Clique aqui e Saiba mais
doe agora TV TV
INÉDITO:
  • SEX22:00
REPRISES:
  • DOM18:00
  • SEG01:30
  • SEG10:00
  • SEG23:00
  • QUA15:30
  • SAB12:00

Comente



  • Murilo Maciel em 4 de setembro de 2015 20:29

    Glorificado o Santo Nome de Deus! Parabéns ao Pr Luís Gonçalves, a sua equipe e a TV Novo Tempo. Jo 8:32: E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.



  • Felizardo Camppos. em 7 de setembro de 2015 6:14

    eu quero saber, porque que o Arena agora o tempo é apenas de 30min ?????



  • edival brito em 7 de setembro de 2015 12:07

    Bom dia Pr Luiz Gonçalves, e maravilhoso estuda a bíblia conhecer puramente a verdade durantes os seus programas, Deus seja louvado sempre em nome de Jesus Cristo Amém…



  • HEDINILSON em 8 de setembro de 2015 11:28

    GOSTARIA DE RECEBER O VÍDEO DE ONTEM SEGUNDA FEIRA 7 DE SETEMBRO POR FAVOR,DA PREGAÇÃO



  • celso alberto hermann em 8 de setembro de 2015 17:04

    todos os videos tem sido de exelente proveito obrigado.



  • elizadora em 16 de setembro de 2015 22:29

    como e bom a gente conheçer a verdadeira palavra de deus



  • Ray Azevedo em 16 de setembro de 2015 23:34

    Queria o vídeo ou link do programa “do sábado para o domingo” exibido semana passada.



  • Tãnia em 19 de setembro de 2015 21:22

    amo asistir esse programa



  • Zilma Maria Costa de Oliveira em 23 de setembro de 2015 17:40

    Foi através desses vídeos, e pelo poder do espírito Santo que a palavra de Deus entrou em minha vida!



  • Aparecida em 27 de setembro de 2015 11:59

    Bom dia tentei fazer o pedido da revista mas nao consigo enviar



  • Aparecida em 27 de setembro de 2015 12:01

    Adoro seu programa gostaria muito de saber quais é os dias e horários para poder acompanhar



    • isaquerf em 14 de outubro de 2015 16:45

      Está no topo deste blog.



  • josefa clecia conceiçao em 27 de setembro de 2015 16:41

    boa tarde pastor ,eu gosto muito de assistir seus programas e aprendo muito com os ensinamentos,gostaria que vc mim tirasse uma dúvida ,os irmãos cristãos estão falando que as igrejas vão fechar e não terá mais cultos nas igrejas,e verdade quais são as fontes que afirmam essa cituaçao.obr



  • santina em 28 de setembro de 2015 17:05

    gostei muito do estudo vou continuar a estudar maravilhoso e muito claro estou em amsterdam holanda



  • Lorene Fialho Borges em 29 de setembro de 2015 15:31

    Maravilhas tenho aprendido com a Novo Tempo e com o Pastor Luiz Gonçalves. Graças ao Senhor por ter me revelado tudo que busquei durante a minha vida toda. Amém.



  • perivaldo amorim silva em 4 de outubro de 2015 15:45

    Que Deus possa abencoa o pastor LUIZ Goncalves



  • Fabio jose da Silva em 4 de outubro de 2015 19:20

    arena do futuro representa para mim uma edificação espiritual, em busca de uma verdade pelas palavras da biblia de uma maneira facil e compreensivel de entender e levar as boas novas para nossa edificação e crescimento espiritual.



  • amadeuteixeira torres em 4 de outubro de 2015 20:18

    tudo que o pastor francisca transmite e maravilhoso amen



  • ismair Nunes dos santos em 8 de outubro de 2015 3:09

    Parabéns pastor Luís porque o senhor prega a salvação isso e inédito para o tempo de hoje outros usa horário de TV para pedir dinheiro e vender produtos muitos ate condionam a entrega do dizimo como unica porta para salvação, sabemos que dizimo e uma obrigação de todo aquele que crer mais a bíblia nos ensina que salvação e gratuita pelo morte de Jesus



  • Edleuza Bezerra da luz dantas em 10 de outubro de 2015 12:37

    O senhor é meu pastor e nada me faltara



  • marines em 15 de outubro de 2015 12:50

    gosto muito do seu programa, minha vida espiritual foi transformada, gostaria de saber quais os dias da semana que passa todos os programa?



  • marco antonio campos machado em 15 de outubro de 2015 23:41

    …fantastica explicaçao…basta a quem ouviu aprofundar mais nos estudos…pois o primeiro passo ja foi dado…que Deus continue a iluminar esse teu servo…Pastor Luis….pois foi atraves desse servo de Deus que mudou a minha vida e de minha familia…uma mudança que daria um roteiro cinematografico…como eu gostaria de criar um video contando esse nossa passagem dos mais prufundos abismos do inferno…pra uma vida….tao proxima do paraiso….ame…



  • Ellen Silveira em 16 de outubro de 2015 22:41

    É incrível como uma igreja diga que a igreja Adventista seja uma seita. Eu era assembleiana e aprendi isto e cria nisto. Mas a mão poderosa do Nosso Deus não tem limites, pois foi Ele quem me trouxe para ser adventista e não homem.



  • Ventura Pereira da Silva em 20 de outubro de 2015 21:38

    Temos crescido no conhecimento e na graça de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo,através do programa arena do futuro com o pastor Luiz Gonçalves,está escrito adoração,pastor Ivan Saraiva e´muitos outros que tem abençoado nossas vidas.



  • Salvatore em 25 de outubro de 2015 15:10

    A/C dos “pastores”

    As dores do protestantismo

    O território é pantanoso, o caminho minado, mas para espalhar a verdade o risco é o mínimo comparado às inúmeras almas que serão salvas para Deus. Vejam bem, que o próprio Deus, senhor de tudo, escolheu o território do inimigo para enviar seu Filho para vencer o mal. O texto não é meu, mas vale a pena usá-lo, porque a intenção é a mais nobre de todas, quando se trata de dar o testemunho daqueles que um dia pertenceram ao território pantanoso, cheios de perigos, enganos, ciladas, meias verdades, etc…etc. Caberá aos que lerem o texto tomarem a decisão da escolha: o caminho estreito da verdade ou o espaçoso, repletos de mentiras, doutrinas falsas, que levarão à morte. O fenômeno que está ocorrendo é irreversível, consciente e contundente, porque vai abalar e ruir a estrutura estabelecida pela inconsistente Reforma Protestante.

    Os fatos
    “Foi algo que os protestantes não esperavam. Para eles impossível mais para Deus possível. “Jesus olhou para eles e disse: Aos homens isto é impossível, mas a Deus tudo é possível” (Mt 19,26). Trata-se da volta e conversão de muitos Protestantes para o catolicismo, fato notável que tem ocorrido nos Estados Unidos, berço do neoprotestantismo.
    “Estas conversões aumentam a cada dia, e estão sendo irreversíveis com a passagem do tempo. São conversões de pastores, ministros e leigos, para a Igreja Católica. Sim, antes eles eram fortes pilares do Protestantismo e promotores do anticatolicismo, que agora, voltam à Igreja de Cristo! E com os seus testemunhos atraem como uma avalanche, muitos outros protestantes de todos os continentes.”[2]
    Das mais diversas denominações e comunidades eclesiais, luteranos, calvinistas, anglicanos, presbiterianos, testemunhas de Jeová, adventistas, assembleianos, batistas, congregacionais e de varias outras Igrejas.
    Dentre os nomes está: Scott Hann, Paul Thigpen, Marcus Grodi, Steve Wood, Bop Sungenis, Julie Swenson, Dave Amstrong, David B. Currie, Tom Howard, Peter Kreeft, Douglas Bogart. Cada um deles em tempos diferentes e com os meios diferentes, mas todos em comum, unidos agora na Igreja Católica. (Efésios 4, 4-5). Tudo isto também dar-se através de uma solida apologética que desde os anos de 1970 vem dando fortes frutos nós EUA.
    Estudaram teologia protestante, livros de exegese bíblica, os escritos dos Pais da Igreja e Cristianismo primitivo, a Patrística em fim. E eles ficaram “surpreendidos com a Verdade”. Vários deles eram professores de teologia, escritores, pastores e estudiosos. Começaram a estudar os alicerces da fé católica muitas vezes como forma de se munir contra o próprio catolicismo e foram pegos de surpresa pela verdade que as doutrinas do catolicismo são legitimas, com as praticas da Igreja em seus primórdios como exemplo os sacramentos, a utilização de ícones, a veneração aos santos e a Maria.
    Descobriram a sucessão apostólica base e confiança de apostolicidade da Igreja Católica; recordam a entrega da Igreja pelos apóstolos aos seus sucessores (discípulos), Bispos que tiveram outros bispos o sucedendo, que o mesmo Pedro exerceu seu episcopado em Roma, e junto com Paulo fundaram a Comunidade cristã em Roma. Começam a refletir sobre a sola escriptura da Reforma, tendo em mente que fora a Igreja católica em seus concílios que sistematizou o cânon bíblico, com os livros que deveriam ser aceitos ou não no Novo testamento.
    Eles andaram em várias estradas percorreram muitos caminhos até chegar à cátedra Romana. Agora estão em comunhão com o Papa dando testemunho em rádios, revistas e televisão no mundo inteiro. Escreveram livros, gravaram cassetes, mantém páginas e sítios na Internet. Desenvolvem apostolados apologéticos em vários países E por meio deles há um forte movimento de protestantes voltando a Casa do Pai. “Coluna e sustentáculo da verdade” (I Tm 3,15).
    Vejam o perfil de alguns deles:
    1) Scott Hann. ex-pastor presbiteriano e ex-professor de teologia protestante.
    Era um anticatólico dos mais radicais de sua época. O seu excelente conhecimento como pastor e teólogo protestante e o testemunho de conversão para a Igreja católica faz deste servo de Deus um fascinante defensor da verdade. Milhares de protestantes e centenas de pastores voltaram ao Catolicismo vendo o testemunho deste ex-pastor.
    2) Paul Thigpen. ex- editor e escritor de várias revistas protestantes.
    Foi educado em uma Igreja presbiteriana do sul. Levou a sério, os estudos religiosos na Universidade de Yale. Foi Pastor e missionário na Europa, depois passou para a Igreja Batista, Metodista, Igreja Anglicana e depois para uma Igreja Pentecostal. Finalmente fez estudos para obter doutorado em História da Teologia que o facilitou ao caminho para a Igreja Católica.
    3) Marcus Grodi ex-ministro protestante formado em Teologia e Bíblia.
    Fez os estudos de teologia no seminário protestante Gordon-Conwell em Boston, Massachussetts.
    Marcus afirma: “Eu só quis ser um bom pastor”, mas um dia perguntou-se a si mesmo: “Eu estou ensinando a verdade ou o erro? Como eu posso estar seguro se em outras igrejas a mesma leitura Bíblica tem várias interpretações diferentes?”.
    Estudou história da Igreja e soube através da Bíblia que não poderia continuar a ser um protestante. Concluiu que a verdade absoluta só se encontrava na Igreja católica. “Sou mais completo na Igreja dos Apóstolos”, disse ele.
    4) Steve Wood. ex-diretor de um Instituto Bíblico na Flórida
    Ex-pastor da Igreja evangélica “O Calvário”. Fazia os estudos em um Instituto das Igrejas Assembléias de Deus trabalhando em projetos de evangelismo juvenil; era líder de ministérios evangélicos na prisão; organizou um Instituto de estudos bíblicos para adultos e depois fez pós-graduação estudando no famoso seminário evangélico de teologia Gordon-Conwell em Massachusetts.
    Um dia quando orava, Deus lhe falou: “Agora ou nunca”. Com a sua conversão ao Catolicismo ele perderia tudo. Perderia o trabalho como pastor e não poderia sustentar a família. “Eu tinha estudado 20 anos para ser um ministro protestante e Deus me falou: Faça, agora!… E eu fiz isto”.
    5) Bop Sungenis. ex-professor de Bíblia em uma Rádio evangélica.
    Escreveu um livro contra a Igreja católica: “Recompensas no Céu?” Onde criticou os Católicos por acreditar na importância das obras. Ele quis demonstrar que os ensinamentos Católicos eram falsos e que para salvar-se, bastaria somente a fé. Estudou no “Collegue Bíblico de Washington” e depois se especializou no “George Washington University”.
    Bop diz: Agora como Católico eu tenho a paz. Isso vem como consolação de viver na verdade. Agora eu entrei no exército de Cristo nesta grande batalha para a salvação das almas. Ajudarei meus irmãos protestantes a aprender que a Igreja católica não só é a verdadeira Igreja, mas a casa onde todos nós pertencemos.
    6) Duglas Bogart. Ex-missionário evangélico na Guatemala.
    Meu sonho era ser missionário em minha Igreja evangélica de Phoenix. Porém com o tempo, sem perceber, Deus estava me guiando para sua Igreja. Com muita tranquilidade afirma Douglas: “Eu li muitos livros de teologia, de história, e de testemunhos”. Estudei o Catecismo da Igreja Católica comparando-o com a Bíblia. Eu li os primeiros escritos dos Pais da Igreja e descobri que a igreja primitiva era Católica e não protestante. Terminei de aceitar a verdade e agora eu sou Católico.
    7) David B. Currie. Ex-ministro evangélico do qual muitos o chamavam de “O Mestre em Divindade”.
    Ele nasceu e cresceu como um protestante fundamentalista, seu pai era um pastor. David fez curso de teologia no “Trindade Universidade Internacional” em Deerfield, Illinois. Depois obteve seu “Mestrado em teologia Bíblica” na “Trindade Escola de Divindade Evangélica”.
    O que o levou a ser Católico? Sua resposta se baseia em duas coisas: O estudo da Bíblia o fez descobrir que a Palavra de Deus o guiou para o Catolicismo e o segundo é que a mesma Bíblia mostrou para ele que a Igreja católica é a única Igreja fundada por Cristo.
    8) Alan Stephen Hopes. ex- Pastor e Bispo Anglicano nomeado por João Paulo II
    Pastor Anglicano convertido ao Catolicismo. Foi nomeado bispo auxiliar de Westminster por João Paulo II. Nasceu em Oxford, em 1944. Foi recebido na Igreja Católica em 04 de Dezembro de 1995.
    Depois de dois anos como vigário da paróquia de Nossa Senhora da Vitória, de Kensington, foi nomeado Padre da Paróquia de Nosso Redentor, em Chelsea, tornando-se depois, em 2001, vigário geral da arquidiocese.
    Monsenhor Hopes é um dos pastores Anglicanos que abandonaram a Igreja da Inglaterra depois que a ordenação sacerdotal de mulheres foi aprovada naquela igreja.
    9) Francis Beckwith. Que em 2007 renunciou cargo de Presidente da Sociedade Teológica Evangélica (ETS) que congregava mais de 4 mil pastores nos EUA.
    O que levou este homem a se converter? Beckwith relata que começou sua volta à fé em que cresceu, quando decidiu ler a alguns bispos e teólogos dos primeiros séculos da Igreja. “Em janeiro, por sugestão de um amigo querido, comecei a ler aos Padres da Igreja assim como alguns trabalhos mais sofisticados sobre a justificação em autores católicos. Comecei a convencer-me que a Igreja primitiva é mais católica que protestante e que a visão católica da justificação, corretamente compreendida, é bíblica e historicamente defensável”.
    No dia em 28 de abril do mesmo ano, ele recebeu o sacramento da Confissão. Selando sua volta a Igreja Católica.
    Todos eles são agora verdadeiros Católicos. Eles acharam a abundância da vida cristã e o caminho da verdade na única Igreja fundada por Cristo.
    Rezemos para que este movimento também floreça em nosso país e já vemos no Brasil casos em pequenas proporções como por exemplo, o ex-pastor Assebleiano Sidney Alencar Veiga, também ex-pastor Batista Francisco Almeida de Araújo, a ex-prebiteriana e hoje Irmã Themis, o ex-luterano e pentecostal Alessandro Lima, atualmente apologista católico, e o também ex-luterano Marcos Monteiro Grillo e outros.
    J. DA SILVA, John Lennon. UM GOLPE NO PROTESTANTISMO, A VOLTA DE PROTESTANTES AO SEIO DA IGREJA CATÓLICA, NOS ESTADOS UNIDOS. Apostolado SRC. Disponível em: http://www.apostoladoscr.com.br/2010/07/um-golpe-no-protestantismo-volta-de.html – Acesso em: 6 de Janeiro de 2011.



