Ouça agora:

Reavivados por sua Palavra
Rádio Rádio
Categoria: Lições da Bíblia

Livres do pecado


6. Tendo em mente o que estudamos até aqui em Romanos 6, leia Romanos 6:19-23. Resuma a essência do que Paulo estava dizendo. Como você pode tornar real em sua vida essas verdades cruciais? Quais questões estão em jogo nessa passagem?

As palavras de Paulo nessa passagem mostram que ele compreendia plenamente a natureza caída da humanidade. Ele falou sobre a “fraqueza da” nossa “carne” (Rm 6:19). Ele sabia o que a natureza humana caída é capaz de fazer quando deixada por si só. Por isso, novamente, ele apelou para o poder da escolha, a capacidade que temos de escolher entregar a nós mesmos e a nossa “carne fraca” a um novo senhor, Jesus, que nos habilitará a viver em justiça. Muitas vezes, o texto de Romanos 6:23 é citado para mostrar que a penalidade para o pecado, isto é, a transgressão da lei, é a morte. Certamente, a penalidade do pecado é a morte. Mas além de ver a morte como a penalidade do pecado, devemos ver o pecado como Paulo o descreveu em Romanos 6 – um senhor que domina seus servos, enganando-os ao pagar-lhes com o salário da morte. Observe também que, em seu desenvolvimento da ilustração dos dois senhores, Paulo chamou a atenção para o fato de que o serviço a um mestre significa liberação do serviço ao outro. Mais uma vez vemos claramente a escolha: um ou outro. Não há meio-termo. Ao mesmo tempo, como todos sabemos, estar livre do domínio do pecado não significa estar sem pecado; não significa que não lutamos e que não ocorram quedas, às vezes. Em vez disso, significa que não somos mais dominados pelo pecado, por mais que ele permaneça em nossa vida e por mais que tenhamos que reivindicar diariamente as promessas de vitória sobre ele. Essa passagem é um apelo poderoso para quem está servindo ao pecado. Esse tirano não oferece nada além da morte como pagamento por nossos atos vergonhosos. Portanto, uma pessoa racional deseja se libertar desse tirano. Em contrapartida, aqueles que servem à justiça fazem coisas retas e louváveis, não com o objetivo de ganhar a salvação, mas como fruto de sua nova experiência. Se eles agem na tentativa de ganhar a redenção, estão perdendo todo o sentido do evangelho, do que é a salvação, e da razão pela qual eles precisam de Jesus.16

Comente