Ouça agora:

Consultório de Família
Rádio Rádio
Categoria: Tempo de Refletir

Confessar não é fácil


“Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados” (Tiago 5:16).
Aqui está um dos exercícios mais difíceis e constrangedores da vida cristã: confessar seu erro a quem você ofendeu ou prejudicou. Requer boa dose de humildade, expor-se, confessar seu erro abertamente diante de outra pessoa, seja ela seu chefe, colega de trabalho, seu amigo ou sua mãe.
Uma das coisas mais difíceis para o ser humano é reconhecer que errou. Palavras ferinas e ofensivas ditas no calor da discussão; mentiras intencionais; a ultrapassagem que resultou num pequeno e incômodo acidente; o passe errado que terminou em gol para o adversário; e poderíamos multiplicar exemplos.
Então, tentamos escapar dizendo: “Ela também tem culpa.” “Eu quis fazer o melhor.” “Eu tentei, mas já era tarde.” “Não era essa minha intenção.” Procuramos minimizar, encolher nossa falha. Não estrague sua confissão dizendo: “Senhor, se pequei… Mas foi ela que me provocou…” Falando assim, a confissão perde o valor e a esperança de restauração praticamente desaparece. A confissão esmaga nosso ego. É o reconhecimento de nossa pequenez, da nossa fragilidade, de que somos realmente humanos. Diga: “Olha só, Senhor, estraguei tudo! A culpa foi minha. Quero começar de novo.”
Para ilustrar, imagine o seguinte: suponha que seu pai um dia o tenha flagrado fazendo algo errado, como jogar uma pedra no carro. Dizer: “Sinto muito, papai”, na verdade não é confissão. Se você disser: “Por favor, papai, me perdoe”, também não há confissão. Você só terá confessado de fato quando disser: “Eu joguei a pedra no carro. Eu errei.”
Pedir perdão é uma coisa, confessar é outra. Para as duas coisas precisamos de humildade, mas para confessar precisamos subjugar nosso eu, nosso orgulho, nossa autossuficiência, nossa imagem de super-homem ou supermulher. A confissão tem que ser específica.
Se você, no fim do dia, perceber que mentiu, não diga: “Senhor, perdoa meus pecados.” Seja específico: “Senhor, não falei a verdade sobre o professor Fernando.” “Deixei de ajudar o Paulo.” O pródigo tomou a atitude correta: “Eu me porei a caminho e voltarei para meu pai, e lhe direi…” (Lc 15:18).
Experimentemos hoje esse processo purificador da graça de Deus por meio da confissão.

 

 

Comente