  • Fabiano Queiroz Melo dos Reis em 25 de outubro de 2015 22:34

    Boa noite pastor! Descobri a verdade junto com minha esposa através de seu DVD a ultima esperança! Que gloria ter saido da ignorancia religiosa. Tenho tentado conseguir outros materiais pelo site mas e email não aceita.De qualquer forma muito obrigado pela luz Deus te abençõe



  • Salvatore em 28 de outubro de 2015 20:24

    Após ver o inferno, atriz alemã desiste da carreira para se tornar eremita
    Uma experiência impressionante mudou radicalmente a vida de Katja Giammona. Saiba o que a fez abandonar as telas de cinema para entrar no silêncio e no escondimento da vida religiosa.

    O novo livro do jornalista Antonio Socci, Avventurieri dell’eterno (Rizzoli, 2015), apresenta aos leitores o incrível testemunho de Katja Giammona, uma história que – assegura o autor – “tocará o fundo de sua alma”.

    A entrevista da ex-atriz foi dada com a permissão específica de seu pai espiritual. Para ela, de fato, “retirada do mundo com toda a sua vaidade”, os contatos com o mundo externo são extremamente reduzidos, quase inexistentes. A disponibilidade para a entrevista foi dada via e-mail e telefone. Benedita – como hoje se chama, na vida religiosa – só concordou em falar porque sabe que “o seu testemunho pode ajudar a muitos”.

    Nascida em Wolfsburg, na Alemanha, a 11 de julho de 1975, em uma família de testemunhas de Jeová, Katja foi ensinada desde a infância a ler a Bíblia e acompanhar os pais em sua caminhada religiosa. Mas, ainda no começo de sua adolescência – graças a uma amiga católica e à ajuda de um pastor protestante –, a jovem sentiu o desejo de levar à perfeição o seu batismo, entrando plenamente na Igreja Católica (o batismo das testemunhas de Jeová, recorda Katja, não é considerado válido pela Igreja, porque não é ministrado em nome da Trindade, mas tão-somente em nome de Jesus).

    Nos anos 90, Katja trabalhou na televisão e no cinema, realizando o sonho de tornar-se uma atriz famosa, seja na Alemanha, seja na Itália. Mas a sua carreira foi definitivamente interrompida porque, como ela mesma explica, “Cristo me queria para si, e que eu vivesse e trabalhasse somente para Ele, e não para fazer carreira para a TV e para o inferno”.

    Em fevereiro de 2002, estando em Berlim para o Festival Internacional de Cinema, aconteceu algo que mudou radicalmente a sua vida. Em visita à casa de alguns amigos, ela caiu num sono profundo, talvez por um desmaio ou pelo cansaço, indo parar em um pequeno quarto escuro. Naquele lugar, ela viu em torno de si muitas chamas que se elevavam do chão e começou a correr desesperadamente, sem achar uma saída.

    Foi uma experiência real e impactante do inferno, a qual, embora tenha durado alguns momentos, pareceu-lhe uma eternidade. Ali, Katja encontrou um demônio disfarçado de jovem, que ria dela, dizendo: “Pode correr, mas daqui você não sai”. Mesmo com o corpo intacto, ela sentia dores de queimaduras, um “sofrimento terrível”, durante o qual ela chegou a pensar que iria morrer:

    Eram sobretudo os pecados contra a castidade que me tinham levado à perdição. (…) O demônio ria do fato de que a minha alma, que procurava o verdadeiro amor, que é Cristo, tinha sido afastada do caminho do seu Reino. Ele me mostrou os rapazes que passaram pela minha vida, ainda que apenas através de uma paquera ou de um pensamento. O nosso bom Senhor Jesus nos ensina, no Evangelho, que é possível pecar só com um olhar ou um pensamento (cf. Mt 5, 28). O ser humano quase sempre se esquece disso.

    Sim, porque não entendemos quão loucamente somos amados por Deus, com um amor infinitamente maior que o de qualquer ser humano. Se considerássemos apenas isso, não poderíamos julgar insignificante ‘um pensamento’. Quem ama é imensamente vulnerável, pode ser ferido pela pessoa que ama, ainda que só por uma palavra ou um pensamento. (…) Alguém que ama você não se sentiria profundamente ferido, sabendo do desejo que você tem por outra pessoa? E nós achamos que não ferimos o Senhor Deus?

    É assim mesmo. Se apenas compreendêssemos quão imensamente somos amados…!

    Também ficou profundamente gravado em sua memória o fato de que:

    Esses homens, meus amigos, que caminhavam nas chamas, permaneciam ali. O demônio me disse que era ele quem tinha me seduzido através deles. Tinham sido usados por ele. Também notei que havia um ou outro que não ficava naquelas chamas. Isso significava que eles não estavam no inferno, talvez tivessem se confessado dos seus pecados. Mas aqueles outros permaneciam ali. Compreendi que eles já estavam no fogo e, depois, foram enviados a mim para atirar-me nas chamas. O demônio usa especialmente aqueles que já estão em pecado mortal para atirar outras almas no abismo.

    A certa altura, através de uma fenda “aberta” no quarto, Katja viu a sua mãe, que sempre se levantava à noite para rezar. O relógio da sala da casa de seus pais marcava três horas da madrugada e ela suplicava inutilmente ajuda à sua mãe, que não podia escutá-la. Desesperada, Katja implorava ardentemente por oração (já que ela “não podia rezar a Deus por si mesma” naquele estado): ” Mamma, prega per me! Ti scongiuro, prega per me! – Mamãe, reza por mim! Eu te imploro, reza por mim!”

    Benedita conta que a sua mãe sempre foi uma alma de muita penitência, tendo feito jejuns e vigílias por sete anos, até que Deus acolhesse a oferta dela pela sua conversão. Ela também lamenta o fato de que tantas pessoas ignorem ou se esqueçam de rezar pela conversão dos pecadores. “O Senhor me revelou – ela afirma – que, quando Ele salva uma alma, não o faz porque essa pessoa é especial, mas por pura misericórdia. Ele se comove com a oração, com os sacrifícios e com as lágrimas daqueles que imploram misericórdia e salvação para uma alma.”

    Enquanto estava no inferno, a mãe de Katja não a escutava, mas, mesmo assim, rezava pela filha, como sempre fazia, com devoção e amor maternal – uma oração que a própria filha recusava, porque, ela conta, “para mim eram orações de fanáticos que, em vez de fazer bem, traziam má sorte”. Presa naquele quarto infernal, todavia, ela entendeu que não ter ninguém para rezar por ela era “uma verdadeira punição”.

    Subitamente, então, ela caiu em si e se encontrou de novo em sua cama, imóvel, pálida, e com os lábios “ligeiramente azulados”. Os seus amigos estavam ali, espantados, enquanto ela tentava em vão pronunciar alguma palavra – experiência típica de quem acorda de um coma, comenta Socci. O que parecia não passar de um pesadelo, porém, fez a vida de Katja mudar totalmente de rumo.

