Ouça agora:

Música
Rádio Rádio
Categoria: Lições da Bíblia

Lei e fé


Mesmo que seus adversários admitissem que a vida de Abraão tinha sido caracterizada principalmente pela fé, Paulo sabia que eles ainda questionariam por
que Deus havia concedido a lei a Israel cerca de quatro séculos depois de Abraão. A promulgação da lei não anulou algum acordo anterior?

1. De acordo com Gálatas 3:15-18, qual é o objetivo da analogia de Paulo entre o testamento de uma pessoa e a aliança de Deus com Abraão? Assinale “V” para verdadeiro ou “F” para falso:
A. ( ) Demonstrar que as promessas são garantidas pela obediência humana.
B. ( ) Sugerir aos seus oponentes a natureza mutável da promessa feita a Abraão.
C. ( ) Mostrar que, assim como um testamento é imutável, a aliança feita com
Abraão também era.

Uma aliança e um testamento geralmente são diferentes. Uma aliança é tipicamente um acordo mútuo entre duas ou mais pessoas, muitas vezes chamada de
“contrato” ou “tratado”; em contrapartida, o testamento é a declaração de uma única pessoa. A tradução grega do Antigo Testamento, a Septuaginta, nunca traduz a aliança de Deus com Abraão com a palavra grega usada para os acordos mútuos ou contratos (syntheke). Em vez disso, ela usa a palavra para testamento ou vontade final (diatheke). Por quê? Provavelmente, porque os tradutores reconheciam que a aliança de Deus com Abraão não era um tratado entre dois indivíduos, no qual são feitas promessas mutuamente obrigatórias. Ao contrário, a aliança de Deus não tinha por base nenhuma outra coisa, a não ser Sua própria vontade. Nenhum “se”, “e” ou “mas” foi acrescentado. Abraão devia simplesmente confiar na Palavra de Deus. Paulo mencionou esse duplo sentido de “testamento” e “aliança” a fim de destacar as características específicas da aliança de Deus com Abraão. Assim como acontece com um testamento humano, a promessa de Deus dizia respeito a um beneficiário específico, Abraão e seus descendentes (Gn 12:1-5, Gl 3:16); ela também envolve uma herança (Gn 13:15; 17:8; Rm 4:13; Gl 3:29). O mais importante para Paulo era a natureza imutável da promessa de Deus. Assim como o testamento de alguém não pode ser alterado uma vez que tenha entrado em vigor, a promulgação da lei por meio de Moisés não podia simplesmente anular a aliança anterior de Deus com Abraão. A aliança de Deus é uma promessa (Gl 3:16), e de maneira alguma Deus quebra Suas promessas (Is 46:11; Hb 6:18).

 

Substitua a palavra “aliança” por “promessa” nas seguintes passagens: Gn 9:11-17; 15:18; 17:1-21.
Qual é a natureza da “aliança” em cada uma delas? Compreender a aliança de Deus como uma
promessa pode tornar mais claro o significado da passagem estudada?

Comente