Ouça agora:

Reavivados por sua Palavra
Rádio Rádio
Categoria: Lições da Bíblia

Tiro e Cesareia


Depois de Mileto, Lucas relata a viagem de Paulo de forma bem detalhada. Ainda a caminho de Jerusalém, o apóstolo passou uma semana em Tiro, na costa fenícia, onde o navio devia ser descarregado (At 21:1-6). No entanto, enquanto estava ali, os fiéis insistiram para que ele não fosse a Jerusalém. O fato de haverem sido guiados pelo Espírito para advertir Paulo a não ir para Jerusalém não está necessariamente em contradição com a orientação anteriormente dada ao apóstolo.

 

A expressão grega etheto en tō pneumati, em Atos 19:21, talvez deva ser traduzida como “resolvido/decidido/proposto no Espírito”, em vez de ser interpretada como se Paulo tivesse chegado a essa decisão sozinho. A questão é que o Espírito pode ter mostrado aos crentes de Tiro os perigos que estavam diante de Paulo e, num ato de profunda solidariedade, recomendaram que ele não prosseguisse com sua intenção. O próprio Paulo não tinha certeza do que lhe aconteceria em Jerusalém (At 20:22, 23). A orientação divina nem sempre torna tudo claro, mesmo para alguém como Paulo.

 

5. Leia Atos 21:10-14. Qual incidente especial ocorreu em Cesareia a respeito da viagem de Paulo a Jerusalém?

 

Ágabo era um profeta de Jerusalém que já havia sido apresentado no episódio da fome, em Atos 11:27-30. De maneira semelhante a algumas profecias do Antigo Testamento (por exemplo, Is 20:1-6; Jr 13:1-10), sua mensagem foi dramatizada. Ela serviu como uma ilustração vívida do que aconteceria com Paulo quando ele chegasse a Jerusalém e como seus inimigos o entregariam aos gentios (os romanos).

 

Os que estavam com Paulo aparentemente entenderam a mensagem de Ágabo como uma advertência, não como uma profecia e, portanto, tentaram por todos os meios convencer o apóstolo a que não fosse a Jerusalém. Embora profundamente tocado pela reação deles, Paulo estava determinado a cumprir sua missão, mesmo que isso lhe custasse a vida. Para ele, a integridade do evangelho e a unidade da igreja eram mais importantes do que a própria segurança ou interesses pessoais.

 

“Nunca antes o apóstolo havia se aproximado de Jerusalém com o coração tão triste. Sabia que encontraria poucos amigos e muitos inimigos. Estava chegando à cidade que tinha rejeitado e matado o Filho de Deus e sobre a qual agora pairavam as ameaças da ira divina” (Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, p. 397, 398).

 

Incompreendido, caluniado, maltratado e muitas vezes insultado, Paulo seguiu com fé. Como podemos fazer o mesmo em circunstâncias desencorajadoras?

Comente