    A experiência do inferno mostrou a Katja a contradição de sua vida: enquanto se dizia católica, a atriz vivia afundada no pecado. Acreditava, pois, que o pecado não era algo tão sério e dava de ombros para a voz da sua consciência: “Eu era uma pecadora que sequer me dava conta da própria condição. Porque o mundo repete a você que pecados não existem”. Mesmo se declarando católica “no papel”, a atriz morava junto com o seu namorado, ignorando a gravidade do seu pecado e considerando o seu sentimento de culpa um “fanatismo” herdado das testemunhas de Jeová. A partir daquela noite, ela sentiu a exigência de uma mudança radical na própria vida: abandonou o seu namorado e fez uma peregrinação a Medjugorje, juntamente com sua mãe, com o propósito sincero de consagrar a sua vida ao serviço do Senhor.

    Entre as várias formas de vida consagrada, Katja sentiu que a sua vocação particular era o deserto. Depois de uma experiência na África, no deserto geográfico, entendeu que o verdadeiro deserto que Deus lhe havia preparado era aquele da alma. À essa altura, ela decidiu aposentar-se, “como Maria Madalena aos pés de Jesus”, abraçando a vida eremítica e tomando para si o novo nome de Benedita.

    Foi assim que Katja abandonou definitivamente sua antiga vida para colocar-se aos pés do Senhor – a exemplo de São Bento, Santo Arsênio e Santo Antão, os quais têm em comum o fato de “terem confiado em Cristo e se entregado completamente a Ele”, sem pretensões, sem procurar títulos, riquezas ou fama, sem fazer muitos projetos e racionamentos, mas vivendo “dia após dia a vontade divina”.

    Sua vocação, Katja explica tê-la aprendido da sua experiência pessoal: a primeira vocação é o batismo, mas, depois, “deve-se estar pronto a deixar tudo e todos, se Cristo chama, como chamou o jovem rico”:

    A mim, depois de sete anos de sacrifício e oração por parte de minha mãe, foi dada a graça de compreender que não basta ser batizada e ser católica ‘no papel’ [para salvar-se]. Descobri que Deus é católico, que a sua Igreja é a nossa querida Mãe, que devemos praticar a fé, que devemos observar os mandamentos e que o inferno existe!

    “Deus nos conhece e conhece a nossa vocação”, ela diz, e isso não é uma “coisa da cabeça ou do próprio gosto, mas algo sobrenatural”. É o Espírito Santo que guia, não a razão ou os cálculos humanos. “Não tenhamos a pretensão de ter que entender tudo de Deus. Não devemos entender, mas amar”.

    Ao fim da entrevista, Benedita lança um apelo: “Aventurar-se com Cristo, acreditem em mim, vale a pena. Abram as portas dos seus corações a Cristo e Ele se revelará a vocês em todo o seu esplendor”.

    Com informações de Aleteia | Por Equipe CNP



  • José Carlos em 29 de outubro de 2015 18:04

    Besta (Fera) do Apocalipse.
    Besta (Fera) do Apocalipse.

    A Besta do século I
    Bem meus irmãos Católicos, esse artigo será dedicado ao assunto que os protestas mais usam contra a Santa Igreja e o Santo Padre, (A Besta do Apocalipse); segundo eles, a Besta do Apocalipse é o Papado, eu não sei de onde eles retiraram essa idéia, porém no momento que se entra no protestantismo é retirado metade do cérebro e a outra metade fica atrofiada porque é proibido pensar dentro do protestantismo, assim eles acreditam em qualquer bobeira protestante. Mas eu mostrarei como é fácil interpretar Biblicamente e historicamente toda a figuração sobre a tal Besta. Vamos começar:
    Em primeiro lugar, devemos entender para qual situação foi prometida a vinda da tal Besta e em que momento ela viria, isso podemos encontrar nos próprios livros Bíblicos, nem preciso citar o velho versículo de (Mateus 24) onde Jesus Cristo profetiza que tudo ocorreria naquela geração, se tudo ocorreria naquela geração a tal Besta também deveria vir naquela geração, hoje eu provarei a todos os hereges protestantes que essa tal Besta veio no (século I).
    No livro de Apocalipse é bem claro que o dragão daria sua força e poder a Besta (fera).
    “4. e prostraram-se diante do Dragão, porque dera seu prestígio à Fera, e prostraram-se igualmente diante da Fera, dizendo: Quem é semelhante à Fera e quem poderá lutar com ela?” (Apocalipse capítulo 12)
    Podemos observar que o dragão (DIABO) deu o seu poder a Besta (fera), mas como ele deu esse poder? Se você perguntar isso a um protestante, ele ira mijar na roupa, mas não saberá te responder, já para um Católico da única Igreja de Jesus Cristo isso é fácil, o dragão só poderia dar esse poder para a Besta em espírito; mas que espírito? Logicamente através do espírito do (anticristo).
    O mesmo autor do Apocalipse escreve em sua primeira carta que o anticristo não é um homem e sim um espírito maligno, ainda mais, ele declara que: (naquele momento o espírito do anticristo já estava em no mundo). Mas que momento é esse? A resposta é simples: (Século I).
    “18. Filhinhos, esta é a última hora. Vós ouvistes dizer que o Anticristo vem. Eis que já há muitos anticristos, por isto conhecemos que é a última hora.” (I João capítulo 2)
    “3. todo espírito que não proclama Jesus esse não é de Deus, mas é o espírito do Anticristo de cuja vinda tendes ouvido, e já está agora no mundo.” (I João capítulo 4)
    Supostamente São Jeronimo afirma que Nero era o Anticristo esperado:
    “Como para o Anticristo, não há dúvida, mas o que ele vai lutar contra a santa aliança… esses eventos foram tipicamente prefigurados sob Antíoco Epifânio, de modo que este rei abominável que perseguiram o povo de Deus prefigura o Anticristo, que está a perseguir o povo de Cristo. E assim há muitos de nosso ponto de vista que pensam que Nero era o anticristo por causa de sua selvageria e depravação“ (São Jerônimo – Comentário sobre Daniel, notas sobre Daniel 11:27-30)
    São João afirma nesses textos que o anticristo era um espírito maligno e que naquele momento já estava no mundo, o mesmo acontece com São Paulo em sua carta aos Tessalonicenses, ele deixa bem claro que o mistério da iniqüidade naquele momento já estava em ação apenas esperando o que lhe detinha, São Paulo escreve essa carta uns (15) anos antes da destruição de Jerusalém e uns (10) anos antes da perseguição Cristã por parte do Imperador CEZAR NERO.
    “6. Agora, sabeis perfeitamente que algo o detém, de modo que ele só se manifestará a seu tempo. 7. Porque o mistério da iniqüidade já está em ação, apenas esperando o desaparecimento daquele que o detém.” (II Tessalonicenses capítulo 2)
    Sobre esse texto, Santo Agostinho diz que o mistério da iniquidade no qual São Paulo se referia, se tratava de Nero:
    “O que significa a declaração, que o mistério da iniquidade já opera?… Alguns supõem que isso seja dito da parte do imperador romano, e, portanto, Paulo não falou em palavras claras, porque ele não teria suportado a acusação de calúnia por ter falado o mal do imperador romano: embora ele sempre esperava que o que tinha dito que seria entendido como aplicação de Nero” (Santo Agostinho, citado por Moisés Stuart, em Apocalipse)
    Bem, por esses textos, podemos afirmar que o anticristo era um espírito maligno e que esse espírito maligno agiu na Besta (fera) segundo ordens de satanás naquele momento em que São João escreveu o Apocalipse, naquela geração como Jesus profetizou. Só falta agora saber quem era essa Besta, vamos observar as suas características e provar que se tratava do Império Romano desde Otávio Augusto até Domiciano, mas você poderá até me perguntar, o por que só é contado o Império Romano desde Otávio Augusto até Domiciano e não os outros Imperadores posteriores? A resposta é Simples; porque São João narra a história de Jerusalém desde o domínio Romano por volta de (63 A.C) até a sua destruição com o Imperador Tito Flavius e o fim daquela dinastia com o irmão de Tito Flavius, o último imperador da dinastia Flavius chamado Domiciano.
    São João começa a narrar os fatos com a tomada de Otávio Augusto volta de (31 A.C), ele fora o primeiro imperador de Roma.
    Obs:
    *Quando Otávio toma o pode em Roma, auto se proclama Augusto que significa Divindade Sagrada.
    “1. Foi-me dada uma vara semelhante a uma vara de agrimensor, e disseram-me: Levanta-te! Mede o templo de Deus e o altar com seus adoradores. 2. O átrio fora do templo, porém, deixa-o de lado e não o meças: foi dado aos gentios, que hão de calcar aos pés a Cidade Santa por quarenta e dois meses.” (Apocalipse capítulo 11)
    Perceberam que São João estava narrando exatamente o inicio da BESTA?
    Vamos ver exatamente as características dessa BESTA e assim provar que se tratava do Império Romano.
    “1. Vi, então, levantar-se do mar uma Fera que tinha dez chifres e sete cabeças; sobre os chifres, dez diademas; e nas suas cabeças, nomes blasfematórios.” (Apocalipse capítulo 13)
    Observem duas características interessantes sobre a BESTA (fera):
    A primeira característica dessa Besta é que ela se levantava do mar, mas que mar era esse? Simples a resposta; se tratava do (mar mediterrâneo), era pelo mar que o Império Romano entrava na cidade de Jerusalém.

    A segunda característica é que ela possuía (10 chifres e 7 cabeças), interessante isso, parece coisa de outro mundo, mas São João estava apenas se referindo aos (10) Imperadores Romanos desde de Otávio proclamado Augusto a Tito Flavius, sendo assim, desses (10) Imperadores apenas (7) obtiveram os seus reinados, ou seja, dos (10) chifres (simbolizam poder) só (7) foram cabeças (simboliza autoridade) do Império Romano. Em Apocalipse (17) diz que desses (7) reis (5) já haviam caído e um estava em atuação, outro (7º) que viria duraria pouco tempo para vir um (8º) REI que era um dos (7) anteriores, assim esse (8º) REI iria para perdição.
    “9. Aqui se requer uma inteligência penetrante. As sete cabeças são sete montanhas sobre as quais se assenta a mulher. 10. São também sete reis: cinco já caíram, um subsiste, o outro ainda não veio; e quando vier, deve permanecer pouco tempo. 11. Quanto à Fera que era e já não é, ela mesma é um oitavo (rei). Todavia, é um dos sete e caminha para a perdição” (Apocalipse capítulo 17)
    Parece difícil de interpretar isso, mas com um pouco de entendimento histórico podemos observar que São João escrevia isso no momento em que (VESPASIANO) era Imperador de Roma, sendo assim, ele ordenar que seu filho Tito Flavius (aquele sétimo Rei que viria depois e duraria pouco tempo) destruísse o Templo e a cidade de Jerusalém, mas vamos entender isso dentro da história.
    1º) São João diz: Existiam (10) reis, mas só (7) obtiveram reinados, entre a dinastia JULIUS e a dinastia FLAVIUS existiram (3) Imperadores (GALBA, OTON E VITÉLIO), tais Imperadores não obtiveram autoridade em Roma porque não tiveram um ano de reinado, sendo assim, os (3) imperadores não foram cabeças do Império Romano, na verdade eles perderam seu poder em uma guerra civil dentro de Roma que durou um ano (Entre os reinados de Nero e Vespasiano)
    2º) São João diz: (5) reis já tinham caído, (ele se referia ao fim da dinastia JULIUS) que foi de Otávio Augusto e terminou no reinado de CEZAR NERO.
    3º) São João diz: Um rei ainda estava em ação, (ele se referia ao inicio da dinastia FLAVIUS) com o Imperador VESPASIANO, no qual teria derrubado os 3 Imperadores que não receberam os seus reinados, GALBA, OTON E VITÉLIO.
    4º) São João cita: Um rei que deveria vir, mas que ao receber o seu reinado (duraria pouco tempo), ele se referia a TITO Flavius filho de VESPASIANO e que foi comandante na destruição do Templo, esse Imperador chamado TITO FLAVIUS durou apenas (2) anos em seu reinado, das (7) cabeças ele foi o que durou menos.
    5º) São João diz: Quando cair o (7º) rei viria o (8º) que era um dos (7) anteriores, mas caminhava para perdição, porque era a Besta que já não existia; ele se referia a (Domiciano), esse imperador era conhecido como um novo CEZAR NERO no qual também proclamou uma perseguição aos Cristãos, sendo assim, os Cristãos julgavam ele como sendo um novo Nero, mas São João diz que ele (caminhava para perdição), isso porque ele seria o fim da dinastia FLAVIUS e o fim da Besta do Apocalipse após a destruição do Templo, Domiciano foi assassinado sem deixar herdeiros.

