Ouça agora:

Hora de Orar
Rádio Rádio
Categoria: Lições da Bíblia

Estudo adicional


Textos de Ellen G. White: Beneficência Social, p. 117-124 (“Nos Passos do Mestre”); A Ciência do Bom Viver, p. 29-50 (“Dias de Ministério”); O Desejado de Todas as Nações, p. 589-600 (“O Templo Novamente Purificado”), e p. 723-740 (“Na Sala de Julgamento de Pilatos”). “Deus deu em Sua Palavra prova decisiva de que punirá os transgressores de Sua Lei. Os que se lisonjeiam de que Ele é muito misericordioso para exercer justiça contra o pecador apenas têm que olhar para a cruz do Calvário. A morte do imaculado Filho de Deus testifica que ‘o salário do pecado é a morte’, que toda transgressão da Lei de Deus deve receber sua justa paga. Cristo, que não tinha pecado, Se fez pecado pelo homem. Suportou a culpa da transgressão, sendo-Lhe ocultado o rosto do Pai até se Lhe quebrantar o coração e desfazer a vida. Todo esse sacrifício foi feito a fim de que os pecadores pudessem ser remidos. De nenhum outro modo o homem conseguiria se livrar da pena do pecado. E toda pessoa que se recusa a tornar-se participante da expiação provida a tal preço, deve levar em si mesma a culpa e o castigo da transgressão” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 539, 540).

 

Perguntas para discussão

1. O texto acima retrata Cristo, o Inocente, sofrendo o castigo do culpado! Por que é importante manter essa verdade diante de nós?

2. Jesus não defendeu a reforma política para promover o Seu “reino”. Afinal, a História está repleta de relatos de pessoas que usaram de violência e opressão para “ajudar” os oprimidos. Muitas vezes, o que aconteceu foi a substituição de uma classe opressora por outra. Embora os cristãos devam trabalhar com as autoridades para ajudar os oprimidos, por que precisamos ter cautela em usar a política para alcançar esses objetivos?

3. No plano da salvação, o justo sofreu pelos injustos. Isso deve nos tornar novas criaturas?

 

Resumo: Nos evangelhos, o ministério de Jesus foi apresentado com referência à obra dos profetas do Antigo Testamento. Boas-novas aos pobres, liberdade aos oprimidos e cura aos quebrantados foram proclamadas como sinais do Messias e cumpridas por Jesus em Seu ministério. Ele também sofreu a injustiça e venceu o pior da humanidade caída. Graças à Sua morte injusta, nossos pecados foram perdoados e temos a promessa da vida eterna.

Comente


Fique conectado

Aplicativo

Loja Virtual

Participe