Ouça agora:

Música
Rádio Rádio
Categoria: Tempo de Refletir

Um dia de boas notícias


“Então disseram uns aos outros: ‘Não estamos agindo certo. Este é um dia de boas notícias, e não podemos ficar calados. Se esperarmos até o amanhecer, seremos castigados. Vamos imediatamente contar tudo'” (II Reis 7:9).

O cerco que os exércitos da Síria impuseram à cidade de Samaria criou situações alarmantes e constrangedoras, e até mesmo cenas de canibalismo.

A história é impressionante. Nas redondezas da cidade, havia quatro amigos, unidos pela mesma enfermidade: a lepra. Quatro amigos leprosos viviam nas redondezas de Samaria porque não lhes era permitido entrar na cidade.

Há momentos extremos de decisão na vida, quando nos perguntamos: “O que vamos perder com isso?” Esses homens tinham três opções diante de si: (1) permanecer onde estavam e morrer de inanição; (b) voltar para Samaria, onde também não havia alimento; ou (3) entregar-se ao exército sírio na esperança de serem poupados. “Se for para morrer, é melhor morrer rapidamente. Então vamos!”

Aproximaram-se cuidadosamente do acampamento dos sírios, na expectativa de que algum sentinela desse o alarme. Mas, para surpresa deles, tudo estava em silêncio. Aproximaram-se mais. Entraram numa barraca, e noutra e noutra mais.

“Olhe só esses colares e essas pulseiras e braceletes de ouro!”, diziam uns para os outros.

Foram para a barraca de mantimentos. Encontraram sacos abarrotados de cereais e comida para o exército. E comeram como nunca haviam comido na vida! Encheram o estômago e começaram a encher bolsas e bolsas. Chegaram até a esconder algumas coisas.

Mas, naquele momento, tiveram um insight e a consciência enviou um sinal de que não era certo o que estavam fazendo. Suas famílias e seus amigos estavam na cidade precisando de alimento para sobreviver.

Eles disseram: “Este é um dia de boas notícias, e não podemos ficar calados. Podemos até ser punidos pelo nosso silêncio”.

Então mudaram a história da vida de todos aqueles que estavam na cidade.

William Tyndale, reformador e tradutor da Bíblia, definiu a palavra “evangelho” como “notícia alegre e agradável, que faz o coração se alegrar, cantar, dançar e pular de alegria”.

Você e eu somos chamados para levar essa mensagem de boas-novas, de graça e de salvação. Mas é uma mensagem que carrega um senso de urgência. O desafio agora é de todos nós.

Comente