    Estão ai os (10) chifres e as (7) cabeças, o (8º) REI e a chamada BESTA DO APOCALIPSE.
    Ainda têm algumas particularidades sobre essa BESTA (fera); por exemplo:
    São João diz: “vi uma Besta que dava seu poder a outra Besta e que essa primeira Besta teria sido curada de morte”.
    “3. Uma das suas cabeças estava como que ferida de morte, mas essa ferida de morte fora curada. E todos, pasmados de admiração, seguiram a Fera 11. Vi, então, outra Fera subir da terra. Tinha dois chifres como um cordeiro, mas falava como um dragão. 12. Ela exercia todo o poder da primeira Fera, sob a vigilância desta, e fez com que a terra e os seus habitantes adorassem a primeira Fera cuja ferida de morte havia sido curada” (Apocalipse capítulo 13)
    Bem, essa BESTA (fera) se tratava de (Caio Calígula), o terceiro rei, por um tempo ele ficou enfermo e do nada ele se curou quando todos davam como certa a sua morte, fatos narrados por Flavio josefo e Euzébio de Cesaréia; a outra Besta (fera) no qual São João se referia se tratava de (Herodes Agrippa), ele recebeu total poder de Caio Calígula para perseguir os Santos Apóstolos, foi assim que São Tiago irmão de São João fora martirizado.
    Outra particularidade sobre a Besta é quando São João cita que a imagem da Besta era adorada.
    “No mês seguinte esse felicíssimo imperador caiu gravemente enfermo, porque tendo deixado sua maneira sóbria de viver A doença, porém, começou a diminuir e a notícia espalhou-se imediatamente, levando a alegria até os extremos da terra Quando souberam que o imperador tinha recobrado completamente a saúde, parecia-lhes ter com ele recobrado a própria e a sua primeira felicidade. Não se tem recordação de alegria mais geral; parecia que se tivesse passado num momento, de uma vida selvagem e rústica a uma vida doce e sociavel, dos desertos para as cidades e da desordem para a ordem, pela felicidade de se estar sob o governo de um chefe tão benévolo e legítimo.” (Flavio Josefo História dos Hebreus Livro único capitulo II)
    Assim Caio Calígula se proclama semi-deus e ordena que coloque a sua imagem em todos os templos.
    “3. Um dos embaixadores alexandrinos era Ápion, que havia caluniado muito os judeus dizendo, entre outras coisas, que viam com maus olhos o honrar a César, pois enquanto todos os que estavam submetidos à soberania de Roma construíam altares e templos a Caio e em tudo o mais o equiparavam aos deuses, somente os judeus achavam indigno honrá-lo com estátuas e jurar por seu nome.” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesaréia livro capítulo II livro V)
    “2. Extraordinariamente caprichoso era o caráter de Caio para com todos, mas muito especialmente contra a raça judia, à qual tinha um ódio implacável. Nas cidades, começando por Alexandria, apoderou-se das sinagogas e encheu-as de imagens e estátuas com sua própria figura (pois ele que permitia a outros erguê-las, também as erigia por seu próprio poder), e na Cidade Santa o templo, que até então saíra intacto por ser considerado digno de toda inviolabilidade, foi por ele transformado em seu próprio templo, chamando-o: Templo de Caio, Novo Zeus Epifano.” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesaréia livro capítulo II livro VI)
    Para satisfazer as suas alucinações, Caio Calígula (primeira Besta), da o poder a Herodes Agripa I (segunda Besta), Agripa faz guerra aos Santos, e Caio Calígula usa de sua influencia com Agripa para colocar a sua imagem dentro do Templo de Jerusalém, assim se cumpre a profecia de que.
    A segunda Besta fazia com que a primeira Besta fosse adorada através de sua imagem.
    “Caio, cognominado Calígula, sucedeu a Tibério e pôs Agripa em liberdade, deu-lhe ainda a tetrarquia de Filipe, que havia falecido, e o fez rei” (Flavio Josefo História dos Hebreus capítulo XVI, livro II A Guerra dos Judeus , parágrafo 163)
    “14. Seduziu os habitantes da terra com os prodígios que lhe era dado fazer sob a vigilância da Fera, persuadindo-os a fazer uma imagem da Fera que sobrevivera ao golpe da espada.
    15. Foi-lhe dado, também, comunicar espírito à imagem da Fera, de modo que essa imagem se pusesse a falar e fizesse com que fosse morto todo aquele que não se prostrasse diante dela” (Apocalipse capítulo 13)
    Outra grande questão é quando São João cita o nome da Besta dando o numero de (666), ele usou o nome grego de CEZAR NERON, pois ele queria identificar a Besta com um nome de crueldade contra os Cristãos e todos nós sabemos que NERO foi o Imperador mais cruel e em seu reinado ele proclamou um massacre aos Apóstolos e Discípulos, assim que São Paulo e São Pedro foram martirizados.
    Apocalipse 13
    “17. e que ninguém pudesse comprar ou vender, se não fosse marcado com o nome da Fera, ou o número do seu nome. 18. Eis aqui a sabedoria! Quem tiver inteligência, calcule o número da Fera, porque é número de um homem, e esse número é seiscentos e sessenta e seis” (Apocalipse capítulo 13)
    Importante ainda observar que o designando pelo número (666), João queria insinuar a fragilidade e caducidade de tal perseguidor, ou perseguidores em geral da Igreja, pois no simbolismo antigo dos números, (6) é símbolo de precariedade, visto que equivale a (7) símbolo da perfeição menos 1.
    Conclui-se: Kaiser Neron em grego, NVRN RSQ em hebraico:
    N V R N R S Q
    50 + 6 + 200 + 50 + 200 + 60 + 100 = 666

    Bem, não temos mais dúvidas sobre isso ok.
    Para saber mais sobre a crueldade de CEZAR NERO entre no artigo:
    Perseguição Cristã e os Martírios em Roma e na Ásia.
    Outra particularidade é quando São João cita que um anjo derruba uma taça sobre o trono da BESTA; Isso ocorreu quando o mesmo CEZAR NERO colocou fogo em ROMA e após ter total rejeição colocou a culpa nos Cristãos que lá viviam, caso de São Pedro e São Paulo fundadores da Santa Igreja Católica única de Jesus Cristo.
    “10. O quinto derramou a sua taça sobre o trono da Fera. Seu reino se escureceu e seus súditos mordiam a língua de dor” (Apocalipse capítulo 16)
    As consequências desse fato e da taça jogada no trono da Besta, foi a conspiração contra NERO, o seu assassinato tempos depois e uma grande guerra civil dentro Roma com a duração de um ano. Fatos narrados por Flavio Josefo.
    “Não era somente a Judéia que experimentava os males que causa uma guerra civil; a mesma Itália também os sentia ao mesmo tempo. Galba fora morto no centro de Roma, e Otom, declarado seu sucessor; mas as legiões da Alemanha escolhem Vitélio para a mesma honra e este disputa o império. Seus exércitos travam um combate perto de Bebriaque, na Gália Cisalpina. No primeiro dia o de Otom levou vantagem, mas no dia seguinte o de Vitélio, comandado por Valente e por Cesina, saiu vitorioso e destruiu um grande numero de inimigos. Otom ficou tão assustado que se matou em Bruxelas, depois de ter reinado somente três meses e dois dias. Os que tinham seguido seu partido entregaram-se a Vitélio, que já tomava o caminho de Roma, com seu exército.” (Flavio Josefo História dos Hebreus capítulo XXXIII, livro IV A Guerra dos Judeus, parágrafo 350)
    A última particularidade é sobre o oitavo REI, São João diz que ele era um dos (7) anteriores, subia do abismo e caminhava para perdição.
    “11. Quanto à Fera que era e já não é, ela mesma é um oitavo (rei). Todavia, é um dos sete e caminha para a perdição.” (Apocalipse capítulo 17)
    Lógico que isso é uma metáfora, pois um Cristão de verdade não acredita em reencarnação e muito menos que alguém possa voltar do inferno, sendo assim, o autor do Apocalipse ser referia a uma lenda que ser criou depois da morte de CEZAR NERO, alguns acreditavam que CEZAR NERO voltaria para governar Roma com toda a sua crueldade; quando os Cristãos viram (Domiciano) entrando no poder com a mesma crueldade de CEZAR NERO, eles começaram a acreditar que a tal lenda tinha se cumprindo, por isso São João cita no Apocalipse que o oitavo REI era um dos (7), pois circulava entre as comunidades Cristãs da épocas que Dominicano era o próprio CEZAR NERO. Euzébio de Cesaréia diz isso em seu livro.
    “Domiciano deu provas de uma grande crueldade para com muitos, dando morte sem julgamento razoável a não pequeno número de patrícios e de homens ilustres, e castigando com o desterro fora das fronteiras e confisco de bens a outras inúmeras personalidades sem causa alguma. Terminou por constituir a si mesmo sucessor de Nero na animosidade e guerra contra Deus. Efetivamente ele foi o segundo a promover a perseguição contra nós, apesar de que seu pai Vespasiano nada de mal planejou contra nós.” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesaréia parágrafo I, capítulo XVII, livro III)
    A suposta lenda de que Nero iria voltar foi registrada por Tácito cronista e historiador Romano que viveu no I século:
    “Após o suicídio de Nero, nas províncias orientais foi estabelecida a crença de que, na realidade, não estava morto e que em qualquer momento poderia voltar. Esta crença estendeu-se ata tornar-se autêntica lenda popular” (A vida dos doze césares; Vida de Nero; Tácito Histórias II; Dião Cássio, História Romana LXVI 19)
    O mesmo diz Santo Agostinho em: (Agostinho de Hipona, Cidade de Deus XX 19-3)
    Santo Agostinho, também afirma que o mistério da iniquidade, no qual São Paulo dizia que já operava naquele momento, se tratava de CEZAR NERO, do mesmo modo, São Jerônimo afirma que no ponto de vista deles (Padres da Igreja), o Anticristo, era CEZAR NERO.
    “O que significa a declaração, que o mistério da iniqüidade já opera?… Alguns supõem que isso seja dito da parte do imperador romano, e, portanto, Paulo não falou em palavras claras, porque ele não teria suportado a acusação de calúnia por ter falado o mal do imperador romano: embora ele sempre esperava que o que tinha dito que seria entendido como aplicação de Nero” (Santo Agostinho, citado por Moisés Stuart, em Apocalipse)
    “Como para o Anticristo, não há dúvida, mas o que ele vai lutar contra a santa aliança… esses eventos foram tipicamente prefigurados sob Antíoco Epifânio, de modo que este rei abominável que perseguiram o povo de Deus prefigura o Anticristo, que está a perseguir o povo de Cristo. E assim há muitos de nosso ponto de vista que pensam que Nero era o anticristo por causa de sua selvageria e depravação” (São Jerônimo – Comentário sobre Daniel, notas sobre Daniel 11:27-30, – Baker Book House Grand Rapids, Michigan, 1958)
    Não podemos nos esquecer que São João diz que o oitavo REI caminhava para perdição, mas por que ele diz isso? Simples; Domiciano era o último membro da Dinastia Falvius, seu pai Vespasiano e seu Irmão Tito Flavius não se encontravam mais entre os vivos, sendo assim, Domiciano era o único que mantinha a dinastia viva, mas ele morreu assassinado por uma conspiração de sua própria esposa, seu único filho não sobreviveu; assim ele levou toda a dinastia Flavius para perdição e era o fim da Besta do Apocalipse, em seu lugar o senado de Roma colocou Nerva como imperador, Nerva que não fazia parte da família Flavius.
    “Depois de Domiciano imperar quinze anos e de sucedê-lo Nerva no governo, o senado romano decidiu por votação que se anulassem as honras de Domiciano e que regressassem a suas casas os que haviam sido expulsos injustamente, e que ao mesmo tempo recuperassem seus bens. Isto é referido pelos que transmitiram por escrito os acontecimentos daquele tempo” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesaréia parágrafo VIII, capítulo XX, livro III)
    Impressionante como tudo se cumpriu perfeitamente como Jesus Cristo profetizou e São João revelou no Apocalipse, pena que os protestantes não acreditam em Jesus Cristo e nem nas Escrituras Sagradas.
    “34. Em verdade vos declaro: não passará esta geração antes que tudo isto aconteça” (Mateus capítulo 4)
    Autor: Cris Macabeus.
    Referencias bibliográficas:
    Bíblia versão dos Monges de Maredsous (Bélgica) editora Ave Maria.
    História Eclesiástica de Euzébio de Cesaréia século IV.
    História dos Hebreus de Flavio Josefo século I.

