Clique aqui e Saiba mais

Ouça agora:

Tempo de Oração
Rádio Rádio
Categoria: Tempo de Refletir

Irar-se é sempre mau?


! (8)

“Irai-vos e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira” (Efésios 4:26).

Você deve estar imaginando se há alguma ocasião em que o verdadeiro cristão poder irar-se. Afinal, você pode pensar, Jesus não ficou irado com os escribas e fariseus, conforme menciona Mateus 23? E não Se dirige a eles usando o termo proibido, tolos, nos versos 17 e 19 (BLH) do mesmo capítulo? E Deus não destruirá pessoas no fim dos tempos?

Você tem razão. Deus odeia o pecado. Jesus odeia o pecado. Seu coração amoroso fica sobrecarregado ao ver destruídas a felicidade e a vida de Seus filhos. Eles estão irados com o pecado e seus resultados. Além disso, Eles oportunamente aniquilarão o pecado e aqueles que escolheram agarrar-se à conduta destrutiva e sem afeto. Por causa do grande amor dos membros da Divindade pelo ser humano, Eles Se iram contra as coisas que destroem as pessoas. A ira de Deus é uma santa indignação.

Os seguidores de Cristo não só podem como devem possuir essa mesma ira contra o pecado. Fico irado por saber que crianças inocentes e outras pessoas inocentes foram mortas. Também me deixa irado o fato de milhões de pessoas estarem desnecessariamente morrendo de fome ao redor do mundo, enquanto outras pessoas têm mais do que podem consumir. Fico irado quando jovens, rapazes e moças, são levados a desviar-se por traficantes de drogas e outros que se aproveitam dos solitários e fracos. Fico irado pela mesquinhez na igreja entre aqueles que instigam a letra da lei, enquanto transgridem seu espírito.

Como cristãos, devemos odiar o pecado, mas amar o pecador. Infelizmente, com muita frequência, tomamos o rumo exatamente oposto. Como resultado, geralmente nos iramos contra aqueles que nos menosprezam ou ferem nosso orgulho pecaminoso.

Jesus quer que entendamos isso. Devemos ter o tipo certo de ira, a ira que Ele tem, aquele tipo de ira que odeia o pecado, mas que deseja o melhor para os pecadores e se recusa a abrigar qualquer ressentimento.

-> Música: Julia Camilo, “O amor e o perdão”

Comente