. A confissão de que o Deus de Israel é soberano no mundo é o principal tema da Bíblia. Essas palavras, vindas de um pagão, constituem um dos pontos altos na revelação do Antigo Testamento. A conversão de Naamã deixou claro que sua nova experiência tinha que estar ligada ao Deus de Israel. O profeta era israelita, o rio era o mais importante de Israel e o número sete era uma ligação clara com o Deus da criação.

O que vemos em Naamã é um exemplo de como a verdadeira fé atua: Ele recebeu algo que nunca poderia ter obtido por si mesmo. O fato de que Eliseu recusou os presentes (2Rs 5:16) foi uma forma de mostrar que a salvação não pode ser obtida por esforço nem comprada, mas é inteiramente pela graça de Deus. Ao mesmo tempo, contudo, a disposição de Naamã em dar algo para Eliseu pelo que este lhe havia feito mostra a resposta de fé e gratidão pelo que lhe havia sido concedido.

Eliseu recusou o presente. Nisso, seguiu o exemplo de Abraão, que ajudou os reis pagãos, mas recusou as recompensas, afirmando que ninguém devia ser capaz de dizer: “Eu enriqueci a Abrão” (Gn 14:23). Eliseu sabia que a aceitação de
um presente teria estragado a lição que Naamã devia aprender. A cura era obra de Deus e um ato de pura graça.

“Se aceitamos a Cristo como redentor, precisamos aceitá-Lo como soberano. Não podemos ter certeza e perfeita confiança em Cristo como nosso Salvador enquanto não O reconhecermos como nosso Rei e formos obedientes a Seus mandamentos.
Assim evidenciamos nossa lealdade a Deus. Nossa fé tem, então, o timbre genuíno, pois é uma fé operante. Ela atua pelo amor” (Ellen G. White, Fé e Obras, p. 16).

Se os outros olhassem para sua vida, veriam nela uma prova de seu amor a Deus como resposta
ao que Ele fez por você em Cristo?

Comente