    No século XIX surgiu uma topêra ou anta do Apocalipse que caluniou o Papa da Santa Igreja Católica e disseminou entre seus discípulos o engano de suas alucinações. Quem tiver inteligência calcule seu número:
    E L L E N G O U L D W H I T E
    50 50 5 50 500 5+5 1 = 666



  • Gildo em 30 de outubro de 2015 12:55

    Uma benção



  • Salvatore em 30 de outubro de 2015 20:22

    A/C do público em geral

    No Brasil de hoje tão carente de valores e da verdade faz-se necessário um choque na sua “espinha dorsal” para que uma nova conduta de procedimento e pensamento tome conta de cada um de seus filhos. Vejam o que ocorre na política permeada de escândalos, corrupção e tantas mazelas mais. As mazelas não poderia deixar de existir também, na religião que deveria ter no seu âmago, antes de tudo, a mais pura verdade onde a comunhão de doutrinas afluísse para um mesmo pensamento. Mas, não é isso que ocorre porque as denominadas seitas preferem a discordância, impondo suas opiniões particulares em vez de estudarem a ortodoxia para proclamarem a verdade.
    É preciso que os fiéis estudem e aprendam o cristianismo pela base e digam NÂO aos que, a todo custo, se aventuram a ensinarem aquilo que é notoriamente discordante das Sagradas Escrituras. Conclamo, aqui, todos que vierem a ler esse opúsculo, que chequem o relatado aqui com a referências mencionadas abaixo; e posteriormente confrontem suas pesquisas com os “estudos” pessoais desses pastores sectários. Notadamente verão que as acusações feitas ao Papa e a Igreja Católica não se fundamentam nem nas mais distantes das alegorias. Portanto, eu concluo, que pesquisem, aprendam e enxotem toda alegoria perniciosa referente à Santa Igreja Católica Apostólica Romana. Somente dessa maneira é que os fiéis se libertarão das amarras do inimigo de Cristo e de Sua Igreja.

    Besta (Fera) do Apocalipse.

    A Besta do século I
    Bem meus irmãos Católicos, esse artigo será dedicado ao assunto que os protestas mais usam contra a Santa Igreja e o Santo Padre, (A Besta do Apocalipse); segundo eles, a Besta do Apocalipse é o Papado, eu não sei de onde eles retiraram essa idéia, porém no momento que se entra no protestantismo é retirado metade do cérebro e a outra metade fica atrofiada porque é proibido pensar dentro do protestantismo, assim eles acreditam em qualquer bobeira protestante. Mas eu mostrarei como é fácil interpretar Biblicamente e historicamente toda a figuração sobre a tal Besta. Vamos começar:
    Em primeiro lugar, devemos entender para qual situação foi prometida a vinda da tal Besta e em que momento ela viria, isso podemos encontrar nos próprios livros Bíblicos, nem preciso citar o velho versículo de (Mateus 24) onde Jesus Cristo profetiza que tudo ocorreria naquela geração, se tudo ocorreria naquela geração a tal Besta também deveria vir naquela geração, hoje eu provarei a todos os hereges protestantes que essa tal Besta veio no (século I).
    No livro de Apocalipse é bem claro que o dragão daria sua força e poder a Besta (fera).
    “4. e prostraram-se diante do Dragão, porque dera seu prestígio à Fera, e prostraram-se igualmente diante da Fera, dizendo: Quem é semelhante à Fera e quem poderá lutar com ela?” (Apocalipse capítulo 12)
    Podemos observar que o dragão (DIABO) deu o seu poder a Besta (fera), mas como ele deu esse poder? Se você perguntar isso a um protestante, ele ira mijar na roupa, mas não saberá te responder, já para um Católico da única Igreja de Jesus Cristo isso é fácil, o dragão só poderia dar esse poder para a Besta em espírito; mas que espírito? Logicamente através do espírito do (anticristo).
    O mesmo autor do Apocalipse escreve em sua primeira carta que o anticristo não é um homem e sim um espírito maligno, ainda mais, ele declara que: (naquele momento o espírito do anticristo já estava em no mundo). Mas que momento é esse? A resposta é simples: (Século I).
    “18. Filhinhos, esta é a última hora. Vós ouvistes dizer que o Anticristo vem. Eis que já há muitos anticristos, por isto conhecemos que é a última hora.” (I João capítulo 2)
    “3. todo espírito que não proclama Jesus esse não é de Deus, mas é o espírito do Anticristo de cuja vinda tendes ouvido, e já está agora no mundo.” (I João capítulo 4)
    Supostamente São Jeronimo afirma que Nero era o Anticristo esperado:
    “Como para o Anticristo, não há dúvida, mas o que ele vai lutar contra a santa aliança… esses eventos foram tipicamente prefigurados sob Antíoco Epifânio, de modo que este rei abominável que perseguiram o povo de Deus prefigura o Anticristo, que está a perseguir o povo de Cristo. E assim há muitos de nosso ponto de vista que pensam que Nero era o anticristo por causa de sua selvageria e depravação“ (São Jerônimo – Comentário sobre Daniel, notas sobre Daniel 11:27-30)
    São João afirma nesses textos que o anticristo era um espírito maligno e que naquele momento já estava no mundo, o mesmo acontece com São Paulo em sua carta aos Tessalonicenses, ele deixa bem claro que o mistério da iniqüidade naquele momento já estava em ação apenas esperando o que lhe detinha, São Paulo escreve essa carta uns (15) anos antes da destruição de Jerusalém e uns (10) anos antes da perseguição Cristã por parte do Imperador CEZAR NERO.
    “6. Agora, sabeis perfeitamente que algo o detém, de modo que ele só se manifestará a seu tempo. 7. Porque o mistério da iniqüidade já está em ação, apenas esperando o desaparecimento daquele que o detém.” (II Tessalonicenses capítulo 2)
    Sobre esse texto, Santo Agostinho diz que o mistério da iniquidade no qual São Paulo se referia, se tratava de Nero:
    “O que significa a declaração, que o mistério da iniquidade já opera?… Alguns supõem que isso seja dito da parte do imperador romano, e, portanto, Paulo não falou em palavras claras, porque ele não teria suportado a acusação de calúnia por ter falado o mal do imperador romano: embora ele sempre esperava que o que tinha dito que seria entendido como aplicação de Nero” (Santo Agostinho, citado por Moisés Stuart, em Apocalipse)
    Bem, por esses textos, podemos afirmar que o anticristo era um espírito maligno e que esse espírito maligno agiu na Besta (fera) segundo ordens de satanás naquele momento em que São João escreveu o Apocalipse, naquela geração como Jesus profetizou. Só falta agora saber quem era essa Besta, vamos observar as suas características e provar que se tratava do Império Romano desde Otávio Augusto até Domiciano, mas você poderá até me perguntar, o por que só é contado o Império Romano desde Otávio Augusto até Domiciano e não os outros Imperadores posteriores? A resposta é Simples; porque São João narra a história de Jerusalém desde o domínio Romano por volta de (63 A.C) até a sua destruição com o Imperador Tito Flavius e o fim daquela dinastia com o irmão de Tito Flavius, o último imperador da dinastia Flavius chamado Domiciano.
    São João começa a narrar os fatos com a tomada de Otávio Augusto volta de (31 A.C), ele fora o primeiro imperador de Roma.
    Obs:
    *Quando Otávio toma o pode em Roma, auto se proclama Augusto que significa Divindade Sagrada.
    “1. Foi-me dada uma vara semelhante a uma vara de agrimensor, e disseram-me: Levanta-te! Mede o templo de Deus e o altar com seus adoradores. 2. O átrio fora do templo, porém, deixa-o de lado e não o meças: foi dado aos gentios, que hão de calcar aos pés a Cidade Santa por quarenta e dois meses.” (Apocalipse capítulo 11)
    Perceberam que São João estava narrando exatamente o inicio da BESTA?
    Vamos ver exatamente as características dessa BESTA e assim provar que se tratava do Império Romano.
    “1. Vi, então, levantar-se do mar uma Fera que tinha dez chifres e sete cabeças; sobre os chifres, dez diademas; e nas suas cabeças, nomes blasfematórios.” (Apocalipse capítulo 13)
    Observem duas características interessantes sobre a BESTA (fera):
    A primeira característica dessa Besta é que ela se levantava do mar, mas que mar era esse? Simples a resposta; se tratava do (mar mediterrâneo), era pelo mar que o Império Romano entrava na cidade de Jerusalém.

