Ouça agora:

Música
Rádio Rádio
Categoria: Lições da Bíblia

A lei como nosso “vigilante”


Paulo apresentou duas conclusões básicas sobre a lei: (1) a lei não anula nem revoga a promessa de Deus feita a Abraão (Gl 3:15-20); (2) a lei não se opõe à promessa (Gl 3:21, 22). Qual papel a lei realmente desempenha, então? Paulo escreveu que ela foi acrescentada “por causa das transgressões” (Gl 3:19). Ele se aprofundou nessa ideia usando três diferentes palavras ou expressões em relação à lei: sob tutela (v. 23), encerrados (v. 23 ) e tutor (v. 24).

3. Leia Gálatas 3:19-24 com oração e atenção. O que Paulo disse sobre a lei?

A maioria das traduções modernas interpreta os comentários de Paulo sobre a lei em Gálatas 3:19 em termos totalmente negativos. Mas o original grego não é tão unilateral. A palavra grega traduzida como “[estar] sob tutela” (v. 23) significa literalmente “guardar”. Embora possa ser usada no sentido negativo, como “manter em sujeição” ou “vigiar” (2Co 11:32), no Novo Testamento, em geral, ela tem o sentido mais positivo de “guardar” ou “proteger” (Fp 4:7; 1Pe 1:5, NVI). O mesmo é verdade em relação à palavra traduzida como “encerrados” (Gl 3:23). Ela pode ser traduzida como “tornar estéril” (Gn 20:18), “fechar” (Êx 14:3; Js 6:1; Jr 13:19); “pegar” (Lc 5:6, NVI) ou “colocar” (Rm 11:32, NVI). Como esses exemplos mostram, dependendo do contexto, essa palavra pode ter conotações positivas ou negativas.

4. Quais benefícios a lei (moral e cerimonial) ofereceu aos filhos de Israel? Rm 3:1, 2; Dt 7:12-24; Lv 18:20-30

Embora Paulo pudesse falar sobre a lei em termos negativos (Rm 7:6; Gl 2:19), ele também teve muitas coisas positivas a dizer sobre ela (Rm 7:12, 14; 8:3, 4; 13:8). A lei não foi uma espécie de maldição que Deus colocou sobre Israel; ao contrário, foi concebida para ser uma bênção. Embora, em última análise, o sistema sacrifical judaico não pudesse remover o pecado, ele apontava para o Messias prometido que poderia fazer isso. Guiando o comportamento humano, suas leis protegiam Israel de muitos vícios que assolavam outras civilizações antigas. À luz dos comentá- rios positivos de Paulo sobre a lei em outra passagem, seria um equívoco entender seus comentários aqui de maneira completamente negativa.

 

Pense em algo bom que é mal utilizado. Por exemplo, um medicamento criado para tratar uma doença poderia ser usado por algumas pessoas como estimulante. Quais exemplos desse princípio você já viu em sua vida? O fato de que as coisas boas podem ser mal utilizadas pode nos ajudar a entender o que Paulo enfrentou naquela ocasião?

Comente