    A segunda característica é que ela possuía (10 chifres e 7 cabeças), interessante isso, parece coisa de outro mundo, mas São João estava apenas se referindo aos (10) Imperadores Romanos desde de Otávio proclamado Augusto a Tito Flavius, sendo assim, desses (10) Imperadores apenas (7) obtiveram os seus reinados, ou seja, dos (10) chifres (simbolizam poder) só (7) foram cabeças (simboliza autoridade) do Império Romano. Em Apocalipse (17) diz que desses (7) reis (5) já haviam caído e um estava em atuação, outro (7º) que viria duraria pouco tempo para vir um (8º) REI que era um dos (7) anteriores, assim esse (8º) REI iria para perdição.
    “9. Aqui se requer uma inteligência penetrante. As sete cabeças são sete montanhas sobre as quais se assenta a mulher. 10. São também sete reis: cinco já caíram, um subsiste, o outro ainda não veio; e quando vier, deve permanecer pouco tempo. 11. Quanto à Fera que era e já não é, ela mesma é um oitavo (rei). Todavia, é um dos sete e caminha para a perdição” (Apocalipse capítulo 17)
    Parece difícil de interpretar isso, mas com um pouco de entendimento histórico podemos observar que São João escrevia isso no momento em que (VESPASIANO) era Imperador de Roma, sendo assim, ele ordenar que seu filho Tito Flavius (aquele sétimo Rei que viria depois e duraria pouco tempo) destruísse o Templo e a cidade de Jerusalém, mas vamos entender isso dentro da história.
    1º) São João diz: Existiam (10) reis, mas só (7) obtiveram reinados, entre a dinastia JULIUS e a dinastia FLAVIUS existiram (3) Imperadores (GALBA, OTON E VITÉLIO), tais Imperadores não obtiveram autoridade em Roma porque não tiveram um ano de reinado, sendo assim, os (3) imperadores não foram cabeças do Império Romano, na verdade eles perderam seu poder em uma guerra civil dentro de Roma que durou um ano (Entre os reinados de Nero e Vespasiano)
    2º) São João diz: (5) reis já tinham caído, (ele se referia ao fim da dinastia JULIUS) que foi de Otávio Augusto e terminou no reinado de CEZAR NERO.
    3º) São João diz: Um rei ainda estava em ação, (ele se referia ao inicio da dinastia FLAVIUS) com o Imperador VESPASIANO, no qual teria derrubado os 3 Imperadores que não receberam os seus reinados, GALBA, OTON E VITÉLIO.
    4º) São João cita: Um rei que deveria vir, mas que ao receber o seu reinado (duraria pouco tempo), ele se referia a TITO Flavius filho de VESPASIANO e que foi comandante na destruição do Templo, esse Imperador chamado TITO FLAVIUS durou apenas (2) anos em seu reinado, das (7) cabeças ele foi o que durou menos.
    5º) São João diz: Quando cair o (7º) rei viria o (8º) que era um dos (7) anteriores, mas caminhava para perdição, porque era a Besta que já não existia; ele se referia a (Domiciano), esse imperador era conhecido como um novo CEZAR NERO no qual também proclamou uma perseguição aos Cristãos, sendo assim, os Cristãos julgavam ele como sendo um novo Nero, mas São João diz que ele (caminhava para perdição), isso porque ele seria o fim da dinastia FLAVIUS e o fim da Besta do Apocalipse após a destruição do Templo, Domiciano foi assassinado sem deixar herdeiros.

    Neste Quadro abaixo estão os 10 chifre – as 7 cabeças – o 8º Rei – e a Besta do Apocalipse.

    Primeira Dinastia : Dinastia dos Julius e Claudius
    1º – Otávio Augusto (31 a. C – 14 d. C ) …… → Caiu
    2º – Tibério ( 14 d.C – 37 d. C ) ………………… → Caiu
    3º – Calícula ( 37 d. C – 41 d. C ) ……………… → Caiu
    4º – Claudio ( 41 d.C – 54 d.C ) ……………… → Caiu
    5º – Nero ( 54 d.C – 68 d.C ) ………………….. →Caiu é o 666

    Transição entre Diastia Julius e Dinastia Flavius
    Galba ( 68 d.C. – 69d.C ……. → Não Obteve Reinado
    Oto ( 69 d.C ) ……. → Não Obteve Reinado
    Vitélio ( 69 d.C) …… → Não Obteve Reinado

    Segunda Dinastia dos Flávius e Antoninus
    6o Vespaziano ( 69d.C – 79d.C ) ………….→ O rei que ainda está no Poder
    7o Tito ( 79d.C – 81 d. C ) ……………………→ O rei que duraria pouco
    8o Dominiciano ( 81 d.C – 96 d.C) ……….→ A Besta que seria um dos 7 Reis

    Estão ai os (10) chifres e as (7) cabeças, o (8º) REI e a chamada BESTA DO APOCALIPSE.
    Ainda têm algumas particularidades sobre essa BESTA (fera); por exemplo:
    São João diz: “vi uma Besta que dava seu poder a outra Besta e que essa primeira Besta teria sido curada de morte”.
    “3. Uma das suas cabeças estava como que ferida de morte, mas essa ferida de morte fora curada. E todos, pasmados de admiração, seguiram a Fera 11. Vi, então, outra Fera subir da terra. Tinha dois chifres como um cordeiro, mas falava como um dragão. 12. Ela exercia todo o poder da primeira Fera, sob a vigilância desta, e fez com que a terra e os seus habitantes adorassem a primeira Fera cuja ferida de morte havia sido curada” (Apocalipse capítulo 13)
    Bem, essa BESTA (fera) se tratava de (Caio Calígula), o terceiro rei, por um tempo ele ficou enfermo e do nada ele se curou quando todos davam como certa a sua morte, fatos narrados por Flavio josefo e Euzébio de Cesaréia; a outra Besta (fera) no qual São João se referia se tratava de (Herodes Agrippa), ele recebeu total poder de Caio Calígula para perseguir os Santos Apóstolos, foi assim que São Tiago irmão de São João fora martirizado.
    Outra particularidade sobre a Besta é quando São João cita que a imagem da Besta era adorada.
    “No mês seguinte esse felicíssimo imperador caiu gravemente enfermo, porque tendo deixado sua maneira sóbria de viver A doença, porém, começou a diminuir e a notícia espalhou-se imediatamente, levando a alegria até os extremos da terra Quando souberam que o imperador tinha recobrado completamente a saúde, parecia-lhes ter com ele recobrado a própria e a sua primeira felicidade. Não se tem recordação de alegria mais geral; parecia que se tivesse passado num momento, de uma vida selvagem e rústica a uma vida doce e sociavel, dos desertos para as cidades e da desordem para a ordem, pela felicidade de se estar sob o governo de um chefe tão benévolo e legítimo.” (Flavio Josefo História dos Hebreus Livro único capitulo II)
    Assim Caio Calígula se proclama semi-deus e ordena que coloque a sua imagem em todos os templos.
    “3. Um dos embaixadores alexandrinos era Ápion, que havia caluniado muito os judeus dizendo, entre outras coisas, que viam com maus olhos o honrar a César, pois enquanto todos os que estavam submetidos à soberania de Roma construíam altares e templos a Caio e em tudo o mais o equiparavam aos deuses, somente os judeus achavam indigno honrá-lo com estátuas e jurar por seu nome.” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesaréia livro capítulo II livro V)
    “2. Extraordinariamente caprichoso era o caráter de Caio para com todos, mas muito especialmente contra a raça judia, à qual tinha um ódio implacável. Nas cidades, começando por Alexandria, apoderou-se das sinagogas e encheu-as de imagens e estátuas com sua própria figura (pois ele que permitia a outros erguê-las, também as erigia por seu próprio poder), e na Cidade Santa o templo, que até então saíra intacto por ser considerado digno de toda inviolabilidade, foi por ele transformado em seu próprio templo, chamando-o: Templo de Caio, Novo Zeus Epifano.” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesaréia livro capítulo II livro VI)
    Para satisfazer as suas alucinações, Caio Calígula (primeira Besta), da o poder a Herodes Agripa I (segunda Besta), Agripa faz guerra aos Santos, e Caio Calígula usa de sua influencia com Agripa para colocar a sua imagem dentro do Templo de Jerusalém, assim se cumpre a profecia de que.
    A segunda Besta fazia com que a primeira Besta fosse adorada através de sua imagem.
    “Caio, cognominado Calígula, sucedeu a Tibério e pôs Agripa em liberdade, deu-lhe ainda a tetrarquia de Filipe, que havia falecido, e o fez rei” (Flavio Josefo História dos Hebreus capítulo XVI, livro II A Guerra dos Judeus , parágrafo 163)
    “14. Seduziu os habitantes da terra com os prodígios que lhe era dado fazer sob a vigilância da Fera, persuadindo-os a fazer uma imagem da Fera que sobrevivera ao golpe da espada.
    15. Foi-lhe dado, também, comunicar espírito à imagem da Fera, de modo que essa imagem se pusesse a falar e fizesse com que fosse morto todo aquele que não se prostrasse diante dela” (Apocalipse capítulo 13)
    Outra grande questão é quando São João cita o nome da Besta dando o numero de (666), ele usou o nome grego de CEZAR NERON, pois ele queria identificar a Besta com um nome de crueldade contra os Cristãos e todos nós sabemos que NERO foi o Imperador mais cruel e em seu reinado ele proclamou um massacre aos Apóstolos e Discípulos, assim que São Paulo e São Pedro foram martirizados.
    Apocalipse 13
    “17. e que ninguém pudesse comprar ou vender, se não fosse marcado com o nome da Fera, ou o número do seu nome. 18. Eis aqui a sabedoria! Quem tiver inteligência, calcule o número da Fera, porque é número de um homem, e esse número é seiscentos e sessenta e seis” (Apocalipse capítulo 13)
    Importante ainda observar que o designando pelo número (666), João queria insinuar a fragilidade e caducidade de tal perseguidor, ou perseguidores em geral da Igreja, pois no simbolismo antigo dos números, (6) é símbolo de precariedade, visto que equivale a (7) símbolo da perfeição menos 1.
    Conclui-se: Kaiser Neron em grego, NVRN RSQ em hebraico:
    N V R N R S Q
    50 + 6 + 200 + 50 + 200 + 60 + 100 = 666

    NERO CESAR
    q 100 qor Importante ainda observar que o designado pelo
    s 60 Samekh número 666, João queria insinuar a fragilidade e
    r 200 Res caducidade de tal perseguidor, ou perseguidores
    n 50 nun em geral da Igreja, pois no simbolismo antigo dos
    r 200 Res números , 6 é símbolo de precariedade, visto que
    w 6 waw equivale a 7 (símbolo da perfeição) menos 1.
    n 50 nun Conclui-se que : Cezar Nero em português=Kaiser
    Soma 666 Neron em grego= NVRN RSQ em hebraico.

    Bem, não temos mais dúvidas sobre isso ok.
    Para saber mais sobre a crueldade de CEZAR NERO entre no artigo:
    Perseguição Cristã e os Martírios em Roma e na Ásia.
    Outra particularidade é quando São João cita que um anjo derruba uma taça sobre o trono da BESTA; Isso ocorreu quando o mesmo CEZAR NERO colocou fogo em ROMA e após ter total rejeição colocou a culpa nos Cristãos que lá viviam, caso de São Pedro e São Paulo fundadores da Santa Igreja Católica única de Jesus Cristo.
    “10. O quinto derramou a sua taça sobre o trono da Fera. Seu reino se escureceu e seus súditos mordiam a língua de dor” (Apocalipse capítulo 16)
    As consequências desse fato e da taça jogada no trono da Besta, foi a conspiração contra NERO, o seu assassinato tempos depois e uma grande guerra civil dentro Roma com a duração de um ano. Fatos narrados por Flavio Josefo.
    “Não era somente a Judéia que experimentava os males que causa uma guerra civil; a mesma Itália também os sentia ao mesmo tempo. Galba fora morto no centro de Roma, e Otom, declarado seu sucessor; mas as legiões da Alemanha escolhem Vitélio para a mesma honra e este disputa o império. Seus exércitos travam um combate perto de Bebriaque, na Gália Cisalpina. No primeiro dia o de Otom levou vantagem, mas no dia seguinte o de Vitélio, comandado por Valente e por Cesina, saiu vitorioso e destruiu um grande numero de inimigos. Otom ficou tão assustado que se matou em Bruxelas, depois de ter reinado somente três meses e dois dias. Os que tinham seguido seu partido entregaram-se a Vitélio, que já tomava o caminho de Roma, com seu exército.” (Flavio Josefo História dos Hebreus capítulo XXXIII, livro IV A Guerra dos Judeus, parágrafo 350)
    A última particularidade é sobre o oitavo REI, São João diz que ele era um dos (7) anteriores, subia do abismo e caminhava para perdição.
    “11. Quanto à Fera que era e já não é, ela mesma é um oitavo (rei). Todavia, é um dos sete e caminha para a perdição.” (Apocalipse capítulo 17)
    Lógico que isso é uma metáfora, pois um Cristão de verdade não acredita em reencarnação e muito menos que alguém possa voltar do inferno, sendo assim, o autor do Apocalipse ser referia a uma lenda que ser criou depois da morte de CEZAR NERO, alguns acreditavam que CEZAR NERO voltaria para governar Roma com toda a sua crueldade; quando os Cristãos viram (Domiciano) entrando no poder com a mesma crueldade de CEZAR NERO, eles começaram a acreditar que a tal lenda tinha se cumprindo, por isso São João cita no Apocalipse que o oitavo REI era um dos (7), pois circulava entre as comunidades Cristãs da épocas que Dominicano era o próprio CEZAR NERO. Euzébio de Cesaréia diz isso em seu livro.
    “Domiciano deu provas de uma grande crueldade para com muitos, dando morte sem julgamento razoável a não pequeno número de patrícios e de homens ilustres, e castigando com o desterro fora das fronteiras e confisco de bens a outras inúmeras personalidades sem causa alguma. Terminou por constituir a si mesmo sucessor de Nero na animosidade e guerra contra Deus. Efetivamente ele foi o segundo a promover a perseguição contra nós, apesar de que seu pai Vespasiano nada de mal planejou contra nós.” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesaréia parágrafo I, capítulo XVII, livro III)
    A suposta lenda de que Nero iria voltar foi registrada por Tácito cronista e historiador Romano que viveu no I século:
    “Após o suicídio de Nero, nas províncias orientais foi estabelecida a crença de que, na realidade, não estava morto e que em qualquer momento poderia voltar. Esta crença estendeu-se ata tornar-se autêntica lenda popular” (A vida dos doze césares; Vida de Nero; Tácito Histórias II; Dião Cássio, História Romana LXVI 19)
    O mesmo diz Santo Agostinho em: (Agostinho de Hipona, Cidade de Deus XX 19-3)
    Santo Agostinho, também afirma que o mistério da iniquidade, no qual São Paulo dizia que já operava naquele momento, se tratava de CEZAR NERO, do mesmo modo, São Jerônimo afirma que no ponto de vista deles (Padres da Igreja), o Anticristo, era CEZAR NERO.
    “O que significa a declaração, que o mistério da iniqüidade já opera?… Alguns supõem que isso seja dito da parte do imperador romano, e, portanto, Paulo não falou em palavras claras, porque ele não teria suportado a acusação de calúnia por ter falado o mal do imperador romano: embora ele sempre esperava que o que tinha dito que seria entendido como aplicação de Nero” (Santo Agostinho, citado por Moisés Stuart, em Apocalipse)
    “Como para o Anticristo, não há dúvida, mas o que ele vai lutar contra a santa aliança… esses eventos foram tipicamente prefigurados sob Antíoco Epifânio, de modo que este rei abominável que perseguiram o povo de Deus prefigura o Anticristo, que está a perseguir o povo de Cristo. E assim há muitos de nosso ponto de vista que pensam que Nero era o anticristo por causa de sua selvageria e depravação” (São Jerônimo – Comentário sobre Daniel, notas sobre Daniel 11:27-30, – Baker Book House Grand Rapids, Michigan, 1958)
    Não podemos nos esquecer que São João diz que o oitavo REI caminhava para perdição, mas por que ele diz isso? Simples; Domiciano era o último membro da Dinastia Falvius, seu pai Vespasiano e seu Irmão Tito Flavius não se encontravam mais entre os vivos, sendo assim, Domiciano era o único que mantinha a dinastia viva, mas ele morreu assassinado por uma conspiração de sua própria esposa, seu único filho não sobreviveu; assim ele levou toda a dinastia Flavius para perdição e era o fim da Besta do Apocalipse, em seu lugar o senado de Roma colocou Nerva como imperador, Nerva que não fazia parte da família Flavius.
    “Depois de Domiciano imperar quinze anos e de sucedê-lo Nerva no governo, o senado romano decidiu por votação que se anulassem as honras de Domiciano e que regressassem a suas casas os que haviam sido expulsos injustamente, e que ao mesmo tempo recuperassem seus bens. Isto é referido pelos que transmitiram por escrito os acontecimentos daquele tempo” (História Eclesiástica de Euzébio de Cesaréia parágrafo VIII, capítulo XX, livro III)
    Impressionante como tudo se cumpriu perfeitamente como Jesus Cristo profetizou e São João revelou no Apocalipse, pena que os protestantes não acreditam em Jesus Cristo e nem nas Escrituras Sagradas.
    “34. Em verdade vos declaro: não passará esta geração antes que tudo isto aconteça” (Mateus capítulo 4)
    Autor: Cris Macabeus.

    Referencias bibliográficas:

    1) Bíblia versão dos Monges de Maredsous (Bélgica) editora Ave Maria.
    2) História Eclesiástica de Euzébio de Cesaréia século IV.
    3) História dos Hebreus de Flavio Josefo século I.
    4) Cidade de Deus – Sto Agostinho XX 19-3.
    5) A vida dos doze Cézares; A vida de Nero; Tácito –Historias II; Dião Cassio – História Romana Livro XVI 19.

    Quadro explicativo dos Reis do Apocalipse XVII

    No século XIX surgiu uma topêra ou anta do Apocalipse que caluniou o Papa da Santa Igreja Católica e disseminou entre seus discípulos ADVENTISTAS o engano de suas alucinações. Quem tiver inteligência calcule seu número:
    E L L E N G O U L D W H I T E
    L + L=50+50 U=5; L=50;D=500 W=5+5; I=1
    50 + 50 + 5 + 50+ 500 + 5+5 + 1 = 666



  • rafael em 1 de novembro de 2015 22:03

    amo



  • Arlinda Freitas em 4 de novembro de 2015 1:24

    Jesus nasceu com o pecado original? se não, como Ele sentiu as mesmas aflições que o homem? Me tire esta dúvida.



  • Arlinda Freitas em 4 de novembro de 2015 1:30

    Jesus nasceu com o pecado original? se não, como Ele sentiu as mesmas aflições que o homem? Me tire esta dúvida. Já disse isso, mas não tive resposta.



  • airton douglas brito da costa em 9 de novembro de 2015 17:53

    estamos mais proximo dos ultimos dias, pessoas com pastor luis sao muito importante para nos entendermos o que virar pela frente, obj por mas esse progama pois nada e mais importante do que os ensinamentos biblico. mentes abertas sao mas facil para vencer o inimigo.



  • Salvatore em 13 de novembro de 2015 22:22

    Imortalidade da Alma.

    Assim diz a Bíblia Sagrada:
    I Tessalonicenses 5
    23. O Deus da paz vos conceda santidade perfeita. Que todo o vosso ser, espírito, alma e corpo, seja conservado irrepreensível para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo!
    Um SER VIVO é constituído de: “Corpo, Alma e Espírito”.
    Bem meus irmãos.
    Depois de muitos séculos o protestantismo está trazendo de volta uma das maiores heresias dentro do Cristianismo, heresia essa que já foi derrubada logo nos primeiros Séculos pelos Pais da Santa Igreja Católica Apostólica Romana, apenas mantida pelos Adventistas Judaizantes e os Testemunhas de Jeová (que eu nem sei o que são realmente), essa heresia é baseada na crença chamada “mortalidade da alma” onde acreditasse que uma Alma não possui existência sem um corpo físico, ou seja, a morte do corpo é a morte da alma; Esses são os chamados “hereges mortalistas da Alma”, (querem matar o imortal).
    Na exatidão dessa heresia se ensina que:

    • Uma Alma existe a partir da nascimento do corpo humano.
    • Um corpo vivo é uma Alma Vivente.
    • A morte do corpo físico é a morte da Alma.
    • A Alma só voltará a existir na ressurreição dos mortos junto com o corpo.

    Toda essa heresia é baseada em um único versículo Bíblico totalmente isolado e fora do seu contexto original. O versículo é esse:
    Eclesiastes 9
    5. Com efeito, os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem mais nada; para eles não há mais recompensa, porque sua lembrança está esquecida.
    Então temos que analisar corretamente esse versículo em seu contexto, porém primeiro vamos analisá-lo em seu isolamento protestante. Nesse verso diz:
    Os mortos não sabem mais nada. (O que isso tem a ver com deixar de existir?).
    Para eles não há mais recompensa. (O que isso tem a ver com deixar de existir?).
    Sua lembrança está esquecida. (O que isso tem a ver com deixar de existir?).
    A resposta é simples: NADA A VER.
    Por um acaso se eu fico sem sabedoria eu deixarei de existir?
    Por um acaso uma pessoa que deixa de ser recompensado deixa de existir?
    Por um acaso se eu perder minhas lembranças eu deixarei de existir?
    A reposta novamente é muito simples: Lógico que NÃO.
    Eu posso existir perfeitamente sem sabedoria, sem recompensa e sem lembranças, isso não são atributos para existência humana e muito menos espiritual.
    Agora vamos analisar o contexto todo dessa maravilhosa obra profética, observem que o autor diz que os mortos não sabem mais nada, não há mais recompensa e também suas lembranças serão esquecidas; porém ficam algumas perguntas sobre esse verso.

    • Do que os mortos não sabem?
    • Qual recompensa os mortos não recebem?
    • Que lembrança são esquecidas?

    O próprio texto responde isso a qualquer herege protestante, vou colocar as respostas:
    Eclesiastes 9
    6. Amor, ódio, ciúme, tudo já pereceu; não terão mais parte alguma, para o futuro, no que se faz debaixo do sol.
    10. Tudo que tua mão encontra para fazer, faze-o com todas as tuas faculdades, pois que na região dos mortos, para onde vais, não há mais trabalho, nem ciência, nem inteligência, nem sabedoria.
    Nesses dois versos podemos encontrar as respostas sobre essa heresia protestante, observem o que os mortos não saberão, não terão recompensa e também esquecerão.
    “Amor, ódio, ciúmes, trabalho, ciência, inteligência e sabedoria”.
    É tão simples entender isso, o autor (que empenhou-se apenas nos estudo debaixo do sol) pouco estudou sobre vida espiritual, afirma que depois da morte a Alma na vida espiritual não terá sentimentos carnais e nem desejos materiais; isso não é estudo e sim uma lógica, uma Alma na vida espiritual (Desencarnada) não terá que se casar, ter filhos, trabalhar, estudar entre outras coisas particulares.
    Como diz o livro do Apocalipse, no Reino dos Céus a Alma dos Santos servem a Deus dia e noite.
    Apocalipse 7
    14. Respondi-lhe: Meu Senhor, tu o sabes. E ele me disse: Esses são os sobreviventes da grande tribulação; lavaram as suas vestes e as alvejaram no sangue do Cordeiro.
    15. Por isso, estão diante do trono de Deus e o servem, dia e noite, no seu templo. Aquele que está sentado no trono os abrigará em sua tenda. Já não terão fome, nem sede, nem o sol ou calor algum os abrasará,
    Exatamente isso que o autor de Eclesiastes explica em seu maravilhoso livro, agora eu pergunto:
    De onde os hereges retiraram a idéia de que o autor de Eclesiastes ensina a mortalidade da Alma? Ou um sono eterno até o Juízo?
    Jamais esses hereges irão me responder, até porque o próprio autor do livro de Eclesiastes afirma que depois da morte o corpo físico volta ao pó e a Alma volta a Deus.
    Eclesiastes 12
    7. antes que a poeira retorne à terra para se tornar o que era; e antes que o sopro de vida retorne a Deus que o deu.
    E agora!
    Será mesmo que o autor se enganou em seus últimos textos? Lógico que não, quem se enganou ou fingiu que se enganou foram os próprios protestantes e seus versículos isolados fora do contexto original; até porque se o autor de Eclesiastes pregou a mortalidade da Alma ou o sono eterno, ele estaria contrariando totalmente os outros escritos sagrados, o que faria do livro de Eclesiastes um livro espúrio.
    Vamos passar agora para o (NT), observem que na Nova Aliança acaba de uma vez por todas com qualquer heresia sobre a “Imortalidade da Alma”.
    Vamos começar mostrando Jesus Cristo afirmando que Abraão, Isaque e Jacó então vivos com Deus.
    Lucas 20
    37. Por outra parte, que os mortos hão de ressuscitar é o que Moisés revelou na passagem da sarça ardente (Ex 3,6), chamando ao Senhor: Deus de Abraão, Deus de Isaac, Deus de Jacó .
    38. Ora, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos; porque todos vivem para ele.
    É simples entender esse texto, Jesus Cristo diz que se chama Deus de Abraão porque Abraão está vivo com Deus. (Onde está a mortalidade da Alma?).
    Na famosa parábola do Rico e do Lazaro (Alguns hereges dizem que essa parábola é um conto pagão) podemos observar claramente Jesus Cristo afirmando que após a morte o ímpio irá para um lugar de tormento e o justo para um lugar de paz.
    Lucas 16
    19. Havia um homem rico que se vestia de púrpura e linho finíssimo, e que todos os dias se banqueteava e se regalava.
    20. Havia também um mendigo, por nome Lázaro, todo coberto de chagas, que estava deitado à porta do rico.
    21. Ele avidamente desejava matar a fome com as migalhas que caíam da mesa do rico… Até os cães iam lamber-lhe as chagas.
    22. Ora, aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos ao seio de Abraão. Morreu também o rico e foi sepultado.
    23. E estando ele nos tormentos do inferno, levantou os olhos e viu, ao longe, Abraão e Lázaro no seu seio.
    A parábola é bem clara, não existe mortalidade da Alma na crença Cristã.
    Vamos entrar no Evangelho de São João, colocarei um texto onde Jesus Cristo afirma aos seus discípulos que na casa do Pai (Reino dos Céus) há varias moradas e Jesus Cristo mesmo prepararia uma morada para cada um de seus discípulos.
    João 14
    2. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Não fora assim, e eu vos teria dito; pois vou preparar-vos um lugar.
    3. Depois de ir e vos preparar um lugar, voltarei e tomar-vos-ei comigo, para que, onde eu estou, também vós estejais.
    4. E vós conheceis o caminho para ir aonde vou.
    Imagine Jesus Cristo preparando uma morada para cada um de seus discípulos sendo que ninguém ira habitar em tal morada? Se a Alma deixa de existir para que Jesus Cristo iria preparar tais moradas?
    Porém nesse texto há uma promessa que poucos teólogos percebem, Jesus Cristo afirma que ele mesmo voltaria para levar cada um de seus discípulos com ele (Lógico que seria para habitar nessas moradas), agora eu pergunto: será que ele cumpriu essa promessa?
    O livro de Atos dos Apóstolos responde:
    Atos 7
    55. Mas, cheio do Espírito Santo, Estêvão fitou o céu e viu a glória de Deus e Jesus de pé à direita de Deus:
    56. Eis que vejo, disse ele, os céus abertos e o Filho do Homem, de pé, à direita de Deus.
    59. E apedrejavam Estêvão, que orava e dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito.
    Observem que Jesus Cristo cumpriu sua promessa logo com o primeiro mártir da Nova Aliança, ou seja, ele vem buscar seu discípulo (Santo Estevão) como prometerá em (João 14) e leva-lo para sua morada no Reino dos Céus; lógico que esse mesmo testemunho serviu para que se cumprisse com os demais discípulos. (Onde está a mortalidade da Alma?).
    Assim São Paulo escreve em sua epistola aos Filipenses que seu martírio estava próximo e que não sabia se seria melhor ficar vivo ou ir morar com Jesus Cristo.
    Filipenses 1
    21. Porque para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro.
    22. Mas, se o viver no corpo é útil para o meu trabalho, não sei então o que devo preferir.
    23. Sinto-me pressionado dos dois lados: por uma parte, desejaria desprender-me para estar com Cristo – o que seria imensamente melhor;
    São Paulo foi bem claro em sua afirmação “desprender para ESTAR com Cristo”, ele não falou que um dia estaria com Cristo, ele diz (ESTAR) presente ou naquele momento, ou seja, se ele morresse naquele momento estaria com Cristo naquele momento. (Onde está a mortalidade da Alma?).
    Bem poderia ficar aqui escrevendo a semana inteira usando apenas versículos Bíblicos para provar a “imortalidade da Alma”, mas creio que não seja necessário, porém fica uma pergunta:
    Para quem Jesus Cristo foi pregar depois da crucificação?
    I Pedro 4
    5. Eles darão conta àquele que está pronto para julgar os vivos e os mortos.
    6. Pois para isto foi o Evangelho pregado também aos mortos; para que, embora sejam condenados em sua humanidade de carne, vivam segundo Deus quanto ao espírito.
    (Onde está a mortalidade da Alma?).
    Não vou me dar o luxo de colocar aqui o livro do Apocalipse, até porque o Apocalipse é um tiro no pé dos mortalistas da Alma, mas terminarei a matéria com a famosa “Transfiguração de Jesus Cristo” onde três Apóstolos tiveram a visão celestial do Reino dos Céus e nessa visão observaram Moises e Elias ao lado de Jesus Cristo em volta da sua gloria divina.
    Lucas 9
    27. Em verdade vos digo: dos que aqui se acham, alguns há que não morrerão, até que vejam o Reino de Deus.
    28. Passados uns oitos dias, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, e subiu ao monte para orar.
    29. Enquanto orava, transformou-se o seu rosto e as suas vestes tornaram-se resplandecentes de brancura.
    30. E eis que falavam com ele dois personagens: eram Moisés e Elias,
    Muitos hereges da “mortalidade da Alma” tentam justificar essa passagem dizendo que Moises e Elias não morreram e por isso eles apareceram na transfiguração, tudo bem que Elias não passou pela morte física e terrena (segundo o texto literal), no entanto isso não quer dizer que Elias não desencarnou, pois São Paulo afirma que nem Carne e nem Sangue participam do Reino de Deus.
    I Corintios 15
    50. O que afirmo, irmãos, é que nem a carne nem o sangue podem participar do Reino de Deus; e que a corrupção não participará da incorruptibilidade.
    Por isso meus irmãos o fato de Elias não ter experimentado a morte física não quer dizer que ele não se desencarnou, o mesmo aconteceu com Moises; alguns dizem que Moises não morreu e outros dizem que ele morreu e ressuscitou gloriosamente sendo assunto aos céus.
    Primeiro devemos lembrar que Moises morreu e foi enterrado.
    Deuteronômio 34
    5. E Moisés, o servo do Senhor, morreu ali na terra de Moab, como o Senhor decidira.
    6. E ele o enterrou no vale da terra de Moab, defronte de Bet-Fogor, e ninguém jamais soube o lugar do seu sepulcro.
    7. Moisés tinha cento e vinte anos no momento de sua morte: sua vista não se tinha enfraquecido, e o seu vigor não se tinha abalado.
    E nem Moises e nem Elias participaram de uma ressurreição gloriosa (que é diferente de reanimação corporal fato ocorrido com Lazaro) para estar com algum corpo no Reino de Deus.
    Até porque ao afirmar que Moises ou Elias participaram de uma ressurreição gloriosa antes de Jesus Cristo comete um sacrilégio contra Os Livros Bíblicos que afirma claramente que Jesus Cristo foi o Primeiro a ressuscitar gloriosamente e entrar no Reino de Deus de Corpo (glorioso) e Alma.
    (Lembrando que Corpo material e físico não entrar no Reino de Deus, apenas o Corpo Glorioso no qual Jesus Cristo foi o Primeiro).
    I Corintos 15
    22. Assim como em Adão todos morrem, assim em Cristo todos reviverão.
    23. Cada qual, porém, em sua ordem: como primícias, Cristo; em seguida, os que forem de Cristo, na ocasião de sua vinda.
    Portanto meus irmãos, ninguém recebeu um corpo glorioso antes de Jesus Cristo, Nosso Senhor foi o primeiro, sendo assim era apenas as Almas Imortal de Moises e Elias no momento da transfiguração.
    Eu termino essa matéria usando dois textos Bíblicos que jamais um herege “Mortalista da Alma “ conseguirá explicar, lembrando que para esses hereges uma Alma só possui existência (e vida) com um corpo físico vivo, quando um corpo físico morre a Alma deixa de existir.
    Nós Católicos da única Igreja de Jesus Cristo cremos na “Imortalidade da Alma”; que consiste na crença de que uma Alma possui sua existência independente de um corpo físico, ou seja, é a Alma que da a Vida ao corpo físico e que após a morte física do corpo a Alma se desprende desse mesmo corpo, porém continua a sua existência.
    Observem esses textos:
    I Reis 17
    21. Estendeu-se em seguida sobre o menino por três vezes, invocando de novo o Senhor: Senhor, meu Deus, rogo-vos que a alma deste menino volte a ele.
    22. O Senhor ouviu a oração de Elias: a alma do menino voltou a ele, e ele recuperou a vida.
    Atos 20
    9. Acontece que um moço, chamado Êutico, que estava sentado numa janela, foi tomado de profundo sono, enquanto Paulo ia prolongando seu discurso. Vencido pelo sono, caiu do terceiro andar abaixo, e foi levantado morto.
    10. Paulo desceu, debruçou-se sobre ele, tomou-o nos braços e disse: Não vos perturbeis, porque a sua alma está nele.
    No primeiro caso o Profeta Elias ora para que Deus retome a vida de menino que havia falecido, no caso o Profeta pede para que a Alma desse menino retorne ao seu corpo físico, ou seja, é a Alma que da a vida ao corpo físico, se essa Alma pode voltar ao corpo físico é porque ela saiu (ou deixou) esse corpo, o que contraria a tese de que a morte do corpo físico acaba com a existência da Alma.
    Já no caso de Atos dos Apostolo São Paulo foi bem claro em afirmar que aquele rapaz no qual sofrera um acidente onde todos davam como morto, ainda estava vivo, pois sua Alma ainda estava nele, ou seja, sua morte só se daria no momento em que sua Alma não estivesse mais em seu corpo físico.

    O que acabar totalmente com a Heresia dos “mortalistas da Alma”.

    Aos mortalistas da Alma, a casa caiu.
    Autor: Cris Macabeus.

    Sagrado Coração de Jesus, venha a nós o vosso reino!
    Imaculado Coração de Maria, intercedei por nós!



  • sergio dos santos em 17 de novembro de 2015 16:07

    Gosto de todos os programas da novo tempo mais do arena e muito bom



  • Moacir Amorim em 19 de novembro de 2015 18:37

    Estou profundamente agradecido ao pastor Luiz Gonçalves, por ter me ajudado a encontrar o verdadeiro caminho para DEUS parabéns pastor;que DEUS ilumine grandemente o senhor.



  • Ronaldo da Silva Nunes em 20 de novembro de 2015 16:10

    Olá Pr. Luis Gonçalves, Graça e Paz!

    Pr. Luis Gonçalves, esta série evangelistica que começou dia 15/11/15, está no youtube? Porque não está aqui no site da Novo Tempo?